ABIV-Associação Brasileira dos Instrutores de Voo???

By: Author Raul MarinhoPosted on
660Views33

No comentário de ontem neste post, o Cássio questionou, e eu acho que é o momento de voltar a falar: Por que ainda não existe uma associação dos INVAs/INVHs no Brasil?

Há alguns meses, eu apresentei a NAFI-National Association of Flight Instructors aqui no blog, e o único comentário foi… Do Cássio! Que é checador da ANAC! Nenhum INVA/INVH se interessou pelo assunto (pelo menos, não a ponto de perder 3min. para redigir um comentário). Mas quando eu publico posts falando sobre o aeroclube que paga R$15/h para os INVAs (vide aqui e aqui), chovem comentários, muitos indignados, outros colocando em prática a velha máxima “saco do chefe, corrimão da vida”, alguns pedindo emprego… Mas ninguém defendendo a união da classe, a regulamentação profissional da atividade, a redação de uma Convenção Coletiva de Trabalho, nem nada disso.

Eu não sou INVA e nem pretendo ser, portanto não posso encabeçar uma proposta dessas. Mas coloco o meu blog à disposição de quem quiser. Pessoal, já passou da hora de a atividade de INVA/INVH deixar de ser um ”bico” para se tornar uma profissão, de fato. Olhem a NAFI! Lá nos EUA também existe piloto que dá instrução só para “fazer hora”, mas há uma massa crítica de instrutores profissionais, e existe dignidade para a profissão. Por que não aqui? Sem contar que esta é a atividade-chave para haver pilotos de qualidade no país… Não dá para haver uma formação aeronáutica digna sem uma classe de INVAs/INVHs com um mínimo de dignidade.

33 comments

  1. kelvin
    3 anos ago

    Boa noite
    Tbm sou INVA e apoio o ABINVA

  2. luiz
    3 anos ago

    Tambem sou INVA, desde ano 2000, quando completei os minimos e fui para o CAVAG, onde fiz 3 safras ( e 1200 hs nao registradas ) hoje com 2000 hs de voo na CIV. Voltei a dar instrução, pois gosto de voar e sempre gostei da aviação comercial, mas comecei a voar com 28 anos e hoje tenho 47anos; Por ter começado mais tarde nao tive oportunidade em empresas aéreas. Hoje com carteira assinada (salário mínimo, 678,00 ) mais 10 % da hora de vôo, vejo realmente o quanto somos desvalorizados mesmo tendo bastante experiencias para passar aos novos alunos. Nao fiquei na agricola, (por gostar mais da comercial e poder acumular hs de voo na CIV ) voltei para instrução. Já estou na instrução a 3 anos, mas penso seriamente em voltar para agrícola. Espero que com a nova RBAC 61 ( INVA 200 hs cmdo ) entrando em vigor, melhore a vida do instrutor, pelo menos ele seja visto com outros olhos, como profissional que é , seja remunerado de acordo com sua experiencia, sei que com isso todos vão sair ganhando.

  3. Paulo Assis
    4 anos ago

    Ola amigos…!!

    Sou engenheiro, resolvi me aposentar e fazer o q gosto, Voar, comprei um 152 e pretendo abrir uma escola de aviação na região norte, quero exclusivamente ser instrutor de voo e me solidarizo com todos os amigos q exercem essa profissão, ainda não tenho INVA mas assim q tiver sou parceiro a compor a associação proposta.
    Grato

    Paulo Assis

  4. Eduardo
    4 anos ago

    Qual é o piso salarial de um INVA? Ou recebe por hora?
    Recebe periculosidade e compensação orgânica também???
    Bons voos Cmte´s!!!

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Não existe piso para INVAs, nem adicionais. A maioria nem tem carteira assinada, e trabalha como free-lancer, ganhando cerca de R$15-35/h.

      • Eduardo
        4 anos ago

        É uma pena, pensei que todos os pilotos recebiam esses adicionais.
        Obrigado por esclarecer a dúvida comando!!!1
        Bons voos…

      • Athila
        3 anos ago

        Amigo Raul!

        Não tem direto ne adicional Noturno????

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Por lei, o instrutor tem direito a tudo o que tem os demais trabalhadores. Na prática, porém, na maior parte dos casos, recebem somente um valor por hora voada e só.

