O despejo do Aeroclube do Brasil: sinal dos tempos?

By: Author Raul MarinhoPosted on
478Views16

Está na moda desalojar aeroclubes: isso vem acontecendo em diversas localidades do Brasil, como João Pessoa-PB, Recife-PE, Itu-SP (este, ainda em litígio), e agora é o mais antigo aeroclube do Brasil – precisamente, o Aeroclube do Brasil, do Rio de Janeiro-RJ (atualmente, localizado no Aeroporto de Jacarepaguá), o primeiro do país, fundado em 1911 por Santos Dumont – que está sendo despejado (vide esta nota da Coluna Esplanada). O argumento é sempre o mesmo: racionalidade econômica. E a gritaria é sempre a mesma: “História”, “Tradição”, “Símbolos”… O problema é que, na disputa entre o dinheiro e os valores abstratos, adivinhem quem ganha?

Mas agora há uma grande diferença: quem está despejando é um órgão do Governo Federal, vinculado à SAC-PR (a INFRAERO); e quem está sendo despejado é o maior símbolo da instrução aeronáutica civil de nosso país. Ou seja: é o governo falando que não dá a mínima para a instrução aeronáutica brasileira – pelo menos, é essa a simbologia implícita no ato. É claro que eu sou contra esse despejo, assim como todo e qualquer ato contrário aos interesses da formação aeronáutica do Brasil. Porém, eu proponho que examinemos um outro aspecto da questão: A despeito de sua tradição secular, o Aeroclube do Brasil vinha realmente cumprindo com o seu objetivo de instrução aeronáutica a contento?

A página do aeroclube está fora do ar, então não me foi possível conhecer detalhes da instituição, como tamanho da frota, número de alunos, cursos oferecidos, etc. Também nunca estive pessoalmente no ACB, nem conheço seus dirigentes – na verdade, uma das poucas coisas que sei sobre o ACB não é nada lisonjeira: trata-se desta reportagem sobre o abandono dos Guri de instrução doados pela ANAC. De qualquer maneira, para quem está imerso no mundo da formação aeronáutica (como é o meu caso), não é difícil perceber que o ACB é um aeroclube de importância menor no cenário da instrução aeronáutica brasileira, mesmo sendo o único situado na capital de um dos Estados mais importantes do país – tanto é que as escolas de aviação localizadas no aeroporto de Maricá hoje concentram a maioria dos alunos de aviação de asa fixa do estado do Rio. Não que isso justifique o despejo do ACB, volto a afirmar: sou totalmente contra esta atitude da INFRAERO. Mas quero chegar no seguinte ponto: Fosse o ACB uma instituição mais importante para a instrução aeronáutica brasileira, formando uma quantidade  maior de alunos, com excelência na qualidade da instrução, etc., seria muito mais difícil para a INFAERO desalojá-lo de Jacarepaguá. E estou falando isso não para crucificar o ACB, mas sim para alertar os dirigentes de outros aeroclubes, que poderão ter o mesmo fim se continuarem nessa toada.

No fim das contas, o que está acontecendo é que o modelo de negócios de aeroclube está se mostrando inadequado para a nossa época, um assunto que já discutimos aqui. E que voltaremos a discutir em breve, pois eu tenho muito mais a dizer sobre este assunto ainda.

16 comments

  1. Marcio
    2 anos ago

    Na época em que essa matéria foi publicada, abril de 2013, o Aeroclube do Brasil estava voando cerca de 400 horas por mês, distribuídas nos mais diversos cursos: PP, PC, IFR, MLTE e INVA e contava com 7 aeronaves operacionais. Quanto ao abandono dos Guris, mais precisamente 5 aeronaves, que não estão mais em SBJR, a responsabilidade era inteiramente da ANAC, visto que por questões da própria agência, nós nunca fomos autorizados a operá-los, apesar de termos tentado de tudo para fazê-lo. Também gostaria de lembrar, que ficamos 5 anos sob intervenção judicial, congelados no tempo, sem podermos nos atualizar ou fazer qualquer tipo de investimento. No entanto, a instrução de voo nunca foi afetada. Durante o período em que ficamos sem examinadores credenciados (final de 2013 e meados de 2014) e os alunos tinham que solicitar INSPAC, só ouvi elogios quanto ao desempenho e padronização dos mesmos, por parte dos inspetores. E como novidade, informo que a intervenção acabou em dezembro de 2015, nova diretoria foi eleita, continuamos em Jacarepaguá, conseguimos autorização exclusiva, por parte da Aeronáutica, para utilizarmos SBAF (Campo dos Afonsos) como opção para os nossos treinamentos e, com a criação de pacotes, estamos disponibilizando a hora de voo mais barata do estado do Rio de Janeiro. O aeroclube fundado por Santos Dumont, que carrega o nome do país, continua na ativa e prevê dias muito melhores pela frente. No ano passado, tive a oportunidade de conversar, rapidamente, com o Raul, que nos fez uma visita. Posso garantir que, com o fim da intervenção, as coisas estão melhorando. Em breve teremos um site no ar, com todas as informações.

