Novidades do RBAC-61

By: Author Raul MarinhoPosted on
2032Views465

Embora estivesse indisponível no site da ANAC durante todo o dia, consegui obter uma cópia do novo RBAC-61 pelo site da ABRAPHE (dica do leitor Frank – obrigado!), e agora o regulamento também pode ser baixado aqui: RBAC-61.

De maneira geral, achei as mudanças do novo regulamento bastante positivas, e me surpreendi com o bom senso de quem redigiu o texto em alguns pontos: o maior exemplo foi o capítulo da habilitação de instrutor de voo, que deu dois anos de prazo para a entrada em vigor dos novos requerimentos de experiência. No capítulo da “Licença de Piloto de Tripulação Múltipla” (o nome oficial do MPL, agora), percebi bastante cuidado com o início da implementação desta nova carteira, vide a existência de um apêndice exclusivo para ela no regulamento. Para falar a verdade, eu achei até que ficou meio sem sentido essa nova licença, já que as exigências para a sua concessão foram tantas, que o modelo tradicional de PC talvez fique mais barato… Mas veremos como a coisa vai acontecer na prática.

Eu fiz uma rápida leitura do novo regulamento, e os principais pontos que entendi serem importantes para pilotos de avião e helicóptero encontram-se reproduzidos e brevemente comentados abaixo. Não abordei as exceções (por exemplo: habilitação para lançar paraquedistas, convalidação de licenças de pilotos militares, etc), nem as habilitações de outras categorias de aeronaves (ex.: planadores, aviões leves, etc.) nessa análise. Na medida em que aspectos mais polêmicos forem sendo levantados, eu voltarei e tratar do assunto em novos posts.

Principais novidades do novo RBAC-61 para pilotos de avião e helicóptero:

1) “Experiência recente” e “Instrução revisória”: agora, o regulamento especifica detalhadamente o que significa ter “experiência recente” para fins de obtenção de licenças e habilitações, e como fazer no caso de não se estar dentro dos parâmetros exigidos. Este é um trecho que vale a pena ler na íntegra, pois deverá ser utilizado em muitas situações diferentes:

61.21 Experiência recente

(a) Não obstante os prazos estabelecidos na seção 61.19 deste Regulamento, nenhum piloto pode atuar como piloto em comando ou segundo em comando de uma aeronave, a menos que dentro dos 90 (noventa) dias precedentes tenha realizado:

(1) para operações em voo diurno: no mínimo, 3 (três) decolagens e 3 (três) aterrissagens em condições visuais de voo, durante as quais tenha efetivamente operado os comandos da aeronave da mesma categoria, classe e modelo ou tipo, conforme requerido; e

(2) para operações em voo noturno: exceto como estabelecido no parágrafo (b) desta seção, no mínimo, 3 (três) decolagens e 3 (três) aterrissagens no período compreendido entre 1 (uma) hora após o pôr do sol e 1 (uma) hora antes do nascer do sol, durante as quais tenha efetivamente operado os comandos de aeronave da mesma categoria, classe e modelo ou tipo, conforme requerido.

(b) Nenhum piloto pode atuar como piloto em comando ou segundo em comando em voos por instrumentos ou em condições meteorológicas abaixo dos mínimos estabelecidos para voo visual, a menos que:

(1) tenha realizado, nos últimos 6 (seis) meses, no mínimo, 6 (seis) horas de voo sob condições de voo por instrumentos reais ou simuladas, das quais 3 (três) horas, incluindo 6 (seis) aproximações por instrumentos, tenham sido realizadas na categoria da aeronave correspondente à habilitação; ou

(2) tenha sido aprovado em exame de proficiência na categoria da aeronave em que esteja habilitado. A ANAC poderá autorizar a realização de parte ou todo o exame de proficiência em um FSTD.

61.23 Instrução revisória

(a) Nenhuma pessoa pode atuar como piloto em comando ou segundo em comando de uma aeronave após deixar de cumprir os requisitos de experiência recente aplicáveis a determinada habilitação e à operação pretendida, de acordo com a seção 61.21 deste Regulamento, a menos que realize com aproveitamento a instrução revisória pertinente a tal habilitação.

(b) A instrução revisória deve se constituir de, no mínimo, 1 (uma) hora de instrução em solo e 1 (uma) hora de instrução de voo, devendo abordar, pelo menos:

(1) uma revisão das regras gerais de voo, de tráfego aéreo e de operações aéreas; e

(2) uma revisão das manobras e procedimentos que, a juízo do instrutor de voo, são necessárias para demonstrar que o piloto é capaz de atuar com segurança, de acordo com as prerrogativas e limitações de sua licença ou seu certificado.

(c) A instrução revisória somente pode ser ministrada por instrutor de voo habilitado e qualificado, salvo o disposto no parágrafo 61.237(f) deste Regulamento, considerando a aeronave, a habilitação e a operação pertinente a tal instrução. O instrutor é responsável por declarar, nos registros de voo (Sistema Eletrônico de Registro de Voo ou CIV) do piloto, que este se encontra em condições técnicas para exercer as prerrogativas da habilitação pertinente.

(d) Quando realizada em aeronave, a instrução revisória deve ter como única finalidade a instrução de voo, não sendo permitido o transporte de passageiros e/ou cargas ou outros serviços aéreos durante os voos.

(e) Quando a instrução revisória for realizada em aeronave certificada para operação com tripulação mínima de 2 (dois) pilotos, um piloto de segurança, devidamente habilitado e qualificado para a aeronave em questão, deve compor a tripulação.

2) Acabou aquela história de copiloto ter as horas de voo contadas pela metade – o que, na prática, fazia com que os copilas de companhia aérea precisassem de 3mil horas para checar o PLA. Esta é uma das boas novidades do RBAC-61. A única exceção fica por conta dos copilotos que atuam em aeronaves single pilot (ex.: King Air C90), que contariam as horas pela metade (mas estes estavam em situação ainda pior no RBHA-61, pois só podiam contar horas em duplo-comando pelo regulamento antigo). Mas, mesmo nestes casos, o regulamento criou uma brecha para a contagem integral das horas de voo. A seguir, vejam a íntegra do trecho que trata da contagem da horas de voo. Percebam que, no item “i”, o regulamento disciplina a contagem das horas de voo realizadas em aeronaves experimentais, e no item “h”, as horas voadas em aeronaves com matrículas estrangeiras, dois assuntos polêmicos na regulamentação antiga:

61.29 Contagem e registro de horas de voo

(…)

(b) Para fins de contagem das horas de voo requeridas para concessão de uma licença/certificado inicial de piloto ou para concessão de uma licença de piloto de grau superior, um aluno piloto ou o titular de uma licença ou certificado de piloto, respectivamente, deve registrar integralmente as horas de voo quando realizar voo solo, em instrução de voo duplo comando ou quando atuar na função de piloto em comando.

(c) Para fins de contagem das horas de voo, para concessão de uma licença de piloto de grau superior, o titular de uma licença de piloto quando atuar como segundo em comando de uma aeronave certificada para operação com tripulação mínima de 2 (dois) pilotos, deve registrar integralmente as horas de voo nesta função.

(d) Para fins de contagem das horas de voo, para concessão de uma licença de piloto de grau superior, o titular de uma licença de piloto quando atuar como segundo em comando de uma aeronave certificada para operação com tripulação mínima de 1 (um) piloto, mas que, devido à operação, a ANAC determinar que necessite um segundo em comando que possua contrato de trabalho com o explorador da aeronave, deve registrar as horas de voo considerando, no máximo, 50% (cinquenta por cento)do tempo de voo na função de segundo em comando.

(e) No caso do estabelecido no parágrafo (d) desta seção, a ANAC pode autorizar que o tempo de voo seja considerado integralmente, se a aeronave possuir uma posição de segundo em comando devidamente equipada para operar com segundo em comando e esteja, de fato, operando com piloto em comando e segundo em comando, respeitando-se a limitação citada no parágrafo 61.63(b) deste Regulamento.

(f) Para fins de contagem das horas de voo requeridas para concessão de uma licença de piloto de grau superior, o titular de uma licença de piloto, quando atuar como piloto em comando sob supervisão em uma aeronave certificada para operação com tripulação mínima de 2 (dois) pilotos, deve registrar as horas totais do voo.

(g) Para fins de contagem das horas de voo requeridas para concessão de uma licença de piloto de grau superior, o titular de uma licença de piloto, quando operar os comandos de uma aeronave em condições de voo exclusivamente por instrumentos, reais ou simuladas, sem qualquer referência externa, deve registrar as horas totais do voo por instrumentos assim efetuado.

(h) Para fins de atendimento do requisito de experiência requerido para a concessão da licença solicitada, o solicitante de uma licença de piloto, a ser expedida em conformidade com este Regulamento, que tenha sido habilitado como piloto de aeronave militar, pode ter considerado o seu tempo total de voo realizado de acordo com os critérios da respectiva organização.

(i) As horas de voo realizadas em aeronaves experimentais, quando registradas na CIV ou no Sistema Eletrônico de Registro de Voo, devem ser identificadas com anotações no campo “Observações”. Tais horas podem ser consideradas para cumprimento de requisitos de experiência recente, conforme estabelecido na seção 61.21 deste Regulamento; não podendo ser consideradas para concessão de licença de piloto ou elevação de graduação de licença de piloto.

(j) As horas de voo realizadas a bordo de aeronaves com marcas de nacionalidade e de matrícula estrangeiras somente poderão ser aceitas quando a finalidade for comprovar experiência para a concessão de licença e/ou habilitação e/ou comprovar a experiência recente, conforme previsto neste Regulamento, desde que as horas de voo tenham sido realizadas em centros de treinamento ou centros de instrução ou em empresas de transporte aéreo certificados pela autoridade de aviação civil do respectivo país, que seja contratante da Convenção de Aviação Civil Internacional, e sejam declaradas por aquela autoridade e consularizadas, conforme Manual do Serviço Consular e Jurídico do Ministério das Relações Exteriores.

3) Revalidações de licenças e habilitações agora poderão ser feitas até 30 dias antes, ou até 30 dias depois da data de vencimento sem alteração da referida data. Isso é o que prevê o seguinte item:

61.33 Prazo e tolerância para revalidação de habilitação

(a) Desde que cumpridos os requisitos aplicáveis à revalidação de uma habilitação, o exame de proficiência pertinente a essa revalidação pode ser realizado no período que compreende 30 (trinta) dias antes do início do mês de vencimento até 30 (trinta) dias após o fim do mês de vencimento, mantendo-se, após concluída a revalidação, o mês base de vencimento para a nova validade.

(b) É permitida a operação normal relativa a uma habilitação vencida há menos de 30 (trinta) dias.

(c) É vedada a operação normal relativa a uma habilitação vencida há mais de 30 (trinta) dias, em qualquer situação.

(d) Habilitações revalidadas fora do prazo disposto no parágrafo (a) desta seção terão seus prazos de validades contados a partir do mês de aprovação do piloto no exame de proficiência, conforme disposto na letra (a) da seção 61.19.

4) As regras de convalidação de licenças estrangeiras agora estão muito mais claras. Vejam o seguinte trecho do novo regulamento:

61.45 Convalidação de licenças e habilitações estrangeiras

(a) Sem prejuízo do cumprimento das normas migratórias e trabalhistas do País, a ANAC pode convalidar uma licença estrangeira emitida por Estado contratante da OACI. Para tal, será emitida autorização especial que deverá acompanhar, sempre, a licença estrangeira original e a reconhecerá como equivalente a uma licença correspondente concedida pela ANAC.

(b) A ANAC pode restringir a autorização especial de convalidação de licença estrangeira a atribuições específicas, expressando na autorização quais atribuições da licença original são aceitas como equivalentes na convalidação.

(c) As licenças estrangeiras de piloto comercial, de tripulação múltipla ou de linha aérea pertencentes a estrangeiros podem ser convalidadas nos termos do parágrafo (a) desta seção. Entretanto, as mesmas devem ser expedidas com a ressalva de que o seu titular não pode exercer função remunerada a bordo de aeronave de matrícula brasileira, conforme disposto no §1o do art. 156 do CBA.

(d) A ressalva estabelecida no parágrafo (c) desta seção não se aplica a estrangeiros naturalizados brasileiros ou portugueses que possuam igualdade de direitos e obrigações civis.

(e) As licenças estrangeiras pertencentes a brasileiros, natos ou naturalizados, podem ser convalidadas com a emissão de uma licença brasileira de grau correspondente à licença original. Na licença brasileira será averbada a informação da convalidação constando número e país emitente da licença original.

(f) Somente serão convalidadas as licenças e/ou habilitações originais, sendo vedada a convalidação de licença e/ou habilitações expedidas por convalidação de um terceiro Estado.

(g) O candidato a uma convalidação de licença de piloto de linha aérea na categoria avião ou aeronave de sustentação por potência deve cumprir, adicionalmente, os requisitos para a concessão (seja por convalidação ou pela via normal) da habilitação de voo por instrumentos correspondente.

(h) As habilitações convalidadas têm prazos de validade compatíveis com os documentos originais, desde que tais prazos não sejam superiores aos prazos correlatos estabelecidos neste Regulamento, quando devem prevalecer os prazos brasileiros.

(i) As habilitações constantes de licenças emitidas nos termos do parágrafo (e) desta seção, quando vencidas ou por vencer, devem ser revalidadas ou requalificadas em conformidade com os requisitos aplicáveis estabelecidos neste Regulamento.

(j) A autorização especial de convalidação de licença estrangeira perderá sua validade se a licença estrangeira original for cassada ou suspensa.

(k) Para os fins de convalidação, o solicitante deverá cumprir os seguintes requisitos:

(1) possuir experiência recente, nos termos da seção 61.21 deste Regulamento, na(s) habilitação(ões) que deseja convalidar, demonstrada pela CIV ou outro documento correspondente;

(2) ser aprovado em exame teórico de regulamentos aeronáuticos;

(3) ser capaz de ler, escrever, falar e compreender o idioma português em um nível de competência apropriado às atribuições e responsabilidades que a autorização ou licença a ser concedida lhe confere;

(4) demonstrar competência para falar e compreender o idioma inglês pelo menos em nível operacional (atingir Nível 4 ou superior), exceto para as licenças de piloto de planador e piloto de balão livre. Caso não demonstre, será averbada em sua licença a restrição relativa ao parágrafo 61.10(c) deste Regulamento; e

(5) ser aprovado em exame de proficiência, com exceção da convalidação realizada com prerrogativas, no Brasil, equivalentes as de piloto privado.

(l) No momento da solicitação de convalidação, a licença e o certificado médico apresentados devem estar no idioma português, espanhol ou inglês. De outra forma, o solicitante deverá apresentar, também, traduções oficiais dos documentos.

(m) Para todos os casos, será realizada consulta à autoridade de aviação civil emitente da licença e/ou habilitação original a respeito da:

(1) validade da licença e das habilitações do titular; (2) classe e vencimento do certificado médico; e

(3) limitações, suspensões e revogações pertinentes.

5) A nova licença de “aluno piloto”. Vejam, na subparte “C” do regulamento, os detalhes desta nova licença, que inclui a possibilidade de iniciar o curso prático aos 16 anos de idade, desde que autorizado pelos pais. Também será necessário estar pelo menos cursando o ensino médio, e estar matriculado num curso teórico de PP para começar a voar. Mas o trecho que acho que vale a pena ler é o que segue abaixo, sobre os requisitos para efetuar o voo solo, finalmente regulamentado de maneira correta: (Para quem tiver interesse em mais detalhes sobre a instrução do aluno piloto, sugiro também ler os itens 61.67 e 61.69, sobre os voos de navegação e em área controlada, que estão igualmente bem redigidos).

61.61 Requisitos para o voo solo de aluno piloto

(a) Generalidades: o aluno piloto não pode operar uma aeronave em voo solo a menos que reúna os requisitos desta subparte e tenha completado 18 (dezoito) anos.

(b) Conhecimentos teóricos: o aluno piloto não pode operar uma aeronave em voo solo, a menos que:

(1) tenha sido aprovado no exame teórico da ANAC referente à licença de piloto privado, piloto de planador ou piloto de balão livre, respeitada a categoria da licença pretendida;

(2) demonstre ao seu instrutor conhecimentos técnicos de características e limitações operacionais da aeronave a ser utilizada na instrução prática de voo; e

(3) demonstre ao seu instrutor conhecimentos sobre as Regras do Ar e procedimentos específicos do aeródromo onde se realizará o voo.

(c) Treinamento de voo antes do voo solo: antes de ser autorizado para realizar um voo solo, o aluno piloto deve ter recebido instrução nas manobras aplicáveis e nos procedimentos listados nos parágrafos (d) até (h) desta seção para a marca e o modelo da aeronave a ser operada no voo solo e no nível da licença a que aspira e deve demonstrar habilidade em um nível de desempenho aceitável para o instrutor que autoriza o referido voo.

(d) Para qualquer categoria de aeronave: o aluno piloto deve ter recebido instrução de voo antes do voo solo nos seguintes tópicos, quando aplicável:

(…)

(j) A instrução de voo requerida nesta seção deve ser ministrada por um instrutor de voo, devidamente habilitado e qualificado, vinculado à instituição que ministra o curso prático aprovado pela ANAC no qual o aluno piloto estiver matriculado.

(k) Autorizações do instrutor de voo: nenhum aluno piloto pode operar uma aeronave em voo solo, a menos que esteja autorizado pelo seu instrutor a realizar tal voo. A citada autorização deverá ser averbada no registro de voo (Sistema Eletrônico de Registro de Voo ou CIV) do aluno piloto. O registro da autorização do instrutor deve certificar que ele:

(1) tenha proporcionado ao aluno a instrução de voo na marca e modelo da aeronave em que se realizará o voo solo;

(2) tenha informado que o aluno reúne os requisitos de instrução estabelecidos nesta seção; e

(3) tenha determinado que o aluno esteja capacitado para realizar o voo solo de forma segura na aeronave.

(l) A notificação de voo solo local deve ser assinada pelo aluno piloto e por seu instrutor de voo. Nos Planos de Voo para voos de navegação solo com pouso em aeródromo que não o de decolagem, o aluno piloto deve usar o CANAC do seu instrutor, o qual deve assinar o Plano de Voo inicial juntamente com o aluno piloto. Os Planos de Voo das demais etapas do voo serão assinados somente pelo aluno piloto, usando o CANAC do seu instrutor que aprovou a navegação.

6) Os requisitos para a obtenção da licença de PP tiveram poucas alterações, sendo as principais:

  1. A obrigatoriedade de curso presencial; e
  2. A inclusão de voos noturnos na experiência prática: “3 (três) horas de instrução em voo noturno, que incluam 10 (dez) decolagens e 10 (dez) aterrissagens completas, onde cada aterrissagem envolverá um voo no circuito de tráfego do aeródromo”

No mais, há a possibilidade de abater 10h da necessidade total de horas de voo, se a pessoa tiver a licença CPL (avião leve), o que já era possível com as antigas licenças de Piloto Desportivo ou de Recreio.

7) Não vi nenhuma novidade quanto aos requisitos para a obtenção da licença de PC – pelo menos para a categoria avião. *Para a categoria de helicóptero, porém, há uma importante alteração, que é a inclusão da necessidade de treinamento IFR, coisa eu não existia no regulamento anterior (embora haja uma carência de um ano para que entre em vigor):

61.101 Requisitos de experiência para a concessão da licença de piloto comercial

(a) O candidato a uma licença de piloto comercial deve possuir, como mínimo, a seguinte experiência de voo na categoria de aeronave solicitada:

(…)

(2) categoria helicóptero:

(…)

(C) a partir de 1 (um) ano após a data de publicação deste Regulamento, 10 (dez) horas
de instrução de voo por instrumentos, das quais no máximo 5 (cinco) horas podem ser substituídas por instrução realizada em FSTD aprovado pela ANAC;

8) Licença de Piloto de Tripulação Múltipla, a grande novidade. Este é um assunto que teremos que explorar mais detalhadamente em posts futuros, mas somente antecipando algumas características desta nova licença:

  1. Ela requer o curso teórico e a banca de PLA;
  2. O regulamento diz que o ensino ocorrerá em um “Centro de Instrução Certificado da ANAC”, diferente das outras licenças;
  3. São obrigatórias 240h de treinamento, sendo que em voo real, somente o requisitado para a licença de PP (mas não é obrigatório que a pessoa seja PP, pelo que entendi); e
  4. Está claro que o detentor desta licença fica limitado à atuação como copiloto em aeronaves homologados para dois tripulantes, e o PTM não poderia exercer as funções de piloto em comando em nenhum momento. (Como seria feita a transição para comando é algo que não entendi).

Existe todo o “Apêndice B” do regulamento, que preciso explorar melhor para entender essa licença, mas por ora é interessante reproduzir uma parte do texto, que mostra como a ANAC está pisando em ovos com essa nova licença:

61.123 Requisitos de proficiência para a concessão da licença de piloto de tripulação múltipla

(…)

(b) A ANAC avaliará continuamente o progresso atingido com o acréscimo do exame de proficiência indicado nesta seção.

(c) A ANAC exercerá vigilância permanente durante a fase inicial de implantação da licença de tripulação múltipla, devendo existir uma estreita coordenação e cooperação entre a ANAC, os centros de instrução e treinamento e as empresas de transporte aéreo que contratarem titulares deste tipo de licença.

9) Licença de Piloto de Linha Aérea: poucas novidades. As principais são as seguintes:

  1. Necessidade de curso teórico presencial (coisa que já deveria haver há muito tempo, aliás); e
  2. Nos requisitos de experiência, uma redação diferente sobre a necessidade de horas em comando: “500 (quinhentas) horas de voo como piloto em comando sob supervisão ou um mínimo de 100 (cem) horas de voo como piloto em comando mais um mínimo de 150 (cento e cinquenta) horas como piloto em comando sob supervisão”.

No mais, sem grandes novidades.

10) Habilitação MLTE agora necessita de somente 12 horas de voo, uma excelente notícia para o nosso bolso! Veja a seguir como ficou a redação do requisito de experiência para esta habilitação:

61.195 Concessão de habilitação de classe

(…)

(c) Instrução para a concessão da habilitação de classe multimotor terrestre: o solicitante deve ter realizado, no mínimo, 12 (doze) horas de instrução de voo em avião classe multimotor que incluam, pelo menos, 2 (duas) horas de voo em avião do mesmo fabricante e modelo do avião a ser usado no exame de proficiência, tudo dentro do período de 6 (seis) meses precedentes à data desse exame.(…).

Em compensaçãoo, veja que estranho que ficou a redação do requisito de experiência para o caso de aeronave anfíbia (do mesmo item 61.195):

(d) Instrução para a concessão da habilitação de classe monomotor anfíbio ou multimotor anfíbio: o solicitante deve ter concluído, com aproveitamento, curso teórico-prático específico sobre pilotagem de aeronave anfíbia abrangendo, no mínimo, 6 (seis) horas de instrução de voo em modelo do avião anfíbio a ser usado no exame de proficiência, e incluindo, pelo menos, 10 (dez) decolagens e 10 (dez) pousos realizados na água.

Que raio de “curso teórico-prático específico” é este? Veremos…

11) Os cursos teóricos para obtenção de habilitação de tipo agora tem validade e sua exigência está mais especificada, como se pode ver no trecho abaixo:

61.213 – (2) conhecimentos teóricos e instrução de voo [para obtenção de habilitação de tipo]:

(i) a partir de 1 (um) ano após a data de publicação deste Regulamento, ter concluído, com aproveitamento, nos últimos 6 (seis) meses, em entidades certificadas ou autorizadas pela ANAC, pelos RBHA 140, 141, 142 ou regulamentos que venham a substituí-los, curso teórico e prático para a concessão da habilitação referente ao tipo da aeronave requerida; e

(ii) até 1 (um) ano após a data de publicação deste Regulamento, demonstrar conhecimentos e aptidão, tendo como base os requisitos da seção 61.137 e 61.139 deste Regulamento, na extensão determinada pela ANAC, como aplicável para aviões ou helicópteros. Se não houver curso teórico e prático aprovado para o tipo no Brasil, esta instrução pode ser ministrada por um PC/PLA devidamente habilitado no tipo, de acordo com programa de treinamento aprovado pela ANAC;

12) Habilitação IFR: as maiores mudanças estão na revalidação e requalificação. Embora a redação do texto tenha se alterado bastante, não houve mudanças práticas significativas quanto à obtenção da habilitação IFR. Entretanto, para um piloto se manter homologado ao voo por instrumentos, a coisa ficou bem mais complicada… Vejam o trecho abaixo:

61.225 Revalidação e requalificação de habilitação de voo por instrumentos

(a) Para revalidar uma habilitação de voo por instrumentos, o requerente deve, antes de completar 6 (seis) meses desde o final do período de validade estabelecido na seção 61.19 deste Regulamento, sem considerar o prazo de tolerância estabelecido na seção 61.33 deste Regulamento:

(1) ter realizado a instrução revisória para voo por instrumentos, em conformidade com o estabelecido nos parágrafos 61.23(b) e (c) deste Regulamento; e

(2) ser aprovado em exame de proficiência realizado em conformidade com o parágrafo 61.223(a)(6) deste Regulamento.

(b) Após decorridos 6 (seis) meses, ou mais, desde o final do período de validade estabelecido na seção 61.19 deste Regulamento, sem considerar o prazo de tolerância estabelecido na seção 61.33 deste Regulamento, o titular de uma habilitação de voo por instrumentos não poderá mais solicitar sua revalidação, devendo, neste caso, ser efetuada uma requalificação. A requalificação consiste em uma nova demonstração, por parte do candidato, do cumprimento dos requisitos de conhecimentos teóricos, instrução de voo e proficiência para concessão da habilitação de voo por instrumentos pertinente.

