A angústia do piloto recém-formado: o que fazer depois de checar o PC?

By: Author Raul MarinhoPosted on
1348Views33

Na foto acima, Mr. Rabbit flagrado logo após checar o seu PC. O que fazer? Cursar o INVA, ir para o garimpo, ou caprichar no spam? O que eu posso dizer é: cuidado para não ser atropelado pelo trem que vem por trás, Mr. Rabbit!!!

Recebi um e-mail de um leitor neste final de semana – vamos chamá-lo de Mr. Rabbit – cujo conteúdo representa a angústia de muitos outros pilotos recém-formados atualmente. Não vem ao caso “fulanizar” a pessoa ou a escola em que ele voou, pois esta é a situação que muita gente está vivendo independente do aeroclube/escola de formação. Vou reproduzir a mensagem a seguir exatamente como ela chegou, só alterando o nome da escola de aviação mencionada para a genérica “Escola XPTO”, e depois faço meus comentários. Lógico que, se algum outro leitor tiver algo a acrescentar ou a corrigir no meu texto, o espaço de comentários está aí também para isso. Eu só não gostaria que houvesse comentários positivos ou negativos quanto à “Escola XPTO” (que não será difícil de ser identificada nos meus comentários) porque não é meu objetivo restringir o debate à avaliação de uma determinada escola em especial aqui, pelo contrário: gostaria de generalizar o debate o máximo possível.

Então, para começar, vejamos o texto do e-mail que eu me referi acima:

Olá Raul! Sou muito fã do seu blog, você consegue o que poucos sites da aviação conseguem: deixar o leitor atualizado e, claro, com informações verídicas, que muitas páginas ainda se negam à praticar. Bom, meu objetivo por meio deste é pedir um conselho pra você que já têm uma grande experiência na aviação e no mercado de trabalho, pelo menos um pouquinho mais que eu (risos). Realizei meu PC+MLTE+IFR tudo pela Escola XPTO, grande conhecida e ótima escola de aviação. A instrução é padronizada e muito boa. Porém uma grande maioria que realiza todo o curso na Escola XPTO enfrenta uma dificuldade similar quando está checado PC, o fato de estar preso ao pequeno mundo da Escola XPTO. Isso é fácil de ver quando se conhece os instrutores de lá. São instrutores que realizaram tudo na escola e estão com 800, 1000 e até 1500 horas de voo e não conseguem seguir pra frente, arranjar um emprego que realmente ofereça um salário bom e, é claro, aeronaves maiores, que é o que todos desejam. Relevando, é claro, os alunos que chegam na escola com uma assinada nas costas de emprego garantido. Continuando, eu sou um deles que está preso ao mundo da Escola XPTO, tenho condições para o INVA que, se realizado na escola me prenderia mais ainda, pois eles só oferecem aeronaves triciclos para a instrução inicial o que quase poucas, 1 ou 2 escolas no Brasil oferecem como aeronave primária para os instrutores recém chegados. Sou de Uberaba, Minas Gerais, cidade forte na aviação executiva, que só oferece emprego a quem realmente tem QI. Companhias aéreas já não contratam mais recém-formados, me restando apenas a aviação geral e a instrução. Já recebi diversos conselhos e gostaria de saber sua opinião. Você acha que a aviação na porção Norte, Nordeste e Centro-Oeste tem emprego fácil para pilotos? Sabendo disso eu até gostaria de bater em alguma porta lá pedindo por emprego, porém onde, se é muito extenso essa porção “Norte”? É melhor bater na porta de 6-7 táxi-aéreos do que meramente enviar “trocentos” currículos por email? E sobre a instrução… Qual sua opinião sobre o mundo da Escola XPTO, dentro do mundo aviação que é muito maior do que aquele, porém menos ‘padrão’? Obrigado desde já. Me sinto muito perdido e confuso nessa etapa, desculpe-me por qualquer coisa pensando que você deve receber alguns emails parecidos como este!”

