Entrar na aviação comercial como PC recém-formado é coisa do passado

By: Author Raul MarinhoPosted on
488Views37

Na semana passada, conversei longamente com o Diretor de Recursos Humanos da Azul Linhas Aéreas, Johannes Castellano, na sede da companhia, em Alphaville. Em posts futuros, vou relatar mais informações importantes para a formação aeronáutica que obtive nesta oportunidade, mas gostaria de adiantar o que me pareceu ser o mais relevante para pilotos em formação ou recém-formados, que é sobre a possibilidade de ingresso como copiloto em companhia aérea logo após a obtenção do brevê de PC.

De alguns anos atrás a até o início de 2012, as companhias aéreas Azul e Trip contrataram pilotos recém-saídos dos aeroclubes diretamente para a posição de copilotos dos jatos e turboélices das respectivas empresas – sendo que a Azul praticou este procedimento até muito recentemente, para quem possuísse a carteira de PC-IFR/MLTE, PLA teórico, Jet Training, e inglês no nível ICAO-4 ou superior. Com a fusão entre as empresas, o procedimento foi congelado, e de acordo com o Sr. Castellano, as contratações na nova empresa Azul+Trip voltarão da seguinte forma:

  • A partir do início de 2013, começarão a chegar novos aviões para a companhia, porém serão aeronaves para substituir equipamentos mais antigos, não havendo a necessidade de novas contratações no período;
  • Somente em meados de 2013 é que a frota deverá efetivamente começar a crescer novamente, e aí sim as contratações serão retomadas;
  • A companhia não pretende mais contratar comandantes diretamente, sendo que daqui para a frente ela só vai contratar copilotos, promovendo os copilotos mais antigos a comandantes na medida da necessidade;
  • Não há planos de alterar a política de recrutamento (passando a exigir 500h de experiência ou mais, como nas demais companhias), mas como as contratações ficaram suspensas por muito tempo, a relação de candidatos por vaga de copiloto a ser aberta irá se alterar substancialmente, o que vai fazer com que, na prática, somente quem tiver mais horas de voo será competitivo para ser aprovado nas futuras seleções.

Em resumo: não vai mais ser possível ingressar na aviação comercial com 160h-170h de voo, como ocorreu no passado. Quando as contratações na Azul+Trip forem retomadas, os melhores currículos – que incluem ter 300h, 400h de voo ou mais – terão prioridade, fazendo com que os recém-formados sejam preteridos no processo.

Obviamente, isto não se aplica aos participantes do “Programa ASA” de formação de pilotos, em andamento neste momento.

37 comments

  1. Ermi Ferrari
    5 anos ago

    Mais uma reportagem do apagão de pilotos, talvez uma das últimas, no final do ano passado… http://www.defesanet.com.br/aviacao/noticia/3912/Faltam-pilotos-no-Brasil–diz-diretor-da-TAM

  2. Negocio certo
    5 anos ago

    É a lei da selva, o mais forte vence. Mas é tudo uma questão de se preparar e tornar apto a função de co-piloto, depois é tudo uma consequência.

  3. André
    5 anos ago

    Não sera aplicado ao ASA e nem pra funcionário azul que faz processo interno, essa quantidade de hrs.

