Trabalhar como INVA nos EUA: aí sim, é jogo!

By: Author Raul MarinhoPosted on
1086Views40

Eu não sou um grande entusiasta de realizar a formação aeronáutica nos EUA – vide este post aqui. É mais barato voar nos EUA do que no Brasil? É, mas colocando todos os custos relacionados a viagem, estadia, alimentação, transporte, etc., dá praticamente na mesma. A instrução é de melhor qualidade e as aeronaves mais modernas? Bem… Pode até ser (mas nem sempre), só que se o objetivo for voar no Brasil depois de formado, nada melhor do que conhecer bem como funciona a realidade brasileira, né? – e isso, só voando no Brasil, não tem outro jeito. A formação nos EUA é mais rápida do que no Brasil? Sem dúvida, mas você acaba perdendo quase toda a vantagem no processo ultra-demorado de convalidação da licença na ANAC na volta ao Brasil. Bem, existem muitos outros aspectos a comentar sobre este assunto, só que ficará para depois (estou escrevendo um longo artigo sobre este tema, a ser publicado no Canal Piloto em junho). Gostaria, neste post, de me concentrar em um outro aspecto da formação aeronáutica realizada nos EUA: a possibilidade de trabalhar como INVA após formado. Isto sim me parece ser um ótimo negócio!

Na EAB-2012, no estande da Hillsboro Aviation, eu conheci um rapaz que voou dois anos nos EUA como INVA e está voltando agora, para assumir uma posição na aviação executiva brasileira. Conversei rapidamente com ele no evento, mas com as informações que obtive já deu para perceber que pode ser uma ótima estratégia atuar como INVA nos EUA – especialmente se comparado a trabalhar como instrutor nos aeroclubes/escolas brasileiros. Vejamos por que.

Assim como no Brasil, um INVA também ganha pouco nos EUA – mas nem se compara à realidade brasileira. Enquanto no Brasil um INVA ganha por volta de R$30/h, nos EUA são cerca de US$40/h líquidos, quase R$80/h ao câmbio atual – ou seja: quase o triplo. Não é nada não é nada, são mais de US$2mil/mês, o suficiente para subsistir com um padrão de vida bem razoável nos EUA, sem sobressaltos. Além disso, o ambiente de instrução nos EUA é muito mais bem estruturado do que no Brasil: a FAA fiscaliza melhor a manutenção, as aeronaves são mais novas, o tráfego aéreo é mais organizado, etc. Isso faz com que o nível de segurança do voo de instrução americano seja bem superior ao brasileiro, outra vantagem substancial. E também se voa bastante por lá, o que significa que dá para fazer umas 1.250h facilmente em dois anos de trabalho como instrutor. Somando-se estas horas às 250h do curso de PC americano, é possível checar o ATPL (PLA americano) no final do período de trabalho de dois anos nos EUA, retornando ao Brasil com a carteira de Piloto de Linha Aérea, e convalidar as 1.500h na CIV (convalidar somente as horas, sem a carteira, é muito difícil, mas se elas estiverem atreladas a uma licença, é possível). Isso sem contar que, após dois anos morando nos EUA, é quase impossível não conseguir um ICAO-4+ no retorno ao Brasil. Aí meus amigos, com um currículo desses, quero ver o sujeito fritar procurando emprego…

Na verdade, o maior problema de realizar a instrução nos EUA, na minha opinião, é o fato da pessoa voltar para o Brasil completamente “desenturmada”. Aí, com uma licença de PC-IFR/MLTE e 150h na CIV (mesmo que tenha voado 250h+ nos EUA), e totalmente sem QI, o piloto dificilmente conseguirá uma colocação no mercado de trabalho. Mas se o sujeito voltar ao Brasil com a certeira de PLA, 1.500h de voo, ICAO-4+, etc., aí não vai ser preciso muito QI para conseguir uma boa colocação na aviação brasileira. É principalmente por isso que eu estou defendendo a tese de que trabalhar como INVA nos EUA pode ser um ótimo negócio, ao contrário de realizar somente a formação básica de PC em uma escola americana, que é uma estratégia que tem deixado muita gente frustrada na hora de procurar emprego.

O problema é: “e conseguir emprego de INVA nos EUA, é fácil?” Como costumo responder a colocações deste tipo, não existe nada fácil na aviação, mas ser INVA nos EUA não é a coisa mais difícil que existe no mundo. É evidente que você terá que se esforçar na sua instrução para sensibilizar a direção da escola a te contratar depois de formado (lá como cá, é bem mais fácil ser contratado na escola em que você voou como aluno), e também tem a questão legal. É preciso obter um visto do tipo M1/F1 junto à imigração dos EUA, que dá direito a trabalhar por até dois anos nos EUA. Mas sendo um bom aluno e obtendo os vistos necessários, tornar-se instrutor nos EUA é um objetivo plenamente factível para qualquer mortal. O que é uma ótima pedida, ao meu ver.