Comento

Pois é, meu caro… Nós estamos começando a viver as consequências da euforia do “apagão de pilotos” que se propagou em 2010/11. Quem resolveu tornar-se piloto naquela época – seja por vocação legítima, seja pela onda da “oportunidade” que se mostrava excelente então – está chegando agora ao mercado de trabalho, e encontrando um contexto bem diferente do que lhe foi “vendido” (veja bem, não estou dizendo que você foi um desses “oportunistas”, só estou constatando um fato que realmente ocorreu) . E não pense que vai ficar só nisso não: 2013 deverá ser ainda pior, pois 2011 é quando foi o ápice da febre do venha-aprender-a-voar-com-a-gente-que-você-sairá-empregado-do-aeroclube/escola-ganhando-R$30mil/mês, e o período médio de “gestação” de um piloto é por volta de 2 anos e meio – então, a maior parte dos formados dessa onda chegará ao mercado justamente quando ele estiver no seu pior momento, pelo que se entende das declarações dos entendidos em mercado aeronáutico – talvez a coisa melhore em 2014, mas como dizia Keynes, “no longo prazo, todos estaremos mortos”!.

Por isso, a primeira coisa que você precisa entender é que as suas dificuldades não são exclusivas de quem está restrito ao “pequeno mundo da Escola XPTO”: está ruim para todo mundo hoje em dia, independente de onde se tenha voado o PP+PC. Eu conheço vários instrutores dessa escola que você menciona que, um ano atrás, foram para a linha aérea ou para bons cargos na aviação executiva (ex.: copila de Phenom-100, ganhando mais que um copila da Azul) com menos de 500h, e naquela época o fato de pertencer ao tal gueto não lhes foi óbice ao progresso; por que, então, agora seria? Se hoje há INVAs nessa escola com até 1.500h de voo sem conseguir uma boa colocação fora do gueto, não pense que eles também não existam nos demais aeroclubes/escolas do Brasil. E vou te falar mais: isto é o “normal” na aviação brasileira, o que você viu acontecer em 2010/11, com gente entrando na aviação comercial com 170h, e emprego a rodo na aviação geral é que era exceção. Então, a primeira coisa que eu posso lhe dizer é: acostume-se com a realidade da aviação, que é o que você está vendo atualmente.

Sobre o fato da Escola XPTO dar instrução somente em aviões triciclo, eu acho que há como contornar essa questão. Primeiro, porque há outra unidade desta escola que possui aviões taildragger, e você poderá voar o seu INVA lá, se quiser. Depois, porque nada impede de você atravessar a pista, e fazer umas horinhas de Paulistinha no aeroclube que fica em frente à sua escola, e assim adaptar-se à operação dos traildragger. Falo em “operação” e não em voo porque o que muda mesmo é o taxiamento e o pouso, já que voar de triciclo ou de taildragger é essencialmente a mesma coisa – no caso do Paulistinha, que nem flap tem, mais fácil ainda –, então essas horas seriam basicamente de táxi e TGL, o que não requereria tanto tempo assim para a adaptação. E, finalmente, eu penso que se você voou todo o PP+PC+INVA na Escola XPTO, há 99% de chances de que você seja instrutor da XPTO, logo você não precisaria de experiência com taildragger, né? Eu acho que ser instrutor na Escola XPTO ainda é a melhor opção para você (não que seja excelente, mas é a mais viável).

