O “golpe do avião do Faustão” e o programa da Líder para a formação de PCHs

By: Author Raul MarinhoPosted on
346Views13

Acho que todo mundo que tem celular já deve ter recebido um SMS dizendo que foi sorteado na promoção “Avião do Faustão”, da Rede Globo, e que precisa ligar no telefone indicado para resgatar o prêmio (geralmente, DDD 082 ou 085). Quem teve a curiosidade de ligar, ouviu que seria necessário depositar uma determinada quantia em dinheiro (só pode ser em dinheiro), em uma conta em nome de uma pessoa física (!!!) para ter acesso ao prêmio: “coisas de praxe para liberar a burocracia” (hã!!!???). A maioria das pessoas percebe rapidamente que é golpe, mas sempre há quem acredite na promessa, como mostra esta reportagem. Trata-se, na verdade, de uma variante do antiquíssimo golpe do bilhete de loteria premiado – que, inclusive, eu exploro como exemplo na 2ª edição do meu livro “Prática na teoria“, da Ed.Saraiva. E por que estou falando isso?

Bem… Longe de mim dizer que o tal do, como eu chamo, “Programa Asa Rotativa”, para a formação de pilotos de plataforma, da Líder Aviação, seja um estelionato, um golpe como o do “Avião do Faustão” (“Helicóptero do Faustão”?). Trata-se de um programa lícito, pelo menos em princípio – mesmo que eu ache que teria sido mais ético por parte da empresa se ela informasse que a escola onde se vai gastar a maior parte dos US$100mil do treinamento seja do mesmo grupo econômico que detém parte do seu controle acionário no Brasil. Mas, por outro lado, é inegável que o folheto informativo que a empresa está enviando aos interessados no programa tem, essencialmente, a mesma lógica do golpe do bilhete premiado. Vejam isso: Programa Líder de Formação de Pilotos – este é o folheto que está sendo enviado via e-mail, e que um leitor me encaminhou. Leiam o que está no folheto antes de continuar.

Não vou nem entrar no mérito da “escassez de pilotos”, ou de que, na operação off-shore, o “deficit de mão-de-obra é ainda mais acentuado”, etc. Vamos somente explorar a lógica da proposta:

  • Primeiro, você paga R$120,oo para poder participar do processo seletivo. Bem… Já começou esquisito: pagar para participar de processo seletivo???
  • Então, se você for aprovado, você ganha o direito de “”investir” US$100mil na sua formação de PCH (que, por sinal, custa a metade disso no Brasil, mas tudo bem, a formação deles deve ser muito mais legal – afinal, é na Bristow, uma das acionistas da Líder, que será a empregadora de quem foi treinado).
  • Aí, concluído o treinamento, SE o seu desempenho for satisfatório (pelos critérios deles, é claro) – e, lógico, SE a empresa estiver realmente precisando de copilotos PCHs (coisa que não fica clara no folder, aliás), então você é contratado.
  • Uma vez que você ingressar nos quadros da empresa, seu salário seria de cerca de R$10mil/mês, e é aí que a lógica da proposta da Líder se fecha com a mesma lógica do golpe do bilhete premiado. Quem lê o folder vai fazer rapidamente a conta: “US$100mil = R$200mil = 20 vezes R$10mil; logo, eu levo 20 meses para ter o dinheiro ‘investido’ de volta. Como eu acho que vou ficar muito mais de 20 meses ganhando R$10mil (e eu também aposto que vou ser promovido ao longo do tempo), é um bom negócio”. É, essencialmente, a mesma lógica que a diarista da reportagem do 1º link deste post usou, para concluir que fazer um depósito de R$1.200 na conta dos golpistas seria interessante, pois assim ela teria o direito de receber R$50mil.

O problema é que, na proposta da Líder, é preciso levar em conta que, além do já comentado risco de não ser contratado ao final do treinamento – e, neste caso, ter-se-ia desembolsado R$200mil por um treinamento que custa R$70mil nas escolas brasileiras -, também que os R$10mil/mês de salário não são exatamente o retorno do “investimento” inicial. Se queremos fazer uma análise financeira realmente honesta desta proposta, teríamos que descontar do salário de R$10mil/mês o quanto a pessoa poderia ganhar se não estivesse voando para a empresa: é que se chama de “custo de oportunidade” em finanças. Então, se o sujeito teria a condição de trabalhar como, sei lá, vendedor de roupa no shopping, ganhando R$4mil/mês, o “retorno líquido” do “investimento” de R$200mil seria de R$6mil (somente o que ele agregou ao salário que ele poderia ter sem o treinamento). Assim, o “prazo de retorno” do “investimento” seria de aproximadamente 33 meses, e não de 20. Mas é claro que esse raciocínio é manco, e é esta a razão de tantas aspas: a formação profissional não é um investimento financeiro, o salário não é um retorno deste investimento, e há muito mais coisas envolvidas nisso do que uma simples operação de investimento: esta é uma dos principais decisões da vida de uma pessoa que está em jogo. Pense bem nisso, se você estiver avaliando ingressar nesse programa de formação de pilotos da Líder.

