O “Para Ser Piloto” NÂO é um blog para lhe convencer a não ser piloto!

By: Author Raul MarinhoPosted on
468Views21

EDITORIAL

Percebi nas redes sociais que o post “A angústia do piloto recém-formado: o que fazer depois de checar o PC?“, publicado ontem, gerou um certo mal estar entre as pessoas interessadas em ingressar na aviação para se tornarem pilotos profissionais. Li comentários no Facebook de gente revoltada com o que escrevi, colocando em dúvida o fato de o mercado da aviação estar realmente tão ruim como disse. Por isso, resolvi escrever este editorial: para esclarecer que o “Para Ser Piloto” NÂO é um blog para convencer quem quer que seja a não ser piloto. Só que eu não vou lhe enganar, dizendo que o mercado está um mar de rosas – mesmo que falar a verdade seja, no fim das contas, ruim para o blog e para o livro que estou escrevendo. Seria ótimo para mim que todo mundo estivesse empolgado com a aviação, assim mais leitores visitariam meu blog, e mais gente poderia comprar o meu livro. Mas eu não vou fazer isso, o meu compromisso é orientar o leitor da melhor maneira possível, e isso inclui relatar o que vejo efetivamente acontecer no mercado.

O negócio é o seguinte: eu mesmo estou “fritando” como Piloto Comercial desde janeiro. Eu tenho uma boa formação – PC-IFR/MLTE, ICAO, Jet, Curso Superior, CRM -, bons contatos na aviação geral, moro em frente ao principal aeroporto do país para este segmento da aviação (Campo de Marte, que frequento regularmente), e já tentei de tudo para conseguir uma colocação como piloto. Sim, também tenho restrições: não estou disponível para mudanças de cidade, muito menos tenho apetite por risco (este é, por sinal, meu maior empecilho, mas não posso abrir mão da segurança com um filho de 2 anos e outro por nascer). Bem, resumindo: embora haja quem tenha conseguido uma colocação de piloto neste mesmo período, a maioria dos PCs recém-formados que eu conheço está “fritando” tanto quanto eu. Esta é a realidade do mercado, sinto muito se alguém se ofende com esta informação.

Eu adoraria estar errado, pessoal… Gostaria muito de anunciar aqui que fui contratado para pilotar nem que seja um MNTE dos mais simples, ganhando o piso da categoria. Mas, infelizmente, não foi isso que aconteceu até agora. “Ah, mas isso é porque o Raul é velho, eu sou muito mais jovem, e vou me dar bem”. Pode ser, e desejo todo o sucesso do mundo a você. Mas, salvo engano, não foram meus 44 anos que me atrapalharam na minha busca por emprego de piloto na aviação geral, não… Mas sinta-se a vontade para discordar. “Ah, mas eu vou fazer o INVA, e eu conseguirei um emprego de instrutor rapidinho!”. Sim, pode ser que, se eu tivesse obtido a habilitação de INVA, já estivesse empregado na aviação (mesmo que hoje em dia nem os INVAs estejam encontrando emprego tão facilmente), mas para mim é complicado ser instrutor. No Aeroclube de São Paulo há uma barreira política enorme para entrar, e viajar todo dia ou mudar de cidade para ganhar o que um INVA ganha seria muito prejudicial para mim, financeiramente. Mas se você puder ser INVA, então seja! Foi, aliás, o que recomendei para o Mr. Rabbit ontem.

O ponto que ninguém está dando bola é que, ao contrário do que parece, agora é que está ficando bom para começar a formação aeronáutica! O mercado de trabalho funciona da mesma forma que qualquer outro mercado, como a Bolsa de Valores. Como é que um investidor profissional ganha dinheiro na Bolsa? Ora, ele compra ações na baixa e as vende na alta, é simples assim. E como é que um leigo perde dinheiro na Bolsa? Quando a Economia está bombando, e as ações estão caras, ele entra comprando; e depois, quando chega a recessão e as ações despencam, ele as vende! Ora, meus amigos, o que está acontecendo agora é que, quem entrou “comprando” formação aeronáutica em 2010/11, na época do “apagão de pilotos”, está tendo que “vender” esta formação na época pós-demissões da Gol, quando o mercado parou. Mas a situação não vai ficar ruim indefinidamente: em 2014 tem eleições (quando o Governo tradicionalmente injeta recursos na Economia) e Copa do Mundo (que deverá impulsionar o setor de Turismo, onde a aviação se encaixa), sem contar que as escolas já estão sentindo uma retração na procura, e há uma tendência de ocorrer promoções no mercado, como noticiei ontem, aqui e aqui. Na verdade, foi isso o que disse no post “Uma boa hora para começar a formação aeronáutica” que quase ninguém deu bola. Mas agora, quando escrevo um artigo mostrando a realidade do mercado, todo mundo se apavora…