Sobre ir tentar a sorte no N-NE-CO, eu penso o seguinte. Eu acho que você deve estar aberto a encarar um emprego nessas localidades, se ele porventura aparecer e for uma boa oportunidade para você. Mas, por outro lado, não sei se vale a pena focar nesses mercados se você não possuir bons contatos/relacionamentos com quem lá atue. Salvo algum lugar específico que eventualmente esteja enfrentando escassez de pilotos (desconheço que haja), na maioria dos lugares deve haver as mesmas restrições que você encontrará no Sul-Sudeste em relação à aviação geral, ou seja: sem QI, você dificilmente se estabelecerá nesse segmento da aviação. Agora, se sua intenção for a de se aventurar na aviação marginal que se pratica especialmente na Amazônia (o que se diz ser “aviação de garimpo”, mas que “de garimpo” nada tem atualmente), esqueça essa ideia o quanto antes. Não vale a pena arriscar o seu pescoço por tão pouco. Se for para ser aventurar em algum lugar, tentando uma vaga na aviação geral, eu acho que não há lugar mais indicado que sua terra natal, Uberaba. Se você virar rato de hangar, peruando um voozinho aqui e ali, é lá que você deverá conseguir mais sucesso, caso a estratégia seja a de tentar uma vaga na aviação geral a todo custo (mas eu continuo achando que a instrução lhe será mais negócio).

Sobre enviar trocentos currículos por e-mail… Bem, spam não custa nada, mas fique sabendo que a chance de um desses e-mails resultar em alguma coisa é praticamente zero. Se você gosta de loteria, boa sorte… Já “bater na porta de 6-7 táxi-aéreos” poderia ser uma boa alternativa se esse segmento não estivesse tão desgraçadamente ruim quanto ficou depois de desaparecer o mercado dos malotes bancários. Também não deve dar em nada, sinto muito. Você está vendo como não há muito como fugir da instrução na Escola XPTO? Fora isso, só duas coisas podem te ajudar: investir na sua qualificação profissional – tirar o ICAO-4+, alguma habilitação de TIPO, fazer hora, etc. – e trabalhar o seu QI/Networking de todas as formas possíveis.

É isso o que tinha para te falar, Mr. Rabbit. Se você não abandonar a aviação de vez depois de ler isso, espero que o que escrevi te ajude de alguma forma.

Abraços, e boa sorte!

33 comments

  1. Chailaine Oliveira
    3 anos ago

    Bom dia !! Estou pensando na possibilidade de iniciar um curso. Não conheço ninguém que trabalhe nesta área, sei que isso dificulta pra se colocar no mercado, mas se torna impossível ?? Moro na região de Ribeirão Preto, qual a melhor escola para se fazer este curso ?? Por onde eu devo começar para ter sucesso nesta área ?? Desde já obrigada a todos.

  2. moreno
    4 anos ago

    pra ser cotratado rapido nas empresas oque é necessario

  3. Luis Gustavo Terres
    4 anos ago

    Olá meus caros. Como se não fosse muito venho com mais uma questão. Não vim de uma família de posses, por conta disso tive que deixar meu sonho de criança de ser piloto de Helicóptero de lado. Hoje aos 30 anos estou bem colocado no mercado trabalho como consultor em TI. Porém agora que já tenho uma reserva, gostaria de voltar e realizar meu sonho que é ser PCH. Gostaria de saber se todas as dificuldades enfrentadas para os PCAs também estão vigentes para PCH. Obrigado e boa sorte a todos.