  4. Jamal Malik
    5 anos ago

    Era de se esperar que isso iria acontecer afinal, o mercado está cheio de opções e essas empresas agora podem escolher, sendo assim, escolherão os com maior número de horas de voo. Porém, é importante fazer algumas observações: – Grande parte dos acidentes aeronáuticos são causados pelo falho processo decisório. Todavia, o processo decisório NÃO está relacionado à experiência, ou seja, um piloto com 150h PODE SIM evitar um acidente que aconteceria com um suposto piloto com 500h de voo. Quantidade de horas de voo não indica se um profissional é melhor que o outro. Acho que sim, deveriam manter os mínimos (PC/IFR/MLTE). – Mantendo os mínimos (PC/IFR/MLTE) então, o que poderia fazer com que um piloto de 150h tenha um melhor processo decisório que um de 500h, como medir isso? CONHECIMENTO. Quando você sabe e aplica, coloca em prática, tudo fica mais fácil. Por isso, creio que deveriam sim cobrar nível superior, ICAO 4, 5 ou 6, e um processo seletivo nivelado por cima. O que é melhor, um piloto com 1000h de voo, tirou o ICAO 4 no aperto, só estudou no Aeroclube (não desmerecendo mas, quem faz superior em CA tem a oportunidade de aprender mais) e que não sabe ler uma carta de vento, uma SIGWX, não faz um briefing de uma carta Jeppesen, ou um piloto com 150h com ICAO 5, C.A, bem doutrinado com relação a padronização e filosofia em linha aérea através de instrução em simulador AATD e Jet Trainning, tem uma base de conhecimento muito maior? Acho que deveriam rever esses conceitos. – Ah, mas os alunos do Programa ASA e da PUC terão oportunidades com 150h, PC/MLTE/IFR… O que garante que eles serão melhores e terão muito mais conhecimento? É um tiro no escuro. A última que vi de um aluno da PUC que dizia: “estudo na melhor faculdade de Ciências Aeronáuticas da América Latina” (sim, ele disse essas palavras). Ele não sabia fazer uma entrada em órbita e reconhecer um procedimento hipódromo. A partir disso, parei e pensei, será que a PUC (nada contra os alunos e instituição) é realmente a melhor e merece a parceria? O que entristece é que o mesmo amigo que acha que tem um baita conhecimento e estuda na melhor faculdade da America Latina pode ter a oportunidade (possivelmente irá desperdiça-lá) enquanto um não-PUC PC/IFR/MLTE que de fato, estudou e estuda sempre, tem conhecimento não terá a oportunidade. Devem rever isso. Enfim, acho que deveriam continuar dando oportunidade para quem tem menos horas desde que tenha um bom currículo profissional.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Sobre o tal aluno da PUC que não consegue reconhecer um procedimento tipo hipódromo: tudo bem que ele esteja matriculado na PUC, mas será que ele vai se formar?
      E qto à questão de conhecimento, pelo que eu sei, os processos seletivos para contratação de pilotos existem justamente para avaliar o nível de conhecimento dos candidatos.

    • Rodrigo
      5 anos ago

      Só esclarecendo a parte do aluno da PUC que não sabia fazer a entrada em órbita: Pode até ser que exista um caso muito parecido, mas provavelmente estamos falando da mesma pessoa, que é justamente um caso isolado de “nariz em pé” e falta extrema de humildade em não reconhecer o erro, uma vez que, apesar de estar no semestre que inclui rádio navegação, onde são ensinadas as entradas em órbita, ainda é Setembro, e provavelmente o rapaz ainda está aprendendo a interceptar um QDM. Ou seja, ele não teria a obrigação de saber, só não deixou claro esta parte, e ainda sujou o nome da faculdade. É verdade quando se diz que a PUC não merece aquelas tais 5 estrelas (de critérios duvidosos) no guia do Estudante, mas sem dúvida alguma, ainda é a melhor instituição de ensino do país se comparada às demais opções, o produto final, salvo raríssimas exceções, ainda é muito bom!

  5. Tales Hoffman
    5 anos ago

    Nada substitui a experiência. Seria ótimo que não tivéssemos mais «manicacas EJ» ingressando no mercado através de esquemas formados por esta mesma escola.

    • Sidney
      5 anos ago

      nem todos em sao manicacas na EJ, tem nego la que da show voando !! isso ai deve ser inveja tua em !!

      • Dick Vigarista
        5 anos ago

        Não creio que ele esteja fazendo menção a quem voa na EJ atualmente.

        O termo “Manicacas da EJ” surgiu a uns 5 anos atrás, NUM CONTEXTO ESPECIAL.

        Acho que ele não fez menção a quem voa na EJ atualmente, ou quem já voou na EJ e entrou na AVIAÇÃO COMERCIAL pelas vias normais (currículo+indicação+seleção).

        Outra coisa: não acho que o programa ASA seja “esquema” – se o colega tiver feito menção a ele. É algo substancialmente diferente do que foi feito na época dos “manicacas da EJ”, pois hoje a instrução é realmente feita na EJ, e concluindo todos os módulos, você pode participar da seleção na “Blue”. A única coincidência é a escola que participa do programa e sua má fama em relação a esquemas. O que não quer dizer q a escola seja ruim, pelo contrário: acho q temos agora, um verdadeiro programa de preparação de pilotos, por ser boa.