13) Habilitação de Instrutor de Voo: vai complicar, mas só daqui a dois anos. Este era o grande temor dos novos e futuros pilotos profissionais, pois a versão preliminar deste regulamento previa a necessidade de 200h de experiência como piloto em comando para a obtenção da habilitação de INVA/H – o que representa, na prática, mais de 300h de experiência total, o que inviabilizaria a estratégia de utilizar a instrução para acumular horas de voo no inicio da carreira. Isso vai acontecer, mas só no futuro (e, até lá, veremos como resolver esse problema). Vejam como ficou a redação deste trecho:

61.233 – (5) experiência: ter, pelo menos, o seguinte tempo de voo como piloto:

(…)

(iii) para as demais categorias de aeronaves [que não planador e balão livre]: 2 (dois) anos após a data de publicação deste Regulamento, o solicitante deve possuir a experiência requerida para a concessão de uma licença de piloto comercial apropriada à categoria de aeronaves corresponde à licença na qual será averbada a habilitação de instrutor de voo, exceto para a habilitação de instrutor de voo por instrumento, quando, então deve comprovar, adicionalmente, possuir experiência mínima de 50 (cinquenta) horas de voo IFR real em comando. A partir de 2 (dois) anos após a data de publicação deste Regulamento, o solicitante deve possuir 200 (duzentas) horas de voo como piloto em comando na categoria de aeronave para a qual requeira sua habilitação de instrutor de voo, sendo que, pelo menos 15 (quinze) dessas horas devem ter sido realizadas nos 6 (seis) meses precedentes a sua solicitação;

Mas o RBAC-61 não saiu de graça para os instrutores, não… Agora, são requeridas pelo menos 15h de experiência no modelo de aeronave que o instrutor for dar instrução: “(iv) para ministrar instrução de voo em aviões multimotores, helicópteros e aeronaves de sustentação por potência, o solicitante deve possuir, adicionalmente, um mínimo de 15 (quinze) horas de voo como piloto em comando no mesmo modelo de aeronave para qual pretenda ministrar a instrução de voo”.

– x –

Atualização das 23:00h: Faltou falar que a necessidade dos cursos teóricos presenciais de PP e PLA terão carência de um ano. Ou seja: ate 22/06/13, ainda será possível obter as CCTs de PP e PLA somente com a banca da ANAC.

– x –

Atualização de 24/06: Graças à observação do leitor Rodrigo Mantovani (obrigado, Rodrigo!), incluí o trecho marcado com um (*) no item referente às alterações da licença de PC referente às categoria helicóptero, referente à obrigatoriedade da instrução IFR também para a asa rotativa. Em breve, vou escrever um post comentando esta alteração.

465 comments

  1. iago silva tavares
    1 ano ago

    Boa Noite, gostaria de saber se desde o momento que você passou na prova teórica da ANAC há validade para realizar as 40h de voo de PP ??

    • Raul Marinho
      1 ano ago

      Não.

  2. lucas
    1 ano ago

    Duvida, sou pp, falta o simulador e as horas ifr totalizando 40 p checar o pc, mas meu mono vence no mes 4/16, ha a posibilidade de eu rechecar por experiencia? Fiz 60 horas isso nao tem 90 dias, como proceder com a parte burocrática?

  3. carlos
    1 ano ago

    Oi tudo bom?

    Pode me tirar algumas duvidas? Para me tornar piloto de aeronaves grandes (tipo boing, airbus, etc), eu preciso primeiro fazer o curso de piloto privado? Depois fazer o curso de piloto comercial? Para somente entao fazer o curso de piloto de grandes aeronaves?

    Obrigado

  4. Felipe Lau
    1 ano ago

    Sou PC MLTE IFR INVA, e me surgiu a oportunidade de dar instrução em um c150 particular(comprado por 3 pessoas, que farão seus cursos nele). Gostaria de saber se posso logar hora como instrutor caso dê instrução para eles, visto que o avião é particular e não faz parte de nenhuma escola de voo. Não achei nenhuma informação sobre isso. Muito obrigado! Abraço!

    • Raul Marinho
      1 ano ago

      Depende. Para PP, não. Para PC, dá, mas o aluno vai checar com 200h. E para dar instrução IFR, vc deve ter 200h PIC em IFR real – que seria a única parte do curso de PC em que vc poderia atuar como instrutor, já que o restante é voo em comando para o aluno de PC.

  5. Fernando
    1 ano ago

    Olá…estou tirando minha carteita de PC IFR porém meu PP venceu mais já voei todas as hrs que deveria ter voado heim comando, gostaria de saber cê posso fazer as horas IFR com meu PP vencido uma vez que as hrs IFR são lançadas todas em duplo comando….pois já checava tudo de uma vez só….. Monomotor e IFR? Muito obrigado e parabéns pelo site!!!

    • Raul Marinho
      1 ano ago

      Pode.

  6. Valdir
    2 anos ago

    Rau pra fazer banca de pp tem quer entrar em uma escola omologado? Como que fico? Me parece que no último dia 21 agora q passo eles iriam debater isso..

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não precisa.

      • Valdir
        2 anos ago

        Obrigado Rau…Parabéns pelo seu trabalho

  7. Guilherme
    2 anos ago

    Raul, saberia me informar se è necessario ser aprovado em curso teorico homologado, alem da prova da ANAC, para se obter a PPL?

    Obrigado.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Até 21/09, não.

  8. leonardo
    2 anos ago

    no caso para aeronaves ULAC, mudou algo? pode voar aeronaves ULAC tendo apenas o pp?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Pode

  9. Edson
    2 anos ago

    ola , eu gostaria de saber se no caso de fazer as intruções e aeronave particular eu poderia arrendar uma aeronave mono e contratar um instrutor para dar instrução e assim checar tipo PP /PC

    • raulmarinho
      2 anos ago

      O PP, não, vc tem que fazer obrigatoriamente em aeroclube/escola. Já o PC até daria para fazer em aeronave arrendada, só que vc teria que voar 200h ao invés de 150h, e a aeronave pagaria todas as taxas aeroportuárias (as aeronaves de instrução são isentas). Não vale a pena, e vc teria que ir para o aeroclube/escola para a instrução IFR e MLTE, que é a parte mais cara.

  10. Rafael
    2 anos ago

    Raul,
    Com o novo RBAC 61 (Nov/14), é obrigatório para pilotos com habilitação de tipo fazer simulador e ground trainning anualmente? Ref.: 61.215 Revalidação de habilitação de tipo

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Depende. Se houver CTAC aprovado para o TIPO, sim. Se não, o treinamento teórico e prático pode ser com um PC/PLA habilitado, na própria aeronave, e o cheque com INSPAC, em voo. Isso à partir de nov/15, pois até lá, todo mundo está dispensado do CTAC.

  11. Francisco M. Rezende
    2 anos ago

    Boa noite Raul, e parabéns pela dedicação e atenção em tirar todas as dúvidas que foram apresentadas então vai mais uma que é meu caso.
    Sou PPH, checado em 10/03/2014 e até hoje não voei mais recebo e mail da Anac alertando para a revalidação sendo que venceu 10/03/2015 qual meu último prazo para revalidar minha licença em uma escola homologada? Porque fiquei sabendo que passado 6 meses do vencimento terei que marcar e realizar uma prova na ANAC de regulamentação, isso procede?
    Desde já muito obrigado.

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Procede. Vc teria que fazer uma requalificação.

  12. tiago levi pacheco
    2 anos ago

    Ólá! Tenho a licença de piloto comercial e gostaria de saber se tenho que fazer todas as cinco matérias da banca de planador ou se consigo dispensa de alguma matéria como regulamentos e meteorologia por exemplo. Grato.

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Não existe mais a isenção de matérias nas provas teóricas. Ou seja: vc terá que fazer a banca completa sempre que pleitear licenças em categorias distintas.

  13. Fillipi
    2 anos ago

    Minha prova teórica de PPH venceu em 03/01/15. Voei só 13 horas. Sei que preciso fazer uma prova de regulamentos.
    Minha dúvida é:
    Existe a possibilidade de alterar para PPA? Fazendo regulamentos + teoria de voo?
    Ou não?

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Minha prova teórica de PPH venceu em 03/01/15. Voei só 13 horas. Sei que preciso fazer uma prova de regulamentos.
      R: Sabe? Na verdade, não precisa mais.

      Minha dúvida é:
      Existe a possibilidade de alterar para PPA? Fazendo regulamentos + teoria de voo?
      Ou não?
      R: Não, tem que fazer as 5 matérias de novo…

      • Fillipi
        2 anos ago

        Obrigado Raul…
        Então meu PPH teórico não vence mais?

        Para eu fazer as 5 matérias não sou obrigado a fazer o curso novamente né? Posso estudar por conta… ou já está valendo essa obrigatoriedade?

  14. Adriano
    2 anos ago

    Olá Raul, boa noite. Inicialmente, parabéns pelo portal. Bom, estou buscando a alguns meses algumas informações referentes ao processo de obtenção de licença PC/IFR MNTE. Minha grande dúvida é quanto a validade das horas voadas IFR, bem como as horas de simulador. No meu caso, estou com a banca válida e realizei minhas horas de simulador em março de 2014. De lá até então tenho realizado horas IFR, voadas também em aeroclube. Essa semana, finalizei as horas noturnas e pretendo solicitar meu check, no entanto, as informações são sempre muito confusas quanto a validade dessas horas, tanto de simulador quanto voadas. Gostaria de saber se estão vencidas ou não?

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Não há nada no RBAC-61 sobre validade das horas de treinamento IFR, tanto em voo quanto em simulador.

  15. Gualter
    2 anos ago

    Raul, boa tarde.

    Se possível me tire uma dúvida, a respeito da contagem de horas para o piloto segundo em comando em voos de aviação de segurança pública (rbha 91 subparte k), as horas serão lançadas como piloto em comando, integralmente, em uma aeronave certificada para operação mínima de um piloto, mas que tem o duplo comando? Tendo em vista, ainda, que tal rbha e subparte falam da necessidade do segundo em comando, ou seja, na teoria o segundo em comando é obrigatório nos voos elencados na subparte k.

    Obrigado.

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Não sei se entendi direito a sua pergunta, mas em resumo é o seguinte:
      -Aeronave homologada como single pilot, operação 91 VFR/IFR, comandada por piloto não-instrutor, só o comandante tem o direito ao registro das horas (como PIC, no caso);
      -Aeronave homologada como single pilot, operação 91 VFR/IFR, comandada por INVA, o comandante tem o direito ao registro das horas PIC, e o “aluno” ao registro das horas em duplo-comando de instrução (neste caso, o voo não pode ter pax, carga, ou ser de uma missão a trabalho);
      -Aeronave homologada como single pilot, operação 135 VFR, mesmas regras acima;
      -Aeronave homologada como single pilot, operação 135 IFR, o comandante tem o direito ao registro integral das horas, e o copiloto a 50%;
      -Aeronave homologada como multicrew, operação 91/135/121 VFR/IFR, comandante e copiloto tem o direito ao registro integral das horas.

  16. Ludson Humberto
    2 anos ago

    Raul, no RBAC-61 diz que voar em aeronave experimental (entendo, avião ou helicóptero) pode ser lançado as horas na CIV e essas contarem como horas para fins de experiencia. Então, por exemplo, o piloto de helicóptero tem dificuldades para conseguir colocação no mercado devido pedirem 500 horas de experiência (até por causa do seguro), sendo assim, se após realizar o PCH, o mesmo vier voar até 500 horas em helicóptero experimental (exemplo esses monoplaces Mosquito, Helicycle, entre outros), talvez seja um bom caminho??

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Depende do que as seguradoras pensam disso… Se elas exigirem pelo menos 500h em helicóptero certificado, nada feito. Vc tem que investigar o que está na apólice, pois é este o grande drama da empregabilidade de pilotos de helicóptero.

  17. Walter Machado
    2 anos ago

    Ola Boa tarde….

    Fiquei sem voar pouco mais de 15 anos, decide retornar agora em 2015 e ja obtive a cma valida de 2a Classe, considerando o fato de ja possuir em CIV registrada algo em torno de 40 horas de voo, desejo saber se posso aproveitar essas horas agora para PP.

    • Erica
      2 anos ago

      Boa noite por favor iniciei as horas de vôo do meu PC á 3 anos e fiz por volta de 60 hrs de PC e não voei mais, e hj eu gostaria de voltar, já rechequei mnte e agora vou prosseguir meu PC. É verdade que mesmo eu não tendo voado outros aviões sem ser d aeroclube eu tenho q checar meu PC com 200 hrs devido a interrupção?

      • raulmarinho
        2 anos ago

        Essa questão do “ininterrupto” é subjetiva: o RBAC-61 (seção 61.101) não especifica isso. Então, o que é uma “interrupção”? Vc ficar 1 mês sem voar? 2 meses, 1 ano? Realizar voos fora do curso enquanto estiver em instrução? Não há definição quanto a isso. Porém, eu acredito que, no seu caso, que ficou 3 anos sem voar, há enormes chances de a ANAC considerar que houve interrupção; logo, acho muito provável que eles irão exigir as 200h de vc, sim.

  18. Eduardo
    2 anos ago

    Olá Srs, estou em dúvida qto a Recheque de Tipo R44, tenho experiência recente, para eu rechecar agora, dentro em breve termina o período de 30 dias de extensão, entrei em contato c uma escola e informaram q necessito fazer 01h de instrução revisória e após o recheque, isso é correto? O regulamento fala em Hora de voo ou em Aula? E é necessário msm essa instrução revisória na escola, ou pode outro INVH na maquina dele declarar ??

    • raulmarinho
      2 anos ago

      A tal 1h de instrução em solo E em voo são requisitos mesmo. E tem que ser feito no âmbito de uma escola homologada, não dá mais para fazer com o INVH amigo.

  19. Eduardo André Senna
    2 anos ago

    Raul,

    Por favor: Sou checado INVA e possuo o INVH teórico (vencido). Necessito realizar novo exame teórico para checar o INVH?.
    Abraço.
    Eduardo Senna

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Isso é uma incógnita. Porque, como a regulamentação das provas teóricas permanece no vácuo, o que manda é o que a ANAC está fazendo no momento. E, hoje, eles estão admitindo a validade das provas como indeterminada, mas isso pode mudar de uma hora para outra sem aviso.

      • Eduardo Senna
        2 anos ago

        Raul,
        Agradeço o retorno, a gentileza e o profissionalismo.
        Parabéns pelo site.
        Eduardo Senna

      • Eduardo Senna
        2 anos ago

        147020
        INVH
        SC
        CAEP-APR
        27/02/2014
        ONLI
        APR

        Raul,

        Copiado do site da ANAC, no dia de hoje.
        Repare que consta a validade ( 27.02.2014).
        Indago: pró-forma ou realmente vencido?. Pois como vc colocou ” considerado , atualmente, com validade indeterminada”?.

        • raulmarinho
          2 anos ago

          O que tenho ouvido de pessoas que tentam “revalidar” a banca é que a ANAC os manda de volta para casa dizendo que “não precisa mais”… Então, em princípio, essa data de validade seria pro-forma mesmo. Mas ressalto que isso não tem nada de “oficial”, mesmo porque o assunto não está regulamentado na ANAC desde 2012.

          • Eduardo Senna
            2 anos ago

            Raul,
            Mais uma vez, minha gratidão e reconhecimento.
            Abraço.
            Eduardo Senna

  20. Paulo
    2 anos ago

    Boa noite! Em primeirissimo lugar, parabens pelo site, muito bem elaborado, e esclarece realmente muitas duvidas.
    Fico grato se puder me ajudar com a seguinte duvida: se eu tenho um aviao e sou INVA, posso dar instrucao no meu aviao particular, contando essa hora tanto pra mim quanto para um aluno?
    Agradeco antecipadamente!

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Pode. Mas com o avião TPP fora do acervo do aeroclube/escola, ele não poderá ser utilizado em curso homologado, e o aluno não poderia desfrutar das reduções para PC (teria que voar 200h), e ele não poderia ser usado no curso de PP. Faria mais sentido vc arrendar o avião para um aeroclube, e dar instrução nele reclassificado como PRI.

      • P Wildt
        2 anos ago

        Boa tarde! Em primeiro lugar parabens novamente pelo site maravilhoso. Tenho a mesma duvida sobre instrucao em acft particular e lancamento de horas pro aluno e pro INVA. Eu entendi perfeitamente a resposta, mas estou ha dias vasculhando as RBAC e nao consigo encontrar a fonte dessa informação. Onde se encontram tais informacoes que dizem que posso voar aviao particular com INVA e os dois contarem a hora?
        Obrigado novamente!

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Não está no RBAC-61. Há uma IS ou Portaria (ou algo assim) falando sobre isso que, infelizmente, não consegui achar.

  21. Augusto
    3 anos ago

    Raul,

    Primeiramente parabens pelo site, muito legal, tenho uma pergunta na qual nao achei a resposta em lugar algum, mas acredito que vc saiba, para voar king air 350, é necessario o pla teorico ou precisa estar checado? Porque?

    Muito obrigado

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Como o King 350 tem MTOW>12.500lbs, enquadra-se nessa exigência (61.213-a-1-i): “ter sido aprovado em exame de conhecimentos teóricos da ANAC de Piloto de Linha Aérea, conforme estabelecido na seção 61.137 deste Regulamento, exceto para habilitações de helicópteros certificados para tripulação mínima de 1 (um) piloto, aviões turboélice com peso máximo de decolagem de até 5670 kg (12500 lbs ) e dirigíveis”. E precisa estar checado, como em qualquer outro TIPO.

  22. Guilherme
    3 anos ago

    Boa noite Raul, eu estou com uma dúvida, quais requisitos para rechecar o mono por experiência recente ? Quantas horas preciso ? E em quanto tempo ? Uns falam que em 2 anos, 20hs em comando, e nos últimos 3 meses 1h em comando, outros 20hs em
    Comando nos últimos 3 meses. Poderia me esclarecer ?

  23. Ednilson Rocha
    3 anos ago

    Caro Raul Marinho, sou piloto comercial checado e gostaria de solicitar meu check de INVA. Possuo algumas horas que voei com um amigo meu que é INVA, porém a aeronave não é homologada para instrução e o RBAC 61 fala da quantidade de horas necessárias para a concessão da licença mas nada diz a respeito da aeronave ser ou não de escola. Caso solicite meu check a ANAC pode indeferir meu pedido? Grato pela atenção

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Olha… Em tese, vc está correto, mas para lhe ser sincero, nunca vi alguém em situação similar à sua, então não sei como a ANAC entende a questão. Por isso, prefiro não opinar neste caso.

  24. Beto Oliveira
    3 anos ago

    Prezado Raul, boa noite! Vamos ver se você consegue me ajudar, fazendo um grande favor… Fiz toda a minha formação e acumulei minhas horas na FAB. Agora que estou aposentado, resolvi fazer o processo junto à ANAC, solicitando licença e habilitações. O problema é que meu processo foi indeferido. A Anac alegou que não identificou minha experiência MLTE. Voei apenas as aeronaves T25, T27, C208 Caravan, E110 Bandeirante e E120 Brasília. Entendi que, portanto, não consigo a habilitação de classe por não ter voado uma aeronave mais simples, como o Seneca. Correto? Então, como devo proceder? É possível tirar a licença, a habilitação mnte e as de tipo, sem a mlte? A Anac não detalhou… Apenas indicou que meu processo foi indeferido e que devo realizar um novo (o que implica em novas taxas, claro). Na verdade essa lógica não entra na minha cabeça. Sempre voei asa fixa, multi, e não sou habilitado mlte? O único detalhe que não indiquei nos documentos enviados foram as horas de instrução que tive nas diversas aeronaves. Será que esse foi o problema? Estou tentando uma explicação para o meu caso…. Obrigado e parabéns pelo seu trabalho!

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pois é, Beto… Imagine a situação do sujeito que entrou na TRIP lá por 2008, nas seleções em que a cia não exigia MLTE para copila de E190. Esse piloto, hoje, pode ser comandante de E190 na Azul sem o MLTE. Ele voa multimotor? Claro! Ele tem a habilitação do E190 na carteira, inclusive. Mas Seneca/Baron ele não pode voar – e, a não ser que ele tenha revalidado seu MNTE por conta própria, nem Paulistinha ele vai poder voar. É um caso muito parecido com o seu. Entendeu a lógica da ANAC?

      Não sei se o T25 é MNTE, mas o C208 eu sei que é – então, dá para vc obter o MNTE. Também dará para vc obter as habilitações dos TIPOs do E110 e do E120 – que podem, sim, ser obtidas sem o MLTE. Agora, o MLTE propriamente dito, só se voar as 12h requeridas num Seneca/Baron mesmo. Aí vc vê o que te interessa nessa nova carreira civil…

      • Beto Oliveira
        3 anos ago

        Ok entendi. Muito obrigado pelos esclarecimentos. Mas como posso aproveitar o processo já iniciado? Eles me informaram que o processo, uma vez indeferido, não pode mais ser aproveitado. A ANAC, nesse caso, não pode emitir a licença e habilitações que estão comprovadas (nas documentações enviadas)? Deixando a MLTE de lado? Tenho que fazer os pagamentos de todas as taxas novamente? E a taxa referente à habilitação MLTE, não será devolvida? Ou seja, tenho que abrir novo processo e pagar as GRU novamente? Mais uma vez, obrigado pela atenção!!!

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Olha, Beto, pela “regra” (não me pergunte qual! nunca vi isso escrito…) é isso mesmo. Mas, se vc conseguir falar com alguém da ANAC, talvez vc possa pelo menos reverter o indeferimento para um “deferimento sem MLTE” (já a devolução da taxa do MLTE, acho quase impossível). Mas vc vai precisar ser muito hábil, porque os canais de acesso são sempre com atendentes terceirizados que não passam de meros anotadores de recados, e vc precisa falar com um servidor da GCEP. Vai ser difícil, mas impossível não é.

          • Beto Oliveira
            3 anos ago

            Ok! Obrigado mais uma vez! Boa noite!

  25. Ricardo
    3 anos ago

    Boa tarde Raul,
    Estou prestes a checar o PC e uma noticia bombástica chegou a meus ouvidos. As horas de simulador que fiz não valem mais!! Foram feitas no FRASCA do Aeroclube de SP.
    A questão é: nenhum órgão pode retirar o direito que tem ou mudar a regra do jogo depois do início. É o famoso “direito adquirido”. Sejamos mais práticos: existe alguma chance de um eventual recurso ser aceito pela ANAC na contagem destas horas?
    Abraços
    Ricardo

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Em 1o. lugar, vc tem que checar se o simulador estava homologado na época em que vc fez suas sessões. Se não, esqueça, vc perdeu… Se sim, peça que te entreguem cópia da documentação que prove que seu treinamento foi realizado regularmente, e use-a no seu recurso. Se, mesmo assim, não funcionar, resta ainda a Justiça Comum para vc apelar (só não sei se vai valer a pena financeiramente).

  26. Thiago
    3 anos ago

    Olá Raul,

    Dentro de toda essa salada feita pela ANAC em relaçao a o RBAC61 estou com algumas dúvidas a respeito de Habilitaçao de Tipo, no que tange as revalidaçoes e requalificaçoes.
    Eu primeiramente selecionei algumas palavras chaves: Curso Teórico, Curso Prático, Exame de proeficiência, Exame de proeficiência para Revalidaçao, Exame de proeficiência para Requalificaçao e Instruçao de voo.
    Para rechecar uma aeronave tipo, antes do vencimento da habilitaçao o RABAC fala 61.213 (3) (F) (ii) que, “Os exames de proeficiência para revalidaçao ou requalificaçao de habilitaçao de tipo PODEM ser realizados integralmente em simulador nível C ou D” afinal somente por esta frase fica subentendido que para rechecar é facultativo fazer ou nao simulador para revalidar a habilitaçao, no entanto, no item 61.215 (a) (1) o mesmo informa que, “ter concluído com aproveitamento, nos últimos seis meses, em centro de treinamento certificado pela ANAC, curso teórico e prático para revalidaçao da habilitaçao referente ao tipo da aeronave requerida”.
    Caro, a pergunta é, qual seu entendimento sobre o assunto: Para se efetuar o recheque em aeronave tipo é ou nao necessário o recheque ser efetuado em simulador? A sequencia desta pergunta é: Se só existir simulador fora do Brasil, eu sou obrigado a me deslocar para outro país afim de fazer o simulador lá? Hipoteticamente, se as entidades cadastradas pela ANAC, em relaçao a aeronave pretendida forem nos EUA e eu nao conseguir o visto americano?
    Fique a vontade para comentar qualquer assunto sobre esta postagem.

    Obrigado, Thiago

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pois é, Thiago, o problema do cheque/recheque de TIPO está realmente muito confuso, então vou te responder da maneira mais simples possível, sem justificar com trechos do regulamento, etc. Ok?
      Hoje, não é preciso checar o TIPO em simulador, dá para checar no avião. Porém, de acordo com o regulamento em vigor, após 21/09 o cheque teria que ser só no simulador mesmo, e aí o piloto teria que se virar para conseguir o visto, etc. Maaaaasssss… Tudo isso deverá mudar antes de 21/09, com a publicação da EMD004 ao RBAC-61, e isso (checar só no simulador, ir para o exterior, etc.) não seria necessário. Deu para entender?

      • Thiago
        3 anos ago

        Caro Raul, muito obrigado por sua resposta. Suas palavras são sempre esclarecedoras em todos os aspectos, tomara que a Anac siga o seu raciocínio e efetue as devidas alterações no RBAC 61, não só nesta parte mas em tantas outras problemáticas e confusas.

  27. Diego Assis
    3 anos ago

    Boa tarde Raul. Pelo que entendi, posso fazer meu check de PLA em simulador FSTD ou superior, correto? No meu caso seria um Classe D (Boeing)

    Abraços e parabens pelo site

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pode. Embora acredite que checar num Seneca fique mais barato…

      • Diego Assis
        3 anos ago

        Primeiramente, obrigado pela atenção em responder.