    • Cmte Charles
      4 anos ago

      Primeiramente gostaria de parabenizar o Blog e tentar esclarecer algumas duvidas, bom gente sou formado em Ciências Aeronáuticas e dizer que apesar de não ter me formado integralmente em uma escola de aviação e ter feito só o PP-A nelas e não possuir conhecimento sobre elas vou me basear nos post e nos comentários aqui encontrados e dizer que a realidade para os alunos dessas instituições chegarem as grandes empresas de linhas comerciais é cada vez mais remota ou nula não por incapacidade dos mesmo mais sim por uma reformulação do perfil de mercado do candidato eu cheguei na aviação de ponta em 2003 como co-piloto da Varig já nessa época se contava nos dedos os colegas claro tirando os velhos comandantes oriundos de aeroclubes e qualquer outra instituição que não fosse da FAB ou Superior de aviação e hoje em 2013 não mudou nada o mercado continua a cada vez mais se fechar para esses candidatos apesar de alguns centro de formações possuírem uma estrutura superior a qualquer universidade no brasil um exemplo claro é o centro de treinamento da Varig no Rio mais voltando ao assunto a empresa que eu trabalho hoje possui em seu quadro efetivo 822 pilotos distribuídos entre co-pilotos, 1º oficial e Cmtes e uma previsão de contratação de 250 novos colaboradores para o inicio de 2014 totalizando 1072 pilotos mais esses numero de 250 contratados podem triplicar porque na minha empresa hoje 70% dos comandantes estão em idade de aposentadoria todo mundo hoje sabe que o quadro de Cmtes que atua hoje no brasil é um quadro velho tenho vários colegas que tem mais de 40 anos de profissão e isso é uma realidade em todas as empresas brasileiras então em 2014 vai certamente acontecer uma nova crise na aviação civil devido a falta de mão de obra QUALIFICADA no ponto de vista das empresas então meu conselho para você que quer aproveitar essa chance ingressem em uma instituição superior sua formação da escola de aviação vai ser aproveitada pela faculdade. Então gente não desistam do sonho e estudem nunca parem de estudar e aqui vai uma dica para você ser o primeiro na lista de contratações de uma empresa aerea:
      Licença PC/ IFR/ MULTI
      CCF de 1ª classe (PLA) emitido no Brasil.
      Proficiência em inglês ao nível ICAO 4 ou superior.
      Treinamento em simulador de avião a Jato (JET- TRAINER) para quem não tem experiência em Multi-Crew (Empresa RBAC 121/ 135) – Indispensável.
      CCT PLA – PLA Teórico.
      Faculdade de Ciências Aeronáuticas é uma vantagem.
      Passaporte com validade acima de 6 meses.

      Qualquer duvida meu email é charles.s.a@hotmail.com

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Pois é, e para complicar mais o meio de campo, está ocorrendo um novo êxodo de comandantes experientes neste exato momento, agravando ainda mais esse apagão de cmtes que vc se referiu.

        • Cmte Charles
          4 anos ago

          Pois é meu amigo Raul isso esta acontecendo devido ao que escrevi a falta mão de obra qualificada que as empresas estão buscando o “novo perfil de candidato” e isso acaba trazendo de volta ou adiando em 5 ou 10 anos a aposentadoria da gente hoje estou com 32 anos e tenho 11 de aviação comercial e ainda estou engatinhando e aprendendo mais para isso mudar é como eu falei as empresas estão de portas abertas para quem estiver qualificado a altura então quem tem o sonho estude e estude muito e sempre que puder pagar voe quanto puder para subir a carga horaria do seu prontuario de voo 1500 h hoje de voo e uma boa formação te da plena vantagem sobre qualquer candidato e em relação a idade isso é uma velha lenda porque até os 50 anos você esta apto a qualquer momento a ser convidado por uma grande empresa para se integrar a tripulação claro mais uma fez frisando “se estiver qualificado para o mesmo.” Grande Abraço!!

  4. Rodrigo
    4 anos ago

    Na verdade é difícil, na aviação geral, uma contratação de um piloto recém formado com apenas 170 horas de voo. Conheço muitos pilotos recém formados que ainda não tem condições de assumir o comando de uma aeronave. O caminho que deu certo pra mim, que sou rato de aeroporto desde os meus 10 anos de idade, foi sair do aeroclube e arrumar um lugar para pegar duplo adquirindo experiência…todo dia um proprietário de avião me via pegando duplo até que um dia apareceu uma vaga. Tem que ter QI e estar na “vitrine”.

  5. Benedito Ferreira
    5 anos ago

    Ola me chamo Benedito Ferreira, sou natural de Teresina Piauí e tenho 16 anos, e quando fizesse 18 gostaria de me formar no curso técnico em piloto profissional de aeronaves em uma faculdade aqui de minha cidade, e gostaria de saber se é um bom curso. Ate agora pesquisei e e vi quem as aulas praticas incluem 40 h de vôo e queria saber se vale apena………

  6. Lucas
    5 anos ago

    Eu acho um Absurdo é alguem se sujeitar a voar na escola XPTO, que tem a hora de voo MAIS CARA do pais e paga ao instrutor uma MISÉRIA de gorjeta, pois não se pode chamar de salário, infelizmente as pessoas, claro que não generalizando, mas a grande maioria que por lá passa, acha que por lá acaba a aviação, e de coração, essa é a maior ilusão que pode se ter. Não é que esteja RUIM o mercado, simplismente é assim que ele SEMPRE foi, alias ainda esta bom perto do que era ate 2008.

