“iPads a bordo: até quando o Brasil remará contra a maré?”

By: Author Raul MarinhoPosted on
322Views9

Vejam abaixo o artigo publicado no site da APPA (indicação dos amigos e leitores Freddy Silva e Betojet) sobre o uso de iPads e outros EFBs na atividade aeronáutica no Brasil:

iPads a bordo: até quando o Brasil remará contra a maré?

Que os iPads já se tornaram parte da vida das pessoas, não importa se para as suas atividades profissionais ou de lazer, não resta dúvida. Negar isso seria mais ou menos como determinar que voltássemos a usar máquinas de escrever ao invés de computadores. Apesar disso, as autoridades aeronáuticas brasileiras insistem nas políticas do retrocesso e da negação do óbvio.

Enquanto a ANAC estava sendo criada, ainda em 2007, o FAA já publicada uma norma AC 91_78, em que com 5 páginas (incluindo capa e glossário), classificava e autorizava o uso de EFBs (Electronic Flight Bags) em substituição da documentação de papel levada a bordo de aeronaves, demonstrando claramente que a responsabilidade pelo uso e pela atualização das informações era dos operadores e dos pilotos em comando. Nada mais óbvio.

Por aqui, no Brasil, esse assunto continua em discussão, com operadores e pilotos podendo ser autuados por Inspetores da Agência Nacional de Aviação Civil que encontrem iPads a bordo, em utilização. Ironicamente, essas infrações podem se tornar multas, mesmo sendo muito provável que as informações obtidas e mantidas atualizadas em meio eletrônico estejam mais em ordem e atuais do que as divulgadas nas Salas AIS do Brasil inteiro. Mas seguindo as tradições paternalistas e ineficazes da administração pública brasileira, as evidências não são suficientes para transformar as normas, deixando-as compatíveis com o mundo moderno.

Para completar o quadro de luta contra o inevitável progresso, o DECEA recentemente passou a divulgar, nas cartas e materiais que podem ser obtidos através do seu site AISWEB (por sinal, de grande valia, rapidez e qualidade), uma marca d´água, que se não fosse verdadeira seria motivo de risos, com a inscrição: “Não use em vôo. Somente para Planejamento”. Anacronicamente, a estrutura de cartografia do DECEA e todas as suas publicações, em plena era digital que vivemos, segundo o Departamento, só servem quando impressas “oficialmente”, mesmo as distribuídas pelo seu próprio website! Por lógica, pode-se deduzir então que todos os milhares (ou milhões) de reais investidos pelo Estado brasileiro no (excelente) sistema da AISWEB, pelo menos no que diz respeito às cartas, só se presta para vôos em simuladores! Inacreditável!

Não à toa, na edição publicada hoje (17/10/2012) da conceituada Air Safety World, da Flight Safety Foundation, uma matéria trata especificamente do assunto das cartas eletrônicas e do inevitável uso dos iPads a bordo das aeronaves. Na matéria, uma afirmação do Sr. Tom Enders, CEO da Airbus, resume o assunto: “o iPad está mudando a forma como os pilotos interagem com as aeronaves e o impacto desses produtos de fora do mundo da aviação, está começando a ditar o que as pessoas esperam de nós. Não podemos ignorar isso.” É claro que não se pode advogar pelo uso indiscriminado de tecnologias que não garantem segurança ou atualização de dados. Porém, sabe-se que com menos de US$ 500,00 por ano, é possível manter uma assinatura de serviços digitais que oferece acesso a informações aeronáuticas em tempo real, com qualidade, usabilidade e versatilidade incomparáveis. A APPA – AOPA Brasil recomenda a todos que leiam a matéria em http://flightsafety.org/aerosafety-world-magazine/oct-2012/age-of-ipad, além de olhar algumas dicas de uso, dadas pela AOPA-EUA em http://www.aopa.org/summit/news/2012/121016ipad.html?CMP=ADV:1.

Será que podemos esperar sensibilizar os reguladores quanto a questões tão óbvias? Ou o Estado brasileiro está, nesse momento, planejando alguma Portaria que obrigue os operadores de aeronaves a adquirir mimeógrafos para ter seus Manuais e documentos “em dia”? Se você não sabe o que é um mimeógrafo, procure na Barsa, já diria alguma autoridade aeronáutica brasileira!

9 comments

  1. Adriano
    4 anos ago

    Eu simplesmente me recuso a atualizar os 4 volumes do AIP. O ROTAER ainda vai, mas o aip map… O que que é aquilo? Nem uma criança seria capaz de fazer algo tão confuso e complicado! A cada carta que você substitui, você tem que praticamente fazer o briefing completo da carta, para ter certeza que está removendo/inserindo a carta correta! E eu sou responsável por duas aeronaves! Mas não faço atualização nem aqui na na pu$@ que p@#^+! Tenho as cartas no G1000 e no iPad. Se minha tela falhar, eu nao ia conseguir fazer o procedimento de qualquer forma, então dane-se.

