Ainda a polêmica dos testes de proficiência em inglês realizados em Madri

By: Author Raul MarinhoPosted on
520Views22

O G1 voltou hoje a publicar uma reportagem sobre o problema dos testes de proficiência em inglês realizados em Madri (já tratamos deste assunto anteriormente aqui). Veja esta nova reportagem neste link, onde recomendo especialmente que se assista ao vídeo do programa “Bom Dia Brasil”.

Vejam só que constrangedor que está ficando para nós, pilotos… Por causa desse pessoal que fez a prova em Madri, a gente está passando por uma classe de picaretas, que precisa fazer o teste numa determinada escola para poder passar. E, para isso, ainda contratamos advogados para tentar garantir um direito obviamente contrário ao da população, que quer viajar em aviões pilotados por profissionais efetivamente qualificados. “Se os pilotos querem conquistar sua proficiência linguística no tapetão, o que dizer das  outras qualificações técnicas necessárias?” – é o que a opinião pública deve estar pensando. E com razão!

E, vamos combinar, os avaliadores não exigem a perfeição gramatical que o advogado alega, não… Pelo menos, na minha prova não foi assim.

22 comments

  1. jzgpedro
    4 anos ago

    Pessoa, o nível 6 sai sim. Consegui no meio do ano passado, depois de mais de 2 anos na fila pra fazer o exame.

    Vejo muita gente na aviação ficando frustrada por não conseguir o nível 4, ou quem não consegue o 6. No geral, parece que as pessoas não entendem que DEMORA p/ se aprender inglês direito. Não tem mágica, não adianta achar que esses cursos de 1 ano e meio ou passar uma temporada no exterior vão te fazer falar inglês bem. Pode quebrar um galho, e só… estudar somente o inglês técnico de aviação também não vai adiantar, porque a ICAO quer que você “desenrole” o inglês justamente em situações fora do padrão. Claro que é necessário saber as dicas, e estudar o inglês técnico, mas é ilusão achar que está aí o pulo do gato.

    Eu não tenho nada de mais. Posso ter alguma facilidade com inglês, mas fiz 7 anos de curso, uma prova de certificação, e treino em hobbies / dia-a-dia desde que comecei a estudar.

    Crianças / jovens aprendem mais simplesmente porque não tem vícios mas principalmente por não ter a nossa ansiedade. Então, para quem ainda não conseguiu, sigam estudando e não desanimem.

    • Putz! Dois anos e paulada na fila? E eu achando que com um ano iriam me chamar haha! Mesmo assim to animando ficar mais um ano ai na fila.

      To afim de gastar com ICAO não. Ainda mais com a vagareza que anda o mercado…

  2. Righetti
    5 anos ago

    Aproveitando o post, alguém sabe indicar algo para estudar para prova ICAO por conta própria (e de graça, de preferência)?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Dá uma olhada no blog do Fred Mesquita, “Arquivos Aeronáuticos”, que tem quilos de material gratuito para o ICAO test.

  3. Renato Guardiola
    5 anos ago

    Deixa eu relatar meu caso. Eu fiz minha prova no dia 23 de janeiro deste ano na própria ANAC, no Rio de Janeiro. Lá o teste é de graça, mas o tempo na fila de espera fica entre 1,5 ano e 2 anos. Eu esperei algo em torno de 1 ano e 7 meses.

    Bom, eu fui fazer o teste com alguns macetes na cabeça, e entre eles estava uma dica que li pela internet de que você deveria falar 100% inglês. Jamais mencionar palavra alguma em português. Logo que cheguei fui bem recepcionado por uma mulher, que acredito ser a assistente, e ela me direcionou para a sala de teste. Cheguei lá e outra outra mulher entrou na sala comigo, e ela me deu bom dia e perguntou de eu estava bem em português. Eu lembrei do macete, e perguntei logo de cara, em inglês, “are you the examiner?” (Você é a examinadora?). Ela riu e falou que sim, e daí por diante só falamos inglês, mesmo nos momentos que não estavam sendo gravados, até que ela me disse, depois do teste, que eu poderia falar em português e se eu queria um cafézinho. Haha! Acho que ganhei alguns pontos nessa. E o mais legal é que o teste acabou ficando descontraído!

    Durante o teste, ela sempre falou em inglês de forma PAUSADA e NÍTIDA. Era perfeitamente “entendível”, e ela não pressionada de forma alguma, dando-me liberdade para falar devagar também.