  7. carlos barros
    5 anos ago

    Amigão. Se você não tiver 500 horas de voo, ingles no mínimo nível 4 e o curso de jet training, esqueça a aviação comercial, haja vista que nenhuma empresa aérea irá lhe contratar. Além disso, por força do seguro das aeronaves, nenhum piloto é admitido com menos de 500 horas. Depois de checar PC o piloto ainda tem muito que estudar. Quanto a existir INVA com 1.500 horas conheço vários, pois os mesmos não tem nenhuma vontade de trabalhar na aviação comercial, bem como o nível de ingles é fraco e existe alguma dificuldade em aprender um outro idioma. Para voce ter uma idéia, a Lan Chile abriu inscrição para co pilotos exigindo 200 horas de voo e ingles nível 4. Todos terão que se submeter a uma prova de conhecimentos aeronáuticos e em espanhol. Então meu caro, vai aprendendo outro idioma além do ingles.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Amigão, hoje em dia, nem com 1.500h e ICAO-6, vc consegue uma vaga na aviação comercial. Mas há até poucos meses, vc entrava na Azul com 150h, sim – e, no futuro, pode ser que isso volte a acontecer (talvez não com 150h por uma questão de ofertaXdemanda, mas 250h, 300h certamente). E essa história do seguro não é bem assim: as companhias aéreas têm poder de barganha suficiente para derrubar as exigências das seguradoras, diferente dos operadores da aviação executiva, por exemplo.

  8. Lucas
    5 anos ago

    Começo o PP em dezembro, sei que é cedo mas se formos pensar em longo prazo o que acham de voar pra fora ?
    Tenho facilidade para ir para os EUA e Australia, mas se for tirar as habilitaçoes aqui e decidir ir voar pra fora sei que terei que “re-checar” as habilitaçoes(é o que foi passado para mim), entao qual achariam melhor, tirar as habilitaçoes diretamente em algum desse paises, ou tirar aqui e depois ir pra la, ou simplesmente “tentar a sorte” aqui ?
    Grato.

  9. José
    5 anos ago

    Infelizmente até para entrar na instrução na escola XPTO não é mais como antes, sou recem checado INVA, fiz todo meu treinamento na escola tb, porem sei que existe sim uma fila de pretendentes para as miseras vagas que talvez possam aparecer em 2013. Mas não pode desanimar não, como o Raul disse, o que resta é continuar se qualificando, mesmo que se fazer horas de voo, e continuar a procura de algo nos hangares da vida! Estamos todos juntos nessa meus amigos!

  10. Colella
    5 anos ago

    Raul, voce pode comentar como esta a situação da Agricola ??? Melhor ou igual ??? Abs.

  11. Fred Mesquita
    5 anos ago

    Amigos, sou do Nordeste Brasileiro e muitos leitores deste Blog e demais, que falam do ramo, já me conhecem de longas datas. A verdade na aviação para quem procura sair em busca do tão sonhado emprego é pura questão de QI mesmo. Basta pensar como um empresário (dono de avião), que gasta centenas de mil ou milhoes de dólares num avião para seu uso próprio, empresa, etc e que “sempre” vai contratar alguém bem próximo aonde se encontra o avião. Este típico empresário, que muitas vezes (95% dos casos) já possuem amigos empresários que também já possuem aviões e pedem para que aquele piloto do avião do amigo dele, que indiquem algum amigo com experiência de voo e de muita confiança – o tal conhecido QI. Pois é sempre assim que funciona.

