Resposta ao Igor

By: Author Raul MarinhoPosted on
296Views11

Faz tempo que eu não publico um post deste tipo aqui, voltado aos mais jovens que estão cogitando entrar para a aviação. Então, achei interessante responder ao e-mail que recebi do Igor, que segue abaixo, pois ele se enquadra exatamente nesta categoria. Acho que este post poderá servir a bastante gente em situação semelhante, então vamos lá: vou responder/comentar o texto do rapaz na medida em que ele for sendo reproduzido – o texto do Igor segue em azul, e o meu será escrito em vermelho.

Me chamo Igor, tenho 18 anos de idade, e um sonho: Me tornar comandante.

Desde que me entendo por gente sou apaixonado por aviação, e sempre admirei a profissão. Agora chegou a minha vez de decidir o meu futuro, no entanto, tenho certos receios quanto a seguir essa carreira.

Você começou bem: está querendo ingressar na aviação pelos motivos certos (não é do tipo que está atrás de uma boa barganha,  motivado pelo “apagão de pilotos” que volta e meia sai na imprensa), só tome cuidado para que a sua “paixão pela aviação” não o cegue quanto os aspectos práticos da profissão. Quanto a ter receios, isso também é salutar; se você, aos 18 anos, estivesse absolutamente convicto da sua decisão, aí sim seria temerário.

Minha mãe é médica, sendo assim ela quer que eu faça medicina pois todos sabemos que o futuro de um médico é bastante satisfatório em todos os sentidos, e ela se preocupa que como piloto eu não consiga me satisfazer (principalmente financeiramente) e tenha muita dificuldade para enfrentar o mercado de trabalho e as dificuldades que se apresentam até que eu possa conseguir me tornar comandante. Como ela não entende muito do assunto, e nem eu, vim lhe questionar algumas coisas, e se possível, gostaria de saber a sua opinião.

As mães, de uma maneira geral, não costumam ver a aviação com bons olhos: elas acham a profissão meio perigosa demais para seus rebentos. Por isso, não dê muita bola para os receios de mãe, é normal elas desincentivarem a carreira de aviador para seus filhos no início, mas depois elas ficam todas orgulhosas de verem seus filhinhos de uniforme, cheios de berimbelas nos ombros.  

* Devo investir nessa profissão ou é algo muito distante de ser conseguido por uma pessoa e poucos são os que conseguem “chegar lá” ?

A profissão não é para qualquer um. Para começo de conversa, você tem que ter uma saúde perfeita; depois, é necessário ter ótimas habilidades psico-motoras; precisa gostar de estudar, especialmente as matérias de exatas, e ter muita disciplina e dedicação tanto nos estudos, quanto nos voos; é preciso ter estômago forte para engolir os sapos da ANAC; e finalmente, não menos importante, precisa ter condições financeiras para pagar a instrução, que não é barata. E isso, só para se formar! Depois de formado, você precisará ter habilidades de relacionamento interpessoal excelentes para conseguir um emprego (e se manter nele); um bom domínio de inglês para passar na prova de proficiência linguística; se sair bem em dinâmicas de grupo, utilizadas em todas as seleções de companhias aéreas; e conseguir se adaptar ao estilo de vida que a aviação exige, com pouco tempo de convívio familiar e muito tempo em hotéis nem sempre estrelados, acordar às 4:00h todo dia por anos a fio, etc. Fora isso, um piloto enfrenta crises econômicas cíclicas, com demissões em massa (como a que está ocorrendo agora na Gol);  ganha relativamente bem, mas não é uma profissão escalável que permita ficar rico; se voar na aviação executiva, é tratado com um “empregado doméstico de luxo”; se voar na aviação agrícola, corre risco de morrer pendurado num fio de alta tensão todo dia; e se tiver um problema de saúde grave no meio do caminho, será demitido sumariamente, e nunca mais poderá voltar a voar. Se, depois de ler tudo isso, você ainda quiser ser piloto, então meu caro, vá em frente. Se milhares de pessoas conseguiram, você também consegue.   