Bem, meus amigos, era isso o que tinha para falar sobre o assunto. Espero que vocês tenham entendido o meu ponto de vista sobre o assunto – que não é o único possível, e as divergências sempre serão bem aceitas aqui. Aproveito para responder publicamente a uma pergunta que sempre me fazem: “Pô, Raul, mas como é que VOCÊ está desempregado como piloto? Será que não seria porquê…”. Pessoal, eu agradeço a preocupação de vocês comigo, mas eu estou fazendo de tudo dentro das minhas possibilidades. Não é porque tenha um blog sobre formação aeronáutica que isso me faz mais “empregável” que os outros, a coisa não funciona assim – na verdade, este blog pode mais me prejudicar do que ajudar a encontrar um emprego de piloto. E, pelo amor de Santos Dumont, vamos parar com essa história de querer entrar para a aviação porque ela é um “bom investimento”… Quer ser piloto, seja, mas porque você tem vocação para tal, e isso é o que você quer para a sua vida. Quem pensa assim entende que os altos e baixos da aviação são somente uma informação a mais para o seu planejamento de carreira, como as regras da ANAC, a falta de dinheiro, etc., não o fator determinante para que você seja ou não piloto.

21 comments

  1. Rogério Aviador
    5 anos ago

    Não li os outros comentarios, se existir algum igual ao meu, me descupem. O que eu acho é que este “mal estar” do post do Mr. Rabbit foi causado por uma simples falta de interpretação do que o Raul escreveu. Ele não disse em momento algum, seja diretamente ou por entre-linhas, pro Mr. Rabbit desistir de seu sonho, ele só falou que o mercado está ruim. Se eu fosse desistir de ser piloto pelo que o Raul noticia no blog, certamente eu já teria desistido a mais de um ano. Sinceramente…….

  2. Eudes Rafael Cardoso Malemene
    5 anos ago

    Raúl tenho 17 anos e espero que você possa ler o meu em meio a tantos comentários. Meu sonho é ser piloto. Tenho esse desejo desde que me dou por gente e teria muito mais “QI” e estabilidade seguindo na medicina mas ingresso na aviação por pura vocação. Independente de crises e “oba-obas” vou dar o meu melhor para viver nesse meio mesmo se no futuro eu não me aproximar dos motores a reação. Apesar de tudo isso eu sei que amor, por si só, não põe comida na mesa então quanto mais ciente e preparado para o que me aguarda eu puder estar, melhor. Por isso agradeço, de verdade, pelo bem-vindo choque de realidade. É uma fonte de informação valiosa como seu blog que as pessoas deveriam buscar ao invés de desprezar mas enfim… Obrigado pelo ótimo trabalho, boa sorte e que no futuro possamos ser colegas de profissão.

  3. Pra quem ainda alimenta a idéia de que a aviação está as mil maravilhas como as escolas pintam:

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tam-deve-demitir-tripulantes-depois-de-fevereiro-,954166,0.htm

    Vão me tachar de “pessoa negativa”, mas eu sempre digo que sou é realista. Trabalhar com o pé no chão e prudência é sempre bom. Lógico que sonhar e pensar positivo é necessário, mas se iludir eu acho um grande sinal de imaturidade.

  4. Raul Marinho
    5 anos ago

    Muito obrigado a todos pelos comentários! Se este blog hoje tem alguma importância no cenário da formação aeronáutica brasileira, é principalmente pela alta qualidade de seus leitores! Valeu mesmo!

    Abraços,

    Raul

  5. Fred Mesquita
    5 anos ago

    É Raul, nossos leitores (penso eu) acham que cestamos aqui para fazer o mesmo que muitos falaram e falam na imprensa e na TV, de que tudo está a mil maravilhas. Já fui taxado diversas vezes de ser pessimista ou de arrogante, mas a realidade é que muitos não procuram se informar antes de fazer um investimento tão caro como é o caso da aviação. Depois se arrependem e ficam frustrados. Temos a internet e as redes sociais como o melhor meio de informação, e muitos só procuram o que lhes trazem prazer em poder satisfazer suas necessidades pessoais do momento, e pecam em não querer ouvir falar na verdade.