    Como relatado pelo próprio Raul Marinho (meu parceiro de Blog), há uma matéria muito boa que deve ser lida por todos que buscam o grande sonho: o “QI de Networking”. Nesta matéria há excelentes dicas de como se deve criar as boas amizades que irão levar o cnadidato a uma boa indicação. É como aqui mesmo foi falado: sem QI, você dificilmente se estabelecerá nesse segmento da aviação.

    Quanto ao propósito de querer ir voar em outras regiões do Brasil, já adianto umas dicas.

    Região Nordeste: uma das piores para procurar voar. Tem o menor número de aviões operados no Brasil e a alta concorrência só ajuda a quem tem bom relacionamento e amizades. Nem sonhe querer vir para cá, pois até para quem está por aqui (como eu), sofre para conseguir voar.

    Região Sul e Sudeste: na minha opinião são os melhores locais de se voar, mas sem amizade quase nada se conseguirá.

    Região Centro-oeste fica em situação mediana, ou seja, melhor do que no Noredeste brasileiro e pior que as regiões Sul e Sudeste.

    Região Norte: a mais fácil de se voar. Na verdade não tão fácil assim, com excessão de poucas empresas, é quase que considerado uma verdadeira carniça. Lá você poderá ter chances de voar mas os riscos de vida serão os maiores. Esqueça tudo o que você aprendeu de segurança de voo e regulamentação. É a região onde o Poder Público (Governo Federal) nunca esteve presente de verdade. Uma região esquecida. Recordita de aviões que voam com licenças vencidas e pseudos-pilotos que aprenderam a voar sem nunca ter tido aula em aeroclube. A bagaceira é grande mesmo, e o descaso é grande. – Sei que vai ter gente que poderá desaprovar o que aqui falo sobre esta região, mas é a pura verdade. Poucos são os “kamikases” que se aventuram a passar uma breve temporada nesse local, porque até as condições de moradia e clima são diversos.

    Portanto, meus amigos, a grande verdade da aviação, sempre foi e sempre será a de que, SEM QI tudo fica muito mais complicado. É uma verdade que dói, mas que deve ser dita por quem entende de algo no assunto.

    A dica final que dou a todos é baseada em minha pessoa em partiucular… Em matéria de aviação, hoje sou conhecido em todo o Brasil. Tenho ótimas amizades, já voei em todas as regiões do Brasil e o que me fez galgar esta posição foi puramente por causa da criação de um Blog de aviação e imagem pública nas redes sociais de relacionamento, que são as coisas mais baratas que um futuro profissional deveria sempre ter em mente.

    Boa sorte a todos vocês e espero ter ajudado de alguma forma. Agradecimento total ao nobre Raul Marinho e demais leitores deste Blog, um dos marcos na aviação brasileira.

  12. Vinicius Piassa
    5 anos ago

    “O que não nos mata nos torna mais forte.”

  13. Chico
    5 anos ago

    Raul, parabéns pelos ultimos posts! Exelentes, como sempre. Aliás, continuo com aquela dúvida a respeito do check de PLA que tratei com o sr. por e-mail. Quando tiver alguma evolução sobre as minhas decisões, te atualizo. Se ficar sabendo de alguma coisa, manda um post pra gente.

    Bom, eu tenho algum tempinho de aviação (11 anos) apesar de poucos anos como piloto profissional (3 anos). E eu recomendo ao colega que postou, bem como àqueles que estejam em situação similar/; se a XPTO te der oportunidade de trabalhar como instrutor lá, agarre esta oportunidade!!!
    Nós estamos voltando aos tempos de vacas magras, e qualquer oportunidade para começar a carreira vai ser uma das mais valiosas de sua carreira. A respeito do mundinho da XPTO, só vai ser mundinho se vc quiser. Essa base da XPTO tá no olho do furacão, executiva forte lá, em SBKP, SDAM, SBMT e SBSP, além de americana, bragança, e sorocaba. Se é mundinho para alguns, pode não ser pra você, basta saber aproveitar.