13 comments

  1. Beto
    4 anos ago

    Ola, esse é o meu primeiro comentario aqui no blog. Sou pch. A aviaçao ja é praticamente elitizada pelo alto custo na formaçao, por conta de pilotos que nao se importam em pagar por tudo que vomitam a eles, a situaçao fica ainda pior. Como piloto me preocupo em estar empregado e ganhando salario para poder dar continuidade na minha formaçao, encaro isso como correto. Mas um grande numero de pilotos investem o que tem e o que nao tem para ficarem full em cursos e mais cursos e assim poderem entrar no mercado. É obvio que as empresas contratantes estao antenadas no que ocorre no mercado e dao corda suficiente para que cada vez mais os proprios pilotos banquem os diversos cursos. Se acham que isso um dia vai voltar a ser como antes podem esquecer. Os pilotos que se submetem a arcar com uma full formaçao estao por ai com dinheiro sobrando. E caro Raul esse tempo de contratar pch com ifr teorico e simulador (concordo plenamente com isso) acredito que jamais acontecera aqui no Brasil. Abçs.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Beto, isso (“esse tempo de contratar pch com ifr teorico e simulador”) aconteceu não faz muito tempo. Em 2010, conheci vários nessa situação…

  2. william Romualdo
    4 anos ago

    Desculpa, mas o treinamento no Brasil pode custar menos mas esta muito longe de ser o “mesmo”!!!!
    Nos EUA, um aluno de PP faz aproximadamente 150 autorotacoes, sendo 100 dessas até o chao! qual escola no Brasil faz isso???
    Nos EUA pra vc ser piloto vc eh obrigado por LEI a solar! qual escola sola TODOS os alunos pelo menos 10 horas no PP???
    NO PCH o aluno tem que solar mais de 65 horas, qual escola no brasil faz isso???
    Entao, não é o MESMO treinamento…

  3. Thiago
    4 anos ago

    Se eles estão considerando incluso; pph, pch, plah, e ifr teórico e prático em aeronave biturbina pode até ser vantajoso. Só a formação de pph e pch no Brasil em uma boa escola custa por volta de R$100.000,00 em r22…Ifrh prático em r22 no minimo gasta-se; 28.000,00, se for em r44 nem se fala. Uma simples horinha de vôo sem ser por instrumento custa de R$ 1.200,00 a R$1.600,00 dependendo da escola…Ouvi falar que uma horinha de vôo num AW109 por exemplo custa; R$ 9.000,00 Levando em consideração que eles estão exigindo hoje Ifrh pratico em aeronave bi-turbina, não sei não…Há um tempo atrás a gol criou um programa “parecido” onde muita gente também ficou com medo de investir…Os que se arriscaram que conheço estão entre desde essa Época na gol, a maioria ainda co-pilotos, mas alguns já são comandantes e nesse caso sim, tiraram o dinheiro “investido”!!!…Eu não tenho dinheiro, Icao 4 e nem tão pouca coragem de fazer isso rsrsssss Porém, para quem sonha em voar offshore e dispõe de tal bagatela, não custa nada o que realmente contem no curso, as vantagens e as desvantagens e por na balança para ver se vale a pena…Pois ja vi neguinho casar R$150.000,00 a vista só para ter pph, pch, invh, ifrh em r22 + adaptação e cheque do R44. E o pior sem garantia nenhuma de emprego.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Se vc acha que o famoso programa da Gol de alguns anos atrás era legal, quem sou eu para rebater os seus argumentos? Só quero retificar uma questão de fato: neste programa da Líder também não há nenhuma garantia de emprego.

      • Thiago
        4 anos ago

        Não não Raul, não acho legal… Apenas considero todas as opções legais (juridicamente falando) possíveis para ingressar na aviação. Se é justo ou ético ai já é outra história…Acho que deve-se analisar se vale ou não a pena pelo que é oferecido no curso confrontando com o custo de pph, pch e todos os outros requisitos necessários para operar no offshore…Se é o sonho do cara e ele pode, que vá em frente e pague pra ver… Pode ter certeza que se a avgás ou querosene não correr nas veias do cabôclo, este não vai se criar na aviação.

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Poxa, que bom! Fico aliviado que você não seja um defensor do malfadado programa da Gol! Antes assim!