* Dispondo de dinheiro para investir, devo fazer o curso de Ciências Aeronáuticas ? (no caso, seria na PUC-GO)

Isso é um tema controverso, mas vou dar minha opinião sincera (a que daria para meu filho): se for para fazer o curso de CA da PUC-RS, que é o herdeiro da antiga EVAER (escola da VARIG), eu acho que vale a pena fazer CA – mas, mesmo assim, é preciso avaliar bem se faz sentido pagar a mensalidade cobrada, mudar-se para Porto Alegre, etc. Fora isso, eu acho mais vantajoso fazer uma faculdade “comum”, como Administração, Engenharia, Direito, etc. Primeiro, porque os cursos de CA, à exceção da PUC-RS, são de qualidade discutível (para dizer o mínimo). Depois, porque fazendo um curso “comum”, você constrói uma ponte para um “plano B”, caso a carreira de piloto desande, seja por um problema de saúde, ou por um crise catastrófica no setor (como a que ocorreu quando VASP, Varig e Transbrasil faliram). E no seu caso, pela sua idade e condição social, acho importante possuir curso superior, não só para a profissão de piloto, mas para sua formação pessoal mesmo.

* Recém formado no curso, como é a questão de empregabilidade? Alguma companhia oferece oportunidades de emprego para essas pessoas que acabaram de terminar o curso?

Como recém-formado, sua empregabilidade vai depender do seu “QI” (o “Quem Indica”), ou seja: de haver pessoas dispostas a te indicar para algum emprego na aviação geral (executiva e táxi aéreo). Uma opção mais fácil para quem não tem QI é tornar-se instrutor de voo – que, na realidade, também depende de QI, mas principalmente dos relacionamentos que você faz no aeroclube/escola durante sua formação. Só assim você poderá adquirir a experiência necessária para ingressar na aviação comercial, que é aonde você quer chegar, pelo que entendi. Na aviação comercial também tem boa parte das vagar preenchida com base no QI, mas uma parte cada vez mais importante das vagas é ocupada por pessoas que passaram por um processo seletivo objetivo, sem tanta importância para o QI. Isso é o contexto tradicional da aviação.

O que há de novo é que, há algum tempo atrás entrou uma nova empresa no mercado chamada Azul Linhas Aéreas, que está contratando pilotos recém formados sem experiência, e sem QI. Na Azul, se você tiver as 150h mínimas para obter a carteira de Piloto Comercial, e passar no processo seletivo, você ingressa direto na aviação comercial como copiloto de EMB-190/195 ou de ATR, sem passar pela aviação geral, e sem ninguém precisar te indicar. Mais recentemente, a Azul começou a firmar convênios para formar pilotos de acordo com o que ela requer, como foi o caso do convênio com a PUC-RS no ano passado, e com a EJ na semana passada.    

* Como devo prosseguir com a questão das horas de voo? Devo ter feito no minimo quantas horas para ter mais chances de emprego (Isso ao terminar a faculdade) ?

Para as companhias “tradicionais”, o requisito mínimo é por volta de 500h, à exceção da TAM, que possui um esquema de pontos que você pode entender lendo este post aqui []. E tem o caso da Azul, que te expliquei acima.

* O sonho de verdade, é trabalhar em companhias como AIR FRANCE, FLY EMIRATES, dentre outras. Isso pode estar ao meu alcance?

Para você trabalhar numa companhia americana, é necessário ter Green Card (visto de permanência definitiva); e para trabalhar numa companhia europeia (caso da citada Air France), é necessário possuir cidadania de algum país europeu. Mas para trabalhar para uma companhia africana, chinesa, indiana, ou do Oriente Médio (caso da Emirates), há possibilidade de trabalho para um brasileiro. Para tal, você vai precisar ter as horas e as carteiras que essas companhias exigem (no site delas, elas sempre anunciam as vagas disponíveis), e obviamente ter proficiência em inglês. Isto está ao seu alcance, e tem muitos brasileiros trabalhando no exterior atualmente (estima-se em cerca de 700 pilotos).

Por enquanto é isso, Vou manter contato com o senhor.

“Senhor”, que “senhor”? O tratamento correto é “Vossa Excelência, Magnífico Raul Marinho”. Ou, então, “você”.

Sei que muitas dessas perguntas o senhor já respondeu em seu blog, mas como sou novo nele, não estou totalmente adaptado a usa-lo.

Pois é… Procure sempre pesquisar no blog antes de perguntar. Isso facilita a sua e a minha vida.

