“Pano preto” e “PT-BIC”

By: Author Raul MarinhoPosted on
1475Views26

Para quem não conhece, eis aí um legítimo manicaca se preparando para decolar.

Os novatos no mundo da aviação talvez nunca tenha ouvido falar das expressões “pano preto” e “PT-BIC”, típicas do “vocabulário manicaca” – aliás, os não acostumados ao meio aeronáutico talvez não saibam o que significa “manicaca” também: trata-se do “manézão da aviação”, o “barbeiro do ar”, uma expressão pejorativa para pilotos trapalhões. Mas, como dizia a propaganda dos produtos Tabajara, “seus problemas terminaram!”, pois aqui neste post você vai ficar sabendo o que elas significam e, “totalmente de grátis e sem custo”, você leva de brinde um comentário sobre estas expressões!

Hoje em dia, tem gente que usa pano preto até para jogar Flight Simulator!

Pano preto

Dizem que a origem do termo “pano preto” vem do início da implantação dos procedimentos IFR no Brasil. Naquela época, pouquíssimos aviadores possuíam treinamento para voar por instrumentos, e por isso eram muito valorizados no mercado. Então, esses comandantes habilitados IFR estenderiam uma cortina negra no cockpit, entre eles e seus copilotos, para que estes não os vissem realizando os procedimentos IFR, mantendo o voo por instrumentos em segredo. Daí que, até hoje, quando um piloto esconde informações dos outros, diz-se que está “fazendo pano preto”, numa alusão á tal cortina que existiria nos primórdios do ADF-NDB.

Não há confirmação de que esta cortina realmente existiu algum dia, mas o “pano preto” (no sentido figurado) é uma das coisas mais corriqueiras na aviação brasileira. Ainda hoje – e cada vez mais –, quem tem mais informação é mais valorizado, principalmente em termos relativos. O problema desse relativismo é que, no fim das contas, você não precisa ser muito bem informado para se dar bem (o que seria o certo), basta ser mais bem informado que os outros: “Em terra de (piloto) cego, quem tem um olho… É comandante!” Ao invés de estudar e se esforçar para evoluir como profissional (que é a atitude eticamente correta), muita gente acha mais fácil trabalhar para que ninguém seja melhor do que ele. Essa é a estratégia do piloto “pano preto”: apostar na lógica da mediocridade generalizada.

Logo cedo, na instrução primária, você vai encontrar instrutores adeptos do “pano preto”. Basta você dar alguma mostra de que é um sujeito esforçado, que estuda mais do que o exigido no curso, e que tem potencial para ir mais longe, que o “INVA-pano preto” se revela. Ele vai te confundir durante o voo, vai te dar uns esporros sem motivo (só para te desestabilizar), e sempre vai preferir não te corrigir no momento em que você errar, para poder te criticar com mais ênfase no debriefing. Você vai ficar com a sensação de estar desaprendendo, involuindo, mas assim que você fizer um voo com um instrutor legal, você vai descobrir que o errado não era você, mas ele… E isso é só o começo, vá se acostumando: gente desse tipo tem aos montes na aviação, você sempre vai encontrar um “pano preto” onde quer que você esteja.

Infelizmente, você vai se deparar com os “panopretistas” em situações de desvantagem: muitos deles serão seus instrutores, chefes, e comandarão os aviões em que vocês estarão como copilotos. Quando isso acontecer, o melhor a fazer é tentar evitar a convivência, mas como nem sempre isso é possível, finja-se de bobo. Não mostre seu potencial pleno, não deixe o “panopretista” achar que você sabe coisas que ele não saiba (isso é o que mais o irrita), porque quanto mais você se mostrar um bom piloto, mais ele vai te sabotar. Faça o seu trabalho da melhor maneira, mas não entre em confronto – e você será provocado para o embate, pode ter certeza. E tenha paciência, que cedo ou tarde as pessoas perceberão quem é quem de verdade: não se pode enganar todo mundo o tempo todo.

Com a implantação da CIV digital, seria este o futuro do PT-BIC?

