Operação “padrão” na aviação agrícola

By: Author Raul MarinhoPosted on
561Views15

Neste post, “A falta de “cultura de segurança” na aviação brasileira em estado bruto“, eu comentei a mensagem de um leitor (o “Rambo”) que se gabava de trabalhar na aviação agrícola abastecendo o avião com o motor ligado. Mas, como diria o Datena: “Faltam ibagens! Eu quero ibagens!”; então vejam abaixo um vídeo que o nosso colega RodFigueiroa encontrou no YouTube exatamente sobre isso. Retorno em seguida para os comentários.

.

Comento

Se vocês tiverem paciência, chequem os comentários do vídeo no YouTube. Temos, por exemplo:

  • “Parabens aos badecos e pilotos agricola!!” – por Tonyleoncini;
  • “Bateu saudade …” e “O Badeco ta de parabens …” – por cmtealberto;
  • “parabens p/o badeco,eu ja fui badeco na safra 2009/2010 p/um ipanemão e um pawnee 235,badeco tem que ser ninja mesmo porque tem muitos pilotos que nao ajudao badeco eu ja fui dessa vida e sei como que e viver vida de municiador de avião agricola é muita correria e cansaço parabens p/os badequeiros que estão na atividade.” – por 1980wendinha

 

Percebam que não há nenhum comentário questionando a segurança da operação, nem se vê ninguém apontando a falta de profissionalismo da dupla piloto+badeco, pelo contrário: o tal cmtealberto suspirou com saudades de seu tempo de aviação agrícola, e não faltaram confetes e vivas para os kamikazes do sertão. Aliás, só o fato de alguém ter filmado a operação e ter subido o vídeo para o TouTube já é um indício de que quem nela participou se orgulha de tê-lo feito.

Como se vê, temos um longo caminho a percorrer quanto à mudança da mentalidade do pessoal envolvido na aviação (agrícola, principalmente) em relação à “cultura de segurança”.

15 comments

  1. juliano goes
    4 anos ago

    oi eu de TOLEDO no pr ,desde criança tive o sono de ser um piloto,,,ai quando começei a creçer me entereçei pela a parte agricola,deve ser pq sempre gostei do campo desde de entao venho aconpanhando a aviaçao agricola ,mais de longe nunca nem sub em um aviaoe pelo q eu estou vendo em valores axo q vai fica no sonho mesmo ,eu axokkkk ,,mais sempre tive esse sonho em ser um piloto agricola ,mesmo ouvindo todos esses problemas e perigos do meio,olha sera q eu consequiria alquem q emvestiçe nos meus estudos ,,curso,,, por mrio de um contrato ,,mais ou menos assim a pessoa pagava meu curso e eu pagava em serviço por meio de um contato ou algo pareçido ,tanbem estou ciente da parte da esperineçia q conta muito na aviaçao agricola …no mais obrigado a todos

  2. Rogério
    5 anos ago

    “Pit-stop”

  3. Gustavo Franco
    5 anos ago

    Tenho planejado meus próximos anos para alcançar o objetivo de ser piloto agrícola. Sei da importância da segurança na aviação e procuro sempre agir nesse sentido. Mas vendo coisas como essas, fico pensando se um dia terei que escolher entre deixar que o meio me corrompa, ou desistir do meu objetivo.
    Torço muito para que o cenário da aviação agrícola mude, ou então que eu fique nos 40% que a fazem de forma segura, conforme citado pelo Fred.

    • Fred Mesquita
      5 anos ago

      Gustavo, não se iluda em pensar que só na aviação agrícola é que existe “insegurança aérea”. Há também muita insegurança na aviação executiva, particular e/ou Táxi Aéreo pois hoje em dia vivemos num mundo onde não existe mais controle algum e uma fiscalização competente. A aviação de hoje, de uma forma geral, está a beira de um colapso onde ela quer crescer e viver o século 21 sendo adminstrada por um órgão que pensa e age como se estivesse no século 19. A verdade éque não vivemos um “apagão aéreo” por falta de pilotos e sim um “cáos aéreo” por falta de organização.

      Sobre a fábula, conversa da carochinha ou conversa para boi dormir quando falam de falta de pilotos, a grande verdade é que profissional com e sem experiência, tem aos montes. Prepare-se pois se uma empresa aérea anunciar que está recebendo currículos, esta empresa vai ter papel de rascunho de sobra até o século 22.

  4. Madison
    5 anos ago

    Por favor, leiam os relatórios, sobretudo os itens “4” de cada um,
    Se não tiverem tempo p/ tudo, escolham PELO MENOS UNS 3, aleatoriamente, por favor.

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_ghp_17_01_11.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_fni_19_01_10

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_upz_05_01_08

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_ghx_17_12_07

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_ffd_14_11_10.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_uep_14_10_09.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_uxs_28_02_11.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_gsd_23_02_07.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_guf_26_05_10.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_wvk_22_02_00

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_utm_11_01_10.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_ggn_10_02_05

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_gno_31_01_07.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/PT_GYV_14_02_2005.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_utx_13_01_09.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pr_fba_10_01_08

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_uah_03_10_05.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_gef_11_01_08

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_wkn_06_02_10.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_wfg_13_11_09.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_wqv_25_11_09.pdf

    http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/pt_gvq_05_02_08

  5. Fred Mesquita
    5 anos ago

    Nada na aviação agrícola me estranha. É a segunda aviação mais perigosa, perdendo só para a aviação de garimpo (quase inexistente hoje em dia). Se eu for relatar o que já vi, deixa qualquer um de cabelos em pé. Aviões sem manutenção, aviões com as matrículas apagadas (lixada, sem nada de prefixo), piloto ha anos voando com todas as carteiras vencidas, “piloto” que nunca foi piloto, pistas despreparadas, e por aí vai…

    Ora, todos que voam agrícola sabem dos riscos que correm diariamente mas o lucro e a impossibilidade total de ser fiscalizado é muito convidativo pois os ganhos são muito alto. Conheço pilotos de agrícola que voam safras de 4 meses e passam o resto do ano sem nada voar, só curtindo com a alta soma que faturou na safra.

