O especialista melhora o discurso

By: Author Raul MarinhoPosted on
427Views9

Neste post aqui, eu comento a entrevista do especialista em gestão de riscos Gustavo da Cunha Mello à GloboNews, para falar da mudança na legislação sobre a jornada de trabalho de pilotos.

Agora, a GloboNews o entrevista novamente, em uma matéria sobre o aumento do número de acidentes aeronáuticos verificado em 2011. Fora um deslize pequeno (helicóptero turbo-hélice barato? qual?), e um grande (ANAC colaborando com a instrução aeronáutica? aí também não, né?), a entrevista está bem mais interessante quando toca no assunto da formação aeronáutica. A matéria começa aqui, e depois vem a entrevista propriamente dita, aqui. Vejam, e voltem aqui, que eu vou comentar a entrevista.

.

Depois que eu publiquei o post acima, tentei entrar em contato com o sr. Gustavo duas vezes, via Twitter, mas ele me ignorou. Bem, mas parece que ele andou lendo o meu blog, ou então andou conversando com alguém que pensa mais ou menos igual a mim. Vejamos alguns pontos em que o discurso mudou no que se refere à formação aeronáutica:

“Discussão se faltam pilotos ou se os salários estão baixos”

Bem… Se o especialista ainda não se convenceu totalmente de que essa história de “apagão de pilotos” é uma falácia, agora pelo menos ele admite a dúvida. Já é um começo, sr. Gustavo. Pesquise um pouco mais que o sr vai ver que não há nada disso de “apagão de pilotos”, não.

“Companhias patrocinando a formação de pilotos”, “companhias investindo na formação de pilotos”

Agora sim, sr. Gustavo! É isso mesmo! Aproveite e veja este post aqui, em que eu mostro que a TAM investiu 0,25% do seu faturamento anual em treinamento de pilotos, para o sr ver como as empresas estão investindo pouco em treinamento.

Ah, e eu vi que o sr retuitou um tweet meu, com o banner da campanha pela não aprovação do PL-434. Então, aproveite e repasse esse post aqui prá frente! E, novamente, reafirmo meu convite para o sr explicar seus pontos de vista aqui (defender a ANAC vai ser complicado, mas o sr pode tentar).

9 comments

  1. Fred Mesquita
    6 anos ago

    Raul, na segunda reportagem da GloboNews, na entrevista do especialista Sr. Gustavo, note que grande parte do que se fala são de informações oriundas de sites e Blog de relacionamentos com o mundo aeronáutico. Justamente há a incidência de mais e mais pessoas do meio que começam a dar maior credibilidade aos site de aviação (de terceiros), o que prova que os meios oficiais ainda estão num apagão temporário de informações e que os sites pessoais (os nossos) andam muito à frente da verdade que pode ser dita. Também está havendo uma melhor participação no internauta por aqui. Já é um bom começo.

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      O problema é que a imprensa generalista é analfabeta em aviação, e a especializada tem rabo preso. Então, só sobram os blogs independentes, como o seu e o meu mesmo. Aliás, o número de visitas aqui explodiu nas ultimas semanas: tem dias que tá passando das 5mil pessoas. É por isso que está havendo maior participação dos leitores.

      • Fred Mesquita
        6 anos ago

        E essa maior participação é salutar pois começamos a incomodar aqueles que tem o pensamento retrógado ou escondem a verdade. Vemos nitidamente que hoje mais e mais pessoas procuram a verdade mais absoluta e encontram em nossos Blogs a matéria mais bem falada por pessoas que não tem “rabo preso” com nenhuma empresa ou meio de comunicação.

  2. Fred Mesquita
    6 anos ago

    Raul, há uma correção que deve ser feita na primeira reportagem da GloboNews: o repórter fala algo fora de nexo, no qual se refere às falhas no sistema de prevenção mas essas falhas são por parte da ANAC e do CENIPA e falar que houve um crescimentos nas fiscalizações com consequências nas notificações, um absurdo pois não lembro ter visto nenhuma fiscalização nos aeroportos neste ano de 2011. Todos sabem que fiscalização por parte da ANAC é algo inexistente. Houve sim, muitos erros durante o ano de 2011 que fizeram que o número de acidentes aumentasse mas o principal motivo foi o de termos visto uma aviação totalmente abandonada a ermo, ao que der e vier…

  3. Gustavo Cunha Mello
    6 anos ago

    Poxa, vc foi mais rápido que eu! Nem minha mãe assiste minhas entrevistas, só vc! Muito obrigado. Risos… brincadeira. O helicóptero turbo´hélice foi ridículo ! Deu branco na hora. Eu queria dizer pistonado e saiu turbo helice… ficou horrorozooooo. Estava falando do R22 ou R44 que as seguradoras se negam a segurar, pois cai um por semana (exagerando é claro). Que bom que vc viu e percebeu que tenho muitos pontos em comum com suas idéias. Quanto à ANAC, eu não defendo somente, ao contrário já bati muito (sou de fora do mercado, das seguradoras, então não tenho rabo preso). Ocorre que pelo menos na teoria, em 2010 estimularam e deram bolsas para cursos de pilotos, não foi ? Mais uma vez deixo um forte abraço. Vamos avançando nos debates, estou aprendendo muito! Minhas aulas de gerenciamento de riscos agradecem…. Gustavo Cunha Mello