PT-BIC

Pelo menos a metade dos pilotos que eu conheço pessoalmente assume já ter voado no PT-BIC pelo menos uma vez; e da outra metade, acho que uns 50%, no mínimo, já voaram esse avião e não assumem. Logo, acho que mais de 75% dos pilotos do Brasil já voaram o PT-BIC, e não ficaria surpreso se, numa contagem mais precisa, esse percentual chegasse a 90%. Mas por que esse avião é tão popular? Simples: porque voar nele não custa nada, nem tempo. Só se gasta tinta de caneta para escrever na CIV que o voo foi realizado. E o melhor: no PT-BIC voa-se em comando, em duplo-comando, em navegação, IFR, em qualquer CLASSE e em todos os TIPOs que existem!

Na realidade, “voar o PT-BIC” significa fraudar a CIV em conluio com o operador da aeronave, anotando voos que nunca existiram para inflar artificialmente a experiência de voo. Por exemplo: eu tenho 300h de voo, e quero entrar numa seleção para uma vaga que exige 500h de experiência mínima. O que fazer numa situação dessas: eu pego o meu amigo dono de avião, e peço para ele assinar a minha CIV como se eu tivesse voado 200h no avião dele. Tem gente que é Mané a ponto de anotar mais de 24h de voo por dia, ou se esquece das limitações do CBA e anota mais horas do que a regulamentação permite. Mas se você tiver um mínimo de cuidado, a falsificação fica perfeita, e ninguém diz que aqueles voos não ocorreram – ou não dizia, pois com a implantação da CIV eletrônica e do Diário de Bordo eletrônico, hoje em dia é muito fácil cruzar dados do piloto, do avião, e do controle de tráfego aéreo, para detectar fraudes. Mas, no tempo do papel a da caneta, esse era o crime perfeito, daí sua popularidade.

“Voar o PT-BIC” é crime de falsidade ideológica, e obviamente também é antiético, mas do jeito que a coisa estava, as pessoas eram praticamente obrigadas a utilizar este artifício. Isso acontecia porque, como a prática era generalizada, os contratantes já contavam que boa parte da experiência de voo mostrada na CIV era falsa, então eles aumentavam a exigência de horas de voo por conta dessa suposição. E, por outro lado, quem fosse honesto seria ultrapassado pelos “pilotos de PT-BIC” que sempre apresentariam mais experiência. Isso fazia com que mais gente aderisse à fraude, o que incentivava cada vez mais gente a fraudar, numa bola de neve que chegou ao ponto em que a esmagadora maioria dos pilotos realizava voos no PT-BIC. Veremos se a recém-implantada informatização maciça dos registros de voo dará conta do recado de erradicar essa praga da aviação. Esperamos que sim.

26 comments

  1. Maurício Oliveira
    3 anos ago

    Muito boa a matéria bem escrita e informativa, só para informação eu ja controlei um avião com a matricula pt bic, ou seja ele realmente existe. Kkkk

  2. Marcelo Rates Quaranta
    3 anos ago

    A QUEM ELES PENSAM QUE ENGANAM?

    Uma das práticas mais nefastas que eu vi na minha vida é a adulteração de horas de vôo, forjando uma experiência inexistente. Alguns jovens pilotos, vendo-se na necessidade de incrementar seus currículos na pressa de uma chance no mercado de trabalho, ou para abreviar a conquista de uma licença superior, lotam as cadernetas com horas de voo que outros fizeram (ou que nem fizeram), muitas vezes em aviões que sequer já voaram. São as famosas “horas de caneta” ou, como são popularmente conhecidas na aviação, horas no PT-BIC (em alusão às canetas da marca BIC).

    Tal prática, em alguns casos, chega a se constituir num comércio criminoso e fraudulento, onde pessoas inescrupulosas vendem as anotações de horas e assinam irregularmente as cadernetas dos pilotos, criando experiências inexistentes.

    Mas a quem esses pilotos que compram ou inventam horas pensam que enganam? O piloto pouco experiente algumas vezes têm dúvidas, se atrapalha com coisas simples, titubeia nas decisões ou as tomam dentro das suas limitações naturais. Isso é normal! A aviação é uma atividade diferenciada justamente porque obedece a uma regra imutável: A experiência só se torna visível pelo amadurecimento profissional.