        E sim, mais barato fica mesmo rsrs mas tive a infelicidade de abrir todo o processo pra checar no Seneca mas caso o check não seja feito em 90 dias, o processo é cancelado. No meu caso, devido falta de checadores e mesmo assim cancelam.

        E só pra acrescentar, caso alguém queira checar também no Seneca, é necessário estar com a carteira de MULTE válida, senão o check pode ser cancelado mesmo depois de feito.

        Abraços

  28. ricardo
    3 anos ago

    Boa noite raul! Gostaria de saber se a instrução revisoria ja esta em vigor . Sou pch chequei o R44 em novembro já se passaram mais de 3 meses. Se voar hje posso lançar em comando? Ou terei q fazer uma instrução revisoria? Grato.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      A instrução revisória está em vigor, mas não se aplica ao seu caso. Vc precisa readquirir experiência recente no TIPO, o que é muito mais simples – vide seção 61.21 do RBAC-61. Mas enquanto a sua exp.rec. não estiver OK, vc não pode voar em comando.

  29. Carlos
    3 anos ago

    Raul boa tarde Chequei o PPH, o nome ja ta no sistema, mas a escola nao deixa eu voar o PCH pq dizem que tenho q estar com CMA primeira classe, procede, ou devo ter o cma 1ºclasse para fazer o cheque de PCH, sabe onde acho isso no RBAC para mostrar p eles. Grato

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pelo RBAC-61, vc realmente só precisaria do CMA de 1a. classe para checar. Ocorre que vc está voando num curso homologado pela ANAC, e existe um Manual do Curso de PCH em vigor, que toda escola de aviação tem que seguir. E nele está escrito que vc tem que ter o CMA de 1a. classe desde a 1a. hora de voo do curso de PCH, sim. Ou seja: sua escola está certa.

      • Jorge
        2 anos ago

        E se eu fizer essas horas em avião particular com CMA 2 Classe? Tá errado também?

        • raulmarinho
          2 anos ago

          Não. Nesse caso, vc não precisaria seguir o Manual de Curso de PC da ANAC, e só precisaria do CMA de 1a classe para checar.

  30. Leonardo
    3 anos ago

    Raul, para obter habilitação PP é preciso frequentar um aeroclube ou posso continuar meus estudos em casa e fazer os exames teóricos?

  31. Diego Luzini
    3 anos ago

    Olá. Estou querendo tirar o MLTE e tenho avião particular e um amigo inva para instrução. Gostaria de saber se é possível pegar instrução e também checar nessa aeronave? depois das horas de simulador posso fazer as horas de ifr nessa aeronave? e checar o ifr também? Obrigado

  32. Pedro
    3 anos ago

    Boa tarde Raul, eu gostaria de saber o seguinte. Eu sou checado PP MNTE a dois anos e enfim chegou a hora do bendito recheque e o que acontece é que depois que chequei eu só voei Ultraleve avancado (RV9) e foi em media umas 300hrs Existe a possibilidade do recheque por experiencia recente com as horas em que voei nele? Grato!

  33. Ricardo Wagner
    3 anos ago

    Gostaria de saber sobre recheque de planador por experiencia, sem realizar o voo de recheque. E possivel? Pois sou proprietario de um Ximango e tenho muitas horas recentes, e esta vencendo a minha licenca. Obrigado Ricardo Wagner

    • Alexandre
      3 anos ago

      Também procuro essa informação.
      Conseguiu alguma resposta?
      Abraço

  34. Lucas
    3 anos ago

    Raul, conforme dados citados abaixo, eu terei que realizar um curso teórico, para realizar a prova do PLA, isso a partir do dia 22/06/13. A pergunta é, Eu tenho curso superior, mesmo assim eu terei que realizar o curso para fazer a prova teórica do PLA??

    Atualização das 23:00h Faltou falar que a necessidade dos cursos teóricos presenciais de PP e PLA terão carência de um ano. Ou seja: ate 22/06/13, ainda será possível obter as CCTs de PP e PLA somente com a banca da ANAC.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Nossa, que confusão… Mas vamos lá:
      1)Curso superior não tem nada a ver com cursos teóricos obrigatórios exigidos pela ANAC.
      2)O curso presencial de PLA para poder prestar a respectiva banca não é obrigatório, e poderá passar a ser a partir de 22/06/2014, se o atual regulamento não for alterado.
      3)Ocorre que o RBAC-61 está em revisão, e um dos pontos acordados é o de que a obrigatoriedade dos cursos teóricos de PLA não deverão ser obrigatórios.

      • Lucas
        3 anos ago

        ok, entendido, Obrigado!!! Raul
        Sds.

  35. Luiz
    3 anos ago

    Olá Raul Marinho. Gostaria de saber se tendo voado 40 horas em aeroclube(pagando hora por hora é claro) poderei voar minhas horas de PC em avião que não seja de aeroclube(De acordo com o novo RBAC-61, o qual não achei nada tratando do assunto especificamente).

    Obrigado!

  36. Caio Macena
    3 anos ago

    Caro Raul Marinho,

    Estão todos falando que a partir do mês de julho de 2014 não será mais possível a realização das horas em comando visuais ( fora de aeroclube), segundo o novo rbac, com o objetivo de checar mono ifr ou multi ifr, a totalidade das horas do curso de PC av deverá ser feita em aeroclube, não podendo mais fazer as horas visuais em comando fora.

    Isto procede?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Negativo. Isso não foi nem colocado em pauta no workshop da ANAC sobre a reforma do RBAC-61.

    • fredfvm
      3 anos ago

      Caio, então um PP recém checado não pode mais voar monomotor algum ???…. Isso nem de longe pode acontecer. Fique tranquilo quanto a isso…

  37. Marcelo
    3 anos ago

    Qual é a validade de um Ground School do Cessna Sovereing realizado no Brasil?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      O assunto é bem mais complicado do que parece… Vamos lá.
      De acordo com o RBAC-61 hoje em vigor (seção 61.213-a-2), é o seguinte:
      -Até 21/06/2014, vai depender de haver ou não curso teórico e prático aprovado para o TIPO no Brasil. Se houver, não há prazo de validade, já que a instrução remete ao CCT de PLA (com prazo de validade indeterminado); e se não houver, vai depender do programa de treinamento aprovado pela ANAC para o TIPO (não sei em que caso o Sovereign se enquadra); e
      -Depois de 22/06/2014, o curso teórico terá validade de 6 meses, sempre.
      Mas o caso é que o RBAC-61 está em reforma neste exato momento, e não se sabe exatamente como será a redação final do texto sobre este assunto específico. Se vc tiver muita curiosidade, o texto provisório apresentado pela ANAC para a habilitação de TIPO no workshop realizado no mês passado é este aqui: http://paraserpiloto.com/2014/03/25/rrbac-61-a-proposta-da-gcepanac-para-a-habilitacao-de-tipo-treinamento-de-voo-categoria-aviao/. Mas não se sabe, também, se será este mesmo o texto que será enviado para consulta pública, muito menos se será o texto publicado oficialmente (e nem quando).

      Então, meu caro, na prática essa sua pergunta tem várias respostas possíveis, nenhuma 100% segura. Tudo vai depender do que vc quer fazer com esse GS, se quer checar agora ou mais tarde, se o Soverign tem ou não curso homologado, etc. É isso.

  38. Jonas
    3 anos ago

    Boa tarde Raul
    Estou com a seguinte duvida, sou PCA e fiz PPH em escola, chequei com 25 horas conforme RBAC.
    Estou fazendo PCH em aeronave particular, mas gostaria de saber quantas horas preciso para checar o PCH?
    E o que preciso em comando e noturno? lembrando que sou piloto de avião e estou voando PCH em aeronave particular.
    RBAC só diz que é possível checar PCH com 60 horas sendo que voadas em escola, mas não diz os mínimos de horas em aeronave particular.

  39. Gustavo.
    3 anos ago

    Parabéns pelo site Raul, muito esclarecedor. Gostaria de fazer uma “pergunta de prova” e quem sabe você me tira uma dúvida.

    Atualmente para voar no offshore (um AW139, por exemplo) para a PTBR, é necessário fazer o simulador Classe D anualmente e assim revalidar as carteiras(para quem já as possui).

    A minha dúvida é, esse simulador anual é uma exigência da PTBR ou da Anac? Pois já ouvi falar que se a empresa não voa para a PTBR, ou seja, somente para as outras do setor offshore, não há a necessidade de revalidar o simulador anualmente e sim a cada 2 anos. Gostaria de tirar essa dúvida, pois dizem que quem cobra o simulador anualmente é a PTBR e não a ANAC(que cobra a cada 2 anos).

    Procede essa informação? Até pq atualmente para esse tipo de classe só existe o simulador de SK-76 em SP. Os outros ainda são feitos fora do país.

    Abraços.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Vou precisar da ajuda dos universitários neste caso (professores universitários, é claro!). Aguarde.

      • Raul Marinho
        3 anos ago

        A seguir, a resposta do Cmte Bosco da EFAI sobre a questão levantada pelo leitor:

        Prezado Raul,

        Obrigado pela oportunidade de participar deste debate.

        Em primeiro lugar, vamos a alguns fatos:
        No Brasil, como todos sabem, helicópteros são considerados “Tipo”;
        A validade das habilitações técnicas de tipo é de 12 meses;
        A ANAC recomenda com empenho (na realidade, exige) que, havendo simulador, os treinamentos periódicos e os recheques devem ser feitos utilizando-se estes dispositivos;
        A Petrobrás, via de regra, tem requisitos de operação que ultrapassam o estabelecido pela ANAC em seus regulamentos;
        Os requisitos da Petrobrás são, muitas vezes, mais exigentes que os de outras petroleiras;
        Os programas de treinamento das empresas operadoras, obrigatoriamente, tem de atender, no mínimo, o estabelecido nos regulamentos 61, 135, entre outros;
        Por óbvio, e como consequência, esses programas de treinamento tem de satisfazer as exigências da Petrobrás (a não ser que não se pretenda trabalhar para a Petrobrás).

        Agora, alguns comentários:
        Participei do workshop do 61 no dia dos Centros de Treinamento e não percebi tendência a mudanças nos prazos de validade de CHT;
        As empresas enviam seus pilotos para realizarem treinamento em simulador e eles realizam os seus recheques na mesma missão e, por isso, não vejo como fazer o simulador uma vez a cada dois anos.
        Desconsiderando o fato de eu poder estar desatualizado, não vejo como a ANAC “exigir” simulador a cada dois anos se o recheque tem de ser anual;
        Teoricamente, se o programa de treinamento de uma empresa é aprovado para atender o cliente mais exigente, não vejo como a empresa poderia descumpri-lo quando prestando serviço para algum cliente mais, digamos, flexível;
        Temos, no nosso quadro de instrutores, pilotos com vivência em operação offshore, inclusive com boa experiência em AW139, que confirmam que todo mundo faz simulador uma vez por ano;
        Com a ressalva de sempre de que posso estar enganado, discordo do colega quanto ao fato de que a ANAC cobra simulador uma vez a cada dois anos. A ANAC não cobra simulador. O atual 61 diz, no parágrafo 213.(a).3. ii e iii, o seguinte: (ii) O exame de proficiência deve ser realizado em simulador de voo nível C ou D, qualificado e aprovado pela ANAC, correspondente à habilitação de tipo requerida. Caso seja realizado em simulador nível C, o exame de proficiência para concessão de habilitação de tipo deve ser seguido de exame complementar em uma aeronave do modelo correspondente à habilitação requerida. Os exames de proficiência para revalidação ou requalificação de habilitação de tipo podem ser realizados integralmente em simulador de voo nível C ou D; e (Nova redação dada pela Resolução nº 305, de 18 de fevereiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 21 de fevereiro de 2014, Seção 1, página 2) (iii) A instrução de voo e o exame de proficiência podem ser realizados em aeronave somente se não houver provisão de simulador de voo aprovado e qualificado pela ANAC correspondente à habilitação de tipo requerida, em conformidade com o programa de treinamento do fabricante ou aprovado pela ANAC.
        Ou seja, a ANAC estabelece que o piloto tem de manter-se habilitado. Para isso, deve realizar um recheque anual. Se houver simulador classe C ou D, esse recheque tem de ser feito em simulador. Acredito e espero que isso vai mudar com a nova versão do 61, mas, por enquanto, é assim. Se o operador é 135 ele tem de cumprir o programa de treinamento aprovado. A exigência do programa de treinamento do 135 é um treinamento periódico cuja validade é, também, de um ano.

        Tentando concluir:

        A ANAC exige a revalidação anual da habilitação de tipo. Se houver simulador disponível em algum lugar do planeta, o recheque deve ser feito no simulador. Gostaria de não ter de dizer o que eu penso disso!
        Desconheço se há provisão para uma obrigatoriedade de simulador ou que o simulador tenha de ser renovado. Os operadores de 135 são obrigados a realizar treinamentos periódicos e me parece muito bom que esses treinamentos sejam realizados em simuladores pelas indiscutíveis vantagens em relação à realização de muitos procedimentos de emergência na aeronave real. O treinamento periódico é anual.
        Haveria a possibilidade de, atualmente e com os regulamentos vigentes (61 e 135), um determinado operador optar por realizar o treinamento periódico uma vez a cada dois anos? NÃO.
        Com os atuais 61 e 135, haveria a possibilidade de um determinado operador optar por realizar alternadamente (ano sim, ano não) os treinamentos e/ou o recheque utilizando a aeronave real e o simulador, de forma a “fazer” o simulador apenas uma vez a cada dois anos? TAMBÉM NÃO.
        Tenho conhecimento de que uma petroleira passou a exigir DOIS recheques anuais. Um no simulador e outro na aeronave. Na realidade, ela cumpre a exigência mínima de um periódico anual e exige um recheque adicional na aeronave.
        Há algum operador que esteja, a atualmente, realizando treinamento em simulador apenas uma vez a cada dois anos? ESTOU CONVENCIDO QUE NÃO.

        Não sei se respondi ou se criei mais confusão…

        Grande abraço,

        Bosco

        • Gustavo.
          3 anos ago

          Elucidou a dúvida Raul, obrigado! Mais uma vez, parabéns pelo site. Grande abraço.

  40. Luciano
    3 anos ago

    Raul sou Piloto PLA aviao tem mIs de 5000hs! Possuo PPH IFR quero chegar o PCH, ja fiz a banca, quantas horas preciso lançar na CIV elet. Horas IFR? horas notruna? Instrucao? E navegacao?
    Tenho mais de 600 hs porem nao lancei para o PCH ainda!
    Abx

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Veja o item 61-101-2 do RBAC-61:

      (2) [Experiência/PC] categoria helicóptero:
      (i) um total de 150 (cento e cinquenta) horas de voo, sendo pelo menos 50 (cinquenta) horas em helicóptero, ou 100 (cem) horas de voo, se estas foram efetuadas, em sua totalidade,durante a realização completa, ininterrupta e com aproveitamento de um curso de piloto comercial de helicóptero aprovado pela ANAC. As horas totais devem incluir em helicóptero, pelo menos:
      (A) 35 (trinta e cinco) horas como piloto em comando;
      (B) 10 (dez) horas de voo de navegação como piloto em comando, que incluam um percurso de no mínimo 300 (trezentas) milhas náuticas, equivalentes a 540 (quinhentos e quarenta) quilômetros, durante o qual deve ter realizado aterrissagens completas em pelo menos 2 (dois) aeródromos diferentes;
      (C) a partir de 22/6/2014, 10 (dez) horas de instrução de voo por instrumentos, das quais no máximo 5 (cinco) horas podem ser substituídas por instrução realizada em FSTD aprovado pela ANAC; e
      (D) 5 (cinco) horas de voo noturno em que sejam realizadas 5 (cinco) decolagens e 5 (cinco) aterrissagens como piloto em comando; e
      (ii) o solicitante de licença para a categoria helicóptero pode ter reduzido o requisito de experiência nas seguintes condições:
      (A) se for titular de uma licença de piloto comercial de avião ou aeronave de
      sustentação por potência, pode incluir metade das horas realizadas como piloto em comando de avião ou aeronave de sustentação por potência até um limite total de 40 (quarenta) horas, ficando dispensado o cumprimento do requisito relativo às horas de voo de navegação; e
      (B) se tiver realizado treinamento supervisionado em dispositivo de treinamento por voo simulado de helicóptero aprovado pela ANAC, o total de horas pode ser reduzido de até 10 (dez) horas relativas a esse treinamento;

  41. guilherme
    3 anos ago

    Raul, sobre a nova lei para tirar de aeronave tipo, como vai ser ? Posso enviar a documentacao ate dia 21 e pegar a lei antiga, checando normalmente ou ja terei que fazer o simulador? Ou para nao ter que fazer simulador tenho que realmente checar antes da data.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Eu publiquei o arquivo com as propostas da ANAC na 6ª feira, vc viu? Lá está a proposta de reforma do RBAC-61, incuindo a habilitação de TIPO. Em breve vou publicar um post sobre isso.

  42. Brandon Olinda
    3 anos ago

    Raul Marinho, ainda é possível revalidar a habilitação somente pela experiência voada sem precisar fazer o recheque, no caso, 50 horas nos últimos 6 meses?

  43. Isaias Silva
    3 anos ago

    Raul parabéns pelo site. Eu trabalho numa seguradora mais especificamente com seguros de aeronaves e tenho uma dúvida quanto a nova rbac61 sobre o treinamento anual em simulador requerido pela ANAC a partir do mês 07 para aeronaves a jato e turbo hélice. Por gentileza, poderia confirmar este entendimento? Realmente será obrigatório o simulador anualmente? Outra dúvida, ele substituirá o check? Desde já muito obrigado

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Em princípio, seria, sim, obrigatório que a concessão e renovação das habilitações de TIPO (para aviões a jato e a maior parte dos turbo-hélices, além de todos os helicópteros) ocorresse em simulador nível “D” ou [“C” + voo de cheque na aeronave] (somente para renovação) a partir de 22/06/2014. Ocorre, meu caro Isaías, que:
      1)Não há no Brasil simuladores desta categoria para todos os TIPOs existentes no país, o que obrigaria os pilotos a obterem/renovarem suas habilitações no exterior, o que encareceria sobremaneira o processo ou o inviabilizaria (há pilotos que não conseguem vistos, outros sem fluência em inglês, etc.); e
      2)O RBAC-61 que regulamenta esse procedimento está em revisão neste momento, e deve ser publicada uma nova versão dele até junho deste ano, e pode ser (é muitíssimo provável) que haja novidades neste ponto também.
      Assim sendo, eu acho que seria pouco produtivo de sua parte tomar alguma medida agora baseado no que poderia acontecer, mas que talvez não aconteça – não sei se me faço entender… Aguarde até que o novo regulamento pelo menos entre em consulta pública para que se possa saber o que deverá, de fato, acontecer quanto a este assunto no futuro.

      • Isaias Silva
        3 anos ago

        Muito obrigado Raul, está sendo muito útil este site e suas respostas. Vamos aguardar o posicionamento da ANAC quanto a esta resolução. Abç

  44. Augusto
    3 anos ago

    Raul, fui em um médico para verificar minha acuidade visual, a de cada olho deu 20/30, porém a de ambos os olhos deu 20/25, será que eu consigo tirar o ccf para PILOTO COMERCIAL, e será que com o passar do tempo vou conseguir revalidá-lo ?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Não sou oftalmologista, então o máximo que posso fazer aqui é reproduzir o que diz o item 67.99-c-1 do RBAC-67:
      (c) O candidato deve atender aos seguintes requisitos visuais:
      (1)deve possuir acuidade visual para longe, com ou sem correção ótica, igual ou superior a 20/30 para cada olho separadamente, e igual ou superior a 20/20 para a visão binocular. Este requisito pode ser atendido com o uso de lentes corretoras (óculos ou lentes de contato.

  45. diogo
    3 anos ago

    pra cheque de pc Visual sao exigidas 10 horas ifr (abatendo 5 no simulador) + 5 horas de voo noturno em comando (alem das 200 totais pra quem fez fora da escola q é o meu caso) mas fiz as horas noturnas na escola, coloco na civ eletronica em comando como é exigido na rbh 61 pra checar ou em instrução ?

  46. Roberto Mancini
    3 anos ago

    OLá Raul

    Sou PC/MLTE/IFR e tenho voado de copiloto num King C90 – o cmte é PLA – quero saber se posso lançar as horas voadas em minha civ digital.

    Outra duvida que tenho é: o cmte quer que eu faça o ground school para checar a carteira do King C90, mas se não estou enganado, a partir de junho 2014, as regras irão mudar e, a partir desta data todos os pilotos de avião tipo deverão checar e rechecar suas carteiras em simulador nivel D. No caso do King C90 este tipo de simulador só nos USA. (Isto é verdade?)

    É verdade que a ANAC irá exigir de aviões tipo como o King C90, tripulação dupla? Seria muito bom pra mim.

    Grato

    Roberto

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Sou PC/MLTE/IFR e tenho voado de copiloto num King C90 – o cmte é PLA – quero saber se posso lançar as horas voadas em minha civ digital.
      R: Na verdade, vc não está voando de copiloto, uma vez que o avião é Single Pilot. O que vc pode fazer é, quando o voo não estiver levando pax ou carga, registrar as horas como duplo comando de instrução, desde que o cmte assine como seu instrutor. Mas isso só vai valer até 22/06, pois a partir daí só INVAs vão poder dar instrução.

      Outra duvida que tenho é: o cmte quer que eu faça o ground school para checar a carteira do King C90, mas se não estou enganado, a partir de junho 2014, as regras irão mudar e, a partir desta data todos os pilotos de avião tipo deverão checar e rechecar suas carteiras em simulador nivel D. No caso do King C90 este tipo de simulador só nos USA. (Isto é verdade?)
      R: Isso é verdade, e é realmente muito recomendável que vc cheque a sua carteira do King até 22/06, mesmo.

      É verdade que a ANAC irá exigir de aviões tipo como o King C90, tripulação dupla? Seria muito bom pra mim.
      R: Até agora, só boatos. Acho difícil, uma vez que a aeronave foi certificada pelo fabricante para ser single pilot.

      • charles de oliveira iavorski
        3 anos ago

        Olá Raul eu sou PP e voo um seneca e um Baron como duplo comando o comandante é PLA gostaria de saber se tem como lançar como instrução para checar o PC ou só o INVA que tinha que lançar? Obrigado e parabéns ao site

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Tem que ser INVA, e mesmo assim vc vai precisar voar um mínimo de 100h em comando para poder checar o PC. Ou seja: mesmo que esse seu amigo fosse INVA, só daria para contabilizar as horas de instrução MLTE e IFR desta maneira.

  47. Roberto Cavalli
    3 anos ago

    Bom dia Raul,
    Parabéns pelo site. São muitas as informações aqui contidas e portanto perdoe-me se estou sendo repetitivo em algumas das dúvidas que tenho.
    Sou PP e PCH. Fiz a banca de PC/IFR no final de 2007 com todas as horas feitas até essa época. Tenho 117h totais sendo 60 como piloto em comando, 20 de simulador, 10h noturno, 35h IFR, 70h navegação. Já qualifico para o cheque? Me disseram que as horas IFR teria validade até o data do cheque, procede? Terei que fazer outra banca?

    Sobre o registro das horas de voo na CIV de papel: as horas tem que estar na ordem cronológica? Voei todas as horas em escola homologada e as lançaram em uma CIV nova, porém as horas de simulador que foram feitas no aeroclube não foram lançadas e estão compreendidas no meio deste período. O que devo fazer? Preciso de alguma declaração da escola para o voo de cheque ou a CIV assinada basta? Que outro procedimento é necessário para pedir o voo de cheque?
    Obrigado e abraços.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Olha, Roberto… As questões que vc apresenta envolvem tantos detalhes operacionais, que eu não me sinto confiante para te orientar – e, eventualmente, falar uma bobagem sobre algum item recentemente alterado que eu não tenha conhecimento. E, para piorar, a maioria deles não está claramente descrito no regulamento, como o caso da ordem cronológica da CIV. Por isso, eu recomendo que vc peça orientação no aeroclube/escola em que vc for checar e/ou recorra aos serviços de um despachante.
      Lamento por não poder te ajudar nisso.
      Abs,
      Raul

      • Roberto Cavalli
        3 anos ago

        Raul,
        Muito obrigado pela atenção e pronta resposta. Definitivamente é uma questão complicada. São diferentes posições e interpretações do mesmo regulamento. Não queria recorrer ao serviço de despachante pois como é tudo feito online, porque não fazer sozinho? Mas eles realmente detêm o conhecimento e a experiência.
        Mais uma vez obrigado. Parabéns pelo site!!! Recomendo a todos!!!
        Forte abraço
        Roberto

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Pois é, mas o “despachante” é, na verdade, uma espécie de consultor, que acho que seria importante num caso desses…
          Tks+abs,
          Raul

  48. Felipe
    3 anos ago

    Olá amigo, gostaria de tirar uma duvida. Estou querendo habilitação de tipo r44 inicial e gostaria de saber como deve ser feito no caso de fazer essas horas em aeronave particular com o piloto sendo instrutor de voo para posteriormente checar numa escola devidamente homologada. Referente a declaração de horas de voo nessa aeronave como deve ser feita?

  49. Alexandre Simões Munhoz
    3 anos ago

    Boa noite Sr. Raul Marinho.
    No documento RBAC61 disponível em http://www2.anac.gov.br/biblioteca/rbac/RBAC61EMD01.pdf consta na capa:

    “Aprovação: Resolução nº 276, de 18 de junho de 2013, publicada no
    Diário Oficial da União de 21 de junho de 2013, Seção 1,
    página 21.”