          • Marcus Britto
            3 anos ago

            Pois é…
            O INVA tem um monte de deveres, responsabilidades, obrigações de manter seu CHT, CMA mas direitos só de ganhar a miséria da hora voada. Eu entendo que os aeroclubes estão apertados em valores, mas algo tem que ser feito…

            • Raul Marinho
              3 anos ago

              A questão é simples: existe uma lei que regula as relações de trabalho no Brasil – a CLT – que precisa ser respeitada. E isso está acima de qualquer questão econômica ou cultural. Ponto.

              • Marcus Britto
                3 anos ago

                Enquanto estiver no “precisa ser” e não “é respeitada” tudo continuará igual. O próprio instrutor se submete para poder fazer horas de voo.

          • Athila
            3 anos ago

            Amigo Raul….

            Sou registrado como Instrutor de Voo na carteira ( fixo ) e tenho a mais Comissão, que a Escola não declara no Imposto de Renda.

            Quero saber o seguinte: Quando sair da Escola poderei entrar com um recurso (processo), para receber em cima da minha comissão também? Tendo em vista a periculosidade, adicional noturno?

            Saberia Informar??

            Obrigado
            Amigo

  5. Marcus Britto
    4 anos ago

    Dificilmente encontrei tantas colocações exatas sobre a profissão do INVA em um POST só. É um absurdo como tratam esse profissional, que direciona a carreira e extraia a habilidade dos jovens pilotos. Já formei centenas de pilotos em mais de 10 anos atuando como Instrutor, com 33 anos de aviação e mais de 6.000 Hs, quase metade dedicada a instrução. Nunca fui tão mal pago e tão maltratado como profissional desde que comecei. No início eu voava o dia inteiro e não faturava nem para pagar meu almoço. Sou muito revoltado com isso, desse descaso com o instrutor que até nos dias de hoje nada mudou.
    Tenho meu INVA válido, tanta coisa para ensinar e passar para os novos pilotos, mas tenho que me submeter a dar aulas teóricas para viver por falta de vagas para profissionais como eu.
    Se bem que na nossa profissão não é o curriculo que conta, mas a pessoas certa que conhecemos. Quantos pilotos com 200 Hs entram para voar em Cias aéreas só porque conhecem o cara certo ?
    Não vou nem prosseguir, porque escreveria páginas e páginas de indignação, mas vou me limitar a dizer que para o mercado de aviação o Instrutor não existe, é só uma notinha no rodapé da profissão de Piloto que brilha descendo das grandes aeronaves comerciais, com suas berimbelas reluzentes, mas quem vê, esquece que só chegou lá por intermédio de um INVA, que ensinou os primeiros passos para ele. Enquanto não criarem o profissional da Instrução, estaremos perdendo muitas vidas e aeronaves por formação deficiente. Desculpe pessoal pelo meu desabafo…

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Então, Marcus… Vc seria o sujeito perfeito para encabeçar uma ABIV. Topas?

      • Marcus Britto
        4 anos ago

        Positivo meu amigo…
        Tudo para valorizar esse profissional visto apenas como um trampolim para a carreira..

        Abraços

    • Valdir
      10 meses ago

      tenho mais de 9000 hs de instrução, tudo idem.

  6. Kellinson Vasconcelos
    4 anos ago

    Prezado,
    Concordo com a criação de uma associação para instrutores de voo. Sou INV-A, gosto desse seguimento da aviação e gostaria que fosse mais formal.
    Estou a disposição para o que precisarem.
    Atenciosamente,
    Kellinson Vasconcelos

    • Athila
      3 anos ago

      Concordo com a Criação do Sindicato dos INVAS……

      Quem são os GUERREIROS a dar os primeiros passos Juntos!!!!

      Eu Aceito estar junto.

  7. kleber
    4 anos ago

    Apoio a iniciativa,Sou INVA e acho que ja passou a hora de existir um sindicato dos INVA/INVH.

