Finalmente alguém é preso por apontar laser verde para aeronaves!

By: Author Raul MarinhoPosted on
715Views4

O laser verde apontado para o piloto tornou-se tradição no Brasil. Quem voa à noite sabe que é só estar a baixa altura sobre uma zona urbana que, não demora muito, um engraçadinho lhe aponta o laser. Para ter uma noção do quão frequente esse evento acontece, vejam aqui o relatório do CENIPA sobre este tipo de ocorrência. A boa notícia é que, finalmente, alguém é preso por praticar este crime. Vejam abaixo a notícia do rondoniaaovivo.com, que o nosso amigo Rodrigo Silva nos enviou:

Rapaz é preso apontando caneta laser para aeronaves em Porto Velho

Já faz um tempo que em Porto Velho vem crescendo a queixa de pilotos da aviação comercial com relação à emissão de “laser” durante os procedimentos de voo na capital de Rondônia. Esses sinais luminosos direcionados as aeronaves são emitidos por pessoas em alguns bairros da cidade.

O que parece uma simples brincadeira traz grande risco à aviação em geral, podendo ocasionar um acidente de grandes proporções, pois além de ofuscarem temporariamente os pilotos, esses sinais luminosos emitidos pelos “lasers” podem interferir em algum equipamento sensorial das aeronaves.

Diante disso, através de ordens superiores do Ministério Público, foi iniciada uma investigação pelas forças federais que até o momento resultou na prisão do jovem Bruno V. F. (24) nas imediações do Colégio João Bento, na Avenida Jatuarana, na zona sul da Capital.

O rapaz foi preso em flagrante por volta de 21hs, enquanto, se utilizando do seu “laser” emitia o sinal luminoso nas aeronaves em voo. Bruno foi preso pela Polícia da Aeronáutica e encaminhado para a Base Aérea de Porto Velho, onde foi autuado e responderá na Esfera Federal por ter apontado seu “laser” para aeronaves militares e civis. As investigações continuam e novas pessoas podem ser presas pela utilização indevida da caneta Laser.

Fica o alerta. A “brincadeira” é caso de polícia. Está prevista no artigo 261 do Código Penal, que discorre sobre atos que exponham embarcações ou aeronaves a perigo ou causem dificuldade ou impedimentos à navegação marítima, aérea ou fluvial. A pena de reclusão para os infratores é de dois a cinco anos. Em caso de a brincadeira virar tragédia, a punição vai de quatro a 12 anos.

4 comments

  1. Vitor
    5 anos ago

    deveriam pegar o laser que ele tava usando e apontar essa m**** nos olhos dele até ele ficar cego, e depois enfiar o laser no c* dele e soltá-lo logo em seguida.

  2. Freddy
    5 anos ago

    Estudei nesse colégio em 1999. Fica bem na base da final longa dos aviões que se aproximam pelo setor sudeste de SBPV.
    Parabéns ao Ministério Público de Rondônia.

Deixe uma resposta