    E o texto segue até a página 68, subparte M, 61.233, artigo 5 inciso (iii):

    “A partir de 2 (dois) anos após a data de publicação deste Regulamento, o solicitante deve possuir 200 (duzentas) horas de vôo como piloto em comando na categoria de aeronave para a qual requeira sua habilitação de instrutor de vôo, sendo que, pelo menos 15 (quinze) dessas horas devem ter sido realizadas nos 6 (seis) meses precedentes a sua solicitação;”

    O regulamento não especifica a data exata para entrar em vigor. Ele dá dois anos após a publicação e a publicação que é 21 de junho de 2013. Dois anos após seria em 21 de junho de 2015.

    Qual a sua opinião?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      “A partir de 2 (dois) anos após a data de publicação deste Regulamento…”. Que Regulamento é este? O RBAC-61. E qdo ele foi publicado? Em 22/06/2012. Logo, a data para entrar em vigor das 200h PIC para INVAs é 22/06/2014.
      Em 21/06/2013 foi publicada a 1a. Emenda do RBAC-61, que não altera o artigo em questão. Logo, não há por que contar a data de publicação da EMD001 para o cômputo do prazo da entrada em vigor das 200h.

  50. Bruno Martins
    3 anos ago

    Gostaria de saber se agora ficou mt mais complicado pra ser piloto devido as horas de voo para ser INVA ter aumentado? Pq até intão todos que conheço se tornaram instrutores para acumular horas de voo e agora segundo o RBAC.61 isso ficou mais complicado.

  51. Gilberto Filho
    3 anos ago

    Olá Raul, com este novo RBAC-61, que dizem que entrará em vigor este ano de 2014, que para ser INVH vai ter que 200 horas de voo e não mais 100, esta informação procede mesmo ou é mais uma invenção da ANAC? se isto acontecer, como será que essas 100 horas a mais poderá ser feita, a principio é pagando mesmo? ou seja vai ficar enviável ser piloto, pois seu primeiro trabalho é como instrutor, pois pagar cem horas de voo a mais é impossível, hoje para a formação no minimo gasta em torno de uns 75 mil, o custo vai para uns 160 mil. Parabéns pelo o blog, grande abraço.

  52. GUSTAVO MELO
    3 anos ago

    oi Raul a minha situação e o seguinte no momento não estou atuando ou trabalhando na aviação como piloto devido a oportunidades, vou dar uma resumida, trabalho de bombeiro civil, mas meu sonho sempre foi ser piloto, minha situação esta a seguinte queria muito um esclarecimento no momento não queria deixar minhas habilitações vencer pois o investimento foi muito complicado checar até onde estou, bom no momento esta assim meu CMA venceu dia 08/11/2013 , meu MLTE vai vencer dia 06/2014 e o MNTE vence 04/2014 o IFR vence 06/2013 já venceu?, no momento estou pensando na grana para revalidações, se no caso por exemplo passar um tempo e eu não revalidar o MLTE,MNTE e o IFR, vou precisar fazer as provas teóricas tudo de novo???,outra coisa você faz um investimento alto para correr atrás de trabalhar de copiloto para ganhar uns R$1.000,00 ou ate um pouco a mais uns R$2.000,00 isso se ganhar, em algumas empresas de taxi aéreo aqui no Goiás, isto e revoltante outra coisa você passou já nas provas da ANAC de PP,PC, dai passando o prazo de revalidar ou passar muito tempo terá q fazer de novo as 5 matérias??? me esclarece se estou errado então se você gastou para ter essas habilitações e passar o tempo você perdeu todo investimento muito errado isto, aguardo resposta muito obrigado pela atenção.

  53. André Anastas
    3 anos ago

    Ola raul boa tarde!!
    Estou ingressando agora no curso para piloto comercial, fiquei em duvida quanto as anotações de horas para o cheque, eu gostaria de saber por gentileza quantas horas que posso fazer fora da escola e quantas eu preciso pq eu faço alguns voos como comando e gostaria de saber essas horas podem ser contabilizadas, muito obrigado!

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Leia o e-book “Como tirar brevê e quanto isso vai custar”, que está tudo explicado lá.

      • André Anastas
        3 anos ago

        obrigado meu amigo

  54. Silvio Souza
    3 anos ago

    Boa noite!! Fiz o Ground do Agusta em julho de 2013 e vou checar este mês
    02/2014 .
    Pergunta o Ground só vale 6 meses ?
    Se nao checar vou ter que fazer outro Ground ?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Essa questão é bem mais complexa do que parece. Veja o que diz o RBAC-61 – subparte K sobre o ground (ou “conhecimentos teóricos”):

      61.213 Concessão de habilitação de tipo
      (a) O candidato a uma habilitação de tipo deve cumprir o seguinte:
      (…)
      (2) conhecimentos teóricos e instrução de voo:
      (i) a partir de 22/6/2014, ter concluído, com aproveitamento, nos últimos 6 (seis) meses, em entidades certificadas ou autorizadas pela ANAC, pelos RBHA 140, 141, 142 ou regulamentos que venham a substituí-los, curso teórico e prático para a concessão da habilitação referente ao tipo da aeronave requerida; e (Nova redação dada pela Resolução n. 276, de 18 de junho de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 21 de junho de 2013, Seção 1, página 21)
      (ii) até 21/6/2014, demonstrar conhecimentos e aptidão, tendo como base os requisitos da seção 61.137 e 61.139 deste Regulamento, na extensão determinada pela ANAC, como aplicável para aviões ou helicópteros. Se não houver curso teórico e prático aprovado para o tipo no Brasil, esta instrução pode ser ministrada por um PC/PLA devidamente habilitado no tipo, de acordo com programa de treinamento aprovado pela ANAC; e (Nova redação dada pela Resolução n. 276, de 18 de junho de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 21 de junho de 2013, Seção 1, página 21).

      Ok, então, como estamos em fevereiro de 2014 (antes, portanto, de 22/06/2014), o aplicável seria i item ii. Mas há uma pegadinha, que é o que diz respeito aos itens 61.137 e 139, que seguem abaixo:

      61.137 Requisitos de conhecimentos teóricos para a concessão da licença de piloto de linha aérea
      (a) O candidato a uma licença de piloto de linha aérea deve:
      (1) ter completado, com aproveitamento, um curso teórico de piloto de linha aérea aprovado pela ANAC, na categoria apropriada, segundo requisitos estabelecidos pelo RBHA 141 ou RBAC que venha a substituí-lo;
      (2) ter sido aprovado em exame teórico da ANAC para a licença de piloto de linha aérea referente à categoria a que pretenda obter a licença; e
      (3) o requisito estabelecido no parágrafo (a)(1) desta seção não se aplica aos candidatos que forem aprovados no exame teórico para piloto de linha aérea da ANAC até 21/6/2014. (Nova redação dada pela Resolução n. 276, de 18 de junho de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 21 de junho de 2013, Seção 1, página 21)

      Ou seja: vc tem que ter a banca de PLA-H;
      e

      61.139 Requisitos de instrução de voo para a concessão da licença de piloto de linha aérea
      (…)
      (b) O candidato a uma licença de piloto de linha aérea na categoria helicóptero deve ter recebido a instrução exigida para a concessão da licença de piloto comercial na categoria helicóptero, conforme estabelecido no parágrafo 61.99(a)(2) deste Regulamento.

      E aí chegamos à última charada do regulamento:

      61.99 Requisitos de instrução de voo para a concessão da licença de piloto comercial
      (a) O candidato a uma licença de piloto comercial deve ter recebido instrução, por um instrutor de voo autorizado que registre tal instrução em seus registros de voo (Sistema Eletrônico de Registro de Voo ou CIV). O instrutor é responsável por declarar que o candidato é competente para realizar, de forma segura, todas as manobras necessárias para ser aprovado no exame de proficiência para a concessão da licença de piloto comercial. Tal declaração terá validade de 30 (trinta) dias, a partir da data do último voo de preparação para o exame de proficiência.

      O que significa que vc deve ter essa declaração atualizada, para que seu cheque não tenha risco de ser indeferido.
      Captou?

  55. Felipe Carvalho
    3 anos ago

    Boa Noite Sr. Raul.
    Saberia me dizer se PLA ainda pode dar instrução? Mesmo sendo em aeronave TPP? E depois um check com Inspac ANAC.
    No caso seria instrução para inicial de MLTE.

    Felipe

  56. Carlos Alberto
    3 anos ago

    Olá Raul.. Gostaria de saber, se posso tirar o PP em aeronave MLTE, e se é realmente necessário fazer o curso todo em aeroclube.. não posso fazer em aeronave particular? Obrigado!

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Embora, na minha opinião, o regulamento permita que se faça o PP em aeronave particular, o que temos na vida real é que a ANAC indefere 99% dos processos de alunos que não voam todas as horas em curso homologado. Então, na prática, vc não pode tirar o seu PP voando em aeronave particular, infelizmente. E é preciso, inicialmente, obter a sua licença de PP em MNTE para, somente após obter a CHT de PP, obter a habilitação MLTE – não dá para ir para o MLTE direto.

      • Carlos Alberto
        3 anos ago

        Obrigado Raul… Será que fazendo 20 Horas no Aeroclube, e o resto em aeronave particular, ai pode se tirar o PP?

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Infelizmente, não. Hoje em dia, a ANAC só está deferindo processos de PP de candidatos que voem TODAS as horas (ou, pelo menos, as 35h mínimas requeridas) em curso homologado.

  57. Jonas Bittencourt
    3 anos ago

    Boa Noite Raul, eu realizei meu recheque de IFR e INVA a oito meses atras, e meu processo foi indeferido agora oito meses depois.
    Eu posso realizar meu recheque novamente ou teria problemas pois ja passou seis meses de cht vencida no sistema da anac????

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Bola dividida, hein Jonas!? Essa eu acho que até o Marcelo Guaranys gagueja prá responder…
      Bem, mas o fato é que hoje vc está com as habilitações vencidas há mais de seis meses. Logo, entendo que deveria ser feita uma requalificação. A conferir.

  58. Thales
    3 anos ago

    Olá.
    Quanto a obrigatoriedade de simulador anual para aeronaves TPX “tipo” (king c90).
    O check deverá sempre ser feito no simulador?
    Obrigatoriamente simuladores FFS-D? ou C também são aceitos?
    Obrigado

  59. Julio
    3 anos ago

    Alguem saberia dizer se para checar um PC12 operando particular precisa de PLA teorico?
    Abcs

  60. Ivanildo
    3 anos ago

    Gostaria de saber ate quando vai ser a carencia para aquelas pessoas que nao frequentaram aeroclube para fazer a prova da anac de PP

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Vc quer saber até quando será possível realizar a banca online de PP sem ter o respectivo curso teórico, é isso? Se for, é 22/06/2014.

  61. Ricardo Ribeiro
    3 anos ago

    Boa Noite Raul minha Habilitacao de Piloto Privado venceu no mes 09 de 2013, fiz a prova teorica de Piloto Comercial e passei no dia 30/09/2013, gostaria de saber se tem algum problema ter passado mais de 30 dias do vencimento da habilitacao e se preciso fazer prova de Regulamentos para o Recheck? Obrigado

  62. guilherme
    3 anos ago

    Bom dia Raul, gostaria de tirar uma duvida, para voar uma aeronave tipo como por exemplo um king C90 particular é necessario ter o PLA teorico? obrigado.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Em princípio, depende de como cada TIPO está homologado: alguns exigem PLA teórico, outros não – muito embora haja rumores de que a ANAC teria passado a exigir PLA teórico para todos os TIPOs, mas não há nada por escrito nesse sentido (que eu saiba, ao menos). O C-90, especificamente, não exigia PLA teórico há até pouco tempo atrás, mas eu acredito que tenha mudado. Recomendo vc dar uma ligada para as escolas que dão o ground para o TIPO e confirmar se realmente precisa.

  63. ALDAIR
    4 anos ago

    DOCUMETOS NECESSÁRIOS PARA CONVALIDAR LICENÇA ESTRANGEIRA

    Boa tarde.

    Gostaria de saber quais são os 14 documentos necessários para a convalidação de Licença Estrangeira, mencionadas.

    Atenciosamente.

  64. Larissa Barboza
    4 anos ago

    ALGUEM TEM O EMAIL DO RENATO ??
    O QUE POSTO O QUE TODOS GOSTARAM?
    AGUARDANDO . . .

  65. Ricardo Di Donato
    4 anos ago

    Cmte Raul, tenho ground de esquilo feito em setembro de 2011 e prova de tipo em outubro do mesmo ano, , porem não chequei a maquina. Será que este ground ainda é valido para requerer o cheque ou tenho que fazer um novo ground, sendo certo que sei que hoje não mais existe as provas de tipo.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Ricardo, eu acho mais prudente vc checar essa informação junto à escola em que vc fez o ground.

  66. Ricardo
    4 anos ago

    Boa Tarde Raul apesar do tópicos ja estar no ar a algum tempo gostaria de sanar uma duvida sobr a Convalidacao de Licença Estrangeira. O parágrafo 5 cita ((5) ser aprovado em exame de proficiência, com exceção da convalidação realizada com prerrogativas, no Brasil, equivalentes as de piloto privado.) o que isso quer dizer exatamente? Pois o meu caso eu tenho o ATP AMERICANO que seria o equivalente ao PLA BRASILEIRO. Qual seria o processo para convalidacao no meu caso?

    Grato desde ja pela atenção

    Ricardo Santos

  67. Alan
    4 anos ago

    olá gostaria de informações do que é necessário para checar a carteira de king air meu ground school foi em 2010 . porém acredito que não deve valer mais gostaria de saber de todos os requisitos para cheque inicial , se alguém puder me ajudar agradeço.

  68. Luiz Henrique
    4 anos ago

    Boa tarde Raul,

    Estou iniciando o meu PC em escola homologada, e tenho uma dúvida quanto a forma como o plano de voo deve ser feito. Os intrutores fazem o plano de voo no código deles, porém na minha CIV as horas são lançadas como piloto em comando. O procedimento está correto? Ou o correto seria fazer os planos de voo no meu código?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      O mais correto é vc fazer o plano e vc apresentá-lo na sala AIS ou enviá-lo por tel ou fax – muito embora se o INVA fizer isso, não vai te causar problemas. Menos, é claro, quando o voo for duplo-comando de instrução (IFR e MLTE), quando é o INVA que tem que fazê-lo.

  69. Rafael
    4 anos ago

    Boa tarde, Raul, tudo bom?
    Em primeiro lugar parabéns pelo blog, sempre entro aqui quando tenho dúvidas, e geralmente encontro as respostas, então nem preciso perguntar nada hahaha, mas agora to com uma dúvida aqui:
    Estou voando um Neiva Regente, mas ele está como um avião experimental e não acho que haja interesse nenhum em homologá-lo novamente como uma “avião regular”. Pelo que li aqui no post minhas horas voadas nesse avião não contarão para o cheque do PC.
    Mas eu gostaria de cadastrar essas horas na minha CIV eletrônica para contar como experiência de voo, e horas totais, afinal mesmo não estando homologado como um “avião normal” ele o é! hahahah

    A pergunta é:
    Como logar essas horas na CIV eletronica? No RBAC fala:
    “As horas de voo realizadas em aeronaves experimentais, quando registradas na CIV ou no Sistema Eletrônico de Registro de Voo, devem ser identificadas com anotações no campo “Observações”.”
    O que eu coloco no campo matrícula? A matricula dele o sistema não aceita, deixar em branco também não, ZZZZZ também não. Não sei o que colocar no campo matrícula para que o sistema aceite essas horas voadas nesse avião

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Olha, Rafael… Eu nunca havia me deparado com algo do gênero, e não tenho a mais remota ideia de como te ajudar nisso. Acho que não vai ter jeito, vc vai ter que entrar em contato com a GPEL/ANAC e ver se eles te ajudam nisso.
      Boa sorte!

    • Freddy da Silva
      4 anos ago

      Encaminha um e-mail para experimental@anac.gov.br.
      Provavelmente o campo “tipo de carteira para pilotos” no RAB está em branco o que ocasiona erro na CIV digital.

      • Rafael
        4 anos ago

        Obrigado pelas respostas, Raul e Freddy. Vou fazer isso mesmo, mandar um email para este que vc mandou e assim que obtiver uma resposta posto aqui no blog! Obrigado.

        • Rafael
          3 anos ago

          Só dando um feedback do ocorrido no meu caso.
          Mandei um e-mail para a experimental@anac.gov.br e eles me pediram o numero de matrícula da aeronave para a verificação do problema.
          Em 3 dias o problema foi resolvido.

          Obrigado pela atenção de todos, e desculpem-me a demora do feedback.
          Abraços.

    • fábio
      4 anos ago

      Mande um e-mail para experimental@anac.gov.br solicitando a inclusão do prefixo da aeronave, após a inclusão vc consegue lançar na CIV Eletrônica. No meu caso resolvi dessa forma.

      • Rafael
        3 anos ago

        Foi isso mesmo Fábio. Pessoal resolveu o problema rapidinho.
        Valeu, abraços.

  70. Joao Luiz Machado
    4 anos ago

    Prezado Raul,

    Primeiramente parabens pela sua iniciativa.

    Acabo de retornar dos EUA, essa semana peguei finalmente minha carteira ANAC, sou PC MULT IFR, paguei o GRU da prova de teorico de PLA em maio e nao consegui data, porem ja estou empregado e viajo dia 25 para Dallas, para efetuar o curso do aviao, que seria um learjet, nesse caso, preciso abrir mao da vaga, ja que nao consigo data para o pla teorico antes do meu simulador? Mesmo tendo voltado de la dos EUA no meio dessa confusao e mudancas? Espero que nao seja o caso, e possa haver alguma solucao, pois eles exigem a prova e nao dao a estrutura para que voce realize…

    Espero sinceramente que voce possa me ajudar com essa duvida!

    Grato,

    Joao Machado

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      João Luiz, vc me perdoe, mas eu não entendi a sua dúvida. Vc poderia refirmulá-la?

      • Joao Luiz Machado
        4 anos ago

        Desculpa Raul,

        Sem problemas, vou tentar ser mais claro. Estou viajando dia 25 desse mes para a CAE de Dallas para realizar o simulador inicial do Learjet, como disse acabo de convalidar minha licenca do FAA para ANAC e por isso ainda nao possuo a prova de PLA teorico, nao tive tempo de realiza-la. Gostaria de saber se isso vai ser um problema no check, e caso sim, voce imagina que possa haver alguma solucao, ja que segundo li, ficou como pre-requisito para inicial ou revalidacao de tipo, o PLA teorico. Ao menos foi o que entendi, estou certo?

        Muito Obrigado e desulpas novamente!

  71. Hiago Bürgin
    4 anos ago

    Tem muita gente dizendo que as alterações para concessão de habilitação de INV-A entram em vigor a partir do dia 22/06/2013.
    De acordo com o RBAC-61 (lançado em 22/06/2014), o prazo para a alteração seria de dois anos, não é isto?
    Sendo assim, aqueles que pensam que as alterações entrarão em vigor no fim deste mês, estão de fato equivocadas, ou não?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Sim, as alterações para INVA/H – isto é: a exigência de um mínimo de 200h em comando para checar a habilitação – somente entrarão em vigor em 22/06/2014.

      • Silvio Júnior
        4 anos ago

        Raul, desculpe a minha lerdeza.
        Mas o RBAC 61, como diz no cabeçalho do anexo que você disponibilizou no início da matéria foi emitido 21/06/13, ou seja, em 22/06/14 terá feito 1(um) ano, e não dois …
        No item 61.233, 5 (iii) diz : “…A partir de 2 (dois) anos após a data de publicação deste regulamento, o solicitante deve possuir 200 (duzentas) horas…”
        Ou seja, isso seria válido para pedidos de habilitações feitos a partir de 21/06/15. Estou fazendo uma tremenda confusão ou tem nexo?
        Desde já agradeço pelo retorno. Abraço!

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Olha o que está escrito no cabeçalho do anexo do texto que vc se referiu:
          Resolução ANAC nº 237, de 5 de junho de 2012, publicada
          no Diário Oficial da União de 22 de junho de 2012, Seção 1,
          página 3.

          Aliás, o próprio post é de 22/06/2012…
          Não sei de onde vc tirou que é de 2013, mas o fato é:
          A REGRA DAS 200H PARA INVA/H COMEÇARÁ A VALER EM 22/06/2014.
          (A não ser que a ANAC publique algum outro documento que prorrogue essa data… Mas isso não aconteceu ainda.”

          • Silvio Júnior
            4 anos ago

            Fato !
            Desconsidere rs
            …e parabéns pelo blog, você é pedra fundamental para a formação/informação de boa parte de novos e experientes pilotos.

  72. Bruno FERRARI Ferreira
    4 anos ago

    Caro Raul, bom dia!
    Referente a habilitação TIPO, procede a informação que, após o dia 22/06/13, cheque só em simulador? Preciso incluir a Habilitação do KingAir C90 e B200 em minha carteira, porém, estou perdido. Não sei se já “invisto” no GroundSchool ou espero para ver o que realmente vai acontecer. Pelo que entendi, como não existe simulador de KingAir no Brasil, nada muda para essa categoria. É isso mesmo? As horas práticas podem ser dadas por um PLA?
    Desculpe tantas perguntas. Na própria ANAC não consegui respostas sobre.
    Muito obrigado e um grande abraço!

    Ferrari

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Olha, Ferrari, são tantas idas e vindas que eu tenho receio de te orientar errado quanto a isso. Cheque junto às escolas que dão o treinamento do TIPO pretendido, ou junto à GPEL/ANAC.

      • Beto Arcaro
        4 anos ago

        Ouvi dizer, de outros Pilotos, na Oficina, que será obrigatório Simulador até pra Recheque de TIPO!
        Só AFA por enquanto, mas onde tem fumaça…

  73. Bender
    4 anos ago

    Tenho que rechecar o multi, e até agora nao entendi quantas horas terei que voar. No RBAC 61 só fala de 1 hora em intrucao teorica em solo, e 1 hora de revisao em voo, mas nao fala quantas horas dura o cheque etc

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      O cheque de MLTE dura aproximadamente 1:30h. Se for de MLTE+IFR, cerca de 2:30h.

  74. ricardomendes_10@hotmail.com
    4 anos ago

    Raul, muito bom dia, em primeiro lugar mto grato por toda a ajuda que oferece a todos.
    Amigo gostaria de uma infomação, eu realizei as 15 horas de multi (que agora só precisa 12) em intrução em um seneca TPP, voando com um PLA. Ai estou vendo para fazer apenas o check em aeroclube. Porém um amigo tem a possibilidade de me disponibilizar um outro seneca, e terão checadores da anac dsponíveis para a semana que vem. (Aqueles de cheks, e banca etinerante). Qual o procedimento que devo seguir para realizar o check nessa aeronave com esses checadores?
    Obrigado

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Ricardo, esse é um caso muito específico que não tenho informações mais apuradas.
      Recomendo que vc entre em contato diretamente com a ANAC.

  75. Felipe Martins
    4 anos ago

    Olá Raul,

    Mais uma vez gostaria de sua ajuda, pesquisei bastante no blog e não encontrei algo específico para minha pergunta, Poderia eu como candidato a PPH lançar como PIC a partir das 20 horas? escutamos muitas divergências nesse sentido, caso negativo, como seria a forma correta de lançar na CIV tanto a eletrônica quanto a de papel as fases de instrução?

    Muito obrigado pelo apoio de sempre,

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Simplificando a regra, é o seguinte: hora em comando, só depois do PP checado. Antes disso, ou é duplo-comando, ou é solo supervisionado.

      • Felipe Martins
        4 anos ago

        Ok, entendido. Porém como lançar isso na CIV de papel? na eletrônica têm a opção de Piloto em Instrução que acredito ser a que se aplica, mas no caso da de papel ou é duplo-comando ou é PIC, então como ficaria depois da 20a hora?

        Mais uma vez obrigado

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Eu recomendo que vc entre em contato com a GPEL para esclarecere esse ponto – ou então, o próprio aeroclube/escola poderá lhe orientar quanto a isso.

          • Felipe Martins
            4 anos ago

            O problema que na GPEL eles não respondem (nenhuma novidade nisso) e na escola também ninguém tem certeza de nada..Meu ponto de vista e de alguns amigos na mesma situação, se a partir da 20a hora fazemos voo solo teoricamente, seria hora em comando. Alguém nessa situação poderia me ajudar como proceder?

            Obrigado,

            • Raul Marinho
              4 anos ago

              Na época do RBHA-61, as horas de voo solo eram lançadas como horas em comando na CIV, mas essas não eram contadas como horas em comando para fins de experiência para o cheque de PC. Hoje, com o RBAC-61, essas horas são chamadas de “solo supervisionado”.

  76. Rafael
    4 anos ago

    Raul, ainda tenho dúvida quanto a experiência recente, estou com o PP-A em dia, e faço voos de experimentais também, estou a mais de 90 dias sem lançar na CIV um voo em aeronave homologada, se eu quiser voar uma aeronave homologada terei que ir em um aeroclube e fazer um voo de instrução? ou não é necessário? Obrigado

  77. Fernando
    4 anos ago

    Amigo, pode me ajudar com uma duvida? Chequei o PPA ano passado no mes de julho, já dentro da nova regra e com as 3horas de noturno duplo comando. Agora estou terminando as horas de PCA. A duvida esta no voo noturno/experiência recente: antes das 5 horas em comando q vou fazer, terei q tirar a restrição pq meu ultimo voo noturno foi no PP há mais de 90 dias, certo? Quanto tenho q fazer como duplo comando pra tirar a restrição? 0.3hs com 3 pousos? Ou 1hora inteira?
    Abraço e obrigado

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      A duração dos voos será arbitrada pelo INVA que te der a instrução em duplo-comando para vc obter a experiência recente em voos noturnos, e provavelmente será superior a 1h. Mas o tempo total vai depender dele e da proficiência que vc demonstrar em voar à noite.

    • Freddy
      4 anos ago

      Raul posso rechecar PP MNTE em aeronave RV10?