    Com o tempo as dúvidas vão se dissipando, as avaliações vão ficando mais acertadas e as atitudes mais precisas, pois o acúmulo de experiência real é o que o capacita a isso. O verdadeiro conhecimento é algo demonstrado a cada segundo de voo.

    Quando um piloto demonstra insegurança e toma atitudes incompatíveis com aquilo que declara ter de experiência, a fraude torna-se completamente perceptível. Não adianta dizer que tem mil horas de vôo e agir como quem tem duzentas horas. Seu comportamento fatalmente o denunciará e isso é algo impossível de simular ou fantasiar. Mas a real competência é logicamente observada, reconhecida, avaliada, transformando-se em seriedade, que um aviador responsável ainda necessita trazer ao seu trabalho. Dizem os mais velhos que até de sentar na cabine é possível saber ser o piloto tem ou não experiência.

    Se sob o aspecto legal a adulteração de horas de voo é crime, sob o ponto de vista ético e moral é deplorável. O piloto acaba assumindo uma responsabilidade que muitas vezes não está apto a assumir, agindo de forma irresponsável com o patrão e seus passageiros. Expõe a si próprio, a terceiros e a aeronave a riscos desnecessários, pois dele será cobrado aquilo que está a altura da sua capacidade declarada (ou suposta capacidade).

    Passa a competir desonestamente e de forma suja no mercado de trabalho e tira a oportunidade de quem realmente reúne as condições técnicas para assumir aquele posto.

    O piloto que já começa com uma fraude para mostrar uma experiência que não tem, jamais será comandante e sim um mentiroso irresponsável. COMANDANTE NÃO SE INVENTA… SE FAZ!

  3. Cmte. Cleber
    3 anos ago

    Vixiiii, minha CIV tem 800h…. se eu voei 350h é muito, o resto foi só bic. Hj trabalho para um fazendeiro com um Baron, já voei 200h legalzinho e não me arrependo de nada. Brasil, no país de errados, quem está legalmente certo, está efetivamente errado.
    Por exemplo o Raul, diz que sua CIV está ” virgem” de bic…. fantástico… está desempregado, chorando num blog. A minha está estuprada de BIC e eu estou voando feliz da vida!!!!

      • Marcelo Quaranta
        3 anos ago

        Eu jáli! Vi no Face. Mas foi uma oportunidade muito boa apara mostrar ao público em geral, interessado em aviação, que nós repudiamos esse tipo de coisa. Traz mais credibilidade pra nós!

        Abração Raul!

      • fredfvm
        3 anos ago

        O problema que ninguém quer falar… há dezenas de pilotos que entraram na Comercial através de horas BIC. E estão lá até hoje, voando e ganhando um salário satisfatório. Claro que “Bicar” a CIV é estelionato, mas tem uma meninada que se deu muito bem com a caneta “Piper Mate”, e ninguém vê isso. Essa é a aviação que uma pessoa honesta, que não lança horas BIC vai competir???

        Muitos lançam mão desse atalho nefasto, e se dão bem, estando muito bem empregado. Nunca vi ninguém até hoje atrás das grades porque “Bicou”.

        (não estou incentivando este ato, mas só exemplificando o que acontece ha séculos… e nada, ninguém vê isso ou toma uma atitude).

  4. Otaviano
    5 anos ago

    Aqui em BH, conheci uma turminha de uns 4 moleques.. que arrumaram um borra-calças dono de 2 aviões, que estava de conluio com eles, na época em que eu fiz o meu PP.. Todo mundo enseja engrenar na aviação logo de cara, e quando vi esse pessoal, achei que seria fácil enturmar.. mas foi totalmente o contrário.. 1º, pq falaram na época que pra voar um skylane tinha que ter o CCT de PC/IFR.. pura balela.. eles não eram nem checados..uma vez até ajudei o cidadão, indo numa revoada no interior, e fiquei de 8 as 16 vendendo voo panorâmico, não entrei no avião pra voar, fiquei sem comer, e voltei de busão. –Pura ingenuidade da juventude– então procurei outras formas.. e graças a Deus estou com as carteiras em dia, e conquistei meu espaço com honestidade.. Hoje não sei de 3 deles, mas o que tenho notícias, descobri que, o idiota fez o PC depois de mim, tomou uma porrada de bomba nas provas da anac (pc/ifr), e ainda por cima havia feito o curso de PC 1 ano após eu ter concluído o meu.. Ou seja, acredito que seja o exemplo claro de pano preto o que ocorreu. Depois a pessoa fica se gabando por ser piloto disso ou aquilo.. Não faço parte de panela nenhuma, só conheço as pessoas e simplesmente tracei meu caminho fora da aviação pra chegar até ela.. Ainda não atingi meu objetivo, mas estou no caminho. Aí, vc arranja um bom avião pra voar, e eles crescem o olho..e vem puxar seu saco…