    Enfim, é uma aviação arriscada como as outras aviações, mas o diferencial é que se encontra os melhores salários de toda a aviação.

    Obs: Não quero falar que “toda” aviação agrícola seja perigosa, mas em torno de 60% dela é.

  6. Righetti
    5 anos ago

    Da forma como é reabastecido, a possibilidade de uma contaminação no tanque de combustível é grande. Ter um motor falando já é um risco enorme na aviação “comum”, creio que o risco é exponencial na aviação agrícola que é praticamente um voo acrobático próximo ao solo.

  7. André
    5 anos ago

    Olá Raul. Costumo visitar sua página e, esporádicamente vejo alguns dos comentários. Engraçado que o vídeo selecionado, de certa forma, nem é tão aterrorizante assim… Muito pior foi uma das sugestões do Youtube ao final da exibição que mostra um ipaneminha amarelo num razante a 0,50m do chão – é isso mesmo: o piloto passa com as rodas na altura do solo equivalente a metade de um pé de café.

    Talvez por isso mesmo alguns comentários ao vídeo escolhido tenham sido benevolentes… eu mesmo achei erro maior a quantidade de material derramado na pista – seja contaminante ou não. O abastecimento em si é algo meio fórmula 1; exigência mesmo de quem tem muito a fazer em pouco tempo. Agora, que podia ser melhorado, podia. Vê-se que é muita coisa para um só.

    O pior disso tudo, creio eu, é que a equipe trabalha movida no ritmo que o AgPilot falou; no estresse provocado por muita gente que não é piloto nem badequeiro. Estes últimos que precisam descobrir uma maneira de não se submeterem indiscriminadamente às vontades destas pessoas. Afinal, depois que morre ou se acidenta, vira culpado (sempre).

    Os pilotos da aviação agrícola são profissionais muito especializados e experimentados. Já tive a satisfação de vê-los voar (ainda que pouco) e te digo que os que assisti realizam um trabalho bastante consciente. Mas, o grande conselho que vale para todos nós é que o erro é sempre traiçoeiro e um de seus ardis mais comuns é valer-se do excesso de confiança. De fato, sempre que achamos uma missão vulgar estamos mais propensos a cometer descuidos. Como a grande maioria destes é contornável, vamos relaxando gradativamente até que um dia alguém mais erra, seu erro é somado ao nosso e aí não se controla mais…

  8. AgPilot
    5 anos ago

    Cara, oq vc quer comentando av agrícola? Av agrícola é totalmente fora de regra, é uma outra aviação.
    Tem muita, mas muita coisa por tras que tu nem sabe o que é, nao sabe oq se passa. É voar das 6 da manha as 8 da noite, é esperar sentido , direçao de vento, ouvir os donos das lavouras enxendo o saco , pedindo rapidez, agilidade na pulverização pq aas lagartas tao comendo a lavoura dele, é agronomo nos ouvidos, é tudo, e muitoooo mais, q tu nem imagina. Garanto q vc nunca foi em uma aplicação aerea pra saber como funciona, te garanto q nao é pra qualquer um , nao é mamão com açucar.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      O que eu quero com a aviação agrícola? Torná-la uma atividade decente, profissional, e principalmente segura. Ou você acha que está bom do jeito que está?

    • Vinicius Piassa
      5 anos ago

      AgPilot, seu questionamento é esdrúxulo! Acredito que você seja piloto agrícola e infelizmente atitudes como essas que parece pelo seu comentário você defender ou pelo menos achar “NORMAL” é o que faz os índices de acidentes aumentar. E pelo que parece você nunca foi a um CURSO de aplicação aérea agrícola para saber como REALMENTE funciona, te garanto que não é para qualquer um, é para aqueles que prezam a segurança e almejam o bom trabalho! A aviação precisa de pessoas responsáveis e não as que se deixam levar pelas pressões aplicadas a elas.

  9. Leonardo Ruffeil
    5 anos ago

    Realmente lamentável. Nunca tinha visto isso!

  10. Roquini
    5 anos ago

    Eu sei que já foi discutido sobre isso …..
    mas a ANAC chega até esses lugares? ou simplesmente ninguém reporta uma situação de risco? ou a situação é reportada mas a ANAC não fiscaliza?
    será que alguém tem essas respostas?

    • RodFigueiroa
      5 anos ago

      Sabemos que a deficiência na fiscalização é grande, por isso cabe a cada um fazer sua parte corretamente. O problema é que muitos ainda não tem essa mentalidade, e outra, o cara que denuncia, mesmo que ‘anonimamente’, corre o risco de ficar marcado, então a coisa continua sendo tocada dessa forma. Temos que começar a agir com rigorosidade, assim outros começarão fazer a exemplo!

Deixe uma resposta