  8. amgarten
    4 anos ago

    Oi pessoal,
    Fico feliz em saber que este debate está evoluindo. Eu também sou INVA e caso vocês decidam tocar o projeto adiante podem contar comigo. Serei um associado. Devo avisar que dá trabalho, muito, e exige dedicação, as pessoas custam a entender e a aderir, e etc.
    Eu vejo pela ASA na qual sou um dos fundadores e estou diretor. Mas vejo também que se nao tivéssemos a associação o ambiente na Anac seria ainda pior. No entanto temos uns 1000 servidores na Anac e menos de 300 filiados. As pessoas acham caro pagar 20 reais por mês, outros nao querem saber, outros nao acreditam, etc… Mesmo assim conseguimos alguns avanços.
    Assim, os entraves sao muitos mas temos que pensar que alguma coisa precisa ser feita. A profissão do instrutor de voo merece muito mais. Hoje em dia temos a facilidade da internet que propicia unificar os instrutores pelo Brasil, facilita a comunicação. O instrutor é um aeronauta e ao mesmo tempo um professor, por isso agrega duas especialidades numa só. Uma categoria unida e forte só traz benefícios a todos.
    Inicialmente podem elaborar um blog que depois evolui para um site, isso barateia o processo. A partir do momento em que a associacao ganhar adeptos vai criando respeito e vira formadora de opinião. Passou da hora de termos representantes dos aviadores no congresso. Já viram que pastores, médicos, agricultores (os graúdos), e até palhaços possuem representantes parlamentares? E os pilotos? Alguém precisa olhar para e pela categoria. Isso é legitimo, qualquer pais serio tem isso.
    Portanto instrutores de voo: uni-vos!
    Será que vem aí a ABINVA?
    Abs.
    Cássio

    • Fabrício Thiago
      4 anos ago

      Parabéns pelo comentário Cássio. Sou instrutor de voo e concordo plenamente com suas palavras. Com certeza caso esta ideia se concretize já ganhou um adepto. Forte abraço, Fabrício Thiago.

    • Chumbrega
      4 anos ago

      Comandante Cássio, será que o senhor, por trabalhar na ANAC, pode sanar uma dúvida?

      Li em outros 2 fóruns que existe a possibilidade da GPEL alterar a redação do RBAC 61, de forma a introduzir 250 hs de vôo em comando como substituição àquelas “sob supervisão”? O senhor sabe informar se isso é verdade? Ou vai continuar impossível pra quem não tem as 150 sob supervisão de PLA para checar o PLA?

      Obrigado!

  9. Eduardo Ruscalleda
    4 anos ago

    Raul,

    Só mais um detalhe!!! Em um mundo utópico… O sindicato funcionaria como nos EUA. Não só em busca de direitos, mas de deveres! Seria também uma entidade para verificar a capacitação e promover a formação dos instrutores, favorecendo em muito dessa forma a formação. Imagino um canal aberto para que alunos possam até mesmo apresentar suas queixas a respeito de instituições e instrutores e estes possam ser acompanhados de maneira a aperfeiçoarem aprendizados e se tornarem dessa forma melhores instrutores.

    Tenho mais de 70 horas de vôo (pouco ainda), mas voei em Outubro com um instrutor que realmente quase me fez desistir! Semana retrasada voei com O INSTRUTOR! O cara simplesmente me fez ganhar a confiança perdida, me deixou voar livremente e depois partiu para uma série de desafios, me colocando em situações de pouso desconfigurado para que eu corrigisse! Simplesmente esse instrutor extremamente competente chamado Tiago do Aeroclube de Campinas, me mostrou que tenho total controle da Aeronave. Acho que é este tipo de instrutor que precisamos. Este tipo de piloto! E um sindicato poderia auxiliar-nos a nivelar os instrutores em níveis mais elevados, como é o caso do Tiago e tantos outros assim como o Sr. Ademar de Rio Claro, instrutor por vocação!

    Abraço a todos e sucesso!

    Nunca desistam dos seus sonhos!

  10. Eduardo Ruscalleda
    4 anos ago

    Raul,

    Concordo plenamente com você! A profissão de INVA nem ao menos é considerada profissão! A maioria trabalha sem carteira assinada, sem garantias e sem ao menos um salário que proporcione uma condição básica!

    Sou contra sindicatos, porque no fim estes acabam desvirtuando as atividades para obtenção de benefícios próprios, como tudo no Brasil, mas acho que é chegada a hora de ter uma entidade que fale por estes profissionais!

    Um grande abraço a todos!