    A verdade é que tem piloto sim, que consegue se encaixar na aviação, mas a custa de muitos esforços pessoais, coisa que penso que muitos ainda não estão preparados para isso. Acham simplesmente que terminando um curso tal, vão estar muito bem empregados, o que não é verdade. Nossa aviação se faz da mesma forma como qualquer outra profissão, no qual as dificuldades são as mesmas, desafios a enfrentar, mas que muitos não querem que assim seja. Essa é a realidade nua e cruel.

  6. jonatan lima
    5 anos ago

    seu blog ta de parabens raul,é como o nosso amigo alexandre comentou ,é melhor saber de como anda as coisas agora do que saber depois de gastar varios digitos ,estou de pleno acordo.

  7. Romário-11
    5 anos ago

    Como falou um colega,esse site se diferencia pela veracidade das informações e pela qualidade destas.nada de achismo,tudo mostrado no papel!

    Essa atitude altruísta de comandar um site dessa qualidade não e enxergada por aqueles q não querem ouvir nada q seja diferente do plano perfeito.esses são akeles mesmos seduzidos pela propaganda dakela escola de Cuiabá: qdo formarem vão conhecer o mundo,pegar as comissarias gatas e ganhar 30 mil cruzeiros na emirates…

  8. Luciano Cavalcante
    5 anos ago

    Raul,
    Esquenta com esses caras das redes sociais não…. isso é intriga da oposição!
    Não sei como ainda tem gente que acha que se entrar para aviação vai encontrar só maravilhas. Se nas outras áreas já encontramos altos e baixos imagina na aviação que é sazonal e se equilibra de acordo com a demanda?
    Sempre apoiei seu blog pelo compromisso sério firmado com o leitor e a veracidade das informações.
    Continui assim, firme e forte pois seus leitores e seguidores verdadeiros conhece o seu trabalho a anos e confia no que você pontua aqui. Confesso que seu blog sempre me deu o norte nos momentos de duvida sobre a aviação e creio que ainda continuará me mostrando o RV.
    Quem não quiser saber a verdade vai plantar batata… ou então vai ver sitio do picapau amarelho, falar com o papai noel e quem sabe o coelhinho da páscoa (nada contra esses personagens fictícios) que é melhor do que saber a verdade. Pelo menos eles já temos a certeza que são fictícios.
    Toca Raul… Ops, esse era o outro blog do início… Mas toca assim mesmo…. rsrsrs
    Abraço,
    Luciano Cavalcante

  9. skyhawk
    5 anos ago

    Se os candidatos à piloto deixassem de acreditar nas matérias pagas, apagões e etc, iriam enxergar que quem está na aviação é porque faz por prazer e não na ilusão de estabilidade e altos salários. É óbvio que as escolas e aeroclubes estão lotados de argumentos para vender.

  10. Thales
    5 anos ago

    Essa realmente é uma dura realidade que faz parte do nosso contexto, mas ainda assim pelo amor pela profissão vale a pena esperar.
    Estou na mesma situação que os colegas… Tenho uma filha de 3 anos, chequei recentemente o PC MLTE IFR, tenho JET e PLA, e vou fazer o ICAO nesse próximo mês.
    Trabalhava na Engenharia da Petrobrás, sempre quis ser piloto desde pequeno… Dei o primeiro passo na carreira em meados de 2010 (Jamais por oportunismo de mercado, mas foi dps de anos juntando dinheiro, foi quando estava preparado para começar a investir).
    Inicialmente me pareceu ser o melhor momento, pois como todos sabem o mercado aqueceu bastante, e pra mim foi ótimo pois imaginei que conseguiria checar minhas carteiras e já na sequência sair da Engenharia para atuar como aviador….
    No começo desse ano, já quase próximo de terminar, acabei tomando a decisão de largar a Engenharia para conseguir me dedicar exclusivamente na aviação (Era realmente mto dificl conciliar as duas atividades), e assim o fiz…
    Bom o resto acho que não preciso nem completar, certo?

    Talvez fiquei um pouco iludido com o mercado e tenha sido prematuro nessa minha decisao, mas eu era realmente mto infeliz no que fazia, e embora esteja numa condição financeira bem degradada, o meu sonho de ser piloto realizei… Agora é questão de estar atento as oportunidades e aguardar em Deus, que logo dará certo.

    Estou fazendo o INVA, próximo de terminar. Tenho voado um particular tbm, mas com uma frequencia bem pouca, que nao da nem para contar, mas estou muito feliz quando vou voar, ao inves de colocar o uniforme que antes usava, agora posso colocar o de aviador.

    Tenhamos calma paciência e principalmente, fé em Deus, porque ele está olhando por nós.

    Abraços,
    Att,
    Thales.