    Enfim, depois de 43 dias, chegou o resultado por e-mail, e fiquei com 5 em Pronúncia, 5 em Vocabulário, 5 em Fluência, 5 em Compreensão, 5 em Interação, mas fiquei com 4 (quatro) em Estrutura Gramatical. E eu achei perfeitamente compreensível esse 4, pois cometi alguns erros, até básicos. Mas mesmo assim fiquei com nível 4 (a nota é nivelada pela mais baixa).

    Então, de acordo com a experiência que eu passei, eu posso dizer que pelo menos onde fiz, não existe essa rigorosidade dita. Só não passa quem não está preparado. Eu estudo inglês, por conta própria, desde os 8 anos de idade, mas antes da prova estava 2 anos sem estudar nada. Poderia ter ido melhor!!

    Um abraço!

    • Renato Guardiola
      5 anos ago

      Esqueci de comentar que, esses macetes na verdade não serviram para nada (exceto o de não falar português hehehe). O que vale na hora mesmo é você saber falar, pois a examinadora sempre tenta mudar o contexto para ver você “se virar” para desenrolar.

      Abraço!!

  4. André Mello
    5 anos ago

    Eu fiz o teste na EJ, segundo as más línguas um dos lugares mais “difíceis”. Consegui em todos os critérios nota 5 apesar de eu ter certeza que em pelo menos alguns eu merecia 6, então concordo com o que disse o Pedro, conseguir 6 parece ser uma coisa praticamente impossível.
    Amigos meus, com ingles na minha opinião básico/intermediário, conseguiram o 4 sem maiores problemas. Essa desculpa de que a prova é muito rigorosa é papo furado, conversa pra quem não quer estudar, eu ja tinha ouvido falar desse teste em Madrid e também do teste da tal taxi aéreo abelha no MS, ja era uma conversa que acontecia a algum tempo então não tem desculpa, Parabéns para ANAC pela atitude.

  5. wagner
    5 anos ago

    Raul, você que obteve seu ICAO no Brasil poderia ponderar sobre esta questão, ou seja : A prova aplicada pela ANAC é tão difícil, e que para passar o candidato precisa de um inglês perfeito ? Ou o nível do inglês destes pilotos está realmente abaixo dos padrões ? Pelo menos pelas entrevistas parece que o pessoal mais antigo (comandantes com muitas horas) é que está tendo problema com o teste, seria isso uma indicação de que esta turma por já estar tão acostumada com os procedimentos executados na prática, se desperceba de algumas formalidades ?

    Valeu

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Eu fiz meu teste na Cultura Inglesa de S.Paulo, e fui muito bem atendido. A avaliadora foi muito simpática, e o teste não teve nada demais. Não vi nada de “excesso de rigor” na minha avaliação, de maneira alguma. Mas não gostaria de fazer mais considerações sobre quem não consegue ser aprovado. Só acho que essa história de fazer a prova em Madri está pegando muito mal para a classe.

      • Fabio Barros
        4 anos ago

        O pegar mal é por que lá em Madrid não é credenciado pela ICAO? somente a ANAC? e se não é? por que a ANAC deu as carteiras para os pilotos voarem? . Isso não é uma pratica normal entre oos pilotos fazerem onde achar conveniente dentro das regras que a ANAC fez?

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Não, Fábio. “Pegar mal” não tem a ver com a regularidade formal de uma determinada prática, mas sim com o fato óbvio de que todo mundo que foi para aquela escola de Madri fazer o ICAO-test tê-lo feito lá porque não tinha competência para ser aprovado em nenhum outro lugar. Ao invés de se esforçar, estudar mais, praticar mais, que é o que todo bom profissional deveria fazer, essas pessoas preferiram o “jeitinho” da prova na escola mais fácil. É sobre isso que estou me referindo, e acho que fui claro na minha explicação. Mas caso você ainda ache ser necessário explicar melhor, não tem problema, não: é só avisar, que eu desenho.

