Os primeiros formados da 1ª turma do “Programa ASA”

By: Author Raul MarinhoPosted on
436Views15

A partir de novembro do ano passado, os primeiros alunos da EJ matriculados no “Programa ASA” encerraram os cursos teóricos e práticos de PP e PC-IFR/MLTE, além da formação complementar (Jet Training, PLA teórico e ICAO-4+) previstos pelo Programa. Até o momento, são somente três os formados, e nenhum deles ainda foi contratado como copiloto pela Azul. Destes, dois já realizaram a maior parte do processo seletivo – que, segundo consta, foi igual ao padrão da empresa para os não-ASA –, e um ainda aguarda ser chamado para iniciar os testes (foi o que se formou mais recentemente). A expectativa é de que, para quem for aprovado no processo seletivo, as primeiras contratações ocorram até abril.

Em linhas gerais, tudo o que se prometeu quando do lançamento do Programa foi cumprido: a formação da EJ ocorreu conforme planejado, e os formados estão realmente tendo prioridade no processo seletivo de copilas da Azul. Só a parte do financiamento é que ficou meio capenga, como já se havia noticiado aqui antes, e somente um dos participantes desta primeira turma assinou contrato com o Santander – e, mesmo assim, para o financiamento parcial de sua formação. Noticiou-se que, da 2ª turma em diante, essa questão seria melhorada, com um aval da Azul para os tomadores do financiamento do Santander, mas não há informação sobre isso ter realmente ocorrido.

Conforme havia comentado aqui antes, o “Programa ASA” da Azul é, atualmente, uma das melhores opções de formação aeronáutica disponível no Brasil – sendo superado somente pelo programa de formação de pilotos em nível universitário da FACA/PUC-RS, que também dá a opção de acesso privilegiado ao processo seletivo de copilotos da Azul, mas que é bem mais caro e extenso (embora dê uma formação muito mais completa e ampla). De qualquer maneira, em termos de empregabilidade, ambas são ótimas opções, ainda mais no cenário adverso em que se encontra o mercado de trabalho para pilotos atualmente. A propósito, segundo informa a EJ em seu site, o Programa já se encontra em sua 3ª turma, o que mostra que o ASA veio para ficar mesmo.

Parabéns aos formados & formandos, assim como à Azul e à EJ, que cumpriram o que prometeram. Só falta agora o Santander levar o ASA realmente a sério, e formatar uma linha de financiamento mais adequada e menos cara, para o Programa ficar mais acessível ao público de menor capacidade econômica – porque, mesmo com o aval da Azul, o financiamento ainda é a pior parte do ASA.

15 comments

  1. Luciano Cavalcante
    5 anos ago

    Muito bom Raul… Como sempre, mantendo o público informado das novidades. Abraço.

  2. André Rocha
    5 anos ago

    A todos que comentaram… Obrigado por me mostrarem que eu estava errado, agradeço de coração, acho que realmente era uma dorzinha de cotovelo. Mas que os nobres colegas me mostraram seu ponto de vista e fizeram com que eu olhasse tudo isso com outros olhos, obrigado ao Raul pelo sábio conselho, é sempre bom dar ouvidos a pessoas mais experientes que você, ao Julio Soares por mostrar que a proporção social de negros é menor no meio aeronáutico, e isso não se trata de preconceito e sim de uma questão social. E a vida segue, sempre em frente, não temos tempo a perder.

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Legal, André! Agora recolhe o trem, o flap, empurra as manetes prá frente e puxa o manche, que o voo continua!

    • Humberto Rodrigues
      5 anos ago

      André, só um algo mais: embora seja o sonho da maioria das pessoas que desejam se tornar pilotos, o momento atual não está sendo propício para a aviação comercial, isto faz com que a Azul seja única empresa que está contratando ou com possibilidades de contratação (eu acho) mas pense também na aviação executiva. Faça seus cursos de formação, amizades, conviva no ambiente do aeroclube/aeroporto. Assim você mantém o seu “networking” (como diz o Raul), fazendo com que você fique conhecido no meio aeronáutico e se mantém atualizado.

