…E os 8,8 birdstrikes não são, realmente, “normais”

By: Author Raul MarinhoPosted on
221Views0

Pois é, né? Ontem, no post “8,8 birdstrikes são “normais”? Como assim?“, eu disse que essa história de uma média de quase 3 birdstrikes ao mês não poderia ser “normal”, por mais que a reportagem dissesse que este seria o posicionamento da ANAC. E, de fato, não é assim, não! Vejam, a seguir, o que diz um especialista no assunto do CENIPA (que prefere não se identificar), ao ser questionado quanto ao tema pelo nosso amigo Rodrigo Silva (o texto a seguir é um trecho de seu e-mail):

NÃO se avalia Risco nem Plano de Gerenciamento  por número de colisões! A pessoa que disse isso ao G1 (se é que alguém disse) está redondamente enganada!

Poderiam ser 8 colisões com urubus e em ambos os motores com apagamento de um deles (isso seria alto risco, com certeza!) OU

Poderiam ser 8 colisões com andorinhas (todas elas com uma só ave) e sem danos às aeronaves (isso seria baixo risco, com certeza!)…

O que me diz? Por isso temos que identificar as espécies, por isso temos que receber das empresas aéreas os custos diretos de reparo das aeronaves.

Essas duas informações, não informadas pelo G1 são fundamentais para pensar em medir risco.

O G1 quer notícia e talvez tenha perguntado, alguém pode ter respondido ou não….

Deixe uma resposta