        OBS.: O COMENTÁRIO FOI EDITADO PARA SUPRIMIR REFERÊNCIAS CALUNIOSAS À EJ.

  6. Carlos César
    5 anos ago

    Sempre acreditei que a aviação não é somente um emprego, de onde você tira seu sustento. Creio que seja mais um “estilo de vida”. Obviamente temos que pagar as contas no final do mês, mas se a motivação for somente essa, certamento os “aventureiros” vão perceber logo cedo que estão no caminho errado. Aliás, qualquer profissão precisa de uma boa dose de paixão. Como diria Roberto Freire: -“Sem tesão não há solução”!
    Bons voos!

  7. Diorley
    5 anos ago

    Aventureiros da aviação – isso existe mesmo!???

    Sei que não é o lugar, mas rapidamente me questiono se existem mesmo pessoas que se sacrificam, colocam dinheiro, gastam grande parte de seu tempo, estudam pra caramba, e tudo isso sem gostar de voar, mas só por que acham que vão ganhar bem no futuro breve??

    Acho que se o cara se dedicar a fazer outra coisa ele vai sofrer menos e ganhar mais!

    • Alexandre Pinho
      5 anos ago

      O pior é que sim! Pensam que vão ganhar muito, fora o “status” que a profissão ainda dá mesmo não sendo lá essas coisas como era no passado! Mas estes cedo ou tarde acabam caindo fora estando o mercado bom ou ruim!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Existem os aventureiros da aviação, os aventureiros da informática, os aventureiros do concurso publico… O que mais existe é gente perdida querendo dar um jeito na vida com o que está na moda no momento.

      • Josué Carillo
        3 anos ago

        True!
        É predominante os que caem de pára-quedas numa sala de aula de PP, sem saberem pra onde vão!

    • Dick Vigarista
      5 anos ago

      É uma dúvida honesta, mas existem sim aventureiros, colega.

      Quer comprovação? Nº de inscritos numa turma de PP X PP Checado
      Nº PPs Checados X Aprovados na banca de PC
      Aprovados na banca de PC X PC/MLTE/IFR/INVA
      PCs Checados X PCs que procuram emprego e que se sujeitam às dificuldades do começo da carreira…

      e daí vai…

  8. Gledson C. Silva
    5 anos ago

    Raul , eu estou pensando em tirar um breve e entrar nesta area, porem confesso q lendo os seu comentarios me preocupa um pouco pois os investimentos iniciais são altos e agora com o receio de que não haja retorno financeiro.
    O que vc me diria ou o que vc me aconselha quanto a isto?
    O investimento ainda vale a pena?
    E tenho outra pergunta ouvi falar que a ANAC da tipos uma bolsa para horas de voo para os 10 melhores colocados na prova de piloto comercial, essa informação procede?
    Desculpe das perguntas pois sou leigo no assunto.
    E desde ja obrigado.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      O que vc me diria ou o que vc me aconselha quanto a isto?
      R: Se vc está pensando na profissão de piloto em termos de “retorno financeiro”, esqueça a aviação.

      O investimento ainda vale a pena?
      R: Nunca valeu. Ele só é interessante para quem quer voar independente da parte financeira.

      E tenho outra pergunta ouvi falar que a ANAC da tipos uma bolsa para horas de voo para os 10 melhores colocados na prova de piloto comercial, essa informação procede?
      R: Isso non ecziste, nem nunca eczistiu.

  9. Fernando
    5 anos ago

    Oi Raul,

    Notei que aquele convênio que a PUCRS tem com a Azul sequer foi citado, saber dizer se acabou? Será que eles não se encaixam na mesma situação do pessoal da ASA?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Foi falha minha não citá-lo. Os participantes do convênio Azul-PUC enquadram-se nos mesmos critérios do Programa ASA.