    • Otaviano
      5 anos ago

      ah.. só complementando a parte do PC do desonesto lá.. o curso dele foi feito em 2004, e ele só checou o pc em 2012… e boa parte desse tempo voando como PC… Amigo da gente, somos nós mesmos..

  5. Hiprocrisia
    5 anos ago

    Não podemos ser hipócritas,

    Não podemos julgar os PT-BIC, imagina o rapaz que investiu 100 mil reais para ser piloto de helicóptero, acabou o dinheiro desse cara e ele não tem como arrumar emprego, como ele faz?

    Com certeza ele vai estar mais seguro voando em um táxi aéreo do que voando um r44 sozinho ou dando instrução.

    A caneta BIC pode ser a unica ou a melhor saída para ele.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Ok. Então suponha que vc está doente, e marca uma consulta com um medico que vc supõe ter muitos anos de Medicina – isso é o que ele diz, afinal. Mas, depois de um tempo, vc descobre que aquele medico era recém-formado, e que ele mentiu para vc sobre ter vários anos de experiência. O que vc acharia disso? Que “tudo bem, afinal de contas ele gastou um dinheirão para se formar”? Ou vc se sentiria lesado?

      • Fred Mesquita
        5 anos ago

        Concordo com o Raul Marinho. Não podemos errar em detrimento do erro dos outros. Nunca fui contra a “BICada” mas em muitos casos não justifica tais ações. Em geral usa-se o BIC para tirar as novas habilitações mas a experiência de voo só se adquire voando.

        Também acho que antes do cara gastar 100 mil reais dando um tiro no escuro não é motivo para fazer uso da BIC. O normal, em todo empreendimento que envolva grandes somas de dinheiro é, antes de investir, ver se vai valer a pena o risco do investimento. O Raul sabe bem disso (e pode até ser um tema futuro: Os riscos dos altos investimentosna aviação).

        Vejo que na aviação é um dos poucos lugares onde se entra com uma “venda nos olhos”, um “tiro no escuro” e depois o pessoal fica querendo remediar sua mal escolha através de um erro injustificável.

        Não estou querendo que todos deixem seus “sonhos” de lado mas é um sonho muito caro para ser feito sem um prévio estudo. Sem sombra de dúvidas, só faz isso quem tem pai rico e não se preocupa com o dia de amanhã.

    • Marcelo Rates Quaranta
      3 anos ago

      Será mesmo que a desonestidade é saída para alguma coisa, a não ser para demonstrar ima evidente falta de caráter em querer “criar um atalho” e de competência para se estabelecer de forma limpa no mercado de trabalho?

  6. Bruno Leite
    6 anos ago

    Eu que sou iniciante na aviação estou perplexo (PT-BIC)!!! No entanto levando em conta o país em que vivemos e seu histórico de impunidade, corrupção, desonestidade, …, logo percebi que era de se esperar.

    Quanto aos panopretistas… acreditem: não é só na aviação que isso acontece. Isso é uma característica de pessoas não preparadas psicologicamente (quiçá isso pudesse ser detectado em testes psicotécnicos). Daí nos deparamos com este tipo de gente em qualquer profissão.