    • Arnaldo
      5 anos ago

      Caro Thales,

      Saiba que vc não está sozinho, tb larguei a engenharia e vou começar minhas horas de pp daqui a duas semanas, não era feliz como engenheiro mas foi bastante útil para juntar a grana da minha formação, pretendo seguir os mesmos passos, farei o passível para me tornar INVA, em seguida só Deus sabe…

      Imagino o quanto vc deve ter ouvido de pessoas próximas sobre a “loucura” de largar sua profissão estável para se aventurar na aviação, eu ouço isso todo dia…

      Desejo-lhe toda sorte do mundo amigão, quem sabe a gente se encontra por aí…

      Abração.

      Arnaldo.

  11. Alexandre Fabiano
    5 anos ago

    Ao invés se se preocuparem tanto em “se dar bem na aviação”, os novatos deveriam aproveitar a fase de crise e investirem neles mesmos através de cursos particulares, palestras e ESTUDAR INGLES. Assim, quando o mercado abrir novamente, teremos candidatos muito melhores preparados e muito mais SEGUROS (no sentido de SEGURANÇA DE VOO). Volto a mencionar que um dos graves problemas da aviação neste país é a falta de CUTURA AERONÁUTICA dos pilotos, cultura esta que pode ser adquirida e MELHORADA DE GRAÇA considerando as tantas ferramentas gratuitas que existem hoje em dia…
    ENGOLE O CHORO E VAI ESTUDAR “ASPIRA”!!!!!!!!!!

  12. Bruno Ataídes
    5 anos ago

    Primeiramente gostaria de agradecer pelos excelentes posts que o senhor tem feito. Acredito que há críticas em todo e em qualquer conteúdo que vá contra o ideal de sucesso imediato, como citado no comentário do nosso amigo Alexandre Sales. E concordo plenamente quando o senhor fala sobre o ingresso na carreira por questão de investimento profissional, além de por ventura adiar o sonho de muitos, este é um trabalho que envolve vidas, segurança e precisamos desempenhar MUITO bem essa função. Obrigado mais uma vez e boa sorte com o seu livro!

  13. Alexandre Sales
    5 anos ago

    Isso é típico Raul, qualquer conteúdo que frustre os “planos perfeitos e fantasiosos” vai gerar críticas. Muito provavelmente quem criticou esse e outros posts sobre “realidade na aviação” não deve ter lido nem 5% dos posts do blog.

    As pessoas que pretendem dar um passo adiante nessa formação tem de estar cientes dos riscos, do lado negativo, é muito melhor elas se chocarem agora conhecendo a realidade do que só perceber isso no meio do caminho, depois de já ter gasto 5 dígitos em investimento nas horas de voo.

    A realidade dói.

    • Righetti
      5 anos ago

      A prova disso que você disse (de não terem lido nem 5% do blog) é que ninguém veio criticar aqui no post, só criticaram no Face…

      • Calegari
        5 anos ago

        Tenho esse blog como uma ferramenta essencial para mim, e penso que todos os que estão na aviação e os que pretendem ingressar , deveriam conhecer a fundo tudo que aqui está escrito. Desde quando havia apenas o Toca Raul, acompanho regularmente, para não dizer diariamente, os posts aqui publicados, pois através dessas informações, pude planejar mais detalhadamente, minha formação, e assim, minimizar os muitos imprevistos que apreceram. Após 2 anos, finalizei meu INVH e estou aguardando minha documentação para começar a dar instrução, pois já estou contratado por uma escola do interior de São Paulo.
        Raul, se a finalidade do seu Blog for preparar e orientar as pessoas em relação ao que as espera na aviação, fazer com que desenvolvam pensamento crítico em relação à segurança de voo, informar de forma clara e precisa, paradigmas existentes e como “quebrá-los”, considere, ao menos por minha ótica, missão cumprida, pois não há nada parecido, tanto na internet quanto em material impresso, ao menos que eu tenha conhecimento, conteúdo detalhado e realista como seu Blog.
        Parabéns pelo trabalho e Obrigado por tudo.

        Cmte Calegari

  14. Righetti
    5 anos ago

    A maioria das pessoas gostam de ouvir o que elas querem ou esperam escutar. Se você quer agradar a esse tipo de pessoa, seu blog está mau direcionado. Como eu sei que o seu foco é informar gente séria, que quer conhecer as barreiras para se preparar, errado estão os que criticam sua postura de relatar a realidade.