PS: Como disse, as informações que obtive para este post foram obtidas com uma rápida conversa com um instrutor brasileiro que trabalhou nos EUA por dois anos. Se alguém tiver mais detalhes sobre o assunto, peço a gentileza de complementá-las diretamente na seção de comentários do post. Obrigado.

40 comments

  1. Neto Andrade
    2 anos ago

    Opa Raul, Boa Noite!

    Então, você poderia me dar um passo a passo de como ser INVA nos EUA.

    Checar aqui ou lá ?
    Se eu tenho 200 horas aqui, eu terei que fazer outras 200 lá ?
    Como eu irei conseguir um Visto que me mantém lá?
    Qual o melhor estado pra eu ir ?

    Grato, ATT: Neto Andrade

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Acesse voeoregon.com que vc encontra as respostas e meios de contato.

      • Neto Andrade
        2 anos ago

        Muito Obrigado, meu amigo! :D

  2. Neto Andrade
    2 anos ago

    Boa noite, passei na prova recentemente, e tô pensando em ser piloto nos EUA, Raul, sabe se vale a pena fazer translado ? sabe como funcionaria ? um amigo meu me disse que você deixaria um curriculum em uma loja que geralmente os Brasileiros compram, e eles te convocariam pra trazer o avião, confirma ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não confirmo, Neto.

  3. Cintia Franz
    2 anos ago

    Oi, Eu tenho PC MULT IFR e INVA.
    Mas não tenho ICAO, e também meu CMA e INVA e IFR estão vencidos desde Fevereiro deste ano.
    Ainda estou no processo de obtenção de Green Card, aqui nos EUA.
    Eu pretendo validar minhas licenças para trabalhar como instrutora aqui, qual seria o primeiro passo?
    Ficarei super agradecida se puder me dar mais algumas dicas.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Vá a uma flight school aí, leve a sua CIV, e peça uma proposta para vc checar suas carteiras nos EUA. Vc não convalida suas licenças e habilitações na FAA como se faz no Brasil (menos a PPL); vc na verdade terá que readquiri-las aí, e para isso poderá usar suas horas voadas no Brasil. O processo é completamente diferente.

  4. Mario Junior
    3 anos ago

    Poh Claudio Motta, isso é real mesmo? Achei que a pessoa tiraria no máximo U$1.500,00/mês
    Bom pessoal, sou novo aqui, já li alguns posts relacionados a “Estudar no Exterior”, tenho lido bastante sobre o assunto e conversado com pessoas, estou na fase de escolher a Escola que irei cursar do PP (fazer de novo pois não tenho Icao 4) ao ultimo nível de INVA e dps trabalhar por 2 anos com visto F1… Entrei em contato com mais de 20 escolas entre Florida e Oregon, eliminei as parts 61 (por mais q fosse mais barato, não são garantias de trabalhar como instrutor) e agora tou finalizando a decisão da escola… Se alguém tiver alguma escola part 141 pra me indicar, serei grato. Valeu

    • Leonardo Arruda
      3 anos ago

      Eae Mario teve sucesso ? Será que para PPH seria um boa tbm ?grande abraço

  5. Bruno
    3 anos ago

    Raul, vc saberia de tirando o breve de PPA no Brasil posso pilotar nos USA/Canada e em outros paises? Grato

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      No Canadá e demais países, eu não sei, mas nos EUA vc pode, sim, desde que convalide sua licença junto à FAA. Não é complicado, mas requer ICAO-4, no mínimo.

      • Bruno
        3 anos ago

        Muito obrigado pela rapida resposta

  6. Renato Mariano
    3 anos ago

    eu gostaria de saber se eu tiver o pp e o pc feotos no brasil eu consigo faser o curso de piloto agricola nos estados unidos

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Conseguir, consegue, mas dificilmente valerá a pena.

      • Vinícius Andrade Borges
        3 anos ago

        Raul, sou PC MNTE e INVA com 700 hrs em comando, mas tudo em mnte e nao tenho ICAO. Consigo convalidar a licença de PC lá e fazer MULT e IFR?? Forte abraço.