  7. Telêmaco Barbosa
    6 anos ago

    Prezado Cmte Raul e amigos do Blog. Por vezes fico imaginando se DEUS o Grandioso Comandante do Universo, resolvesse utilizar um Pano Preto e apagasse a Luz do SOL, com certeza todos os seres pretenciosos seres humanos, estariamos extintos em pouco tempo. No entanto DEUS está explicando a todos nós que a atitude é exatamente ao contrário. Ele espalha LUZ e SABEDORIA espargida em toda sua Criação, com todo amor, com todo afeto e para qualquer ser humano que queira. Então fico pensando que se nos espelhassemos nessa atitude do COMANDANTE >>DEUS…..certamente estariamos todos nos beneficiando mutuamente. Aqueles que prejudicam os companheiros de profissão, certamente NÃO tem conciência e muito menos DEUS dentro de si mesmo.
    Abração a todos.

  8. Fred Mesquita
    6 anos ago

    Em relação ao “Pano Preto” eu sempre soube categoricamente que que é assim não é experiente o bastante para estar voando do lado esquerdo de uma cabine de comando. Está alí porque já passou muitas horas no “puxasaquismo eficiente” e chegou a esse patamar subindo nas costas de outras pessoas. É um sujeito sem caráter e tem medo da concorrência, tudo por causa do medo que reina em seu coração. Vive falando essa máxima: “Não vou criar cobra para um dia me morder” – é um incompetente movido pelo orgulho e vaidade (um mal que habita em muitas pessoas hoje em dia).

    Quanto ao famoso BIC Baron, prefixo PT-BIC eu sempre falo: “Que atire aprimeira pedra quem nunca BICOU…”. Mesmo nos dias de hoje essa prática ainda é muito difundida pois é sabido que em toda região amazônica há muitos pilotos que voam com as carteiras todas vencidas e usam o código de outros pilotos, prática comum onde não há fiscalização nem um controle de tráfego aéreo mais eficiente. Um exemplo bem prático foi o recente acidente de um King Air C90 em Jundiaí, onde o piloto usou o código ANAC de outro piloto e sequer nem passou por uma fiscalização. Afora os vários e-mail que muitos recebem quase que diariamente de pessoas oferecendo a venda de horas de voo. Nada incomum em se tratar do país em que vivemos, onde tudo acaba em pizza e em samba.

    • Raul Marinho
      6 anos ago

      Eu não atiro pedras em ninguém (quem sou eu para julgar colegas?), mas minha CIV está virgem de PT-BIC até agora…

      Quanto ao acidente em Judiai, parece que a bicada teve papel importante no acidente. Segundo me disseram, o piloto não declarou emergência com receio de ser desmascarado, e afirmou à TWR que iria retornar porque o trem de pouso estava em pane, e não recolhia. Aí a TWR não deu prioridade na 1a tentativa de pouso, ele teve que arremeter porque uma outra ACFT já estava alinhada para decolar, e na 2a tentativa ele caiu. Além do quê, ele não pode recolher o trem para que o motivo do retorno ficasse coerente, e isso tbem contribuiu para o acidente.

      Enviado via iPad

      • Alessander Ruscigno
        6 anos ago

        Inclua-me no time do Raul, pois também não tenho e não pretendo ter esse tipo de horas em minha CIV.
        Posso até demorar mais a atingir os pré-requisitos e provavelmente demorarei, mas só assim eu poderei continuar criticando esse tipo de hora, esse tipo de piloto…

        Enviado via Firefox…

      • Vinicius
        6 anos ago

        Fiquei assustado com esses detalhes do acidente em SBJD.
        É fonte segura isso?

        • Raul Marinho
          6 anos ago

          O fato do piloto não possuir a carteira do King e estar utilizando o Cód.ANAC de um 3o, é certeza. Dai para ele não declarar emergência, é uma conclusão óbvia…

          Enviado via iPad

          • Rodrigo (@_aerorodrigo)
            6 anos ago

            Também não possuo voos no PT-BIC e não quero ter. Repudio quem faz este tipo de coisa, além de demonstrar baixo caráter é crime, é não confiar nas próprias habilidades e ter que mentir para conseguir uma melhor colocação!

  9. Juliano Genari
    6 anos ago

    Eu já vi o PR-BIC mas esse é um Piper Malibu Matrix….

  10. Rodrigo (@_aerorodrigo)
    6 anos ago

    Sério que os “panopretisas” estendiam uma cortina no avião? Que absurdo!!!
    Infelizmente o PT-BIC é o avião mais voado no brasil, é lamentável.

Deixe uma resposta