  10. non
    5 anos ago

    eh agora ficou mais nebuloso a vida na aviação, pois como o topo da piramide não irá contratar na velocidade em que estava contratando acabará tendo muitos “pratos de bóia” e invas nos aeroclubes acumulando milhares de horas de boero e assim não terá espaço para que novos pilotos entrem no mercado. Realmente o mundo da voltas.”e rápido”

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Sim, inclusive eu já havia alertado qto a isto aqui no blog, mais de uma vez, e há bastante tempo.

  11. Dario Kavalkeviski
    5 anos ago

    O jeito pra quem é PC recém checado é fazer o INVA, o único jeito de recuperar o investimento feito e ganhar horas de voo, daí partir pro CAVAG. Infelizmente no Brasil não se dá oportunidade pra quem é recém checado, muito menos as companhias aéreas, não ser que tenha um “QI”, daí o piloto se obriga a dar instrução.

  12. tsc tsc tsc .
    5 anos ago

    justo… agora pede para eles aumentarem o salario tambem pois com 500/700 horas de voo eu nao vou mandar meu cv para la .
    tem avianca e outras cias monetariamente mais saudaveis do que azul a serem olhadas. pois essas pagam um salario e nao uma ajuda de custo.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Eu te desejo boa sorte na Avianca, mas o fato é que dificilmente a Azul terá dificuldades em encontrar tripulantes para suas aeronaves, com o excesso de pilotos sub e desempregados que há em nosso país.

      • tsc tsc tsc .
        5 anos ago

        com certeza Raul concordo com voce 1000% porem acho que assim comeca o processo seletivo dos melhores empregos e os que apenas conseguiram algo…. nao desmerecendo os aviadores que ja se encontram na empresa pois estes entram em outra epoca quando o mercado estava em outra esfera.
        Westjet e jetblue sao conhecidas internacionalmente por pagarem salarios abaixo da media ao seus aviadores… seria ilusao pensar que O “Tio David” faria diferente em nossa patria.

    • Chumbrega
      5 anos ago

      Prezado colega, respeito a sua opinião e acredito em sua palavra, mas…

      Considerando que AVIANCA e TRIP+AZUL são companhias fechadas (não tem títulos negociados no mercado), elas não são obrigadas a divulgar suas situações financeiras para o mercado (ou para a CVM). Dito isso, de onde você tirou a informação que a Avianca é mais saudável financeiramente que a Azul? Leu em alguma fonte CONFIÁVEL ou é AFA/Opinião pessoal? Não me leve a mal, não estou desacreditando a sua informação, porém como trabalho lá, estou curioso com sua afirmação.

      Obrigado!

      =========================================================================

      Acerca da informação do post, é simplesmente oferta e demanda. essa “lei” funciona tanto quanto a lei da gravidade… Como houve um grande aumento da procura por instrução (seja por aventureiros oportunistas ou por aqueles que querem de fato seguir a profissão de piloto), é natural que haja um grande número de profissionais disponíveis do mercado e, com isso, que haja um aumento nos requisitos de experiência (e redução nos salários).

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        Meu caro Chumbrega, eu não encontrei referência alguma sobre a comparação financeira que vc descreveu na 1a parte de seu texto no comentário do colega. E qto às questões de ofertaXdemanda, o que vc disse é certo (e obvio), o complicado é saber para que lado a balança se move (e qdo)…

        • Chumbrega
          5 anos ago

          Obrigado pela resposta Raul. Na verdade, o meu post foi para questionar a ele sobre a fonte. O comentario dele está em “tem avianca e outras cias monetariamente mais saudaveis do que azul a serem olhadas. pois essas pagam um salario e nao uma ajuda de custo.”

          Postado às 11/09/2012 em 11:56 AM.

          Mais uma vez, não pretendo desacreditar o comentário do colega, mas gostaria muito de saber a fonte da informação. Thanks again!