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Vc não convalida seu PC lá, e sim vc usa suas horas voadas no Brasil para checar o PC com os requerimentos da FAA – e lá é muito mais complexo, tem horas com passo de hélice, com trem de pouso retrátil, etc. Na pratica, uma escola americana vai ter que auditar a sua CIV e propor um programa de adaptação para vc poder checar o PC. Depois disso, aí sim seria possível checar o MLTE e IFR (mas é preciso ver como fica essa história do PC-VFR que, a priori, acho que não existe na FAA).

          • Vinicius
            2 anos ago

            Obrigado pela resposta Raul. Parece que a FAA nao esta convalidando o PP ANAC de quem possui a restricao de English not Compliant. Voce sabe se isso realmente procede?

            • raulmarinho
              2 anos ago

              Afirmo.

  7. luiz c.b.duleba
    4 anos ago

    …grande Raul Marinho…li o que escreveu sobre estar ha 2 anos etc por ai – deixa t fazer uma pergunta direta..aposentei em 2010 atualmente 59 anos saude excelente .tenho 15mil horas totais 6 mil nos avioes da TAM ingles level 4 airbus 319/320/321 vencido logico mas tah la entre outros avioes ja voados…queria mudar de ares me ocorreu a ideia de dar instrucao inicial pra rapaziada nos Esteites…tem jeito de se infiltrar atravez de algumas dicas q vc pudesse passar ?- digo ficar morando lah por uns tempos sem pressa de voltar o que posso esperar daqui na executiva ? afinal rico nao fico mais em nenhum lugar nem aqui nem ai –

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Cara, o problema no seu caso é obter o visto de trabalho e residência nos EUA. Neste post, eu comento sobre os vistos que o pessoal que vai para os EUA aprender a voar pode obter – mas este, obviamente, não é o seu caso. Eu acho que vc deveria entrar em contato com a embaixada/consulado, e ver o que pode ser feito… A partir daí, se vc quiser, eu te apresento um pessoal de escola americana que pode te contratar, mas acho que isso seria um segundo passo.

  8. César
    4 anos ago

    Boa noite, Raul!
    Queria parabeniza-lo pelo blog e aproveitar para saber sua opinião, quanto a obtenção da licença de piloto comercial (IFR/MLTE) nos EUA, com a realização do curso de INVA aqui no Brasil?
    Eu li o seu artigo e concordo em muitas partes, por isso penso que fazendo o curso de instrutor no Brasil, as chances serão maiores de fazer um bom contato na escola… queria saber se você acha que é muito pouco tempo no aeroclube fazendo apenas o INVA, ou se isso já seria o suficiente para conseguir um bom relacionamento? (eu sei que é uma questão subjetiva, mas fiquei curioso para saber a sua opinião).
    Um grande abraço, César.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Olha César… Essa questão é realmente subjetiva, e por este motivo acho que não faz muito sentido respondê-la. Depende muito, de muitos fatores, não dá para dar uma opinião generalista. Além do quê, do jeito que o mercado está hoje, tanto faz vc voar no Brasil ou no exterior, fazer INVA aqui ou acolá, que as chances de conseguir um emprego são praticamente zero mesmo… Na verdade, hoje, mais do que nunca, essa estratégia descrita neste post está uma das mais eficientes que existem.

  9. lohrs
    4 anos ago

    Alguém sabe se é possível voar como Piloto agrícola nos USA/Canada?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      O problema, meu caro, é obter o visto de trabalho e residência nesses países.

  10. Andre Luiz
    5 anos ago

    Ok pessoal que la nos USA parece ser bem mais vantajoso e facil fazer o curso ja esta claro. No entanto, para ser piloto de uma grande compania aerea la depois de ter as horas de voo e o visto de trabalho isso e possivel? alguem ja passou por isso? elem contratam ou tem preconceito com isso? E outra, em reais qual seria o custo total para fazer o curso de PC la? Valeu pessoal, obrigado desde ja! o blog e fera!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Aí vc vai precisar de Green Card…

    • André Pavin
      5 anos ago

      Olá chará! Sobre fazer o curso nos EUA ser mais fácil discordo completamente, posso te garantir que aqui é MUITO mais difícil. Já sobre trabalhar aqui como comercial complica. Não necessariamente precisaria de green card, você pode até tentar um visto de trabalho ou moradia porém para isso você teria que ter o mesmo nível dos concorrentes a PLA aqui, que por sinal são altíssimos (não que não tenhas capacidade). O problema de voar em linha aérea aqui é que te contratam pra primeiro oficial com cerca de 3000 mil horas de voo e para isso terás que ralar bastante na executiva antes.

      Abraços.

