Diretor do SNA falando barbaridades na imprensa

By: Author Raul MarinhoPosted on
389Views3

Ontem, apontei aqui o absurdo que o diretor de segurança do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho, disse sobre a instrução de asa rotativa – que ela deveria ocorrer somente com equipamentos bi-turbinas, o que simplesmente acabaria com a formação aeronáutica de pilotos de helicópteros instantaneamente, pois seria preciso investir quase R$1milhão para obter a carteira de PCH. Mas esta não foi a única asneira dita por ele que foi publicada pela imprensa nos últimos dias. Vejam abaixo a resposta de um leitor do Estadão à sua pérola dita nesta matéria aqui:

TRÁFEGO AÉREO EM SÃO PAULO

Lendo a matéria Especialista defende maior altitude de voo (12/7, C3) entendi que esse conceituado jornal, de maneira precipitada, endossou alguma desinformação repassada aos leitores. É comum depois de cada acidente aéreo a mídia recorrer rapidamente a “especialistas” em aviação, muitos dos quais já se tornaram conhecidas “figuras carimbadas” cujas opiniões, por vezes, chegam ao ridículo. Pelo que me consta, o citado diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas não é profissional de carreira como comandante de aviões ou de helicópteros. Embora nos quadros daquele sindicato, certamente, exista profissionais de cada segmento representativo dos aeronautas, de cujos conhecimentos poderia se valer para emitir uma opinião técnica desse nível, acredito que se mantenha no cargo apoiado por uma maioria cuja especialização em tráfego aéreo não vai além do que se refere ao movimento dos carrinhos de serviço de bordo pelos corredores das aeronaves. Vindas de um órgão da magnitude desse sindicato, esse tipo de matéria pode assustar e desinformar ainda mais os leigos ou desqualificar o próprio órgão que representa. Se a matéria terminasse no título, estaria correta. Todo aviador aprende no berço que voar mais alto é mais seguro, principalmente no caso de uma emergência, não sendo preciso nenhum membro de qualquer sindicato defender isso. Ao comparar o movimento de São Paulo com o de Nova York, ou mesmo com Londres, demonstra desconhecer a geografia, o posicionamento dos aeroportos e o trafego aéreo peculiar a cada uma. Pode até conhecer um pouco do Rio de Janeiro, mas, se conhecesse melhor, saberia que está ainda mais longe de servir de comparação com a situação de São Paulo. Alardear, entre outras coisas, que o “helicóptero pode tudo” é mais um desserviço demonstrado por alguém que realmente não é do ramo. Voar sobre a cidade na mencionada altura e existir um controle especial para os helicópteros não é um defeito em nosso tráfego aéreo, sendo uma solução para conciliar as diversas necessidades de movimento aéreo que lhe é peculiar. Há até quem defenda a diminuição ou a saída de Congonhas da área urbana, mas é outra característica da cidade visando atender o interesse de seus usuários. Em São Paulo emprega-se o equilíbrio entre o ideal e o possível dentro do que preconizam os manuais. É sabido que o trafego aéreo em São Paulo é muito complexo, a exemplo de outros meios de transporte da cidade, que esse assunto já foi debatido anteriormente e tenho certeza que esse jornal é capaz de procurar profissionais qualificados entre os diversos setores envolvidos na busca de uma solução, evitando especulação de “especialistas” de plantão.

Edison Ribeiro Pereira, Tenente-Coronel Aviador da FAB (inativo), qualificado Piloto de Linha Aérea de Avião e Helicóptero, atuando há vinte anos na Aviação Civil com base em São Paulo edisonribeiro@hotmail.com

Comento

O que pretende este dirigente do SNA com isso? Atrair os holofotes para o sindicato e para ele? Se for isto, está conseguindo, só que a imagem que está sendo revelada é a de um circo mambembe com um palhaço triste no picadeiro.

3 comments

  1. Renato Guardiola
    5 anos ago

    Nós, usuários sérios do Sistema de Aviação Civil brasileiro, e principalmente nós leitores desse blog sério, precisamos nos unir para deter esse tipo de desinformação pregada por ditos ‘especialistas’. A aviação nunca esteve tão em foco quanto nos últimos 5 anos, e o aumento da atenção faz aumentar em progressão geométrica o número de bobagens e informações erradas passadas para a população em geral, ajudando a DIMINUIR a cultura aeronáutica que já não existe por aqui.

    Raul, estou aberto para qualquer ajuda que precisares para trazer INFORMAÇÃO para a população. Se precisar, deixo a você disposto meu telefone, e-mail, skype ou qualquer outro meio para lhe auxiliar nesse seu trabalho voluntário.

    Abraço!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Obrigado, Renato! Enviei uma mensagem privada com algumas sugestões.

      Mas mudando um pouco de assunto, até agora só grilinhos vindo do Estadão… Não te falei?

      Abs,

      Raul

      • Renato Guardiola
        5 anos ago

        O mesmo aqui!

Deixe uma resposta