    São esses as pessoas que estão caindo na lábia de “coordenadores dos cursos teórico” que certamente estão te criticando. É natural do ser humano não aceitar logo de cara que a realidade não é o que eles vêm deslumbrando a um certo tempo e, desta forma, se opõem aos que falam a verdade. Nós não temos que recusar a verdade e sim ENFRENTAR a verdade, correndo atrás de fatores que podem fazer-nos sobressair em um meio, hoje lotado, de maus “investidores”.

    Na época que só se falava em bolsa, todos nos conhecemos vários “entendidos” que leram meia dúzia de livros de análise técnica, mas que hoje estão fora do mercado de capitais. Infelizmente é exatamente isso que vai acontecer com a aviação, muitos estão acordando do sonho e vendo que a realidade não é só fazer o cursinho do aeroclube tirar CHT e sair voando por 30mil/mês.

    Enquanto os que não acordaram para realidade, vão ficar recusando a verdade…

  15. Fábio Otero Gonçalves
    5 anos ago

    Falou tudo, Raul. Sempre foi um mercado cíclico e duvido que um dia deixe de sê-lo. Entrei na Aviação em 1980, com 17 anos (numa baixa terrível, que só foi melhorar uns 2 ou 3 anos depois). Fiz o PP mais pq não queria servir no Exército (funcionou, peguei a dispensa de incorporação já na hora do alistamento). Dei sorte, a mesma empresa para a qual eu prestava serviços fora da Aviação possuía um EMB-810C / Seneca II e alguns agrícolas. Fui convidado a fazer uns vôos “de saco”, na direita do Seneca II, mais para apreender fonia, operar por instrumentos etc; em 1982 já havia checado tudo (PC / IFR / Multimotores etc), e haviam me efetivado, um ano atrás. Como falo inglês (e mais dois idiomas estrangeiros) com boa fluência desde criança, precisavam de mim, principalmente nos vôos para o exterior. Algum tempo depois, à medida que o grupo se expandia, compraram aviões melhores / maiores (primeiro um Mitsubishi MU2, depois outro, depois um Citation I, mais um porrão de agrícolas, e por aí foi). Em 1983, outra depressão da curva, com conseqüente arrocho salarial e de benefícios. Fui fazer o CAVAG em Sorocaba, e fiquei voando agrícola e executivo, ainda na mesma empresa, o que melhorou consideravelmente meu ganho financeiro. Ficou tudo meio estagnado por mais uns anos (a chamada “década perdida”), mas eu – pessoalmente, e principalmente por ter conseguido me diversificar de forma estratégica – estava bem, tanto na carreira quanto na conta bancária. Em 1986, veio o famigerado Plano Cruzado, uma daquelas épocas em que nós – assim como os argentinos – resolvemos dar pausas na miséria terceiro-mundista e “brincar de ser 1o. Mundo” (mais ou menos como agora, guardadas as proporções e diferenças impostas pelo contexto histórico e sócio-político). Nosso maior pavor era ter um vôo de última hora e não conseguir nem reservar um hotel nas grandes capitais. Tudo lotado, botando pelo ladrão. Aí, Raul, eu resolvi dar uma de “investidor maluco”: saí de um time que estava ganhando para algo que na época não estava lá essas coisas. Passei num concurso público, promovido pela Fundação Carlos Chagas, e ingressei na VASP (ainda a boa e velha VASP do Estado de SP, não a dos gângsters lavadores de dinheiro do crime) como copiloto, aos 24 anos de idade. Não sei se fiz certo ou se fiz errado. Talvez, se tivesse ficado na executiva e/ou agrícola a vida toda, eu até estivesse melhor de vida financeiramente hoje (embora mal não esteja). Só sei te dizer que foi minha 1a. grande escola, no sentido da padronização (várias outras viriam depois, tanto no Brasil quanto lá fora, até pq o aprendizado e a evolução só terminam – aqui embaixo – quando se desencarna). Enfim, só desfiei este rosário para corroborar a sua tese do mercado cíclico e de quanto são imprevisíveis os desdobramentos que as nossas decisões terão no futuro. Se alguém aqui fica incomodado com seus comentários, deveria ler só as materiazinhas “Oba-Oba” da imprensa-maquiada-de-conteúdos encomendados (o pior cego é o que não quer ver). Você presta um serviço. Eles prestam desserviço. Parabéns, Sucesso e Grande Abraço.

  16. Felipe Vieira
    5 anos ago

    Seu blog é extremamente esclarecedor e pelo que tenho visto tem compromisso com o que de fato acontece, creio que seu leitor esteja a procura disso mesmo, verdade. Obrigado por isso e parabéns pelo seu trabalho.

Deixe uma resposta