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Não só não pode checar, como as horas realizadas em aeronave experimental também não podem ser contadas para fins de experiência recente ou para obtenção de licença de grau superior. Ou seja: as horas em RV-10 só contam como horas totais.

  78. Pedro
    4 anos ago

    Boa Tarde,
    Estou com uma duvida em relação ao vencimento da minha banca,
    Venceu hoje minha banca de PPH das 5 matérias, não consegui checar ainda, tenho algum prazo sem precisar fazer a prova de Regulamentos? ou sou obrigado a fazer a prova dentro destes 2 anos a mais?
    Posso continuar voando com essa banca vencida? e tentar chegar já que falta pouco para mim?
    Tem alguma GRU que precisa pagar para fazer essa prova de Regulamento se preciso ou vou direto na ANAC e apenas falo que vim fazer a prova sem data marcada pago alguma guia?
    Poderia me ajudar com essas duvida?? Obrigado e parabéns pelo blog.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Venceu hoje minha banca de PPH das 5 matérias, não consegui checar ainda, tenho algum prazo sem precisar fazer a prova de Regulamentos? ou sou obrigado a fazer a prova dentro destes 2 anos a mais?
      R: Vc tem, que fazer a prova antes do cheque de PPH, dentro destes 2 anos adicionais.

      Posso continuar voando com essa banca vencida? e tentar chegar já que falta pouco para mim?
      R: Se vc já solou, continue voando. Se ainda não solou, pode dar problema.

      Tem alguma GRU que precisa pagar para fazer essa prova de Regulamento se preciso ou vou direto na ANAC e apenas falo que vim fazer a prova sem data marcada pago alguma guia?
      R: Em princípio, não tem GRU nem agendamento, mas como esse tipo de coisa muda a toda hora, recomendo confirmar pelo 0800 da ANAC.

      • Freddy da Silva
        4 anos ago

        É possível realizar voo de recheque de PP-MNTE em aeronave RV10?

        Em 5 de março de 2013 08:37, Para Ser Piloto escreveu:

        > ** > Raul Marinho comentou: “Venceu hoje minha banca de PPH das 5 matérias, > não consegui checar ainda, tenho algum prazo sem precisar fazer a prova de > Regulamentos? ou sou obrigado a fazer a prova dentro destes 2 anos a mais? > R: Vc tem, que fazer a prova antes do cheque de PPH, den” >

  79. Érico
    4 anos ago

    Olá Raul, recentemente fiz o CMA e passei na banca para PP. Gostaria muito de saber se essa licença de aluno piloto, ela é tipo a CHT? Com relação a solicitação de autorização de instrução em voo, feito através do SINTAC, qual os procedimentos no preenchimento desta? Aparecem várias siglas e não sei em qual delas encaixa minha situação. Obrigado!

  80. tullio
    4 anos ago

    Boa noite Raul,estamos voando um helicoptero EC130 em operacao TPP,segundo a helibras ele foi homologado e vistoriado para voar com piloto e co-piloto,e no CA da aeronave consta tripulacao minima de 1 piloto.Recebemos uma informacao da Helibras que poderiamos como somos os dois pilotos checados como piloto em comando no EC130 efetuar o registro dessas horas de voo na CIV eletronica.Voce poderia me dizer como fariamos o registro na CIV? Um piloto como piloto em comando e o outro piloto como co-piloto?Grande abraco

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Se o helicóptero está atualmente homologado como SP numa operação VFR/TPP, só há duas alternativas para que os 2 pilotos lancem as horas:
      1)Se um dos dois for INVH ou PLAH, este lança as horas como comandante, e o outro como instrução em duplo-comando – o que, em tese, só poderia ocorrer em voos sem pax/carga, e a opção do PLAH só é viável até 22/06/2013.
      Ou
      2)O operador solicita à ANAC a requalificação da aeronave para multicrew (já que o fabricante admite essa possibilidade), e os dois lançam as horas como comandante e copiloto/FO – só que, neste caso, 100% dos voos deverão ser realizados com 2 pilotos.

      Esta 2a possibilidade só seria obrigatória se o equipamento fosse IFRH operado como TPX, mas nada impede que o operador requeira um maior nível de segurança para operações VFR/TPP. Acho que o operador não vai gostar muito da idéia, mas seria a saída mais correta para o caso.

  81. Wadson
    4 anos ago

    Ola Raul o que vc esta sabendo sobre os comentarios que estao saindo, dizendo que aeronaves tpp tipo ex: king air c90 que anteriormente eram single pilot agora com o novo regulamento passa a ser dual pilot nao sendo possivel nem fazer plano de voo se nao tiver segundo piloto voce sabe ou ouviu falar algo sobre isso? Obrigado

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      De acordo com o “consultor para assuntos de ANAC” do blog, o que existe é uma revisão do RBAC-61 por parte da GPEL/ANAC para, dentre outras coisas, permitir que os copilotos de aeronaves SP, como o King C90, possam contar suas horas de voo. Agora… Transformar essas aeronaves em multicrew, acho meio complicado, mesmo porque elas são certificadas mundialmente como SP. Já ouvi falar sobre isso, sim, e acho “viagem na maionese” exigir copiloto em King TPP, mas como estamos em “Hellmansland”…

      • Wadson
        4 anos ago

        Entao Raul perguntei pois tenho amigos voando b 200 e c90 em SP que estao tendo que voar com dois pilotos por que nao estao aceitando single, ate antes de ver sua resposta conversava com um deles no face que me confirmou pois me disse o seguinte ” o rabac 61 diz que aeronaves tipo sao de tripulacao composta” segundo a anac ja o rab nao.ta complicado isso nao acha ?

        • Freddy da Silva
          4 anos ago
        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Vou chamar o Beto Arcaro, que está bem por dentro dessa história de piloto de King para esclarecer esses pontos.

          • betoarcaro
            4 anos ago

            Pra mim, isso é bobagem, é boato, etc.
            E não seria nem o “61” que regularia esse tipo de coisa.
            Se a ANAC está tendo estas idéias, e isso for verdade, é “Caso de Justiça”!
            Toda a “ergonometria” dos Kings (até a do 350!) é feita para uma operação “Single Pilot” segura.
            É uma questão de certificação!
            King Air é “Tipo”?
            Só o 350!
            Aliás, o King Air, até o B200, só é tipo na cabeça da ANAC!
            O “Duzentão”, por exemplo, preenche algumas características de performance do FAR25 ,que regula aeronaves “Tipo”, baseado no conceito de “Large Aircraft” (Acima de 12.500 Lbs)
            O problema é que ele não preenche todas!
            Operar um King, seja qual for(friso de novo, menos o 350!) como “Tipo” cria até um problema “Legal”, no caso de uma “Rejected Take Off”!
            Se é Tipo você “tem” que voar acima da V1! Se não voar, é por que tem alguma coisa errada, e legalmente, no caso de um acidente, o “Bicho vai pegar”.
            Se for “Classe” você “pode” voar acima da “Red Line” (V1 dos “Classe) mas também pode “abortar”( em alguns casos, até “deve”!)
            Agora, como dar treinamento certificado pelo fabricante, num King Air, como “Tipo”, se ele não possui todas as características de performance para tal?
            Durma-se com um barulho desses…
            Voltando ao caso do “Copiloto”:
            Posso exercer função de Copiloto num King Air? Posso, é claro!
            Posso exercer função de Copiloto num Cessna 210? Posso, também!
            Todo vôo, independente da Aeronave, fica mais seguro, mais “Profissional digamos, quando se tem dois Pilotos “Lá na Frente”!
            Independente de ser TPP ou TPX”!
            Não faz muito tempo, fui chamado por um Amigo para tentar organizar um Táxi Aéreo aqui em Campinas.
            Efetuei diversas pesquisas, nos RBAC´s 135 e, se eu não me engano, no 119.
            Descobrí que mesmo em TPX, Copiloto não é obrigatório!!
            Calma!! Deixa eu explicar:
            Não é obrigatório, desde que eu só voe VFR!!
            Isso mesmo!
            Eu poderia teoricamente voar VFR num King Air, TPX, “Single Pilot”!
            Ninguém faria isso! Ficar voando King abaixo do FL145, mas “Teoricamente”(Tá lá nos RBAC´s!) isso é possível!
            Isso explica o “porquê” dos Helicópteros que só voam VFR, voarem TPX, “Single Pilot”.
            Acredito que tem muita gente fazendo “Pano Preto”!
            Tem muita gente que lê e não entende o que acabou de ler.
            Muita gente “ouve o galo cantar, e não sabe onde”!
            Pensando bem, a própria ANAC se confunde, se contradiz, nos seus desígnios, e a “coisa certa à fazer” fica à mercê da AFA.
            Aí a coisa vai pra “Justiça”, etc.
            Para tudo!

            Abraços.

            • Raul Marinho
              4 anos ago

              Não falei que ele vinha?
              Valeu, Beto! Excelente explicação!

            • Wadson
              4 anos ago

              Bom dia Caro Beto concordo com tudo o queo senhor disse, e afirmo ate tpx em situacao VFR voa single amparado pelo 135, como disse pelo rab tambem as arenovae em questao o 200 250 e 90 sao single, eles argumentam que no RBAC61 diz que aeronaves TIPO tem tripulacao Composta, onde esta isso no 61 que nao vi segundo a anac repito a anac todos os kings sao tipo, so que ao mesmos tempo ela nao emite mais cht beech que antes quem tinha esta carteira voava qualquer king exeto o 350, minha duvida e por conta de que como tinha dito em alguns lugares pilotos ja estao tendo problemas para fazer plano de voo se nao tiver segundo piloto. Vlw

              • betoarcaro
                4 anos ago

                Na verdade, eu ainda não chequei o B200 (agora não tem mais carteira Beech, né?)
                Meu “inicial” deve estar saindo por esses dias, mas, nossos amigos Checadores estão em falta, muito ocupados, etc.(não é culpa deles!)
                Eu voava o Baron G58 da empresa, que foi vendido,
                Trouxe um amigo, Cmte de B200 pra voar comigo e reativamos o B200 que estava parado.
                Vamos operar o Avião em 2 Cmtes, assim que eu checar.
                Por enquanto, estou lançando horas de “Duplo comando”, sempre que o Avião está vazio e lançando como Copiloto, quando o Avião está com passageiros. (outro absurdo!)
                Seriam esses lançamentos de Cplt. irregulares então?
                Por quê eu não tenho a CHT de Copiloto de King air B200!
                Essa carteira nem existe pra Avião TPP Single Pilot!
                Estou em treinamento pra “comando”!
                Voamos quase todos os dias, nas últimas duas semanas, e “não tenho encontrado problemas” em preencher os planos.
                Tenho colocado meu código como “Quem preenche”, e o código do meu colega como Comandante.
                Acho que a solução, para acabar com essas “Discrepâncias” entre RBAC´s e certificações de aeronaves, seria transformar não só o King Air, mas outras Aeronaves erroneamente tratadas como “Tipo”, em “Classe”.
                Se isso não for feito, o RBAC 61, mesmo depois de revisado, vai ficar “Capenga” nesse ponto.
                Isso não quer dizer que não seria mais exigido o treinamento adequado, “Ground School”, etc.
                Acredito que toda aeronave, desde um simples “Bonanza”, mereça uma análise de proficiência adequada e um Ground School bem feito.

                PS: Não me chama de “Senhor” não!!
                Sou “Jovem”!! Meu CANAC começa com 6 .

  82. marco aurelio carvalho de almeida
    4 anos ago

    poxa vida, logo agora q eu estou preste a checar o meu pp, essa anac resolveu mudar inventando essa 3 horas noturnas infelismente, agora la vou eu ter q desembolsar mais dinheiro só jesus

    • Chris
      4 anos ago

      Olá Raul,
      Como você interpreta a palavra “modelo” no RBAC 61.21 (a) 1 etc.? Vários integrantes da ANAC já me falaram que agora não podemos mais voar solo (em comando) num modelo diferente, mesmo se for da classe MNTE, se não temos a experiência recente NESTE modelo, e assim precisaríamos da instrução revisória cada vez que se passaram mais de 90 dias sem voar este modelo, mesmo tendo voado outro modelo da mesma classe. Seria mais do que chato se isso fosse verdade, pois ninguém consegue voar dez modelos diferentes dentro de 90 dias…

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Pois é, mas eu temo que esta seja a interpretação correta do regulamento mesmo. Que é totalmente sem sentido, concordo, mas é o que está escrito. Tomara que a tal revisão do RBAC-61 que ora está em curso resolva também isso…

  83. marco aurelio carvalho de almeida
    4 anos ago

    poxa, logo agora q eu esta prestes a checar meu pp inicial,essa madrasta da anac,resolveu, mudar exigindo essa 3 horas noturnas, lavai ter q desenbolsar mais dinheiro infelizmente, so jesus.

  84. Rafael Csota
    4 anos ago

    Raul, preciso de sua ajuda, estou revalidando Piloto Privado MNTE, só que pede este documento:
    CARTA SOLICITANDO REVALIDAÇÃO POR HORAS. – (Base Legal) RBAC 61
    Do que se trata ? onde vejo o modelo desta carta ?
    Obrigado !

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Vou pesquisar sobre isso e te dou um retorno asap.

    • Maciel
      4 anos ago

      Na minha solicitacao de servisos tambem apareceu essa tal de CARTA SOLICITANDO REVALIDACAO POR HORAS. fiz uma pesquisa rapida na net e nao encontrei nada!! Vou eu mesmo fazer uma carta basica solicitando minha revalidacao por horas de voo…. Quanta besteira esse pessoal da ANAC pede!!!! E tanta burocracia que nem eles mais sabem o pedem!!!! Isso se chama INCOMPETENCIA….

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Nesta semana, o blog deverá mostrar novidades sobre isso. O Cassio foi para uma reunião na ANAC na 6a feira, e ele ficou de investigar que raio de carta é essa.

  85. Fábio
    4 anos ago

    Caro Raul! Para fazer a banca do PP, sendo checado PPL, isenta matérias, ou não? E quantas. Há informações confusas da própria ANAC sobre isso.

  86. CMTE Antonio Alves
    4 anos ago

    Prezado CMTE Raul,

    Solicito dirimir dúvidas quanto a restrição Noturna e abatimento de horas totais para PCA.

    Restrição Noturna:
    Conforme requisitos para a concessão de PCA (61.101), o candidato deverá acumular 5hs como piloto em comando com 5 decolagens e 5 aterrissagens.
    Face ao exposto, procedi da seguinte forma:

    1- Realizei instrução de adaptação na ACFT C-150 (3hs diurna e 2hs noturna); e
    3- Cumpri o total de 5hs de vôo noturno ( vôo local e TGL), em Comando, com um total de 24 pousos (três dias de missão noturna). Observação importante: O Aeródromo é homologado Noturno, fora da Terminal.

    Em análise,o ítem 61.105 (Prerrogativas do titular da licença de piloto comercial e condições que devem ser
    observadas para exercê-las), informa o seguinte:

    (b) Para que as prerrogativas do titular da licença possam ser exercidas à noite, o solicitante deve
    ter recebido instrução duplo comando em voo noturno na categoria apropriada, incluindo
    decolagens, aterrissagens e navegação.

    O ítem navegação, me deixou com “dor de cabeça”. No meu entendimento, para efeito de solicitação de check de PCA serei atendido, mas por não ter realizado Navegação Noturna permanecerei com a restrição. O raciocínio procede?
    =================================================================================
    Abatimento de horas totais para PCA.

    Conforme requisitos para a concessão de PCA (61.101), estou cumprindo o requisito experiência de 200hs totais.No mesmo item informa o seguinte:

    (ii) o solicitante de licença de piloto comercial para a categoria avião pode ter reduzido o
    requisito de experiência nas seguintes condições:

    (D) se tiver realizado instrução em dispositivo de treinamento por voo simulado aprovado pela ANAC, o total de horas pode incluir até 10 (dez) horas relativas a esta instrução;

    Face ao exposto, estou cumprindo 25hs de instrução em simulador AATD para o abatimento de 20hs horas em înstrução IFR.

    Para obter o benefício da redução de 200hs para 190hs totais, devo cumprir 10hs a mais na intrução do simulador, ou a instrução IFR de 25hs abaterá automaticamente?

    Para conhecimento e análise, ja possuo:

    165,4 horas totais dos quais: 110hs de CMD , 57 hs NAV VFR CMD (incluindo a específica de 300MN) e as horas noturnas.

    Face ao exposto, agradeço pelo apoio CMTE Raul.

    Respeitosamente,

    CMTE Antonio Alves

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Sobre sua 1a dúvida, o que eu posso te dizer é que, no meu caso, eu tirei a restrição sem navegação (igual a vc), e depois fiz as horas em comando à noite, e não tive problemas. Acredito que vc tbém não terá, mas se vc interpretar o regulamento ao pé da letra, vc tem motivo para ficar preocupado. Por outro lado, eu acho que não vale a pena vc fazer um voo de navegação noturno só para garantir o deferimento do processo, pois as chances de esse ponto te prejudicar são pequenas. Eu acho que vale a pena arriscar, e se vc der azar de pegarem esse detalhe, fazer um voo noturno de navegação adicional depois. Só para garantir, vá numa benzedeira ou faça um trabalho no terreiro, sei lá… (brincadeira, não me leve a mal).

      Qto à questão do abatimento de 10h, suas 25h horas em simulador IFR já são suficientes, não precisa fazer mais 10h.

      Boa sorte!

      • Antonio Alves
        4 anos ago

        Muito Obrigado pelo apoio CMTE Raul.

        Esfriei a minha cabeça com essa história da restrição noturna.
        Posteriormente, realizarei uma navegação VFR Noturna.

  87. Carlos
    4 anos ago

    Boa Raul ,me de uma ajuda por favor no entendimento.No caso de INVA que diz o seguinte:

    (4) instrução de voo: ter recebido de instrutor de voo devidamente habilitado e qualificado , dentro de um periodo de 3(três) meses precedentes á solicitação,etc….
    Oque isto quer dizer ? “dentro de um periodo de 3 meses” será que as horas práticas devem ser feitas nesse periodo,ou seja terão validade ou o aluno terá 3 meses para fazer a solicitação após o término da aulas de instruçaõ? e se esse regulamento já esta em vigor para o INVA ou é Junho de 2014?
    Muito obrigado.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      1)Isso quer dizer que todas as horas de voo de instrução para INVA devem ter ocorrido dentro de um período de 3 meses prévios ao pedido da emissão da habilitação. P.ex.: vc voou de 01/01 a 30/03, quando checou o INVA, e enviou o processo para a ANAC em 31/03. Isso é o limite.
      2)Já está em vigor. Para 2014, só vai entrar em vigor só a regra das 200h PIC para INVA.

      • Carlos
        4 anos ago

        Muito obrigado pela atenção Raul,ótima explicação ,tirou minhas duvidas ..o negócio então é juntar mais $$$$ ..kkk
        gde abraço

  88. luan rick
    4 anos ago

    Raul fiz a solitação de serviço para revalidação MNTE com inclusão IFRA e me pediram na relação de documentos, CARTA SOLICITANDO REVALIDAÇÃO POR HORAS. – (Base Legal) RBAC 61. O que seria essa tal carta, sendo que possuo somente as declarações de horas voadas no aeroclube.

    grato.

  89. Fernando lima
    4 anos ago

    Olá Raul, tenho essa duvida citada assima será que pode me ajudar com ela?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Qual a sua dúvida, especificamente?

      • Fernando lima
        4 anos ago

        Então Raul, tenho ppav e vôo no experimental, então n vou poder usar as horas dele para checar meu pc? e como fica as horas que eu voei?

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Veja o que diz o item “i” da seção 61.29 do RBAC-61:
          “As horas de voo realizadas em aeronaves experimentais, quando registradas na CIV ou no Sistema Eletrônico de Registro de Voo, devem ser identificadas com anotações no campo “Observações”. Tais horas podem ser consideradas para cumprimento de requisitos de experiência recente, conforme estabelecido na seção 61.21 deste Regulamento; não podendo ser consideradas para concessão de licença de piloto ou elevação de graduação de licença de piloto.”
          Ou seja: suas horas de experimental não servirão para o seu PC, e as horas que vc voou neste tipo de avião terão que ser desconsideradas.

  90. Fernando lima
    4 anos ago

    Raul adoro seu blog,me divirto com as perguntas e com a sua paciência em responde-las. Bom minha pergunta e sobre experimental. Antes eu podia lançar horas para o pc ou qualquer categoria voando experimental, com o novo reg….nao posso mas, vc sabe me dizer se tem alguma carência para vigorar esta? Desde já muito obrigado.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Não tem carência neste aspecto. As novas regras já estão em vigor.

  91. Frederico
    4 anos ago

    Prezado Raul, gostaria de sanar algumas dúvidas a respeito do procedimento de REQUALIFICAÇÃO de que trata a RBAC 61.

    Possuo licença de PC com as habilitações MNTE, MLTE, LPQA e IFRA, todas vencidas há mais de 6 meses.

    Segundo a RBAC 61 eu deveria fazer a requalificação destas habilitações, mas o texto da RBAC 61 é bastante vago ao explicar o que é a requalificação, como trata o item 61.197 do regulamento:

    “(b) Após decorridos 6 (seis) meses, ou mais, desde o final do período de validade estabelecido na
    seção 61.19 deste Regulamento, sem considerar o prazo de tolerância estabelecido na seção 61.33
    deste Regulamento, o titular de uma habilitação de classe não poderá mais solicitar sua revalidação,
    devendo, neste caso, ser efetuada uma requalificação. A requalificação consiste em uma nova
    demonstração, por parte do candidato, do cumprimento dos requisitos de conhecimentos teóricos,
    instrução e proficiência para concessão da habilitação de classe pertinente.”

    Tal texto refere-se à requalificação da habilitação de classe, mas o mesmo se repete de forma idêntica para as demais habilitações, como IFR e LPQ.

    Enfim, qual é o procedimento de requalificação?

    O que é a demonstração de cumprimento dos requisitos de conhecimentos teóricos? Terei que fazer todas as provas teóricas para a licença de PC novamente??

    E os requisitos de instrução e proficiência, terei que fazer o mínimo de 150 horas necessárias para a licença PC novamente, repetindo todas as fases da instrução??

    Enfim, passados os 6 meses do prazo de validade nós “perdemos” nossa licença??

    Prefiro crer que a ANAC foi apenas omissa na RBAC 61 a esse respeito, pois seria um ABSURDO fazer com que pilotos tivessem que refazer toda a sua formação básica para ter suas habilitações válidas novamente…

    Espero que você nos traga alguma luz a respeito desse assunto.

    Obrigado e parabéns pelo blog!

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Frederico,

      Vou pedir ao nosso amigo Cassio Amgarten, checador da ANAC, para nos ajudar neste caso. Aguarde.

      • Freddy
        4 anos ago

        Estou com a mesma dúvida. Vamos aguardar a resposta do Cassio.

        • Frederico
          4 anos ago

          Efetuei uma consulta formal junto à Anac sobre o procedimento de requalificação previsto na RBAC 61 no dia 16/01/13 e a mesma possui prazo de 20 dias úteis para dar retorno a respeito deste assunto. Assim que eu receber o retorno formal irei reproduzir a resposta neste blog.

          Além disso, o Raul já me enviou por email uma resposta informal do checador Cassio, mas a publicação da mesma fica a critério do moderador do blog.

          • Raul Marinho
            4 anos ago

            Pois é, eu estava aguardando essa posição formal da ANAC para redigir um post definitivo sobre o assunto, mas como a ansiedade é grande, vou publicar a resposta do Cassio, e depois a complemento. Acho que com ela, já dá para ter uma boa idéia sobre o assunto.

            • Celso
              4 anos ago

              Ola Raul,boa noite! Voce poderia postar o email do
              Cassio??? Obrigado. Celso.

            • Celso
              4 anos ago

              Ou enviar a resposta do Cassio para mim,haja vista que estou com o mesmo problema do amigo Frederico!!!

              • Raul Marinho
                4 anos ago

                Calma, que eu vou publicar um post sobre isso em breve.

                • Celso
                  4 anos ago

                  Agradeço e aguardo com ansiedade,pois meu PAGR venceu em dezembro e estou sem saber o que fazer para revalidar…ou melhor,o que sera essa tal requalificaçao…imagino que nossa “querida” ANAC nao iria cometer o absurdo de cancelar nossas carteiras,e nos obrigar a fazer todo o curso novamente,mas aqui eh o Brasil,onde TUDO eh possivel nao eh mesmo???

                  • Raul Marinho
                    4 anos ago

                    Pois é, a questão é complicada. Não adianta só reproduzir a resposta do Cassio, tem que explicar algumas coisas, reproduzir o regulamento… Não é um post fácil de escrever. A responsabilidade é grande, eu não posso falar bobagem e prejudicar o leitor. Por isso o post está demorando prá sair.

  92. Carlos Toledo
    4 anos ago

    Oi Raul, primeiramente venho através deste comentário parabenizar o seu blog q é de grande valia para nós aviadores.
    Tenho um amigo q precisar revalidar o MLTE, ele é PPAV e já checou o MLTE, porém necessita pagar a GRU. Voce saberia me informar qual o código GRU para revalidaçao de CHT MLTE? Já procurei na tabela de serviços no site da ANAC porém só encontro de MNTE.
    Abraço,
    Carlos

  93. Marielen
    4 anos ago

    Oi Gente

    estou tentando entender o que a ANAC está querendo dos copilotos para checarem o PLA.
    ontem liguei lá e a moça leu comigo o item 61.141 – Requisitos de experiência para a concessão da licença de piloto de linha aérea.
    Segundo a servidora da ANAC o copiloto que está sob a supervisão de um piloto com PLA cumpre os requisitos do item (i) um total de 1.500 (mil e quinhentas) horas de voo que incluam, pelo menos:
    (A) 500 (quinhentas) horas de voo como piloto em comando sob supervisão ou um mínimo de 100 (cem) horas de voo como piloto em comando mais um mínimo de 150 (cento e cinquenta) horas como piloto em comando sob supervisão;
    O proble ma é que tem muita gente gastando uma grana para fazer todo o procedimento e quando chega lá na ANAC ela indefere o pedido…
    Parece que a ANAC só considera como piloto em supervisão quando o copiloto já está em treinamento para comando…mas se for assim, ninguém vai mais conseguir checar o PLA por conta, e vai ficar todo mundo dependendo das empresas.
    Não sei se vcs concordam comigo, mas eu acho injusto vincular o PLA ao treinamento para comandante…vcs sabem melhor do que eu quanto tempo pode demorar para um copiloto ser promovido!