    A respeito de mandar currículo… sem indicação eu acho MUITO difícil. Quando decidi entrar na aviação pra valer (antes trabalhava com outras coisas e tinha certa dificuldade de largar o “certo” pelo “duvidoso” – entre aspas de proposito porque tudo na vida é duvidoso, e de certo só temos mesmo a morte e os impostos) mandei CV pro Brasil TODO, por e-mail, por formulário eletrônico e até mesmo por correio. Nunca recebi nem um “obrigado por seu interesse”. Nada mesmo! Não estou dizendo q não funciona, ou q vc não deva fazer… mas estou dizendo que não funcionou PRA MIM.

    Sobre ir pra lugares onde o número de pilotos é menor, focar em alguns táxis e etc, eu digo: PODE funcionar. Acho que é melhor que mandar CV, mas ainda assim, é um pouco complicado: como vc se manteria nessas cidades, até arrumar um trampo para vc se bancar? Por isso, se pintar a oportunidade de ser INVA na XPTO, cai pra dentro. Além disso, se a XPTO for a XPTO q eu tenho certeza que é, não tem lugar melhor pra vc fazer o seu filme (nunca voei lá, mas qdo vôo com comandantes que fazem recrutamento, eles gostam dos candidatos que vem de lá).

    Ah, e mais uma coisa: a preocupação de voar avião convencional (taildragger) não deve ser muito grande. Não sei porque, mas tá surgindo uma moda de que piloto tem que voar convencional (na minha época era planador). Com os aero-boero acabando pouco a pouco, o unico lugar com grande numero de convencionais na instrução e bragança (belo aeroclube, por sinal). Mas note que é um lugar só! Os outros todos tem 1 ou 2 paulistinhas, que serão certamenten substituidos pelos cessnas pau-veio da vida. Ah, e apenas pra informação, tenho 400 horas em convencional, para evitar que alguém desqualifique meu comentário.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Chico, eu conversei bastante com o Will sobre o seu caso, e acho que vc checar a ATPL nos EUA seria a melhor opção, realmente. Por sinal, dia 31/10 eu estarei com o próprio na palestra da Hillsboro. Se vc puder, apareça lá, pois seria uma ótima oportunidade de conversarmos a 3 sobre este caso.
      Abs,
      Raul

  14. JOCA
    5 anos ago

    Também estudo na XPTO e vou passar pela mesma situação em breve, estive pensando em fazer meu INVA em avão triciclo que a escola possui, se não der certo de ser inva lá…pelo menos alguma experiencia em triciclo terei,, mesmo que minima.

  15. Raul, tem um erro de digitação no texto descritivo da foto: “falgrado” …

    Sobre o post, digo que só fecunda o óvulo o espermatozóide sortudo que estiver preparado, com sorte, e estiver no local certo e na hora certa. O negócio é ficar ali “beirando”, na espreita, e insistindo, até conseguir passar no funil.

    Mas repito: Vai precisar de preparo (isso só depende de nós, e nisso está incluido saber vender seu peixe), e contar com um pouco da sorte.

  16. Gustavo
    5 anos ago

    Muito boa e esplanaçao do Raul, concordo em tudo, tbm sou PC recem checado e moro aqui no centro oeste, nao pensem que por aqui está mais facil do que em outros lugares, até pq conheço umas tres pessoas que vieram do Rio e Sampa tentatem a sorte por aqui, e infelizmente estao parados assim como eu, na esperença das coisas melhorarem, alguns ainda tem a chance da familia dar o aporte financeiro enquanto estao parados, nao é o caso da maioria, como o Raul disse, aquele boom da aviaçao passou, agora voltou tudo ao normal, com o agravante do mercado estar saturado pela tao falada- falta de pilotos- que estao chegando no mercado agora, no meu caso estou tentando conciliar o meu atual emprego com as oportunidades que vao surgindo na aviaçao de vez em quando, já que meu horário de trabalho é flexivel, a esperança é a ultima que morre.