11 comments

  1. Rogério Silva
    5 anos ago

    É Raul. Você bem que tentou desmotivar né? Mas não tem jeito não. Parece que quando voei pela primeira vez na TransBrasil, acho que tinha alguma coisa na comida que me infectou com o “virus da aviação”, por que não importa o tanto de acidentes que eu vejo (que ao invés de sentir medo, eu fico tentando achar o erro cometido para não comete-lo quando estiver voando), o que minha mãe fala, o que minha esposa fala… parece que a vontade de ser piloto só aumenta!! Adoro seus posts cara, é uma ajuda e tanto pra ficar por dentro do mundo aeronautico. Forte abraço.

  2. Fred Mesquita
    5 anos ago

    Adorei a terceira resposta, quando o Raul Marinho falou “…se voar na aviação agrícola, corre risco de morrer pendurado num fio de alta tensão todo dia;” – é justo, correto e verdadeiro. Mas a aviação de um modo geral também tem seus prazeres.

    Igor, tenha uma boa sorte na sua nova jornada.

  3. Athos Costa
    5 anos ago

    Essa do green card e nacionalidade européia eu não sabia, terei que caçar uma francesa por ai! kkkkkkkkkkk

  4. Rodrigo (@_aerorodrigo)
    5 anos ago

    Não sabia que para voar na Europa tinha que ter cidadania de algum país de lá. Tenho Dupla nacionalidade Espanhola, será que serve? Como proceder?

    • Eduardo Ruscalleda
      5 anos ago

      Serve sim, meu caro amigo!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Serve. Vc vai precisar convalidar suas carteiras na JAA.

      Enviado via iPad

      • Rodrigo (@_aerorodrigo)
        5 anos ago

        Mas será que a aviação de lá é tão complicada quanto aqui? Em questões de burocracias, empregabilidade, precisa ter QI do mesmo jeito? Onde posso conseguir mais informações?

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Desconheço detalhes do mercado de trabalho para pilotos na Europa, e também não sei onde obter tais informações. Mas, a julgar pelo cenário econômico do continente, acredito que o mercado não esteja favorável neste momento.

          Enviado via iPad

          • Cristiano Aranda Flaminio
            5 anos ago

            A convalidação para JAR é bastante complicada.
            Tenho PCH JAR da Espanha quando morava lá e convalidei para ANAC recentemente, não foi tão complicado.
            Conheci pessoas que foram tirar JAR na Espanha e tem que fazer o curso PC presencial de 9 meses em escola homologada, banca de 13 matérias e só convalidam carteiras se você tiver PLA com IFR, qualquer coisa abaixo disso, tem que tirar denovo lá. E isso não é um país, ou outro. Todos os membros da JAA são assim.
            E como o Raul falou, o momento econômico não está para se ter todo esse trabalho… acreditem aqui, estudem aqui, façam contatos aqui que garanto que o mercado está muito melhor.

  5. Eduardo Ruscalleda
    5 anos ago

    Raul, fiquei tão empolgado com seu texto que não consegui me conter em escrever um comentário antes mesmo de terminar a leitura. rsrsrs
    Perfeito Raul, muito bom! As informações e comentários são muito precisas! Acho que com este tipo de postura esclarecedora você continua ajudando muita gente!
    Eu tenho 36 anos e apenas no ano passado que descobri a profissão! Ainda tenho um longo caminho a percorrer e o salário de piloto foi até um fator importante na minha decisão, mas agora a escolha está mais relacionada a estar em solo querendo estar no ar, a todo momento. Nunca imaginei que uma profissão pudesse mexer tanto com o nosso emocional. Minha esposa é médica e encara a medicina com a mesma paixão que eu estou encarando a aviação. E se puder dar um conselho ao Igor eu digo apenas… Siga seu coração, se informe bastante a respeito das opções que vê em sua frente, mas escolha o que realmente gosta. Sou químico e segui os passos dos meus avós, meu tio e é claro… Meu pai! Não desgosto da profissão e posso dizer que tive sucesso nela, mas hoje não consigo nem trabalhar direito contando os dias para estar em vôo! Salário deixou de ser o principal. É claro que é importante, mas você terá sucesso se se dedicar; e para isso; tem que estar fazendo algo que realmente te dê prazer!
    Desejo que você conquiste seus objetivos e viva seus sonhos!
    Um abraço

    • IGOR
      5 anos ago

      Raul, muito obrigado por a agilidade e dedicação. Espero que VOSSA EXCELÊNCIA continue a ajudar as pessoas que recorrem a você =D. Esclareceu muitas coisas! Obrigado mesmo. Um abraço, Igor.

Deixe uma resposta