  11. Rogério
    5 anos ago

    Raul, trabalho em uma empresa de economia mista que possui um King Air Existem dois pilotos terceirizados (contratados) e mais um piloto que é funcionário da casa (também sou funcionário). Qual o seu conselho para trilhar o caminho do zero até estar apto a voar? Veja bem, não estou falando de experiência, contatos, nada disso,”basta” (eufemismo) que tenha PC, MULTI-IF e tal do “TIPO”, para tentar assumir a cadeira do copila, pois o funcionário logo logo está pendurando as chuteiras. Nós (funcionários) estamos sob o regime de CLT, mas o ingresso na empresa é somente mediante concurso, ou seja , na prática, temos certa estabilidade, quase como um servidor público…enfim, qual seria o melhor caminho?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      No seu caso, a melhor opção seria realizar sua formação nos EUA, que é mais rápida e barata que qualquer alternativa no Brasil. A segunda melhor opção seria vc se “internar” numa escola que proporcione uma boa escala de voo (ex.: EJ de Itápolis), mas acho que as duas alternativas não seriam indicxadas para vc, pois vc trabalha nessa empresa que pretende voar, e tem que cumprir expediente. Então, não há saída: matricule-se no aeroclube/escola mais próximo e inicie sua formação da maneira tradicional. Talvez seja interessante vc escolher aviões menos procurado (e um pouco mais caros) para voar, pois assim vc consegue obter uma escala mais folgada. Por exemplo: se no seu aeroclube tiver Boero e Tupi, escolha o Tupi, que deverá ser mais disponível. De resto, não tem mistério.
      Abs e boa sorte,
      Raul

  12. André Pavin
    5 anos ago

    Realmente o Raul não curte a formação norte americana! Hahaha, mas opiniões são opiniões :) Como já vimos aqui realmente existem os prós e contras de se for aqui nos EUA. Falando sobre o post, tornar-se INVA aqui posso falar da minha experiência. Estou aqui a 2 meses, quase checando meu PC Multi e já sou usado pela escola como safety pilot para alunos brasileiros que tem vindo somente para acumular horas de voo e voltar para o Brasil (afinal uma hora de Seneca II aqui está US$ 200 enquanto no Brasil está R$ 1.200). Não existe somente a opção de INVA, existe essa opção de safety pilot que você será apenas um piloto de segurança do avião para caso aconteça algo, e isso é realmente algo interessante de se fazer aqui, você não ganha grana porém ganha muitas horas e também não precisa de visto para isso (se já obter sua licença de PP da FAA), basta o visto de turismo.

    Voltando sobre a formação aqui nos EUA, vou dar uma dica, procurem escolas de aviação ‘menores’ aqui nos EUA, não vão atrás das grandes que estão praticamente como o Brasil (100 alunos e 2 aviões como já vi acontecer), se for assim você realmente vai perder seu tempo e dinheiro e sairá decepcionado daqui! Procure uma escola menor, que cuide de você e que te ajude na sua formação, dessa forma você não será apenas mais um dentro da escola, eu dei sorte de desde o início estar em uma escola assim e não me arrependo nem um pouco de ter vindo. Meu processo de convalidação demorar com a ANAC com certeza mas tenho mais certeza ainda que valerá mais a pena.

    Abraços!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Não é que eu não curta… É que eu acho que, para os formados nos EUA, a vida profissional fica mais difícil depois, por uma questão de falta de relacionamentos no Brasil. Mas eu acho superlegal voar nos EUA! Aliás, eu sou totalmente americanófilo!!!

      • André Pavin
        5 anos ago

        Claro, tem a questão dos contatos também, ou seja, um dos contras de estudar nos EUA. Afinal grande parte de quem entra hoje é por QI.

  13. Giovani Faggione
    5 anos ago

    ola Raul, parabens pelo blog, gostaria de saber se vc poderia colocar alguns posts de asa rotativa ?

    caso conheça algum blog sobre asa rotativa tao bom quanto este, poderia me indicar ?

    obrigado !

  14. Claudio Motta
    5 anos ago

    só em relação ao salario, pode ser bem maior… aonde tou fazendo o PP eu pago 49 a hora do instrutor, digamos que 9 fiquem para a escola e os mesmos 40 fiquem pra o inva, ele voa 4 dias por semana, faz 4 voos diarios e por cada voo ele recebe 1.5 horas, pois a reserva minima aqui é essa, então se o voo totalizar 1.2h ele recebe 1.2 de instrução e 0.3 de ground training, que é o mesmo preço, então teoricamente ele trabalha 6 horas por dia, 4 dias por semana e ganha 3840 dollares por mes só de instrução… então supondo que o sujeito é novo, querendo fazer horas, ele vai trabalhar 6 dias por semana, dá pra tirar um bom dinheiro e ainda enche a CIV…

Deixe uma resposta