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Então… É por isso que, depois que o RBAC-61 foi publicado, ninguém mais consegue checar o PLA fora de companhia aérea! É um absurdo, mas hoje, o único caminho viável é vc ir para os EUA e checar o ATPL, e depois convalidar a licença no Brasil. Só assim para obter o PLA no RBHA-91 atualmente.

      • Marielen
        4 anos ago

        Está cada vez mais complicado…
        será que as horas de voo que os copilotos tem quando estão em instrução não poderiam ser aproveitadas? porque nesses casos, eles estão sob a supervisão de piloto com PLA, e que ainda são instrutores.
        Alguém já conseguiu assim?
        Até mais e boa sorte para todos nós!

  94. Eric
    4 anos ago

    Boa Noite! Parabens pelo blog.
    Sou piloto da aviação comercial, voo A320 de copiloto. Gostaria de checar meu PLA e não tenho MLTE.
    É possível checar em aeronave monomotora? Desembolsar um curso de MLTE é muuuuito caro.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Bem… Imagino que vc queira checar o seu PLA no Brasil fora da companhia (RBAC-91), certo?
      Neste caso, eu lamento informar que, depois da entrada em vigor do RBAC-61, esse cheque ficou caótico na ANAC, e a não ser que o sucessor do Camilo Baldy tenha colocado ordem na casa, os pilotos estão tendo muita dificuldade para ter o cheque de PLA fora do RBAC-121 aprovado.
      De qualquer maneira, qdo acontecia (na época do RBHA-61), o cheque de PLA em RBAC-91 só ocorria em MLTE, no mínimo (geralmente Seneca), ou então em TIPOs multimotores (King, CJ, etc).
      Hoje em dia, os copilas de linha aérea têm optado por checar o ATPL/FAA nos EUA, geralmente em simulador (numa PanAm Academy da vida), e depois convalidado a licença na ANAC. Desse jeito, não precisa do MLTE, embora fique ainda mais caro…

      • Chumbrega
        4 anos ago

        Raul, você sabe se houve alguma mudança neste sentido?
        Esse cheque em simulador, tem algum guideline aqui no blog? Sabia sobre o ATP em avião multi, mas nunca ouvi falar de checar em simulador…
        VLW!

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Pode,sim. Na verdade, segundo o RBAC, esta é a opção preferencial. O problema é que a atual interpretação da ANAC está inviabilizando o cheque de PLA fora de linha aérea.

  95. Carlos Toledo
    4 anos ago

    Tenho um amigo, no qual, venceu habilitaçao MLTE em 2003. Quantas horas ele precisará voar para poder checar e revalidar o MLTE?

    Obrigado pela atençao Raul,
    Carlos

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Veja o que diz a seção 61.197 do RBAC-61 sobre o caso do seu amigo (o negrito é meu):
      “Após decorridos 6 (seis) meses, ou mais, desde o final do período de validade estabelecido na
      seção 61.19 deste Regulamento, sem considerar o prazo de tolerância estabelecido na seção 61.33
      deste Regulamento, o titular de uma habilitação de classe não poderá mais solicitar sua revalidação,
      devendo, neste caso, ser efetuada uma requalificação. A requalificação consiste em uma nova
      demonstração, por parte do candidato, do cumprimento dos requisitos de conhecimentos teóricos,
      instrução e proficiência para concessão da habilitação de classe pertinente
      .”
      Ou seja: ele tem que começar tudo de novo. Conhecimentos teóricos para MLTE não se aplicam, mas ele terá que comprovar experiência de pelo menos 12h em voos de instrução em duplo-comando MLTE.

  96. Carlos
    4 anos ago

    SOu PCH e fikei mais de 3 meses sem fazer voo noturno, devido a experiencia de voo recente, fui obrigado a realizar 1 hora d voo noturno com minimo de 3 pousos. Mas como lanço essa hora noturna na civ? Lanço em comando ou duplo comando? Na civ digital preciso especificar algo no campo observaçoes?
    Grato

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Antes do vencimento, pode ser em comando ou duplo; após, só duplo. Coloque “voo noturno” no campo de obs, embora isso não esteja especificado no regulamento.

  97. Fernando Lima
    4 anos ago

    Olá muito bom mesmo o post viu..deixa eu te perguntar, quanto a BANCA DA ANAC, mudou alguma coisa ? pois eu fiquei sabendo que agora se reprovar 2 matérias da segunda época, você poderá realiza-la até passar, mesmo que passe em um e reste a outra, confere isso ?? obrigado.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Não nmudou nada que eu saiba… Na realidade, o RBAC-61 nem trata desse assunto.

  98. Marques
    4 anos ago

    Ola Marinho, tenho licença PC e habilitações MLTE/IFR/INVA. Estou a mais se seis meses sem voar IFR, e pelo que entendi não poderia atuar como piloto em comando IFR conforme o item 61.21 (b).

    Estou certo disso?

    “..(b) Nenhum piloto pode atuar como piloto em comando ou segundo em comando em voos por instrumentos ou em condições meteorológicas abaixo dos mínimos estabelecidos para voo visual, a menos que:

    (1) tenha realizado, nos últimos 6 (seis) meses, no mínimo, 6 (seis) horas de voo sob condições de voo por instrumentos reais ou simuladas, das quais 3 (três) horas, incluindo 6 (seis) aproximações por instrumentos, tenham sido realizadas na categoria da aeronave correspondente à habilitação; ou

    (2) tenha sido aprovado em exame de proficiência na categoria da aeronave em que esteja habilitado. A ANAC poderá autorizar a realização de parte ou todo o exame de proficiência em um FSTD.:…”.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Sim, é isso mesmo.

      • Glauber
        4 anos ago

        Boa noite Raul, aproveitando o mensagem do colega Marques, estou na mesma situação dele. Então gostaria de saber qual a maneira correta para revalidar minha habilitação IFR de modo a poder atuar como piloto em comando de voo IFR, já que estou a 8 meses sem voar IFR?

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Veja seção 61.225 do RBAC-61 (disponível no blogroll).

          • Glauber
            4 anos ago

            Muito obrigado. Abraco.

  99. Diego
    4 anos ago

    Boa Noite Raul!

    Em relação ao PPH, a partir de 22/06/13, também será obrigatório a realização de curso teórico em escola homologada?

    Grande Abraço!

    Diego

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Sim.

      • Luciano Cavalcante
        4 anos ago

        Raul, onde posso checar se uma escola é REALMENTE homologada? Sei que no site da ANAC tem uma listagem disponivel, mas queria ter certeza mesmo. Estou com receio de uma “escola” que estou pleiteando me matricular não ser homologada, mas diz que é….

  100. DanielReal
    4 anos ago

    Boa Tarde,

    Raul, surgiu uma grande dúvida ao ler esta notícia da ANAC:

    http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_CHAVE=778

    Pelo o que entendi não é necessário realizar a prova do equipamento antes de iniciar (e registrar) a instrução no avião.

    Minha dúvida seria para uma aeronave a qual não há simulador no país tão pouco o ground school (necessário a declaração de um PLA) e tão pouco a prova do equipamento no banco de dados da ANAC. Já que as provas serão realizadas antes do voo de cheque, posso eu registrar as horas de instrução até a data do voo de cheque sem ter realizado a prova do equipamento ?

    Grato

  101. Arnoldo
    4 anos ago

    Caro Raul,

    Bom dia !

    Existem colegas que dizem que é possível (permitido) lançar horas de instrução de King mesmo sem o ground, com um limite de 200h caso; O Piloto em comando seja PLA E a aeronave seja TPP. Ja tentei em todo lugar achar um “fundamento” para isso, e não encontro. Li atentamente seu post e inclusive o RBAC61 (particularmente item B), porem a confusao ainda é grande :)

    Voce ou algum dos colegas tem alguma informação sobre isso ?

    Abraços e voos seguros a todos

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Olha, Arnoldo, há um tempo atrás (não muito tempo, foi depois da publicação do RBAC-61, mas ainda na gestão Camilo Baldy no GPEL), eu conversei com um funcionário da ANAC, que me disse que não daria para lançar horas de copila de aeronave SP. A única possibilidade seria lançar essas horas como duplo-comando de instrução, caso o cmte fosse INVA ou PLA (neste 2o caso, com restrições – procure um post sobre isso no blog).

      Ocorre que, no meu entendimento, há a possibilidade de as horas de copila em aeronave SP serem contadas, sim! Basta que a ANAC interprete corretamente o RBAC, fato raro na gestão Baldy, como vc sabe… Bem, mas em breve deverá haver um novo gerente da GPEL, e espera-se que as coisas mudem. Então, vamos esperar um pouco, e assim que a mudança ocorrer, vou voltar a investigar o assunto. Pode ser que haja novidades positivas em breve. Vamos torcer!

      • Arnoldo
        4 anos ago

        E ficamos sem saber :) rs !
        Grato pelo retorno Marinho ! Excelente blog.

  102. Valmir
    4 anos ago

    Bom dia , sou PLA checado com Tipo , IFR, MLTE, INVA. Agora sob o novo RBAC 61, fiz recheque Tipo e IFR, agora terei que fazer outros três vôos de recheque, MLTE , MNTE e pasmem INVA separados, como vôo Tipo e bimotores não tenho experiência recente necessária em monomotores ( apesar de voar ULAC….. ), e tenho que recorrer à aeroclubes…..para instrução e recheques. Pergunta: Existe algum movimento para interpelar ANAC sobre estas incoerências ? Sugiro tbém uma campanha de explicações da ANAC junto aos proprietários de aeronaves, poque como explicar-lhes estas novas despesas para com seus pilotos ? Eu particularmente terei que arcar com as de MLTE, MNTE e INVA se quiser manter minhas habilitações…….

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Existe algum movimento para interpelar ANAC sobre estas incoerências ?
      R: Pois é, Valmir, não existe, e este é um aspecto que as entidades do setor deveriam se preocupar. Acabei de escrever sobre isso na resposta a uma outra pergunta, nesse post aqui: http://paraserpiloto.wordpress.com/2012/10/23/camilo-baldy-gerente-do-gpelanac-e-exonerado-do-cargo/

      Sugiro tbém uma campanha de explicações da ANAC junto aos proprietários de aeronaves, poque como explicar-lhes estas novas despesas para com seus pilotos ?
      R: Muito bem colocado, meu caro! Isso é uma coisa que só depende da gente (digo, associações de pilotos, SNA, etc.), e importante para “limpar a nossa barra”!

  103. Eduardo Rico
    5 anos ago

    Opa, boa noite. Tenho um PLA checado que voa um baron. E eu sou PC/IFR/MNTE. Esse PLA checado, pode assinar as horas pra eu poder checar MLTE, ou só INVA?

  104. nathan arayjo
    5 anos ago

    O meu pp-teórico venci em novembro 2012, e eu to com 20 horas ainda. se eu nao checar antes da validade do pp- teórico, eu tenho que fazer as 5 provas ou somente a de regulamento?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Até 2 anos depois de vencido o CCT, só a prova de REG.

      • wagner ferreira
        4 anos ago

        Sou PP/A checado, e tenho o teorico PC/IFR, se náo checar em 2 anos, terei q fazer todas as materias? Qual o prazo maximo p que eu faça somente regulamento.
        Grato

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Se vc não checar em 2 anos, tem mais 2 de prorrogação, só com a prova de REG.

  105. Romulo Lima
    5 anos ago

    Boa Tarde e parabens pelo Blog! Chequei o PPH agora. estou voando para um particular com um instrutor de voo em troca de horas. Agora que jah sou PPH, como devo lançar minhas horas na CIV digital? Piloto em comando? Piloto em instruçao? Quantas horas preciso para checar meu PCH? Obrigado, aguardo resposta. Romulo Lima.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Você vai lançar parte das suas horas em comando, e parte em duplo-comando, de acordo com o requerido no RBAC-61 (vc pode baixa-lo pelo blogroll). O ideal seria vc seguir o Manual do Curso de PCH, tambem – mesmo não estando matriculado num curso homologado de PCH (tbem disponível no blogroll). E, para o seu caso, serão necessárias 150h de voo total, no mínimo.

  106. Bruna
    5 anos ago

    Boa tarde ,
    Parabéns Raul por esse Blog!!
    Gostaria de saber se as 40 hrs IFR para checar PC/IFR podem ser assinadas por um PLA?
    Grande Abraço

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Se a instrução ocorrer fora do âmbito de algum curso homologado, em aeronave particular, pode até 22/06/2013. Mas fique preparada para, eventualmente, ocorrer um indeferimento inicial do processo, pois esse entendimento não está ocorrendo de maneira homogênea na ANAC (dá para reverter depois). Se vc quiser ter certeza de não ter dor de cabeça, faça a instrução com um INVA.

      • Ivan Massaro
        4 anos ago

        Bom dia Raul, no regulamento antigo, sobre as horas mínimas estava escrito: O solicitante de realizar 40hs sendo que pelo menos 15hs em curso homologado pela ANAC; na norma nova não especifíca isso, diz assim: 40hs ou 35hs se forem efetuadas em sua totalidade em curso aprovado pela ANAC. Fala sobre 20hs de instrução duplo comando, 10hs voo solo (5hs navegação) etc… Minha pergunta, pelo meu entendimento não é obrigatória uma quantidade mínima em escola homologada, pois não está escrito, então um aluno proprietário de aeronave poderia fazer 40hs de aula contratando um INVH e registrando as aulas em sua aeronave. O Sr. pode tirar esta dúvida? Obrigado. Ivan Massaro.

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          É exatamente isso, Ivan: vc pode comprar o seu Cessninha e realizar toda a sua instrução nele, desde que cumpra os requisitos do RBAC-61. O ideal é que vc tbém siga o Manual do Curso de PP, mesmo que não seja obrigatório, pois aí vc tem como demonstrar que teve sua instrução conforme manda o regulamento.

  107. david
    5 anos ago

    Parabéns pela pagina, ajuda a tirar várias duvidas…

  108. Ronaldo
    5 anos ago

    Boa tarde,

    Gostaria de saber se e possível utilizar 200h de voo em helicoptero para somar nas horas necessários para realizar o cheque inicial PLA em avião.
    Sou piloto comercial helicóptero, mas hoje minha carteira esta vencida.
    pelo que entendi, agora pode!! estou correto?

    abs,

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Continua sendo impossível misturar horas de aeronaves de categorias diferentes.

      • Ronaldo
        5 anos ago

        Raul, Vi isto aqui… RBAC 61.141(b)
        (b) O candidato a uma licença de piloto de linha aérea para uma determinada categoria de
        aeronave que já seja titular de licença de piloto comercial ou piloto de linha aérea em outra
        categoria distinta pode ter reduzido o requisito de experiência de horas totais. O total de horas pode
        incluir até 500 (quinhentas) horas realizadas em uma ou duas categorias de aeronave diferentes
        daquela para qual é requerida a licença de piloto de linha aérea.

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Putz, vc tem razão! Desculpe-me, eu me enganei. Então dá para usar suas horas de PCH para o seu PLAA, sim!

          • Ronaldo
            5 anos ago

            Cara, no inicio também achei estranho, este foi o motivo de perguntar para outra pessoa… rsrsrs… As coisas estão mudando muito..

            muito obrigado!

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Eu tinha visto isso qdo o RBAC foi publicado, mas acabei esquecendo… De qquer maneira, acho que ninguém ainda usou o artigo na prática. Qdo vc entrar com o processo, o analista da ANAC vai achar que vc tá maluco…

              • Ronaldo
                5 anos ago

                Raul, ate tenho as horas, mas vou mandar com a horas que tenho de PCH só pra ver como fica!!!! Depois mando notícias!!

                • Raul Marinho
                  5 anos ago

                  Boa! Nunca se deve perder uma chance de apavorar os anaquianos.

                  • Ronaldo
                    4 anos ago

                    Raul. demorou… mas meu processo foi aceito pela ANAC com as 200h de helicoptero.. Já estou com o PLA na mão!!!!

                    • Raul Marinho
                      4 anos ago

                      “A fé remove montanhas”, não é isso que está nas escrituras? Rsss…
                      Parabéns, Ronaldo!

  109. Diego Costa
    5 anos ago

    Eai pessoal, alguém ai sabe me dizer, agora que passou um tempo do novo regulamento, pode PLA assinar instrucao ainda, sendo mais expecifico, para treinamento de MLTE ? Amigo meu voou o MLTE dele com PLA, ele checou antes do RBAC61, ontem a habilitacao dele foi aprovada. Vale saber agora se os cheques apos o RBAC vao aceitar isso. Bons voos.

  110. Marcio Calazans
    5 anos ago

    Boa tarde,

    Estou em duvida em relação as horas de voo visuais.

    Agora então caso eu tenha uma aeronave, poderei fazer meu treinamento visual, ou seja, 40 horas nesta aeronave desde que voe com Instrutor credenciado pela Anac?

    Estou em duvida quanto a isso!

    Obrigado

    Marcio

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Isso já era assim no RBHA. Não mudou nada.

      • Marcio Calazans
        5 anos ago

        Oi,

        Mas antes o que podia ser feito era apenas 25 horas em aeronave particular e obrigatoriamente teria que ser feito 15 horas em aeronave de escola devidamente homologada.

        Segundo informações, agora ao invés de apenas 25 horas, a Anac liberou que se faça – totalidade das horas em aeronave particular, ou seja, 40 horas.

        Esta é minha duvida, se esta informação realmente procede.

        Agradeço se ajudar,

        Marcio

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Sim, procede.

          • Raul, você teve noticia de alguem que já tenha checado PP tendo feito todas as 40hrs fora do aeroclube/escola?

            Tem um conhecido meu teimando que isso não é possível, mesmo após a publicação do RBAC 67

  111. Gustavo
    5 anos ago

    Ola, gostei muito do blog. Poderia me ajudar?

    Faço o curso de PC em Bragança Paulista, não homologado para IFR. Portanto cada hora de treinamento IFR que faço, eu perco 0,1 hora pelo pouso e 0,1 hora para a decolagem por serem visuais. Estas 0,2 horas que perco podem ser lançadas como VFR em comando como parte das 70 visuais que preciso ou simplesmente eu “perco” elas? Existe alguma clausula no RBHA falando sobre isto (Procurei muito mas não achei)?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Vc não pode lançar essas horas de “excedente IFR” em comando, mas vc não as perde completamente: elas conta, como horas totais. Não existe clausula especifica sobre isso no RBAC, trata-se de uma interpretação do regulamento.
      Mais sobre isso aqui: http://canalpiloto.com.br/como-tirar-breve-e-quanto-isso-vai-custar-p-2/

      • Paulo
        5 anos ago

        Raul, eu liguei na ANAC e fui autorizado a lançar esses 0,2 em comando. Bons voos

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Isso não faz sentido, uma vez que vc está numa missão de duplo-comando de instrução IFR. Mas se foram os “hómi” que falaram que pode, quem sou eu para discordar…

  112. Julio Neto
    5 anos ago

    boa tarde Raul!
    gostaria por favor que vc pudesse tirar uma duvida.
    Para a contagem de horas o piloto que tiver que fazer um duplo comando em uma aeronave single pilot tipo R44, este deverá ter vinculo empregaticio com o explorador da aeronave? e terá que a ANAC que autorizar ter o duplo nesta aeronave? pensando assim ficou quase impossivel realizar contagem de horas desta forma pq qual explorador vai querer criar um vinculo empregaticio com um segundo piloto que as vezes vive de pernadas e oportunidades de voo!!ou estou errado??poderia me explicar melhor obrigado!!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Baseado em que parte do texto vc entendeu isto? Não vi nada no RBAC que levasse a tal conclusão, mas posso tar “passado batido” em alguma coisa… Esclareça sua pergunta, por favor.

      • Julio Neto
        5 anos ago

        Boa dia !!
        Eu estou me referindo na Parte 61.29 item d !!

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Bem… No item citado, o regulamento fala em “segundo em comando”, enquanto que na sua pergunta original, vc fala em “duplo comando”, que são coisas diferentes. Então, eu entendo que, no caso de um piloto sentado na esquerda de um comandante de R44, haverá duas possibilidades:
          A) Se o cmte for INVH, o voo poderá ocorrer em DC de instrução para o piloto da esquerda, como já era no RBHA; mas
          B) Se o cmte não for INVH, o ocupante do assento da esquerda poderá registrá-lo como “segundo em comando”, contando 50% ou 100% das horas (vide itens “d” e “e” do artigo 61.29), desde que este seja funcionário do operador e a ANAC assim permitir expressamente.

          • Julio Neto
            5 anos ago

            Entendi Cmdo perfeita a sua analise.
            muito obrigado por esclarer minha dúvida e penso que poderá ser usado na dúvida de outros pilotos que estão nesta situação. até a proxima e Deus te abençoe!!

  113. Luciano de Souza
    5 anos ago

    Boa tarde Raul, fiz em fevereiro 30 horas de simulador IFR na EJ e me falaram que eu só tinha 6 meses pra checar o IFR, senão as 30 horas do simulador seriam perdidas, isso procede? Outra duvida, é quanto tempo tenho pra checar o PC Prático após aprovação na Banca teórica. Abraços.

  114. Leonardo Lebtag
    5 anos ago

    Boa Noite Raul, primeiramente gostaria de parabenizar pelo seu blog, acessei pela primeira vez a duas semanas atrás e já sou leitor fiel. Achei muito interessante o espaço para discutir as mudanças, sempre fui adepto ao estudo dos regulamentos, e é difícil encontrar boas discussões sobre o assunto.
    Já li e reli o RBAC achei vários pontos que acho necessário um debate.
    O Primeiro deles é da revalidação de Classe… Pelo que entendi acabou a Verificação de Perícia (cheque), para resumir somente a 20 horas nos últimos 2 anos e 4 horas em navegação, e estar com a experiência recente válida. Concorda?
    Pergunto isso pois voo aeronave tipo, e eu podia revalidar minha habilitação de MLTE apenas apresentando a experiência recente nessa classe juntamente com o meu cheque de Tipo. Estou tentando entender como vou atender esses requisitos agora.
    Estou me perguntando, se agora vou precisar abrir uma solicitação de revalidação separada pra minha habilitação Classe e vou ‘receber’ essa revalidação, sem cheque sem nada.

    Outra dúvida enorme que tive foi a respeito da revalidação de IFRA.
    Então agora vou precisar uma ‘aulinha’ em solo, e 1 hora de instrução de voo. Ficou bem estranho, e dificultou bastante! Não entendi porque a ANAC quis facilitar em alguns quesitos, eliminar a Verificação de Perícia, e dificultar em outros.
    E ficou mais complicado ainda entender o item:
    “61.225
    (2) ser aprovado em exame de proficiência realizado em conformidade com o parágrafo 61.223(a)(6) deste Regulamento.”

    Ao ler o parágrafo 61.223 (a)(6) se refere a concessão de habilitação IFR… Que salada ein?

    Fico triste ainda ao perceber que uma grande dúvida não foi resolvida… é o caso de quem voa mais de uma aeronave tipo, ou mais de uma classe. Posso revalidar IFRA no MNTE e voar IFR no King Air? ou posso revalidar o IFRA no King air e voar IFRA no Citation???? Muitas especulações, muitos ‘achismos’, vários exemplos de um amigo de um amigo meu, mas de concreto nada!

    Novamente obrigado, e agradeço ter a oportunidade de tocar esse debate pra frente.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Leonardo, eu acho que muitas das novidades do RBAC só ficarão plenamente entendidas na medida em que os casos práticos forem acontecendo. É muito difícil dar uma interpretação teórica sobre alguns assuntos, pois não se sabe como a ANAC irá entendê-los. Mas há trechos bem redigidos que já são possíveis de interpretar com bastante segurança, e estes eu estou analisando aqui no blog. A maioria dos pontos que vc citou está na fila para serem analisados aqui, então fique ligado que em breve serão publicados novos posts sobre isso. Suas duvidas estão anotadas, e serão incluídas nos respectivos textos.
      Anos,
      Raul

  115. murilo
    5 anos ago

    alguem sabe o que eh preciso para iniciar voo de intrucao em aeronave tipo?

  116. Rômulo
    5 anos ago

    Saudações!

    Fiquei em dúvida quanto à revalidação do IFR (dentro dos 6 meses). Pelo que entendi, essa instrução revisória tem o mesmo valor de uma experiência recente a fim de revalidação. Só não está claro como comprovar a tal instrução.
    E tem mais… se o instrutor declara tal instrução no SACI, o candidato à revalidação fica dispensado do recheque?
    Abraços!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Comprova voa e-CIV, com o INVA validando a instrução eletronicamente. E eu tbem entendi que não tem recheque.

      • Freddy
        5 anos ago

        Os aeroclubes ainda podem aplicar a prova de regulamentos para revalidação de PP?

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Que eu saiba, essa prova já era feita na modalidade de “banca on line” nas instalações da ANAC.

  117. Johnny
    5 anos ago

    De que forma vai ser feita Requalificação citada no Item – 12, 61.225 (b)?