      Um abraço.

  3. André Rocha
    5 anos ago

    Bom dia! Muito interessante, uma opinião, e eu espero estar profundamente errado, mas achei o programa preconceituoso racialemte.

    • André Rocha
      5 anos ago

      “racialmente”

      • Raul Marinho
        5 anos ago

        Noooossa!!! Por quê!?

        • André Rocha
          5 anos ago

          Tive uma impressão ruim ao ver que em todas as turmas que a EJ publicou fotos dos alunos do Projeto ASA, nenhum é negro. Espero estar errado, espero que nenhum negro que se candidatou ao projeto tenha sido desclassificado ou não selecionado pela cor da pele e sim por não possuir o perfil técnico para preencher a vaga para o curso. Raul, pode ser dor de cotovelo da minha parte, por ter me candidatado a vaga e não ter sido selecionado para nenhuma etapa, mas é um sentimento que tenho no peito. Os pré-requisitos que estava no site eu atendia. 1º) Ensino Médio – OK, 2º) Inglês Intermediário – OK, 3º)Condições Financeiras – OK (Tenho suporte para não precisar do SANTANDER), 4º) CMA 2º Classe – OK, 5º)Horas de Vôo 0H – OK. Agora, o que me diferencia dos demais? se, no cadastro a maior parte do preenchimento são por campos pré-definidos? Para poder me qualificar como apto, eu não deveria participar da primeira etapa, para poder traçar meu perfil? Dentre outras coisas…

          • Angelo Carvalho
            5 anos ago

            Ah meu camarada sem querer ofender, cota pra negro tb em escola de aviação, sou pardo (quase negro) e essa bobagem de cota, pra falar a verdade já deu no saco.

            • André Rocha
              5 anos ago

              Alguém falou alguma coisa sobre cota racial? Sou negro, sou contra qualquer tipo de cota, não usei cota nem pra entrar na faculdade, o que acho estranho é que exitem 3 turmas do projeto e nenhum negro. E preconceito racial existe em várias áreas, inclusive aviação.

              • Raul Marinho
                5 anos ago

                André, seguinte: não foi racismo, pode acreditar. E vamos encerrar essa discussão, que daqui a pouco vai virar bate-boca, e eu serei obrigado a deletar os comentários.
                E um conselho de amigo: não comente esse seu ponto de vista no meio aeronáutico, que vai pegar mal para vc.

        • André Rocha
          5 anos ago

          Deu pra entender meu ponto de vista? Ou está meio confuso?

          • A seleção do ” Programa ASA” não sei, mas a Azul Linhas Aéreas com certeza não, pois sábado retrasado estive no desembarque em Viracopos aguardando os “PAX” e vi uma tripulação dessa empresa que havia acabado de entregar o avião e entre os mesmos testemunhei que o Co-piloto era afro-descente (politicamente correto falando).

            • André Rocha
              5 anos ago

              Mas repara lá, as fotos no site da EJ, nenhum negro (não está incorreto) ou afro-descendente, olha de um modo geral em todas as fotos relacionadas ao programa ASA, inclusive as fotos do programa na unidade de Jundiaí. Mas como eu disse, pode ser uma dor de cotovelo minha por não ter sido selecionado para nada, apesar de continuar achando que eu preenchia os pré-requisitos.

              • Julio Soares
                5 anos ago

                Eu não creio que tenha ocorrido tal distinção, até mesmo por que, no momento da avaliação de candidatos por meio eletronico, nem sempre há foto do candidato disponivel. A porcentagem de negros na EJ e em outras instituições que eu passei é pequena, e até mesmo dos que estão no mercado. Partindo desse fato, pode-se presumir que a quantidade de negros que se inscreveram no projeto também é pequena, consequentemente reduzindo as chances de algum ter sido selecionado. Na EJ, eu me lembro de ter conhecido apenas umas 4 pessoas que são de fato negras, e uma delas é o coordenador de instrução da escola, que é o cargo mais alto dentro dos Invas de la. Então eu acredito que o problema seja mais de carater social, do que de preconceito racial propriamente dito.

Deixe uma resposta