“Nada é tão ruim que não possa piorar” – by ANAC

By: Author Raul MarinhoPosted on
506Views7

(No print screen acima, como a ANAC enxerga os pilotos deste país: uns verdadeiros idiotas!)

 

Em maio deste ano (seis meses atrás, portanto), escrevi um post aqui sobre o “genial programa de bolsas da ANAC”. Lógico que o “genial”, neste caso, era uma ironia, pois o programa fora absurdamente mal concebido. Dentre outros problemas, eu apontei que, para usufruir da bolsa, era preciso mudar de cidade para muita gente, o que trazia um custo que comia boa parte da vantagem de ser bolsista; além do fato de ser um programa que obrigava o participante a demorar muito mais para se formar do que se ele fosse um estudante comum de aviação. Isso tudo porque a bolsa era baseada em convênios com os aeroclubes, o que originava a maior parte de seus problemas.

Fui duramente criticado pelo que escrevi, na maior parte das vezes com comentários mais ou menos assim: “eu fui beneficiado pela bolsa, e estou superfeliz, então você é um idiota de ficar criticando um programa que me foi tão bom!”. Ora… Se você foi beneficiado, meu caro, é de se esperar que você esteja satisfeito. O que eu estou apontando é justamente que o programa foi estruturado de tal forma bucéfala, que pouquíssimas pessoas puderam ser beneficiadas! Prova disto é que sobraram vagas nos concursos, o que é um espanto dado a vantagem financeira que bolsa trazia. Mas vai tentar mostrar o óbvio para quem não quer ver… Fui xingado, ofendido (os comentários impróprios foram cortados) por mostrar a evidente falha na concepção do programa. Na minha opinião, os recursos alocados às bolsas (também meus, a propósito) foram desperdiçados, jogados no lixo só para a ANAC poder falar que estava fomentando a formação aeronáutica brasileira (o que é uma mentira deslavada). Seria muito melhor, por exemplo, investir na área de concessão de licenças, para não atrasar a formação de pilotos em 6 meses, como está acontecendo: isso faria muito mais bem à formação aeronáutica do que essa palhaçada das bolsas. Ou distribuir simuladores para os aeroclubes, quando a ANAC desomologou todos os simuladores de uma vez, e atrapalhou a vida de todo mundo. Ou subsidiar a formação IFR e MLTE, que é onde realmente o bicho pega na instrução aeronáutica. Ou, simplesmente, estruturar um programa centrado no bolsista, não no aeroclube! Enfim, as possibilidades são inúmeras, não precisava investir num programa mal feito como aquele, que para começo de conversa, inviabilizava a participação da maior parte dos interessados, pois não estava disponível nos principais centros urbanos do país.

Mas eis que o tempo passa e, para minha surpresa, até um bolsista, supostamente beneficiado pelo programa, está reclamando! E, adivinhem por quê? Porque, como eu havia falado, o programa foi erroneamente baseado em convênios com aeroclubes, e a vantagem se perdeu nos custos que este bolsista teve em morar fora, e na extensão absurda do prazo de formação, e agora ele se encontra, em suas próprias palavras, “seqüestrado pela ANAC”. Leiam o texto que segue abaixo, de autoria do Sr. Renato Rambo Guardiola, bolsista da ANAC, e tirem suas próprias conclusões. É revoltante!

 

FUI SEQUESTRADO PELA ANAC

Escrevo esse artigo com o intuito de divulgar o grande problema pelo qual estou passando nos últimos seis meses. Primeiro devo explicar que, no dia 18 de abril de 2010 eu prestei um concurso, realizado pela Agência Nacional de Aviação Civil, com o objetivo de concorrer a uma bolsa de estudos com finalidade de “financiar” 75% das horas de voo necessárias para conclusão do curso de Piloto Comercial de Avião / Voo por instrumentos.

Após todos os trâmites, foi autorizado o início dos voos no dia 17 de junho de 2010, através da Portaria ANAC N° 932/SCD. Eu fui aprovado para o Aeroclube de Ponta Grossa, onde comecei a voar por volta do mês de Agosto de 2010. O prazo para que os alunos bolsistas terminassem o curso e realizassem o voo de “check” era o mês de Dezembro de 2010, mas por diversos imprevistos ocorridos na instituição, o prazo foi prorrogado. E assim foi se sucedendo, com diversas prorrogações, devido limitações técnicas do aeroclube (superlotação, falta de aeronaves, etc).

O problema já começou por aí, com a ANAC distribuindo bolsa para um aeroclube que não tinha condições de formar os bolsistas dentro dos prazos estipulados. Somando-se a isso, a ANAC resolveu mudar a regulamentação sobre os simuladores de voo e homologação de aeronaves para voo por instrumento sob capota. Com essa mudança, o Aeroclube de Ponta Grossa foi prejudicado, pois a aeronave que iria ser utilizada para os voos IFR foi desomologada, o que acabou por interromper os voos da bolsa. Por causa disso, fui levando os voos VFR (visual) em passos lentos, até que a ANAC tomasse providências sobre a situação dos bolsistas que foram pegos de surpresa com a mudança da legislação.

Enfim, no dia 19 de julho de 2011, 1 ano depois do começo dos voos pela bolsa, dia que realizei meu último voo até então, eu ainda não tinha checado a licença de Piloto Comercial, e a ANAC se abstinha de fornecer informações precisas sobre minha situação. Mesmo entrando em contato, a ANAC só me orientava a aguardar. O aeroclube ainda tentou homologar o avião para instrumento real (exigência da ANAC), mas o órgão levaria muito tempo para homologar a aeronave, e acabaria ultrapassando novamente o prazo da bolsa, prazo este que não poderia mais ser prorrogado.