    A requalificação consiste em uma nova demonstração, por parte do candidato, do cumprimento dos requisitos de conhecimentos teóricos, instrução de voo e proficiência para concessão da habilitação de voo por instrumentos pertinente.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Veremos quando a ANAC começar a aplicar esse artigo na prática, mas tudo indica ser um recheque mesmo, parecido com os atuais.

  118. Aruan
    5 anos ago

    Boa tarde Raul, meu MLTE E IFRA vencem em Agosto deste ano,o passo para o recheque será o mesmo ou mudou alguma coisa? Li que para revalidar o multi serão necessárias 12 horas, é verdade que o voo de recheque não existe mais, será necessario apenas um voo de intrução?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Leia os artigos sobre experiência recente e instrução revisória, além da sub-parte de habilitação de classe. Se persistirem duvidas, volte aqui.
      Abs,
      Raul

  119. Marcelo Bittencourt
    5 anos ago

    Pelo visto eu vou ter que alongar mais ainda o tempo para tirar o PP.
    Estava contando com a facilidade de fazer um EAD e ditar o meu ritmo.
    Agora ao que entendi vou ser obrigado a frequentar um curso presencial.
    Anac tentando ajudar, mais em certos aspectos dificultando muito a vida dos que necessitam se dedicar também aos trabalhos para poder sustentar a familia! Ê situação!

  120. Maxwell
    5 anos ago

    O ATUAL RBHA 61 DIZ O SEGUINTE: Requisitos para concessão da licença de piloto privado. Experiência
    (a) Experiência para as categorias avião e helicóptero.
    (1) O solicitante deve ter realizado, no mínimo, 40 horas de vôo como piloto na categoria de aeronave
    para a qual é solicitada a licença, das quais pelo menos 15 horas devem ter sido realizadas em curso homologado
    pela ANAC

    A minha dúvida em relação à nova RBAC 61 que entrará em vigor ano que é : Não pode mais fazer horas fora do aeroclube, escola etc… ???

    Tenho um Amigo que é INVA, mas ele não faz parte de aeroclube, inclusive já é PLA. Será que ele não vai poder me dar instrução?

  121. Luciano de Souza
    5 anos ago

    Boa tarde Raul,

    Não estava conseguindo lançar minhas horas voadas em duas aeronaves, ambas do mesmo modelo RV-10, pois aparecia na CIV eletrônica que a mesma não era homologada, após email para a ANAC, solucionaram esse problema e as aeronaves estão classificadas como MNTE. Minha dúvida agora é, eu tenho aproximadamente 80 horas de voo em avião não experimental e gostaria de saber se essas horas de RV-10 vão servir para satisfazer os requisitos de horas de voo para concessão da licença de Piloto Comercial.

    Grato.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Não vão, infelizmente. Vou publicar um post sobre isso ainda hoje.

      • Luciano de Souza
        5 anos ago

        Obrigado pela resposta,
        Qual o site onde esse post será publicado?
        Então agora nós lançamos horas de experimental como MNTE, mas só vão servir para comprovar experiência recente? Eu fiz essa mesma pergunta que te fiz acima pra experimental@anac.gov.br, eles mudaram a situação da aeronave, mas falaram que não sabiam responder minha pergunta.

        abs.

        • betoarcaro
          5 anos ago

          Idéia : Voar “Experimental” e uma boa pra inicio de carreira?
          Posta dai, que eu comento daqui…

          • Raul Marinho
            5 anos ago

            O post está aqui: http://paraserpiloto.wordpress.com/2012/06/29/rbac-61-posso-fazer-o-meu-pc-voando-de-rv-10-r-lamento-mas-nao-pode/

          • betoarcaro
            5 anos ago

            Nao digo pra tirar o PC.
            Obviamente nao pode! Aviões experimentais nao pode executar nenhum serviço aéreo comercial.
            Mas, e como primeiro emprego? Muitos tem uso “Executivo”! Pilotos novos voam pra Flyer, entregando e demonstrando RV’s pelo Pais e aqui mesmo na montadora.

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Eu pegaria um emprego de comandante de RV-10 correndo! E, honestamente, nem acho que deveria haver essa restrição quanto à instrução…

              • betoarcaro
                5 anos ago

                Oi Raul
                Bom dia!

                O problema do EXPERIMENTAL, eh que as normas de construção, manutenção e operação nao são padronizadas. O dono, importador e em alguns casos “construtor”, só pode ter 3 aeronaves a cada 5 anos.
                Importa o “Kit”, constroi o avião ele mesmo, ou entrega para alguma empresa, tipo a Flyer, efetuar a montagem. Qdo esta ultima opção acontece, temos aviões bem padronizados, que realmente nao deixam nada a desejar, se compararmos com um avião certificado. Mesmo assim, a montadora nem sempre segue os padrões ” dos certificados”. Vi um RV, outro dia, que o painel era uma “salada” de instrumentos!
                Completamente fora dos padrões IFR.(Sim, um EXPERIMENTAL, pode voar IFR!)
                Para voar, o Experimental exige do Piloto um certo discernimento. O piloto tem que olhar pro avião, verificar os detalhes da construção, condições do motor, etc. A Vans, por exemplo, estipula uma VNE, uma Velocidade de Stol. Essas podem variar, de acordo com as modificações feitas pelo construtor!
                Num RV 10, por exemplo, posso, em vez de colocar um Lycoming, colocar um “Subaru Automotivo”, ou um Ford V6 (da Ranger). Fica bom? Na maioria das vezes, fica! Na “maioria”….
                A maioria dos experimentais que eu já voei, foram muito “bons comigo”!
                Como “Emprego”, acho que eh uma boa, mas, como diz nosso amigo Humberto (@betojet): “Tem que ter cuidado”!!
                Pra instrução, o interessante sera , se a ANAC liberar os LSA’s (Light Sport Aircraft) para instrução básica, como fez a FAA. Já pensou, a molecada voando Skycatcher, Flyer Kolb, RV12, Rans S19, com custo muito mais baixo, nas escolas e Aeroclubes? Paulistinha LSA já existe! Um “Cub” LSA com motorzinho Continental de 65 HP, consumindo 12 Lts/H, seria uma opção bem economica!
                Além do que, renovaria a frota, dos “refugos” Cessnas 150 com mais de 20.000 Hs de célula!
                Será que tem algum RBAC falando sobre isso?
                Seria legal pesquisar!

                Abraços

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Mas como a ANAc não responde uma coisa tão óbvia???Olha isso aqui: http://paraserpiloto.wordpress.com/2012/06/29/rbac-61-posso-fazer-o-meu-pc-voando-de-rv-10-r-lamento-mas-nao-pode/

          • Luciano de Souza
            5 anos ago

            Fiz essa pergunta “Também gostaria de saber se essas horas de experimental contam como horas de voo para satisfazer os requisitos de piloto comercial?”
            e obtive a resposta:
            Prezado,

            Sua solicitação foi atendida.

            Infelizmente não tenho resposta para sua pergunta. Favor entrar em contato com GPEL@anac.gov.br

            Atenciosamente,

            Cesar Silva Fernandes Junior
            Setor de Aviação Experimental e Leve Esportiva

            Gerência-Geral de Certificação de Produto Aeronáutico – GGCP

            Superintendência de Aeronavegabilidade – SAR

            Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC – Brasil

            http://www.anac.gov.br

            até então esperando a resposta da GPEL.

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Absurdo! Nao tem como nao saber responder isso! Basta ler o RBAC, está claríssimo.

  122. Freddy
    5 anos ago

    Sobre o erro ao tentar lançar horas de voo de aeronaves experimentais:

    Prezado,O erro já foi solucionado. Favor entrar em contato diretamente com experimental@anac.gov.br em caso de novos problemas.Att.,Cesar Silva Fernandes Junior
    Setor de Aviação Experimental e Leve EsportivaGerência-Geral de Certificação de Produto Aeronáutico – GGCPSuperintendência de Aeronavegabilidade – SARAgência Nacional de Aviação Civil – ANAC – Brasil

  123. Freddy
    5 anos ago

    Um colega estava a 5 horas de NAV para cheque de PP quando houve a mudança.
    O aeroclube não possui aeronave homologada para voo noturno.
    Ele pode realizar as 3 horas noturnas em aeronave particular com instrutor a bordo?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Em principio, não. A saída num caso desses seria o seu amigo se transferir para um aeroclube que possua avião homologado para vôo noturno para realizar essas missões. Mas o recomendável é ter calma e aguardar o que a ANAC vai resolver sobre esses casos. Acho possível que ela dê um prazo de carência para os aeroclubes se adaptarem.

      • Freddy
        5 anos ago

        Raul, obrigado pela presteza.
        Sinceramente se a ANAC não rever isso, vai parar 90% dos aeroclubes, pois a maioria não possuem acft homologada para voo noturno e os que as possuem, nem sempre teem pista balizada (nem por perto).
        Ainda acho que isso foi um tiro no pé.

  124. sean santos
    5 anos ago

    Oi Raul, td bom ?
    cara , eu to com uma duvida , se vc puder me ajudar agradeço muito. To no final do meu PC pratico. Eu fiz as horas de navegação visual do PC voando por fora (check com 200 hrs) e meu ultimo voo de navega visual na CIV é dia 20/01/2012 e passado um pouco menos de 5 meses eu iniciei o IFR no dia 13/06/2012 começando pelo simulador. Após 5 dias, dia 18/06/2012 fiz as horas noturnas e estou terminando as 20 horas IFR que estao faltando. Minha duvida é : de janeiro até junho (que foi quando eu voltei a voar começando o simulador IFR) passaram um pouco menos de 5 meses, será se vai dar problema pro meu pedido de check eu ter ficado parado esse tempo sem voar ?
    Li o RBAC 61.21 que fala que tem q ter passado 90 dias pra experiencia recente, mas no meu caso é diferente ? mata essa duvida que ta me matando. rsr . abraço !

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      No é que o seu caso seja diferente… É que as regras sobre experiência recente são de 22/06, e a época em que vc ficou parado era anterior, portanto vc não pode ser penalizado por descumprir uma regra que não existia. Agora, vc está voando, e portanto de acordo com o regulamento. Está tudo Ok então.

      • sean santos
        5 anos ago

        hum , entendi. Obrigado pela ajuda !

  125. Tiago Dreyer
    5 anos ago

    Raul, tenho uma novidade interessante (pelo menos no meu caso, é bem útil):
    De acordo com informações obtidas pela secretaria do Aeroclube do Paraná, a meu pedido, diretamente com a gerencia regional (ger) da anac em Porto Alegre, quem já está voando, em instrução, seja para PC ou PP, terá um ano de tolerância para checkar a referida licença, contando horas conforme o RBHA 61.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Pôxa, mas que ótima noticia! Parabéns!

      Qdo vc tiver algum documento atestando isso, me mande para eu publicar no blog, ok?

      Abs,

      Raul

      • Tiago Dreyer
        5 anos ago

        Sábado estarei fazendo meu check PC/IFR conforme já informado antes. Dando tudo certo, aviso!

  126. Andre Campos
    5 anos ago

    Bom dia!

    Não achei nada que fale sobre a validade da Banca da ANAC.

    Sei que hoje eu tenho 2 anos para checar o PP e se não fizer nesse periodo tenho a possibilidade de revalidar por mais 2 anos.

    Como fica agora?

    Grato

    Andre

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      O RBAC-61 é omisso quanto a isto mesmo. Provavelmente vai sair alguma nova regulamentação específica sobre isto.

      • Tiago Dreyer
        5 anos ago

        Eu estou com o meu teórico de PC vencido também. Solicitei a revalidação, junto ao EAC/CT e, por enquanto, está funcionando como antes. Farei a prova de regulamentos essa semana, para poder fazer o cheque.

  127. Cristian
    5 anos ago

    Raul? Como fica as horas relacionadas com experimental? Vale para comprovacao de horas para obtencao de licenca ou so experiencia mesmo?? Vamos supor que vou voar o RV10. Como fica? Poderia me explicar?? Abraco e otimo site!!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Boa pergunta! Eu preciso estudar o assunto, e respondo asap.

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        Acabei de verificar o item 61.29, e está claríssimo. Veja isto:
        “(i) As horas de voo realizadas em aeronaves experimentais, quando registradas na CIV ou no Sistema Eletrônico de Registro de Voo, devem ser identificadas com anotações no campo “Observações”. Tais horas podem ser consideradas para cumprimento de requisitos de experiência recente, conforme estabelecido na seção 61.21 deste Regulamento; não podendo ser consideradas para concessão de licença de piloto ou elevação de graduação de licença de piloto.”

    • Freddy
      5 anos ago

      A legislação está clara, mas se voce tentar lançar um voo na civ digital, o sistema não encontra a aeronave.
      A anac precisa corrigir o sistema.

  128. Fred Mesquita
    5 anos ago

    A novidade mais absurda que encontrei nessa RBAC-61 expedida por esses dias é que a ANAC ainda considera o exame médico de aeronauta como CCF e não como CMA.

    Conclusão, ela muda o nome das coisas e nos obriga a essas novas mudanças mas é a própria a não respeitar essas mudanças. Será que lá não existe algum revisor dos textos que a mesma publica ?

    Estou reunindo fatos desconcertantes e cheios de falhas descritas nesta nova regulamentação que deixa muita margem a erros de interpretação e/ou duplicidade de informações, informações essas que se autocontradizem e em momento oportuno vou expor aqui. Por enquanto só vou especular…

    Como pode um piloto realizar um re-cheque de habilitação tal como o de PC/IFR, que é váilida por 12 meses – que o habilita o piloto a comando de uma aeronave “classe”, mas que esta regulamentação tira este direito caso o próprio piloto não voe em comando de uma aeronave certas horas num prazo de 90 dias ?

    E por aí vai…. e acho que o antagonismo vai ser grande.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Bem… Eu encontrei somente uma referência ao termo CCF no regulamento, mas está correto. Este aqui:”Certificado Médico Aeronáutico – CMA significa o documento emitido por um examinador credenciado ou pela ANAC, de acordo com o RBAC 67. Os CMA equivalem aos antigos Certificados de Capacidade Física (CCF), que continuarão em vigor até o fim da validade,quando serão substituídos pelos CMA” Quanto às várias inconsistências que vc diz haver no regulamento, sinta-se à vontade para debatê-las. Mas especificamente esta que vc aponta no final do seu texto não está errada. Ela está de acordo com o novo conceito de experiência recente do regulamento. Pode-se até discordar de que o regulamento tenha este enfoque, mas não dá para dizer que ele está inconsistente. 

  129. Thiago
    5 anos ago

    Boa tarde pessoal. Fiquei feliz com a nova RBAC 61. Vai ajudar muito os copilas que estão atrás do PLA!!
    Mas, ainda com relação ao PLA, fiquei um pouco confuso com os requisitos:

    (1) categoria avião:
    (i) um total de 1.500 (mil e quinhentas) horas de voo que incluam, pelo menos:
    (A) 500 (quinhentas) horas de voo como piloto em comando sob supervisão ou um
    mínimo de 100 (cem) horas de voo como piloto em comando mais um mínimo de 150 (cento e
    cinquenta) horas como piloto em comando sob supervisão;
    (B) 200 (duzentas) horas de voo de navegação, das quais no mínimo 100 (cem) horas de
    voo como piloto em comando ou como piloto em comando sob supervisão;

    Mais especificamente, o termo “piloto em comando sob supervisão”. No mesmo documento, segue a definição desse termo:

    (15) Piloto em comando sob supervisão significa o piloto segundo em comando que
    desempenha, sob a supervisão de um piloto em comando devidamente habilitado e qualificado pela
    ANAC como instrutor de voo, as funções e responsabilidades do piloto em comando durante o voo.

    Minha dúvida é a seguinte:

    Se a pessoal, para tirar o PC, requisito básico para o PLA, precisa de 150h em curso homologado. Dessas 150h, muitas são em comando, ou seja, menos de 150h de instrução. Como é que a ANAC quer 150h, ou até mesmo 500h como piloto em comando sob supervisão??? Entendo que essas horas poderiam ser como copiloto, mas nem todo comandante é instrutor…. e aí, como é que fica??

    Entenderam minha pergunta?? Aguardo comentários!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Eu entendi a sua pergunta, mas não sei se eu consigo responder…
      Um PC se forma com, no mínimo, 70h PIC. Para esse sujeito ser PLA, então, ele precisaria de mais 30h “PIC de verdade”, e 150h nessa nova modalidade de “PIC supervisionado”, ou… 500h de “PIC supervisionado”, e aí não importa mais o que ele tem de “PIC de verdade”. No 1o. caso, seria o cara que veio da aviação geral, e teve 150h de instrução na comercial; e no 2o caso, o cara que foi direto para a comercial – é o que parece ser a intenção do legislador, pois me parece que o “PIC supervisionado” seja tipicamente da aviação comercial. Não sei, mas me parece que estão querendo deixar a licença de PLA só para quem voa na comercial mesmo. É o que estou achando…
      Também aguardo comentários de quem entende melhor da coisa do que eu.

      • Thiago
        5 anos ago

        Fala Raul, ainda estou tentando responder minha pergunta. Lendo o FAQ no site da ANAC, na pergunta que questiona os mínimos para ser PLA, a explicação é de que o tal “piloto em comando sob supervisão” é o copiloto voando com um PLA checado. Mas a resposta do FAQ é baseado na RBHA 61, e não na nova RBAC 61. Mas olhando os requisitos dos dois documentos, me parece que é mesma coisa. Inclusive, parece que o legislador que facilitar a vida do PLA, por incluiu as 500h “sob supervisão”.
        O que ainda me tira o sono é a definição de “PIC sob supervisão”, mas acho que seja somente uma infelicidade do redator do documento.
        Se eu conseguir confirmar essas informações, posto aqui!!

        Abraço
        Thiago

  130. Michel
    5 anos ago

    Raul, hj quando fui fazer o pedido de cheque de PP na escola me informaram que será necessário mais tres horas noturnas, minha dúvida é :mesmo para quem já estava voando será necessário voar essas tres horas??

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Sim, para todo mundo que não protocolou o pedido de emissão da CHT até 21/06. As novas regras entraram em vigor dia 22/06.

      • Michel
        5 anos ago

        Valew Raul….! Coitado do meu bolso! Ground do 172 R$400,00 + R$1500,00 por tres horas! Aff

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          R$500/h do C172 ainda vá lá, mas R$400 pelo ground é extorisvo, hein!? Onde é isso?Na verdade, se vc está voando o C152, nem precisaria do ground do C172, é muito parecido, basta 10min de explicação.

        • Rodrigo Loretto
          5 anos ago

          AAAAA na boa hein… tao te cobrando 400,00 por um “ground” de 172?????
          Eu nao queria falar nada nao… mas que exploração hein…

          • Michel
            5 anos ago

            Adivinha onde é hehe começa com E e termina com J. Pelo menos o ground já vai fcar pro pc já que vou voar esta acft mesmo lá na frente! Mas é f…da

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Putz… No meu tempo era R$150, salvo engano… A inflação tá solta em SBJD, hein?

              Enviado via iPad

              • José Roberto Arcaro Filho
                5 anos ago

                Putz!!
                Ground de 172….
                Isso é que é ganhar dinheiro fácil!!
                Tão vendo? Estão inventando “dificuldades”, pra vender “Facilidades”!!
                Ground de 172, eu daria no “Pátio”, ao lado do Avião, durante a “Externa”,uma hora antes do “Brieffing”!!
                O Ground School de um “Fusca”, acho que demoraria uma semana!!

  131. Felipe Silva
    5 anos ago

    O que eles querem dizer sobre Piloto de Licença de Grau Superior, curso superior ou não ^^

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Não, ” Licença de Grau Superior” significa PLA para quem é PC; ou PC para quem é PP. Não tem nada a ver com universidade.

  132. Simão da Cunha
    5 anos ago

    O que acha do trecho que destaco a seguir, que no regulamento antigo autoriza PLA a dar instruções em alguns casos, e agora na mesma redação foi incluido o PC. Ficou estranho e acho que vai dar pano para manga:
    “61.237…
    (f) Até 1 (um) ano após a data de publicação deste Regulamento, as prerrogativas desta subparte
    se aplicam aos pilotos comerciais e pilotos de linha aérea quando estiverem ministrando instrução
    de voo em empresas de transporte aéreo público, serviços aéreos especializados e serviços aéreos
    privados”
    Sds!
    Simão da Cunha

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Honestamente, eu nao entendi o que a ANAC quiz dizer com este item.

  133. Thales
    5 anos ago

    Eu não encontrei nenhuma ressalva quanto a data de efetivação para as 12 horas do MLTE, o que não ocorre em outros exemplos como do INVA que estipula um prazo de 24 meses para entrar em vigor.

    Entendo neste caso que esteja já efetivo a redução de 15 para 12 horas no MLTE desde a data de publicação que foi 22/06.

    Ou seja, os candidatos para habilitação de MLTE que estejam nesse momento fazendo suas horas, esta regra das 12 horas já se aplica.

    Alguém poderia confirmar se está correto meu raciocínio?

  134. Luciano Cavalcante
    5 anos ago

    Raul,

    Fiquei com uma dúvida:

    No item 6, reproduzido abaixo, para a obtenção de licença de PP, se faz necessário a obrigatoriedade do curso teorico presencial… Neste caso, o curso ministrado pela Aerocurso.com (por exemplo) na modalidade a distancia, na sua opinião, não é mais válido?

    6) Os requisitos para a obtenção da licença de PP tiveram poucas alterações, sendo as principais:

    A obrigatoriedade de curso presencial;

    Aguardo sua analise.

    At.

    Luciano Cavalcante

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Veremos qual será o posicionamento da ANAC quanto aos cursos à distância, mas eu acho mais provável que a agência exija certificados de cursos presenciais mesmo, já que ela não aceita cursos à distância para PCs hoje em dia.

  135. Rodrigo Loretto
    5 anos ago

    Raul e caros colegas,

    Acredito que não estou conseguindo interpretar da forma correta o texto.

    Onde diz o seguinte: “…para concessão de uma licença de piloto de grau
    superior…”

    isto não se refere somente a uma graduação de comandante p/ quem já é habilitado co-piloto?

    Meu caso é que somos em 2 tripulantes para duas aeronaves TIPO, ambos checados comandante em ambas as aeronaves, sendo uma single pilot e outra não…
    deu um nó na cabeça e não sei como devo lançar minhas horas

    Obrigado mais uma vez

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Eu entendo que licença de piloto de grau superior é: a)licença de PLA para quem é PC; ou b)licença de PC para quem é PP.

      Qto ao lançamento de horas que vc questiona, eu acho que o que muda agora é que o copila da aeronave SP passa a existir formalmente, pois antes só dava para lançar as horas em DC. Lança normal, só que na hora de contar horas para pedir o cheque de PLA, as horas de copila nesse caso serão divididas por dois. De resto, continua tudo igual.

  136. Rodrigo Loretto
    5 anos ago

    Boa noite Raul.

    Eu não sei se é pelo horário, mas estou cheio de dúvidas.

    Em breve terei que rechecar 2 TIPO (nada citado acima) e IFR e pelo que entendi no texto, será obrigatório realizar uma hora de aula além do cheque (61.23 b)?
    Ou este procedimento é somente para aqueles vencidos até 6 meses?

    Além disso, será minha primeira solicitação via civ eletronica, voce cita que aeronaves single pilot a principio o segundo piloto teria que lançar somente 50% das horas, porém, há brechas para que seja lançada 100%. Relendo 61.29 (e) é reforçado que será de 50%, isso se caso a Anac decidir que é necessário um segundo tripulante. Como vc acredita que isto será feito?

    Uma outra questão, na aeronave que exige 2 tripulantes, como nós dois somos habilitados como comando, um deve lançar como comando e outro como copila de acordo com o PV. Para solicitação de recheque, é necessário as horas em comando ou somente aquelas lançadas como copila são válidas?

    Mudanças nunca são faceis, sempre nos tira da nossa zona de conforto, mas se tratando de Brasil, infelizmente devemos ficar muito atentos…

    Obrigado pela atenção

    Rodrigo

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Aguarde, que eu vou ter que estudar o caso mais a fundo. Respondo mais tarde.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Estudei melhor o caso, e no meu entendimento é o seguinte:

      “Em breve terei que rechecar 2 TIPO (nada citado acima) e IFR e pelo que entendi no texto, será obrigatório realizar uma hora de aula além do cheque (61.23 b)?
      Ou este procedimento é somente para aqueles vencidos até 6 meses?”
      R: Pelo texto do regulamento, ficaria assim:
      -Revalidação IFR: é necessário uma hora de aula em solo e uma hora em voo, alem da prova teórica, mas não seria necessário mais rechecar (somente na requalificação é que o recheque seria necessário). Assim bastaria cumprir os requisitos do item 61.23.
      -Revalidação dos TIPOs: aí sim, será necessário rechecar, além de frequentar um curso teórico e prático de revalidação. Isso para cada um dos TIPOs que vc pretende revalidar.

      “Além disso, será minha primeira solicitação via civ eletronica, voce cita que aeronaves single pilot a principio o segundo piloto teria que lançar somente 50% das horas, porém, há brechas para que seja lançada 100%. Relendo 61.29 (e) é reforçado que será de 50%, isso se caso a Anac decidir que é necessário um segundo tripulante. Como vc acredita que isto será feito?”
      R: Também não sei, mas eu ACHO que vai ser o seguinte: para copila no RBHA-91, conta 50%; e para os copilas dos RBHAs-121/135, conta integral. Mas é chute meu, temos que ver como a ANAc se posiciona nesse caso.

      “Uma outra questão, na aeronave que exige 2 tripulantes, como nós dois somos habilitados como comando, um deve lançar como comando e outro como copila de acordo com o PV. Para solicitação de recheque, é necessário as horas em comando ou somente aquelas lançadas como copila são válidas?”
      R: Pelo que entendi, as duas são válidas.