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      Pois é… É que sua mãe não uma pilota desempregada, e deve ter mais o que fazer… Rssss…

      Mas, Gustavo, não esquenta com o erro do helicóptero turbo-hélice, não (que, na verdade, se fosse o caso, seria turbo-eixo, pois helicóptero não tem hélice), isso é o de menos. Já quanto à ANAC…. Bem, existiu um programa de bolsas em 2010, sim, mas extremamente mal feito, veja isso – na verdade, aquilo só serviu para limpar a barra dela junto à opinião pública, nada mais que isso. Só que, na outra ponto, a ANAC atrasa em mais de 6 meses a formação de um piloto, só com a demora na análise dos cheques; muda as regras no meio do jogo (como foi o caso dos simuladores, em 2010), e muito mais. Hoje, os pilotos não estão só com o rabo preso na ANAC, estão inteiros presos, pois a ANAC não analisa os cheques/recheques de ninguém!

      Legal vc ter respondido a estes posts. Volte sempre!

      Abs,

      Raul

    • Fred Mesquita
      6 anos ago

      Gustavo, também não gostei quando você falou do pássaro que bateu numa turbina no Recife e se referiu de forma vulgar e preconceituosa do Nordeste quando você falou “aeroportozinho de interior”. Posso lhe falar com total certeza de que aqui em Recife já não há mais lixões próximo as cabeceiras do aeroporto dos Guararapes e não há mais grande incidência de pássaros próximo a linha de pouso dos aviões, o que há de aves, são as nativas e casuais da mesma forma que também há muitos pássaros no entorno do aeroporto Tom Jobim, no Rio. E sobre o aumento nos acidentes aéreos está diretamente ligado à falta quase que por completo da fiscalização, controle e nível muito baixo de investimentos com a aviação civil por parte do governo, o que não pode ser é jogar a responsabilidade dos treinamentos dos novos pilotos às companhias aéreas, essa responsabilidade é do governo federal através de seus órgãos ligados diretamente à aviação civil. Quanto as escolas de aviação civil, quando você falou que passaram os últimos 20 anos na penúria, eu lamento em lhe dizer que na época do DAC, muitos pilotos tiveram a oportunidade de fazer cursos patrocinados pelo Ministério da Aeronáutica e você não vai encontrar nenhum piloto daquela época que tenha passado por 50% do que passa hoje um aluno nas condições atuais. Na época do DAC éramos felizes e não sabiamos. Não conheço nenhuma ação nos últimos 2 ano que a ANAC tenha feito em prol das escolas de aviação pelo Brasil. O SESI e o SENAC são escolas patrocinadas pelas empresas mas criadas pelo governo, não sendo o caso do atual e não é responsabilidade direta de uma empresa aérea n formação de novos pilotos e sim como já falei, do Governo Federal, ausente nesse sistema. Na época do DAC existia a EVAER, mantida pela VARIG mas que tinha muita ajuda externa, inclusive do governo. Sobre o incidente com o avi~çao da GOL, o “Brasil” não escondeu o fato. Eu lamento muito sua capacidade como especialista em segurança de voo quando fala de um assunto desse nível tendo que esconder fatos conhecidos pelo meio aéreo e procurando defender quem está errado ou omisso. Trabalhar baseado em postagens de fóruns de aviação civil de terceiros é a prova de tudo isso. As empresas hoje já não mais confiam nos “especialistas” que hoje estão na mídia, por isso é o que alguns fatos estão sendo mascarados. No geral muitos hoje em dia não podem esperar muito de ações imediatas dos fatos que aterrorizam e amedrontam a população usuária de aviação. Com isso todos perdemos. É lamentável o descaso que hoje vejo no meio em que vivemos e trabalhamos. É lamentável mesmo.

  4. Rodrigo
    6 anos ago

    Ola Raul, como vai?
    Tenho lido sempre o seu blog e o acho ótimo, há muito ansiava em encontrar um trabalho como este pois os assuntos aeronáuticos sempre foram elitizados e pouco se sabia sobre os bastidores. Sei bem que voce foca na aviacao geral porem o ponto mais destacado aqui é sobre a aviacao de asa-fixa. Gostaria muito que voce nos oferecesse a sua opiniao sobre a aviacao de asa-rotativa. Dizem que o mercado para helicopteros é um pouco melhor do que para aviao. Nao tenho certeza sobre isso, é apenas especulacoes da qual ouço falar. Na instrucao aeronautica para asa-fixa, apos o PC ou durante o mesmo (nao tenho certeza) existe a opcao sobre o treinamento multimotor, ifr e etc, certo? Queria saber tambem, para helicoptero, se existe algo equivalente a isso? Algumas pessoas que conheci fizeram o caminho padrao PPH/PCH/INVH e estao na instrucao, pilotando R22, sei que existem cursos que voce faz especificamente para uma aeronave, mas nao tenho nocao de valores para investir inicialmente a ponto de me tornar instrutor ou ter um emprego decente com um salario razoavel. Me perdoe por tantas perguntas, mas neste momento somente confio em voce para responde-las, pois sei que o faz imparcialmente. Obrigado, e um abraco!

Deixe uma resposta