Acidente com avião do Aeroclube de Piracicaba

By: Author Raul MarinhoPosted on
663Views13

Na noite de 16 de maio, ocorreu um terrível acidente aeronáutico em São Pedro (interior de São Paulo), quando caiu um avião Seneca como quatro ocupantes, um instrutor e três alunos do Aeroclube de Piracicaba. Não se sabe ainda as causas da queda, que estão sob investigação da Aeronáutica. O certo é que este é o pior acidente em número de mortos da instrução aeronáutica nos últimos anos.

Não conhecia as vítimas, o avião, ou o aeroclube, embora tenha voado várias vezes sobre o local do acidente. Lamento pelas perdas humanas, e me solidarizo com os familiares das vítimas. Ocorre que, embora não se saiba o motivo do acidente, uma coisa é certa: pelo menos duas vidas poderiam ter sido salvas, evitando que o voo ocorresse com dois passageiros.

Pelo que conheço dos regulamentos aeronáuticos, não é proibido realizar um voo de instrução com três alunos a bordo (desde que haja um instrutor habilitado, no caso de os alunos não contarem com a habilitação requerida, e que todos estejam com o CCF em dia)*, e isso é até comum em alguns aeroclubes. Mas eu acho uma tremenda falta de inteligência colocar quatro pessoas em um voo de instrução noturna. Voos de instrução são, obviamente, mais perigosos que voos regulares, e se a instrução for à noite, o perigo é maior do que fosse de dia. Sim, é necessário haver instrução noturna, mas para quê arriscar quatro vidas ao invés de duas?

Fica a recomendação para todo aluno em instrução aeronáutica: evitem voar como passageiros em voos de instrução. Primeiro, porque não se aprende nada só olhando outras pessoas pilotando, e se for o caso, então é melhor varar a madrugada no YouTube baixando vídeos de instrução. Depois, porque já basta o risco dos voos que você precisa fazer, não precisa agregar o risco dos voos dos outros. Vão trombetear, falar que “na aviação comercial também se faz isso”, que é “pano preto”, etc. Mas o fato é que, se tivessem seguido essa recomendação na segunda-feira à noite, hoje haveria duas famílias a menos chorando.

– X –

O Gestor de Segurança Operacional Luiz Correa, aviador e profissional habilitado pelo CENIPA e pela ANAC, explica o que são acidentes do tipo CFIT (“Controlled Flight Into Terrain” – Voo controlado contra o solo), uma das prováveis causas do acidente de São Pedro. Vale a pena acessar este post do blog do Luiz, que está no blogroll deste.

*Correção:  Na verdade, eu me equivoquei, e não é permitido realizar um voo de instrução com passageiros a bordo, sejam eles alunos com CCF em dia ou não. Segundo matéria publicada no site da EPTV (retransmissora da TV Globo em Piracicaba), “o Aeroclube de Piracicaba pode receber multa e até ser fechado por causa do acidente com o bimotor Sêneca que matou quatro pessoas na noite da última segunda-feira (16). A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proíbe que em voos de instrução outras pessoas estejam no avião além do instrutor e do aluno.”

13 comments

  1. Arão Zem
    4 anos ago

    Boa tarde ,com certeza foi fazer chek de aproximação e desligou tudo ai cai mesmo, sou de Piracicaba -sp Piloto de avião

  2. Luiz Corrêa
    6 anos ago

    Olá, Raul
    O assunto é polêmico, do ponto de vista da realidade das necessidades do treinamento aeronáutico, que é caro e por isso quem está aprendendo busca qualquer adicional de informação que possa conseguir – e práticas não autorizadas surgem. Acho qté que por boa vontade dos aeroclubes.
    Todavia, Lei é Lei ! Cumpra-se.
    Importante porém é buscar algo bom do triste fato já acontecido, e achar alternativas a essa condição.
    Baratear o custo da instrução aérea: Via Aeroclube de Uberlândia, solicitamos ao Governo do Estado de Minas Gerais a ISENÇÃO DE ICMS do combustível dos aeroclubes. 10 a 20% de barateamento da hora de instrução – segundo nossos cálculos. Foi encaminhada através de um “deputado amigo”.
    A resposta ?
    – Não podemos fazer nada que venha a reduzir a arrecadação do estado !
    Percentual da redução: Menos de um milionésimo de um por cento da arrecadação declarada no ano anterior, se a isenção fosse dada a TODOS os aeroclubes de MG.
    Vamos continuar tentando ?