  11. Roquini
    4 anos ago

    Raul, me desculpe as perguntas…. mas vamos la…

    Caso uma Associação Brasileira dos Instrutores de Voo fosse criada:
    – No que ela poderia ajudar na instrução? que tipo de “atitudes” ela poderia tomar para melhorar nossa instrução?
    – Será que os INVA’s (a “massa”) tem vontade de mudar alguma coisa na instrução, visto que, a grande maioria, está la apenas para fazer algumas horinhas, passando pelo papel de INVA apenas alguns meses (ou um pouco mais hoje, devido ao cenário do mercado que enfrentamos)
    – E o mais crítico… ela teria força para mudar o que fosse preciso? quem iria garantir esta mudança? os próprios INVA’s?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      – No que ela poderia ajudar na instrução? que tipo de “atitudes” ela poderia tomar para melhorar nossa instrução?
      R: Vixe, as possibilidades são inúmeras… Poderia atuar na capacitação de instrutores, na fiscalização, no desenvolvimento de novos procedimentos, tem tanta coisa! Veja a NAFI o que faz.

      – Será que os INVA’s (a “massa”) tem vontade de mudar alguma coisa na instrução, visto que, a grande maioria, está la apenas para fazer algumas horinhas, passando pelo papel de INVA apenas alguns meses (ou um pouco mais hoje, devido ao cenário do mercado que enfrentamos)
      R: Mesmo para quem está fazendo bico, haver um piso salarial, direitos trabalhistas, etc., seria bem vindo. E tbém possibilitaria a quem quisesse, seguir a carreira de INVA.

      – E o mais crítico… ela teria força para mudar o que fosse preciso? quem iria garantir esta mudança? os próprios INVA’s?
      R: Essa associação teria que atuar junto ao SNA ou criar um sindicato próprio, e negociar uma Convenção Coletiva de Trabalho como ocorre para a aviação comercial, táxis e agrícola. Está tudo previsto em Lei, não é preciso reinventar a roda.

      • roquini
        4 anos ago

        Obrigado Raul … .e o que é preciso para iniciar?

      • Felipe A.
        4 anos ago

        Concordo Raul, acho que ter uma associação iria nivelar por cima, pelo menos o pessoal interessado.
        Na escola em que dou instrução o pessoal se queixa do valor ganho na hora de voo, não tem adicional noturno, se tú sofres um acidente aeronautico nem o CMA oferecem para renová-lo. Enfim entre outras coisas.

        E tem sim de atuar junto ao SNA, assim como a ABRAPAC.

  12. Fabio Otero Goncalves
    4 anos ago

    Instrucao de qualidade eh coisa seria. Apreendi isso lah do outro lado do planeta, ao longo de quase 8 anos como TRI/TRE. Nao deveria ser tratada com o descaso que estah sendo, pq grande parte das fatalidades recentes (e futuras) vao para esta “conta”…

  13. Gustavo
    4 anos ago

    Acho a idéia interessante. Imagine se a classe de instrutores fosse unida, quanto não se ganharia de motivação para o instrutor que receberia salários dignos, benefícios etc, e em consequência disso a instrução seria bem melhor executada, ou seja ganha o instrutor, ganha o aluno que terá uma boa instrução e ganha o proprietário do aeroclube, pois com funcionários (Instrutores) motivados, com certeza suas despesas serão menores, pois a rotatividade será de fato menor, e evitaria quem sabe até possíveis acidentes. Acho até engraçado, pois se eu falo para um leigo que sou instrutor de voo, o ego vai lá em cima, mas se falo pra alguém que já é da aviação, o cara até fica com dó….Ou seja, o INVA não é valorizado pelos próprios colegas de profissão, infelizmente.

  14. Glauber Gallo
    4 anos ago

    Bom dia Raul e a todos os leitores do blog,
    Quero aproveitar a oportunidade para parabeniza-lo pelo brilhante trabalho a frente deste blog, e dizer que nosso país precisa de mais gente como você, séria e comprometida com aquilo que se propõe a fazer.
    Quero aqui também me expressar favorável a essa iniciativa e me colocar a disposoção para encabeçar o projeto, pois sou INVA e acredito que com a nova RBAC61 essa irá se tornar mais uma opção de carreira dentro da aviação, inclusive como você citou de extrema importância para o futuro da aviação Brasileira.
    Agaurdarei a manifestação de mais interessados para o desenvolvimento inicial do projeto.
    Muito obrigado a você e a todos os leitores.
    Grande abraço,
    Glauber Gallo

Deixe uma resposta