          • Raul Marinho
            5 anos ago

            Vc tem razão, então o leitor comparou, sim, a Avianca com a Azul. A questão é a seguinte: mesmo sem informação precisa de alguma fonte, não é difícil concluir que a saúde financeira da Avianca deve ser melhor do que a da Azul (o que não significa que a Azul esteja em má situação). A Avianca não passou por uma fase de crescimento acentuado como a Azul passou, ela é uma companhia mais focada em produtos de maior rentabilidade do que em conquistar market share (a estratégia da Azul). Esse tipo de estratégia costuma trazer mais solidez financeira, enquanto que a estratégia da Azul é a mais indicada para quem quer disputar a liderança do mercado num futuro próximo. No mais, não acho que há motivos para preocupações ou polêmicas quanto ao assunto, mesmo porque a Azul deverá abrir o capital em 2013, e expor seus números em muito breve.

            • Dick Vigarista
              5 anos ago

              Raul, eu não sou especialista em estratégia (m grego strateegia, em latim strategi, em francês stratégie, RSRSRS), mas eu também fico com um pé atrás quando se dá esse tipo de informação sem citar a fonte.
              Admiro muito a Azul e apesar de tentar separar a rasão da emoção, imagino argumentos como monopólio em várias rotas, menores salários, ocupação dos aeronaves e etc para falar que a estratégia da Azul também permitiria à mesma estar em uma situação financeiramente confortável…
              Então não sei, esse tipo de afirmação, sobretudo quando envolve COMPARAÇÕES, pode mexer com as pessoas.

              Mas o que nos resta é torcer para que ambas, e as demais aéras e a executiva voltem a contratar como no período 2009-2011…

              • Raul Marinho
                5 anos ago

                Eu sou um profissional do mercado financeiro, especialista em análise de crédito, e como tal não posso afirmar que haja qualquer indício de má saúde financeira da Azul que comprometa a sobrevivência da empresa no curto/médio prazo – muito embora ela não divulgue seus números. Já no longo prazo, eu não sei – mas como diria Keynes, “no longo prazo todos estaremos mortos”…

                • jzgpedro
                  4 anos ago

                  “no longo prazo todos estaremos mortos”

                  SIm, e uma frase bem infeliz. Ainda que os heterodoxos não possam cobrá-lo por não prever o futuro (como seria a retirada do estado no fomento da economia), essa frase já vem carregada de inconsequência / irresponsabilidade. Quem se virem então, nossos filhos, com o abismo deficitário resultante.

                  Enfim, voltando à aviação.

                  Concordo com você, Raul, sobre o estado do mercado de aviação. Só discordo da forma como você coloca as razões legítimas de alguém ingressar na aviação. É preciso pensar SIM no retorno financeiro. Esta é uma atividade capitalista como qualquer outra: visa o lucro, e só. Voar não pode ser “parte do pagamento”. Os profissionais de maior importância da área devem ser bem remunerados sim, pois a atividade gira em torno de muito dinheiro, e existe um alto grau de especialização no piloto. Não estou dizendo que você não ache que deva ser assim, mas o fato é que o discurso de “deve-se apenas amar a aviação” somente dá mais e mais poder de monopólio ao empregador. Você que mexe com mercado financeiro possivelmente estudou um básico de microeconomia, deve saber disso.

                  A nossa atividade é extremamente apaixonante, e quem ingressa nela sem esse amor geralmente desiste frente às adversidades. Do ponto de vista capitalista, a aviação deve ser encarada como qualquer outra atividade, e remunerada apropriadamente.

  13. Alexandre Pinho
    5 anos ago

    Chequei o PC agora que beleza… Porém por outro lado é bom que os aventureiros que entraram na aviação pelo modismo dos últimos anos e falsas promessas de super salários de forma rápida e fácil vão acabar desistindo. Somente quem realmente gosta da aviação fica!

    • Carlos
      4 anos ago

      Ola Raul tudo bem! Meu irmão teve uma divida com INSS e
      ficou assim inadimplente no Cadim e outras dividas de emprestimo.
      As grandes empresas de aviação verificam antecedentes criminais em
      suas contatações?? Obrigado e estamos aguardamos seu
      livro.

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Em 1o lugar: dever não é crime neste pais. Logo, seu irmão está com a ficha criminal limpa (a não ser que ele tenha fraudado o INSS, mas aí é outra história). Qto às empresas pesquisarem o histórico do candidato no SERASA ou no CADIN, infelizmente isso existe, embora ilegal. O ideal é que ele renegocie a divida o qto antes.

Deixe uma resposta