  137. Vinicius
    5 anos ago

    Tem muito aeroclube que vai sofrer com o novo RBAC. Acredito que a maioria dos aeroclubes do país estão localizados em aeródromos sem balizamento noturno. E aí para fazer as horas noturnas vai ser um grande problema.

    Outro problema é que o voo ver noturno precisa ser feito em aeronave homologada IFR. Assim, os aeroclubes que só tem boeros e paulistinhas VFR não vão mais conseguir dar o curso nem mesmo de PP?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Eles vão dar um jeito, pode apostar…

    • Renato Guardiola
      5 anos ago

      Em minha modesta opinião é que haverá extinção a longo prazo dos aeroclubes e a ampliação de escolas de aviação civil e centros de treinamento. No máximo se manterão os aeroclubes de grande porte que já adotaram a filosofia de ‘empresa’, e deixaram de lado a de ‘clube’, no que se trata a administração e operação.

    • tadeuprimo
      5 anos ago

      Nao precisa ser homologada ifr se for realizado dentro de terminal (;

  138. Márcio
    5 anos ago

    Raul, estou terminando o PC visual, irei entrar no simulador IFR e após isso as horas IFR e MULTI. No caso destas 12hs ao invés de 15hs, seria o caso de fazer estas 3hs horas restantes em um avião apenas IFR???

  139. Matheus Netto
    5 anos ago

    Raul , tenho uma dúvida : Todas essas mudanças já estão em vigor ?? Ou seja , já é válido a necessidade de PLA teórico presencial ??

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Estão, desde que não haja disposição expressa em contrário. No caso do curso teórico presencial de PLA, há. Isto está explicado no post, no último item.

  140. Rodrigo Mantovani
    5 anos ago

    Caro Raul, parabéns pelos esclarecimentos…
    Com relação a mudança do PC, tivemos uma alteração significativa quanto aos helicópteros, que passarão a exigir 10 horas de instrução IFR para cheque ( sendo 5 substituídas por simulador de voo). Neste aspecto vejo a coisa complicar já que atualmente um dos grandes gargalos da asa rotativa são os preços abusivos nos treinamentos sob capota para helicópteros.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Muito bem observado! Eu fiz uma leitura enviesada para os aviões, e nao havia percebido essa importante alteração para a asa rotativa.

      Mas é importante também informar que o regulamento prevê uma carência de um ano para que entre em vigor a obrigatoriedade da instrução IFR no curso de PCH.

  141. Diego Costa
    5 anos ago

    Atualização das 23:00h:Faltou falar que a necessidade dos cursos teóricos presenciais de PP e PLA terão carência de um ano. Ou seja: ate 22/06/13, ainda será possível obter as CCTs de PP e PLA somente com a banca da ANAC.

    Poderia confirmar esta informação ? Grato, grande post.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Sim, Siego, está confirmado. Esta carência está claríssima no texto do regulamento.

  142. Junior Fernandes
    5 anos ago

    ola, então quer dizer que eu ainda posso tirar o INVA logo após checar o PC, essas novas normas são para daqui a dois anos?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Sobra as 200h PIC, sim. Mas o restante do regulamento (p.ex.: as 15h de experiência no eqpto) tem que ser respeitado.

      • Junior Fernandes
        5 anos ago

        Sim, eu entendi, a duvida é, no meu caso que acabei de checar o PC-IFR (150 hrs em aeroclube), posso começar o curso do INVA, ou preciso de mais horas?
        Parabéns pelo trabalho, e obrigado pela atenção!

  143. Moises
    5 anos ago

    Ola, estive pesquisando sobre essa nova licença, se realmente funcionar, no meu ponto de vista, seria uma boa oportunidade para os iniciantes, haja visto, que seriam eliminada as licenças (PP e PC) já podendo ingressar diretamente nas companhias. Segundo a ANAC o objetivo desse novo programa seria a formação pelas próprias companhias aéreas e supervisionado pela pela ANAC, outro lado positivo seria a maior parte da praticidade seria realizada por simuladores reduzindo de forma considerada os custos com a formação dos pilotos. A questão dessa nova implantação serias: como ficaria os que já possuem licenças PC (seria obrigatoriamente tirar a MPL para entrarem em uma MPL, ao meu ver essa etapa encareceria em muito para quem já possuem licença PC); as companhias estariam interessadas em investir centenas de milhares de dólares para aquisição de simuladores? uma vez que elas já podem pegar os pilotos quases prontos? como seriam a escolha destes futuros alunos? e como ficariam os aeroclubes?
    É aplausiva a intenção das mudanças e ao meu ver são necessárias, porém deverão ser estudas os efeitos que estas mudanças causarão a curto prazo e se sua eficiência será alcançada com êxito.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Em breve vou escrever um post sobre esse assunto. Aguarde…

    • betoarcaro
      5 anos ago

      Você sabia que o MPL nao deu certo, em lugar nenhum do mundo?
      E voar de verdade, nao eh uma boa? E sair Cmte? Nunca?
      Sabia que so existem cerca de 10/12 MPL’s lá nos Países Escandinavos?
      E que estes, são proibidos de sobrevoar espaço aéreo “Internacional”, a nao ser que exista outro Copiloto habilitado a bordo? O MPL eh uma criação Alemã dos anos 70/80, quando havia falta de pilotos por lá.
      Nao deu certo, na própria Alemanha! Hoje, os pilotos, na Academia da Lufthansa, se formam em Planadores, depois monomotores, Multis. Voam King Airs, Citations, no serviço de “Shuttle” de funcionarios da empresa, e depois vao pra “Linha”!
      MPL= Pseudo Copiloto abaixador de “Trem e Flapes”!! Precisamos de Aviadores de Verdade!!

      Abraços

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        No fim das contas, eu acho que essa tal de MPL (ou LPTM) seria, assim como a licença para pilotar “aeronaves de sustentação por potência”, apostas para o futuro. Hoje, nem uma nem outra são viáveis, mas vai saber como vai estar o país daqui a 20-30 anos?

        • betoarcaro
          5 anos ago

          Acredito que esta coisa foi mais uma “Solução Fácil” copiada de um modelo falido.
          Parece que “reinventaram” o MPL, tentando mostrar serviço, enquanto a realidade apontava para uma falta de profissionais.
          De agora em diante, vamos formar MPL’s em serie, e assim esqueceremos todos os problemas da formação Aeronautica tradicional, essa eh a “Idéia”!! Ou então, alguém lá da ANAC pensou: Vou apresentar algum “projeto”(esquecido, abandonado,frustrado) com cara de moderno, revolucionário , pra mostrar que estou fazendo alguma coisa.
          Sai na “Mídia”, todo mundo acha “lindo”. Dai a realidade aparece, muda, e o tal “Projeto” lindo, revolucionário, “nao precisa” ser utilizado. O “Criador” diz : Ufa!! Ainda bem! Nao ia funcionar mesmo!
          Mas pelo menos mostramos a “que viemos”!!
          Muita coisa funciona dessa forma, aqui no Brasil.
          Francamente, acho muita discussão por nada, e em termos “Educação Aeronautica”, a coisa fica bem pior!
          Falando em “Educação”, estava conversando hoje, com um Amigo, gerente do “Museu Asas de um Sonho” da TAM, lá em Sao Carlos. Aquela região tem varias escolas ligadas ao ensino de especialistas em manutenção Aeronautica. Entidades ligadas a Embraer, USP, TAM ,SENAI, etc.
          Meu amigo comentava, e eh muito comum se ouvir em centros de manutenção, da falta de mão de obra especializada, neste setor. Fica ai a idéia para novos “Posts”!!

          Abraços

  144. Renato Guardiola
    5 anos ago

    Coitado de quem tirou a licença de PC/mono/IFR e não consegue um emprego para voar IFR em comando. Vai se ferrar pra fazer valer sua habilitação IFR denovo quando estiver vencida.

  145. i9CRIE
    5 anos ago

    XD

  146. Moises
    5 anos ago

    Boa tarde Raul,
    eu não conseguir entender bem a finalidade dessa terceira licença, como ficaria pra um iniciante chegar ao comando de grandes aeronaves depois da publicação dessas novas regras.
    Certo de vossa atenção, desde já agradeço.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Se vc está se referindo à LPTM (que é a 4a licença, depois de PP, PC e PLA), acho que ninguém ainda entendeu muito bem… Mas procure no blog sobre informações sobre isso (está como MPL), que vc vai encontrar algumas informações.

  147. ttm
    5 anos ago

    Parabéns pelas informações Raul. Muito bom mesmo. Me tire ma dúvida, para o caso de lançar as horas de voo para obtenção do PLA como co-piloto (ou seja hora inteira e não mais 0,5) valem a partir da data da publicação, correto? As anteriores que foram lançadas continuam valendo 0,5? Obrigado

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Boa pergunta! Mas eu acho que TODAS as horas realizadas na direita valem integrais, mesmo as voadas antes de 22/06/12. Mas veremos como a ANAC interpreta isso…

    • Chico
      5 anos ago

      Excelente pergunta, TTM.

      Se puder contar todas (inclusive as anteriores) como 100%, vou tirar o PLA em pouquíssimo tempo (antes que eles resolvam cobrar curso teórico de PLA até para quem tem CCT).
      Mas a minha interpretação é que poderemos contar como 100% até aquelas horas anteriores à publicação do RBAC 61. Entendo assim porque para aqueles outros assuntos que passam a ser válidos após a publicação do regulamente estão assim explicitados (por exemplo, o lance das 200 hs para ser inva, só daqui a 2 anos). Por isso, acho que vão valer as horas voadas anteriormente.
      Outra coisa: em uma opinião pessoal, acho que esta exigência de 200 hs, ainda que dificulte a entrada dos recém checados no mercado, tende a valorizar os instrutores de vôo que já tiverem essas marcas quando a regra começar a valer. Isso porque vai ficar difícil para os recém formados preencherem este GAP entre o PC e as 200 hs PIC que serão exigidas para dar instrução. para aqueles que forem instrutores de MULTI então, nem se fala (infelizmente eu não tenho 200 PIC de Multi…)

      All the best!

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        Então pode ir se preparando para o cheque de PLA, que as suas horas de copila valerão 100%, sim. Isso está claríssimo no texto do regulamento.Também concordo com sua percepção quanto aos INVAs. Mas vai ter que haver alguma ação da ANAC para os recém-checados, porque senão ninguém vai conseguir obter experiência.

  148. Vinícius Dimovici
    5 anos ago

    Bom Dia Raul, com as mudanças no RBAC 61, antigo RBHA 61, a idade mínima para iniciar treinamento prático no curso de PP passa para 16 anos correto? Eu que tenho 15 anos, digamos 15 anos e meio, poderia iniciar o curso ”teórico” com a atual idade (Com autorização dos responsáveis, conforme consta no RBAC 61), terminar o teórico já com 16, pois a duração como é de 4 meses já teria 16 até o fim, passando na banca da ANAC depois de terminar o teórico, já estaria apto para voar com 16 anos? Claro, se eu conseguir o CCF, outra dúvida, no RBAC 67 dei uma lida nele e não vi restrição de idade para tirar o CCF que preciso para voar, isto procede? Pois no RBAH 67 tem que ter 17 anos.
    Estou perguntando para você porquê o HASP o dpt que trata do CCF não atende no telefone informado, e o ASP ainda não está sabendo destas mudanças, e como consta no site do ASP o mínimo é 17 anos para inciar o PP teórico, devido ao CCF, gostaria muito mesmo que você tirasse estas minhas dúvidas Raul.

    Obrigado mesmo assim, tenha um bom dia.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Vc entendeu corretamente tudo, e a resposta é positiva para suas perguntas. Mas atente ao fato de o vôo solo só ser possível aos 18 anos.

      • Vinicius Dimovici
        5 anos ago

        Ok, muito obrigado, então eu posso fazer a inscrição no PP Teórico do ASP com 15 anos? Mesmo que eles especificam que o mínimo é 17 devido ao CCF, agora CMA.
        Outra vez, obrigado, parece que a ANAC está a meu favor, coisa rara he he.

  149. Caio
    5 anos ago

    Fiz meu último voo do PP em dezembro, e daqui 1 mês vou começar o PC em aeronave particular, pelo que entendi vou precisar fazer essas 2 horas de experiência recente, mas acho que o próprio piloto que vai voar comigo pode assinar por isso né(ele é inva). Alguem mais entendeu assim tb???

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      A ANAC vai checar seu cumprimento ao regulamento automaticamente, pela CIV eletrônica.

  150. Tiago Dreyer
    5 anos ago

    Raul, boa noite. Estou com duas dúvidas referentes às diferenças no RBAC, que me afetam diretamente.
    1 – Fiz parte da instução IFR em simulador, que, de acordo com a ANAC, abateriam 25 horas do IFR, portanto precisaria fazer 15 horas em avião. Inclusive, terminaria estas horas amanhã (faltam duas horas). Porém, no RBAC novo, consta que apenas 20 das 40 horas podem ser feitas em simulador. Terei então que voar mais 5 horas?
    2 – No RBHA 61 constavam informações referentes à validade do CCT. Informava que a validade de 2 anos poderia ser prorrogada por mais 2 anos mediante a exame de regulamentos concomitante ao pedido de check. Não achei nada referente a isso no RBAC.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      1-Vc esta enganado. O simulador AATD já abatia somente 20h, como agora. Não mudou nada.

      2-Isso não está claro ainda. O RBAC é omisso qto a este aspecto.

      • Tiago Dreyer
        5 anos ago

        Eu fiz a instrução em um simulador do Bandeirante. Constava no RBHA:
        “(ii) pelo menos 40 horas de vôo por instrumentos em avião ou helicóptero, das quais: 20 horas de vôo
        podem ser substituídas por 25 horas de instrução em simulador de vôo ou dispositivo de treinamento de vôo;
        ou 30 horas de vôo podem ser substituídas por 30 horas de instrução em simulador.”
        O aparelho era considerado “simulador” e não treinador sitético, pela nomenclatura antiga, o que dimminuiria as horas em avião para 10, porém em um ítem seguinte indica que “O solicitante deve ter recebido, de um instrutor de vôo habilitado, no mínimo, 15 horas
        de instrução de vôo por instrumentos duplo comando em aeronave da categoria para a qual é solicitada a
        habilitação.”, o que, totalizava para meu caso, 15 horas (informações confirmadas pela ANAC, o que me fez optar pela instrução neste simulador).

        A diferença que vi no RBAC é que consta apenas as 20 horas!

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          É o caso do simulador da FUMEC, não é? Que eu saiba, era o único caso que não se enquadrava nos AATDs e BATDs… Bem, mas pelo que dá para entender do novo RBAC, acho que não será possível checar IFR com menos de 20h voadas. A confirmar.

          • Tiago Dreyer
            5 anos ago

            Este simulador é da EPA/PR,,, conclui as 15 horas de vôo ontem… o pessoal do aeroclube me instruiu a tentar o check, caso não aprovem pode-se converter o vôo de check para vôo de instrução e, após, tentar novamente o check…

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Olha, Tiago, o item 61.223 é bem claro quanto à necessidade de, no mínimo, 20h de vôo IFR. Se eu fosse vc, voaria mais 5h antes do cheque.

  151. Vinicius Casagrande
    5 anos ago

    Me dei mal também com essas 3 horas noturnas. Para mim, faltavam apenas 3 navegações para ser encaminhado para o cheque. Agora vou ter que gastar um pouco a mais.
    Deviam dar um para as pessoas se prepararem. Seria o mais justo.

    • Vocês vão ter de esperar a poeira baixar. Pode ser que a ANAC conceda concessões para aqueles que começaram seu curso antes da data de publicação do RBAC-61.

      Seria o mais justo de acontecer. Quem começasse o curso hoje, já entraria sabendo da regra nova, mas quem já estava no “jogo”, seguiria com a regra usada no inicio.

      Se isso não acontecer, prevejo muita gente entrando com algum tipo de recurso/liminar pra ter seu processo aprovado de acordo com o RBHA, que era o vigente quando o cara começou o curso no aeroclube.

  152. Freddy
    5 anos ago

    Curso teórico PP e PLA:
    o requisito estabelecido no parágrafo (a)(1) desta seção não se aplica aos candidatos que
    forem aprovados no exame teórico para piloto privado da ANAC até 1 (um) ano após a data de
    publicação deste Regulamento.

  153. Wesley de Paula.
    5 anos ago

    Boa noite Raul,gostaria de tirar uma dúvida,no caso sobre as mudanças de PP em que diz que é necessário 3 horas noturnas,eu já estou com 31 horas voadas do meu pratico de PP,serei obrigado a voar essas 3 noturnas ou essas mudanças não se aplicam a mim por já ter iniciado o prático?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      No meu entendimento, vc vai ter que voar essas 3h noturnas, sim.

      • O duro é aeroclube que fica longe de AD sem balizamento … vai onerar um pouco o curso de PP da moçada. Geralmente as escolas cobram o traslado e tudo mais que for necessário para realização dessas horas noturna.

  154. Interessante. aguardo ansiosamente uma nova avaliação feita pelo Blog. Realmente, no mínimo estranho, o req. de exp. de aeronave anfíbia. Talvez seja uma iniciativa, finalmente legislada, para criação de cursos para resolver o “gargalo burocrático” que os pilotos mnte/mlte anfíbio enfrentam atualmente.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Pois é… Tá com toda a pinta de que vai ter novidades quanto ao tema, pela redação do artigo.

  155. Adriano Saraiva
    5 anos ago

    O que será que acontecerá agora com meu PP. Estou com 18 horas de voo e ja fiz a banca, porém não realizei curso presencial. Será que terei que fazer um curso e refazer a banca ??

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Se vc já tem o CCT de PP, nao vejo motivos para vc ter que fazer o curso. Mas vejamos qual vai ser a interpretação oficial da ANAC para casos iguais ao seu…

    • Freddy
      5 anos ago

      Se vc já foi aprovado, tem direito adquirido. O curso prático que terá que se enquadrar nos novos moldes (as 3 horas noturnas por exemplo)

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        Em princípio, é isso mesmo. Mas vamos ver se esse entendimento ocorre “automaticamente”, ou se a moçada vai ter que assegurar o direito na Justiça…

  156. Freddy
    5 anos ago

    Então pra fazer a prova teórica de PP é necessário participar de curso presencial?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Participar, ter freqüência, e ser aprovado.

      • Paulo
        5 anos ago

        Raul, eu havia estudado o PP por conta, imprimi a GRU da prova mas ainda não paguei, você sabe como fica a minha situação?

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Vai tranquilo. Em 1 ano, nada muda.

          • Paulo
            5 anos ago

            Ufa!!!

            Obrigado.

          • Fernando
            5 anos ago

            Raul,

            No link abaixo, encontra-se a minuta que está online desde 2010 no site da ANAC, e que acabo de perceber uma edição no sentido da retirada do item discutido, presente no artigo 61.77 da subparte D. Sobrando tão somente o detalhamento do item 1, e a permanência do 2. Eliminando assim, a possibilidade de protelar a vigência desta parte. Confere?

            http://www2.anac.gov.br/transparencia/pdf/26/anexo.pdf

            • Raul Marinho
              5 anos ago

              Esqueça essa minuta, Fernando. Agora que o regulamento foi publicado, ela não tem nenhum valor.

    • Freddy
      5 anos ago

      Valeu Raul. O aeroclube da minha cidade começa (ou começaria) uma turma de PP teórico amanhã.

  157. Paulo Sales
    5 anos ago

    Parabéns Raul, muito boa a primeira explanação sobre o 61.

    • Rodrigo Damazio
      5 anos ago

      Valeu pelo bom resumo.
      Infelizmente isso dificulta bastante para pilotos não-profissionais, que vão ter que ficar fazendo instrução revisória toda vez que quiserem fazer um tipo de vôo diferente do habitual :(

      • betoarcaro
        5 anos ago

        Parabéns Raul!
        Muito bem comentado, dentro dos confusos “meandros” criados pela ANAC. Acho que tudo, de maneira geral, acaba melhorando.
        O problema eh que depois acontece como “antes”: A própria ANAC acaba não se entendendo! Quanto ao MPL, acho que foi muito “Carnaval” por nada! Não terá utilidade nenhuma, na “Pratica”! Interessante, eh que o MPL não pode ser promovido a comando nunca!! Ótimo!! Conheço uns caras que adorariam ser MPL’s!!
        Na minha opinião, mais uma demagogia “Acadêmica” no intuito de resolver um problema que nem existe mais, e talvez nunca tenha existido: A falta de pilotos.
        Ouvi “Rumores” de que todas as Aeronaves com PMD abaixo de 12.500 Lbs serão reclassificadas como “Classe” como eh em qualquer outro lugar do Mundo. Finalmente!!
        Seria interessante, para um Piloto iniciante, tirar o MLTE, trabalhando como “Segundo Piloto” em um “King Air B200”, por exemplo. Acabaria também, com a “Industria dos Pseudo Ground School’s”!!
        Você postou muito “Material bom” esta semana!! Tenho muita coisa pra comentar!!

        Abraços
        Beto

        • Raul Marinho
          5 anos ago

          Pois é, Betão, eu acho que muito mais mudanças vêm na seqüência. Veremos… Quanto ao tal do MPL, concordo que ficou uma licença inviável na pratica.

        • Leonardo Lebtag
          5 anos ago

          Beto, acho sua sugestão de tornar todas aeronaves com PMD abaixo de 12500lbs em classe uma perda no nível técnico dos tripulantes, explico.
          No Brasil, principalmente na executiva, não temos uma cultura forte de capacitação e atualização dos profissionais. São poucos os empregadores que investem na evolução dos seus profissionais, pois isto custa caro, apesar de ser FUNDAMENTAL para segurança de voo.
          Nos EUA por exemplo, há uma infinidade de cursos a disposição dos profissionais, que mesmo tendo a habilitação para operar o equipamento procuram cursos de familiarização com os avionicos (Garmin, Avydine, Collins Pro Line). E ainda estão disponíveis cursos de operação de motores turbo-hélice, ou aviões pressurizados.
          É óbvio que um profissional formado hoje não tem a menor noção sobre o funcionamento de sistemas de aviões turbo-hélice. E já pude confirmar isso com alguns pilotos que voam aeronaves monomotores turbo-hélice, igualmente complexas porém sem curso nenhum para operação.
          Sobre os ‘pseudo ground school’, acho que dá muito bem pra diferenciar escolas que oferecem o curso ‘não presencial’, ou com carga horária de uma tarde… Cabe a nós procurarmos um bom curso.

          E a ANAC parece ter sido ainda mais restritiva quanto a aeronaves tipo:
          “61.5(3)
          (ii) aviões multimotores à turbina;”

          Esse item transformaria o Carajá novamente em Tipo???

          Obrigado, abraços

          • betoarcaro
            5 anos ago

            Nao disse nada sobre a “nao existência” de Ground Schools ou treinamento especializado!
            Uma vez, fiquei uma semana fazendo o Ground School do Bonanza, lá em Wichita!!
            O que eu quero dizer, eh que por “Certificação”, nao existe treinamento para King(até o 200), Cheyenne, Turbo Commander, Mitsubishi, etc.(e todos abaixo de 12500 Lbs) como “Tipo”!!
            Inventar um treinamento como “Tipo”, numa aeronave “Classe”, eh que esta “erradíssimo”!!
            Então, como você mesmo assume, nao existem cursos especializados no Brasil, ai a gente inventa os “Ground Schools” que nao existem, e fica tudo “bonitinho”!! Assumimos que nao temos capacidade, damos um treinamento “falso” e nivelamos por baixo! Resolve o problema? O avião eh mais “Complexo”, por que eh pressurizado?? Por que trocaram as MP’s por Lb’s de torque o avião fica mais complexo??
            Nao vamos criar dificuldades pra “vender” facilidades! Nao eh por ai que se resolve o problema!
            Sabia que o curso do C90Gti/x na Flight Safety, eh quase idêntico ao curso do Baron G58? E o do B200 também eh muito parecido? Aqui no Brasil, a gente tem que ter a “Cabeça Aberta” pra entender que o problema nao esta no avião. Hoje, no Brasil, o cara voa um Baron, sem saber o que eh um “Motor Critico”!
            Voa por anos assim! Nao sabe o que eh VMCa! Voa um King do mesmo jeito, ou até pior, pois nao teve treinamento (nao precisou) de Multi pra voar o King. Foi direto! E ai?

            Abraços

            Beto

            • Eros
              5 anos ago

              Bom dia

              Sou instrutor de voo avião e tenho uma dúvida quanto ao lançamento das horas de voo na CIV antiga (de papel). As horas que eu lanço como instrutor, na CIV digital, são lançadas todas como “instrutor” e na de papel? o campo piloto em comando fica em branco? Ainda devo manter a CIV de papel atualizada?

              • Raul Marinho
                5 anos ago

                Eros, como a sua dúvida é bem específica, eu acho que seria melhor vc entrar em contato diretamente com a ANAC para resolvê-la. Infelizmente, não encontrei resposta para ela na legislação, e nem tenho conhecimento prático de casos análogos ao seu para poder lhe ajudar. Lamento por frustrar suas expectativas quanto ao blog.

                • Eros
                  5 anos ago

                  Mesmo assim, muito obrigado. Parabéns pelo seu trabalho

                • jamil elias filho
                  3 anos ago

                  Bom dia Sr. Raul, tenho um learjet 35 e preciso rechecar 2 pilotos para compor tripulacao, a ANAC suspendeu os recheques para tipo, eu nao tenho condicoes de coloca los em curso em simulador nos EUA, tem como fazer o recheque no Brasil ?pois ainda nao estou conseguindo entender este novo regulamento, es muito embaracoso pra mim, muito obrigado Cmte Jamil Mao am

          • betoarcaro
            5 anos ago

            E outra viu!
            Carajá já eh “Tipo”!! Ridículo !!
            Propjet, Meridian são “Monos”!!
            TBM750/850 eh “Tipo”!!
            Qual eh o parâmetro ?

Deixe uma resposta