  17. Arthur VAZ
    5 anos ago

    Pois é senhores….
    Eu estou em uma situação similar.
    Fiz o PP, PC (mono – IFR sob capota) numa instituição e sai dela para checar o MLTE, pois lá não tinha o MLTE. Então acabei checando o PC+MLTE+IFR nesta segunda instituição com somente 17hs voadas lá no começo de 2012.
    Decidi fazer o INVA em uma terceira instituição, pois julgava que teria mais chances de dar instrução lá do que nas duas instituições anteriores.
    Chequei a algumas semanas a INVA e comecei a mandar os CV para todas as escolas / aeroclubes do estado de SP.
    A primeira instituição respondeu ao meu e-mail dizendo que se precisassem, entraria em contato, mas percebi que talvez eles não tenham gostado do fato de eu ter checado o INVA em outra instituição.
    Onde chequei o INVA, tem um “critério” para contratação de ter feito no mínimo 50% do PC + INVA, o que eu não sabia.
    Acabei fazendo o Jet Training (A320) pois as CIAs vêem com bom olhos, tirei o PLA teórico e o ICAO 5.
    Tenho faculdade e 185hs de vôo real sem contar o simulador estático IFR (32,5 no PA-30 + 28hs do A320 e 30hs do PA-34).
    Tenho enviado e-mail com CV para várias empresas de taxi aéreo e executivos para todo o Brasil, mas normalmente os critérios admissionais são altos para os recém formados. Até agora não recebi nenhuma chamada.
    Como os instrutores das escolas/aeroclubes não estão saindo para as CIAs / Executiva / Taxi aéreo, fica difícil da fila andar a agente fica estagnado.
    Enquanto não aparece nada, continuo treinando o IFR e estudando teoria, especialmente regulamentos, teoria de alta, peso e balanceamento.

    Pensei em checar o teórico do BE90, mas não é barato e sabe Deus se vai pintar uma oportunidade para o King 90. Não sei o que mais eu poderia fazer enquanto isso.

    Fiz cadastro no vagas.com e e-lancers, mas na boa, não me parece útil.

    Passear pelos hangares parece uma boa opção, mas só posso fazer isso se final de semana, já que trabalho de Seg-Sex durante o horário comercial porém finais de semana é mais difícil achar o pessoal nos hangar.

    Se alguém poder comentar mais alguma dica, eu apreciaria.

  18. Para quem não tem o “QI” na aviação e quer trabalhar como piloto, a melhor porta é atuar como “Instrutor de Vôo”. A alternativa, penso que seja “rodar” hangares de aeroporto, como dizem no CO. Ainda fico com a primeira opção, que foi a que fiz e que me abriu muitas oportunidades. Melhor meio de se obter experiência e “Networking” na aviação, se a pessoa não tem QI, penso que não há.

  19. Fábio Otero Gonçalves
    5 anos ago

    É melhor ser honesto do que vender ilusões aos novos. Concordo em gênero e número. É o que eu aconselharia, também. Acrescentaria a possibilidade da Aviação Agrícola, que é um bom filão (em expansão), paga melhor, e não exige muita experiência (400 hrs TT, no meu tempo) para ingresso no curso. Além do que há opções de financiamento, nas escolas que oferecem o curso. Aquilo alí sim, é voar taildragger (80 decolagens / dia, na época da alta vazão), amigos…

  20. Flavio
    5 anos ago

    A região Norte não ta lá essas coisas não, no ano de 2011 muita gente foi pra Gol e tava tudo legal, até que veio aquele corte e todo mundo voltou e muitos pansavam como Mr. Rabbit vieram de outros lugares e vagavam em busca de emprego mas sem sucesso , a grande maioria até hoje, tudo por que não teem o famoso QI. Isso é a realidade do momento, não vou cortar a proa de ninguém se quiser tentar…. boa sorte!

  21. Yankee Tango
    5 anos ago

    ainda tem outra preocupação pós cheque, que é aguardar a Anac liberar sua carteira.

Deixe uma resposta