          • Fabio Barros
            4 anos ago

            Ola Raul , agradeço pela resposta , mas gostaria sim que você desenhasse , pois o que eu não entendi ainda alguns pontos como ” não ter copetência de tê-lo feito em nenhum outro lugar, no caso fora as Escolas do Brasil existe outra fora Madrid? e sobre o “Jeitinho “a escola de Madrid realmente ela é mais facil? existem comparativos da prova de Madrid com a prova feita no Brasil? e a visita técnica que foi feita, os técnicos são pilotos e professores de inglês ? como funciona essas visitas técnicas ? elas são periodicas a cada ano é feita ou essa foi a primeira e unica visita técnica ? agradeço pela paciência.

            • Raul Marinho
              4 anos ago

              Acho que você está superestimando minha paciência, e principalmente a minha disponibilidade de tempo para conversa mole, Fábio…

              • Fabio Barros
                4 anos ago

                Ok ! obrigado Sr Raul , gostaria de ouvir a opinião do Sr sobre essas dúvidas , mas respeito se o Sr não saber sobre essas declarações. grande abraço e obrigado pelo seu tempo e paciência mais uma vez.

                • Raul Marinho
                  4 anos ago

                  Onde vc quer chegar com essa sua polidez cínica, Fábio? Vc não vai conseguir provocar uma discussão comigo sobre o assunto que vc deseja, lamento informar. Fosse este um momento em que o tempo me sobrasse, eu até poderia escrever mais sobre o assunto, mas agora não é possível. Então, recomendo a vc exercitar a sua retórica sarcástica em outro lugar, pois aqui o terreno não lhe será fértil.

                  • Fabio Barros
                    4 anos ago

                    Ola Raul uma coisa vou concordar com você , o terreno realmente não anda nada fértil, esse assunto até concordo com você , quanto mais se fala pior fica para a ANAC pois já não bastava o Grooving agora um desastre das leis de nosso País ditado e executado por uma Autarquía , e um Cargueiro Internacional praticamente plantado na pista de Viracopos em Campinas , por que a ANAC é tão passiva em uns casos e tão radicais em outros? não Somos a Mãe Russia mais esses orgãos vestem a Armadura desses regimes e querem resolver tudo na mão de ferro? Espero que Deus vejam com olhos da Misericordia e ajudem todos os serem humanos a serem melhores e não confrontarem mais irmãos contra irmãos.

  6. É o famoso jeitinho Brasileiro queimando o filme dos aeronautas deste mesmo país.

    Não fiz a prova da ICAO ainda, mas sei que ela não é um bicho de 7 cabeças. Isso pra quem sabe inglês. E não me refiro a alguém que seja fluente. O problema é que esse pessoal não manja nada de nada… inglês muito fraco.

    Não saber algo é completamente admissível, afinal ninguém nasce sabendo tudo. Mas o que é vergonhoso é a falta de esforço e dedicação pra se conseguir algo com méritos próprios, sem se valer de meios escusos pra alcançar o objetivo.

  7. Pedro Ramos
    5 anos ago

    Como sempre, a Brasileirada dando o ”jeitinho Brasileiro”… Escutei varias versoes sobre o teste de proficiencia aqui no Brasil, umas ate que a ANAC nao esta liberando ICAO 6 p/ ngm no intuito dessa pessoa continuar sempre se atualizando, estudando a lingua..outras que o teste no Brasil chega a ser um absurdo, que nem mesmo aviadores já fluentes no ingles procedentes de outros paises nao conseguiram o tao querido ICAO 5, dai eu me pergunto ate que ponto isso eh verdade ? Sera mesmo que o teste para se obter o ICAO5+ no Brasil eh tao assustador ? Ou sera que essas pessoas na verdade eh que nao sao tao fluentes quanto pensam ?

    • Fabio Barros
      4 anos ago

      Ola Pedro gostei do seu comentario , realmente o pessoal ouve falar muitas coisas mas não se preocupa com a verdade por trás dos fatos , essa notícia de que os pilotos estão se depreciando fazendo o teste no Brasil ou Madrid ou Portugal isso independe onde é feito pois todas essas escolas a ANAC aceita sem problema algum isso nunca foi misterio , tanto que a prova de Madrid sempre foi aceita pela ANAC essa ida para Madrid não é algo recente , vou dar um exemplo ; Eu tenho um amigo que mora em Ibiza com a esposa e ele sempre faz a reavaliação do inglês dele em escolas em Madrid e ele voa para o Brasil e sobre a Europa tranquilamente sem problema algum , agora existem outros fatores por trás disso que com certeza não é o inglês dos pilotos você não acha?

Deixe uma resposta