Surgiu então a formalização da ideia de me transferir (remanejar) para o Aeroclube do Paraná, localizado em Curitiba, instituição onde ainda há prazo para formar bolsistas, e que possui a infraestrutura necessária para a formação do Piloto Comercial-IFR. O pedido de remanejamento foi formalizado pelo Oficio 81/2011/SCD/RJ-ANAC, protocolo 60800.181478/2011-07, na data de 14 de setembro de 2011. Esse ofício pedia minha pronta concordância com o remanejamento através de uma carta formal, o que foi atendido.

Transcorrido 83 dias, 2 meses e 23 dias, eu ainda continuo a espera da transferência. Minha vida está parada, perdendo chances de emprego, por causa da burocracia da ANAC. A agência sequer entra em contato comigo para dar esclarecimentos, e acaba sobrando para eu correr atrás de informações, senão estaria no escuro total.

Depois de toda essa argumentação, o que eu quero deixar claro é que acabei ficando refém da Agência Nacional de Aviação Civil. Não posso fazer nada além de esperar, pois estou sempre na expectativa de que “amanhã pode sair a transferência”. Continuo dependendo financeiramente dos meus pais, pois não posso procurar emprego devido à espera. Não posso começar uma faculdade também devido à espera. A minha parte do concurso eu cumpri. Compareci ao aeroclube, cumpri as escalas de voo, estava disponível integralmente, etc. Mas a ANAC não cumpriu sua parte, que era a de me formar.

Outra contribuição para minha indignação é que, depois de tudo isso, a bolsa deixou de se tornar uma vantagem, pois o gasto que tive para me manter durante 1 ano e meio em uma cidade que não a de minha origem, sem receber o retorno esperado, acabou suplantando o custo-benefício oferecido inicialmente pela bolsa.

Finalizando, gostaria de pedir ajuda a quem estiver ao alcance. Não sei mais o que fazer. A ANAC só me fez de palhaço até agora. Me sequestrou. Me tomou como refém. Os danos não atingem só o bolso, mas o meu moral. Vejo todos os amigos que começaram comigo empregados, e eu continuo estagnado, com vergonha de falar da minha situação. Isso bolsa nenhuma vai pagar.

Renato Rambo Guardiola

E aí dona ANAC, vai ficar por isso mesmo? O pior é que vai, né…

7 comments

  1. JPN
    6 anos ago

    Olá colegas aeronautas, é com muita angústia e desconforto que venho aqui postar mais um dos descasos da ANAC, chequei o PP no começo do mes passado (12/2011), contudo já se passaram mais de 30 dias.
    Quando enviei meu processo (documentos), imaginei que seria beneficiado pelo sistema SINTAC (sistema online de solicitação de licenças, serviços), ou seja, pensei que seria resolvido esse probleminha de prazos daquele “respeitável” órgão. Portanto, conforme já disse, se passaram mais de 30 dias e até agora naaada. E ainda, dia 05/01/12 tive na escola de aviação onde fiz meus cursos e fui informado que agora seu checador poderá enviar uma FAP online para agilizar o processo e então será liberada uma CHT provisória até a análise final de seu processo, o que possibilitará ao piloto a fazer seus voos e demais cursos seguintes, porém condicionado à analise final do processo.
    Amigos… isso não passa de mais uma das mascaras da ANAC, pois até agora não me liberaram nenhum tipo de CHT provisória e nem informação consegui sobre a tal de CHT provisória. Assim sou mais um nas mãos daquele “ADMIRÁÁÁÁVEL” órgão (ANAC).

    Uma boa sorte à todos nós!!! Abraços.

  2. Renato Guardiola
    6 anos ago

    Amigos, gostaria de avisar a quem acompanhou meu caso, que o meu processo de remanejamento da bolsa saiu da Procuradoria da ANAC e agora vai passar pela assinatura do presidente do Aeroclube do Paraná e do Diretor-Presidente da ANAC. Segundo o responsável pelo processo, lá do RJ, isso não demora pois é tudo feito de forma digitalizada, e não depende da demora dos Correios. Então é 90% de chance que semana que vem me liberem para retomar os voos da bolsa.

    Não acredito que minha reclamação em público tenha surtido efeito. Aceito mais a hipótese de casualidade.

    Após 3 meses, enfim, alguma notícia.

    Agradeço o apoio de todos. Abraço!

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      Parabéns, Renato!

      Depois que tudo for normalizado, volte aqui para informar quanto tempo te custou essa brincadeira, no total.

  3. Andy
    6 anos ago

    Não muito tempo atrás quando os militares administravam os Seracs era possível resolver estes problemas em menos de 30 dias(quando muito), agora é isso: 60 ou mais dias para liberação de Re-cheque e bolsa só dando risada mesmo. Nós realmente somos tratados como idiotas!

  4. Andre
    6 anos ago

    Ao invés de arrumar confusão com processos seletivos e convênios, o governo poderia incentivar a formação abatendo os impostos sobre as escolas de aviação e aeroclubes.

    Imagina para quanto iria a hora de vôo abatendo alguns impostos sobre o combustível e importação de peças…

  5. George
    6 anos ago

    Acredito que a Anac tenha que prestar contas a alguem, entao ela precisa apresentar algo como plano de ação
    para mostrar que esta fazendo algo para resolver tal problema, mas isso se chama tampar o sol com a peneira.
    Ela diz que ta fazendo alguma coisa para resolver mas esta criando outros problemas.
    Talvez a soluçao seja a privatização da Anac.

Deixe uma resposta