  2. tropesko
    5 anos ago

    A pouco tempo voltei à sala de aula para me tornar piloto, e estou a procura de um tablet para me auxiliar tanto na navegação quanto nos estudos, mas o Ipad parece fugir um pouco do meu orçamento.. Alguém sabe me dizer se existem aplicativos tão eficientes quanto os da Apple para um Tablet Android (com um alto processamento)?

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      A maioria dos aplicativos para iPad tbém existem no Android, senão todos. Mas, se vc quer saber, eu preferiria comprar um iPad usado ou financiar a compra de um novo do que adquirir um Android, por melhor que ele seja…

      • betoarcaro
        5 anos ago

        Tem razão Raul!
        A própria Jeppesen não recomenda o uso de seus produtos no Android.

      • tropesko
        5 anos ago

        Hmm.. vou levar seu comentário em consideração, obrigado.

  3. betoarcaro
    5 anos ago

    Coisas realmente engraçadas acontecem quando se fala de ANAC, DECEA, etc.(Seriam Cômicas se não fossem Trágicas!)
    Tenho “conta” na Jeppesen com quatro assinaturas eletrônicas.
    NAVDATA do G1000 no Baron,NAVDATA dos dois GTN´s do King Air,e a assinatura das cartas dos IPAD´s
    Fiquei uns cinco anos utilizando cartas de papel da Jeppesen, as quais já têm, por si só, qualidade muito superior ao nosso AIP.Brasil.
    À uns dois anos, voltei a assinar o AIP e pude constatar uma coisa:
    Ele ficou muito pior!!
    Além da péssima qualidade do material, a logística das atualizações, e as informações, são extremamente confusas.
    Estes são fatores que,realmente provocam riscos à segurança de vôo, não o uso dos IPAD´s!!
    Voamos no B200 ,em dois Pilotos, cada um com o seu IPAD devidamente atualizado, mais as informações de nossos GTN´s, também devidamente atualizadas.
    Como “Back Up” de tudo isso, uns 10 ou 15 Kgs de papelada “pouco confiável” do AIP Brasil.
    Em termos de “estabilidade de sistemas”, acredito ser muito mais provável que haja uma invasão de “Traças” na aeronave, e que “devorem” a papelada, do que uma pane geral em todos os nossos “devices” em alguma fase crítica do vôo.
    Por outro lado, essas “misteriosas” e ótimas fontes de informação de vôo, acabaram por criar algumas “Rêmoras do Sistema”.
    Alguns Aviadores não conseguem simplesmente acessar o site da Jeppesen, abrir suas contas, e assinar as atualizações de seus IPAD´s.
    E, muito pior, também de seus FMS´s!!
    Outros, nem atualizam!
    Não sei nem como voam assim, mais aí já é outra história.
    Recorrem então à empresas “atravessadoras da Jeppesen”, que fazem tudo isso para eles cobrando algo como “o triplo do preço”!
    Pra mim, estes seriam os Aviadores que não deveriam utilizar IPAD´s!
    De qualquer forma, um cara que não consegue fazer “uma compra pela internet”, não deveria utilizar um dispositivo tecnológico desse porte!
    Se a tripulação é responsável pela qualidade das informações nas publicações de vôo (Eletrônicas ou “Papel”), eu me sentiria muito mais seguro, baixando esses dados diretamente da minha conta na Jeppesen.
    Enfim, mais um “embróglio” criado pelo próprio sistema.
    Fora estes problemas, adoro utilizar o IPAD!
    As coisas fluem fluem muito melhor no “Cockpit”!
    Convenhamos: Atualizar um IPAD, também é bem mais fácil e seguro do que atualizar um AIP!
    Não vejo risco nenhum à segurança de vôo, desde que a operação seja bem feita.
    Mas,de certa forma, forma, “tudo” na Aviação funciona assim, não é mesmo?

  4. Fábio Otero Gonçalves
    5 anos ago

    Acho que – daqui em diante – só se entrarmos na Justiça e/ou exercermos o nosso dever patriótico de desobediência civil. Discutir com essa gente é pior do que tentar dialogar com alimárias…

  5. RodFigueiroa
    5 anos ago

    Se bem que as cartas em pdf do AISWEB não estão mais com a inscrição em vermelho, assim como antes.
    Com certeza se eu precisar usar o iPad em voo, eu o farei! Inegavelmente mais pratico e rápido.

Deixe uma resposta