          Mas o ponto, meu caro Thiago, é que se vc for efetuar uma pesquisa junto aos pilotos que atuam na off shore hoje, vai descobrir que a grande maioria pagou somente sua formação básica de PPH+PCH – no máximo, pagou um simuladorzinho IFR de avião do bolso para ter uma noção do voo por instrumentos, e só. É muito raro encontrar alguém que tenha obtido o IFRH às próprias custas, não é assim que o mercado funciona. Então, esse programa da Líder visa mudar isso no mercado, jogando a formação IFRh nas costas do piloto, o que acho um absurdo para a categoria. Sacou?

          • Sander Ruscigno
            4 anos ago

            Agora eu entendi onde você quer chegar… Isso não ficou claro no texto do post…

            Então concordo, se for assim mesmo, concordo plenamente.

          • Thiago
            4 anos ago

            Concordo que não é bom para categoria, porém, não da para desconsiderar uma possibilidade legal e real de se ingressar no mercado.

            • Raul Marinho
              4 anos ago

              É justamente neste tipo de abordagem que a Lider deve estar apostando… E, pelo jeito, não está errada.

  4. Sander Ruscigno
    4 anos ago

    Raul,

    só não entendi uma parte desse seu raciocínio: disseste que o mesmo treinamento aqui no Brasil custaria 70 mil reais, mas você esta considerando a parte IFR também?
    Sinceramente eu não sei quanto custa um PCH com habilitação IFR, até porque eu sou piloto de avião, porém eu acho que é muito mais caro.

    Além disso, mais vale você investir 75 mil dólares (que é o custo do treinamento, o resto são outras despesas já previamente calculadas, como alimentação e moradia) e na volta ter uma chance de ingressar na Líder do que você ir para lá e gastar o mesmo valor sem perspectiva nenhuma. Sim, para mim só vale a pena esse esforço se você já estiver pensando em ir pra lá!

    Todos sabemos a qualidade do ensino americano, basta ler o relato do Enderson Rafael sobre a formação dele por lá! Considerando basicamente a mesma coisa para helicóptero, será bem melhor que no Brasil. Posto isso, ele pode até não ser chamado para trabalhar na Líder, mas estará apto a trabalhar em outro local pois suas qualificações serão ótimas.

    Concordo com você que a Líder pode estar camuflando algumas informações, entendo que, se de fato ela esta interessada em você, ela deveria contribuir com uma parte do programa. Concordo também sobre o custo da oportunidade e digo mais: 10 mil bruto não são 10 mil líquidos, inclua nesse cálculo também o tempo que você ficará sem trabalhar, isso aumentaria ainda mais o tempo para recuperar o investimento.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      só não entendi uma parte desse seu raciocínio: disseste que o mesmo treinamento aqui no Brasil custaria 70 mil reais, mas você esta considerando a parte IFR também?
      Sinceramente eu não sei quanto custa um PCH com habilitação IFR, até porque eu sou piloto de avião, porém eu acho que é muito mais caro.

      R: Na verdade, nem é viável obter o IFRH no Brasil, atualmente… Mas, por outro lado, as empresas também não requerem esta habilitação no processo seletivo (pelo menos, era assim até 2011, quando havia processos em aberto, hoje não se sabe porque eles não estão).

      Além disso, mais vale você investir 75 mil dólares (que é o custo do treinamento, o resto são outras despesas já previamente calculadas, como alimentação e moradia) e na volta ter uma chance de ingressar na Líder do que você ir para lá e gastar o mesmo valor sem perspectiva nenhuma. Sim, para mim só vale a pena esse esforço se você já estiver pensando em ir pra lá!
      R: OK, essa é uma avaliação pessoal sua. Não está errado… (Aliás, não tem certo e errado nesta história, tudo depende da sua percepção pessoal).

      Todos sabemos a qualidade do ensino americano, basta ler o relato do Enderson Rafael sobre a formação dele por lá! Considerando basicamente a mesma coisa para helicóptero, será bem melhor que no Brasil. Posto isso, ele pode até não ser chamado para trabalhar na Líder, mas estará apto a trabalhar em outro local pois suas qualificações serão ótimas.
      R: Pode ser, sim. Daí o que eu disse acima.

      Concordo com você que a Líder pode estar camuflando algumas informações, entendo que, se de fato ela esta interessada em você, ela deveria contribuir com uma parte do programa. Concordo também sobre o custo da oportunidade e digo mais: 10 mil bruto não são 10 mil líquidos, inclua nesse cálculo também o tempo que você ficará sem trabalhar, isso aumentaria ainda mais o tempo para recuperar o investimento.
      R: Eu não acho que ela esteja camuflando informações… Ela está é direcionando o raciocínio para que as pessoas pensem na formação de piloto como um investimento financeiro, e é isso que eu acho que não é legal.

Deixe uma resposta