Mais uma nota positiva sobre a alteração do CBA

By: Author Raul MarinhoPosted on
288Views2

Leiam a seguir o que acabou de ser publicado na coluna Radar, do Lauro Jardim, na Veja online:

Turbulência na Câmara

Um projeto que tramita na Câmara, previsto para ser votado na terça-feira, promete sacudir o setor de aviação. O texto é recheado de polêmicas e alguns tópicos colocaram em lados opostos companhias e aeronautas.

O principal item prevê o aumento da participação acionária estrangeira em empresas nacionais de aviação. O teto passaria de 20% para 49%. Além disso, a proposta amplia a carga horária máxima diária de pilotos, de doze para até dezenove horas.

Tem mais: as companhias também poderiam ter em seus quadros pilotos que não são brasileiros, com contrato de até cinco anos. Hoje, só é permitida a contratação de instrutores estrangeiros, e por até seis meses.

A batalha de bastidores avança em alta velocidade. O deputado Jerônimo Goergen (PP) levou ao relator da proposta, o tucano Paulo Abi-Ackel, a ameaça de sindicatos da categoria: se o projeto for aprovado como está, pilotos de todo o país vão cruzar os braços.

Na quarta-feira, Goergen se reuniu com Abi-Ackel e, segundo ele, saiu com a promessa de que o relator mexeria no texto, retirando a extensão da carga horária e a possibilidade de aquisição de mão-de-obra estrangeira, em muitos casos, mais barata.

Uma romaria de pilotos deverá aterrissar em Brasília na terça-feira com objetivo de pressionar os parlamentares a empurrar a apreciação do projeto para o ano que vem.

 

2 comments

  1. Rodrigo Gazzaneo
    5 anos ago

    Desculpem a ignorância, mas a alteração da carga horária máxima será apenas a diária(de 12 para 19) ou pretendem aumentar a carga máxima no mês? Na prática, os pilotos terão que trabalhar mais, pelo mesmo salário?
    Agradeço desde já.

  2. “Uma romaria de pilotos deverá aterrissar em Brasília na terça-feira com objetivo de pressionar os parlamentares a empurrar a apreciação do projeto para o ano que vem.” Não sei não…

Deixe uma resposta