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      Para que isenção de ICMS, se o país não está precisando de formar pilotos não é mesmo?

      • jeferson
        5 anos ago

        como assim nao precisa mais de pilotos ja estamos tendo um numero bem menor de pilotos quanto precisa-se por isso varios colegas pilotos que conheço inclusive instrutores de voo que nao é nada mais do que um pc que fez um curso de inva e esta ensinando o que quase nao sabe só esta la pra ganhar experiencia e sair fora sem contar que muitos se forman pc e ja pegam de co-piloto ai sim é facil de dar uma M….por que quase sempre todos ja passamos por sustos grandes e quem ainda nao passou se prepare pois mais dia menos dia irá passar mas isso geralmente acontece por que o mercado esta em falta de mao de obra e por isso quem se forma está empregado ai vc fala que o brasil nao precisa formar piloto?????

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          1-Eu falei em tom de ironia;
          2-Seu texto está ininteligível.

          • Frederico Ratte
            5 anos ago

            Estava bastante claro que sua maneira de falar foi em tom
            ironico,a dificuldade e de quem a leu…

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Pois é…Pela forma com que o sujeito redigiu seu comentário, não há dúvidas quanto a isso.

  3. Raul Marinho
    6 anos ago

    Andei pesquisando o assunto com gente mais experiente e capacitada que eu, e parece que o buraco é bem mais embaixo…

    Independente do CCF, essa história de voo de instrução com passageiros é um tanto quanto nebulosa. A conduta adotada, embora não seja expressamente proibida, tampouco é claramente permitida. Vou pesquisar o assunto melhor, e posto aqui se encontrar mais informações.

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      Sobre este assunto, referir-se à correção acrescentada no final do post original, em 20/05 às 13:00h.

  4. Rogerio
    6 anos ago

    Discordo totalmente de voce. Se esse pensamento fosse correto, o voo com outros alunos a bordo seria proibido tambem. Tambem sou piloto e aprendi muito vendo e ouvindo os outros voando, lembre-se que num voo de instruçao nao só se ve as coisas acontecerem, como tambem ouve-se as instruçoes.
    Sao riscos que se correm, infelizmente na vida tragédias acontecem, e essa com certeza nao foi uma irresponsabilidade ao meu ver

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      E um direito seu discordar de mim, mas não afirme que eu disse que o vôo com mais de um aluno e proibido, ou que foi uma irresponsabilidade. Tragédias acontecem, sim, e justamente por isso que eu acho que seria sensato haver 2 pessoas no avião, ao invés de 4.

      • Daniel Fraga
        6 anos ago

        Raul,

        Se as outras duas pessoas estão de “carona” ou aprendendo, porém, sem pilotar. Qual a necessidade das mesmas estarem com o CCF em dia?

        • Raul Marinho
          6 anos ago

          Daniel,

          O problema é que um avião de instrução não poderia transportar passageiros (pessoas “comuns”), em princípio. Por isso seria importante que os tripulantes adicionais do voo de instrução estivessem com o CCF em dia: isso os desqualificaria como passageiros comuns. No caso de uma fiscalização da ANAC, por exemplo, o instrutor teria como provar ao INSPAC que os tripulantes iriam pilotar diferentes trechos da missão. Pelo menos é esta a minha visão, mas não sou expert no assunto. Sua pergunta foi muito boa, vou encaminhá-la a um especialista em segurança de voo para ver se eu não me equivoquei.
          Tks!

Deixe uma resposta