  2. Alice
    2 anos ago

    Vou deixar uma dica rápida: conheça o Curso de Regulamento de Tráfego Aéreo Vôo Visual Avião http://goo.gl/AvkHgK
    Ele é primeiro curso do Brasil em audio mp3 para você ouvir em qualquer hora e lugar. É só conferir.

  3. Adair
    4 anos ago

    Essas aeronaves da Aeromot (Guri, Ximango) são imprestáveis, as peças tem vida util curta, a manutenção é caríssima e nenhum centavo é bancado pela Anac depois que elas despejam esses trecos nos clubes.

  4. Boschetti
    4 anos ago

    Na verdade nossos governantes atuais não sabem que quase 100% dos profissionais da aviação civil são formados pelos aeroclubes. Os administradores atuais desta nação não sabem que a atividade principal de um aeroclube é a formação de pilotos civis e reservas da força aérea. Não fossem os aeroclubes, o Brasil estaria importando pilotos, tal como este governo quer fazer com médicos.
    Na ultima década o governa não investiu um centavo se quer na formação de profissionais da aviação e como gratidão ao nosso trabalho voluntário, criou-se a ANAC que além de não contribuir com nada ainda virou um órgão de repressão severa sobre os aeroclubes.
    O pior de tudo isso é que amanhã esse pessoal vai embora e não responderão pra ninguém pelos desmandos que estão acabando com as entidades de grande tradição e importância social.
    As vezes me pergunto. A quem interessa isso? Penso eu! A ninguém é por pura ignorância!

  5. Denise Marinho
    4 anos ago

    Amigo. Eles já vão tarde! Desrespeitam a todos e fazem acrobacias sobre casas, ruas e hospitais. Se há alguém que está se lixando para os outros são esses “aviadores”. Que se danem!

  6. Rafael Abreu
    4 anos ago

    Estou voando meu PC no Aecb e posso afirmar com todas as letras que é uma instituição MUITO organizada. Logicamente, como todo aeroclube, passa por problemas, como o caso dos Guris (diga-se de passagem, eles estão abandonados por demora na liberação de docs por parte da ANAC). Voei em outro aeroclube, o de Maricá e em termos de organização, o Aecb dá de 10 x 0 em Maricá.

  7. R.Cardoso
    4 anos ago

    O clube ceu na verdade esta indo para um local em guaratiba cerca de 15 min do atual local, em um acordo feito com o governo federal, porem continua no mesmo local ate o final do ano. Eu sou instrutor de helicoptero la e o que mais me impressiona e que nas turmas de ciencias aeronáuticas que eu curso, escuto falar que o aerodromo de marica tbm esta em processo despejo, pois se tornara base de operacao offshore para empresas com contrato da OGX para exploracao do pre-sal. So me resta pergunta para onde vai a formação aeronáutica carioca?

    • Chumbrega
      4 anos ago

      Comandante, na sua visão seria possível / viável o retorno para Nova Iguaçu?
      Afonsos também tá às moscas (claro que o buraco é mais embaixo, por motivos óbvios)…

  8. Paulo
    4 anos ago

    Raul, eu tinha o site do AECB nos meus favoritos, e dei uma olhada, e consegui entrar. Pelo visto só a Home não dá pra navegar, o restante sim: http://www.aeroclubedobrasil.com.br/aecb/aecb_hist.htm

    Quando voei lá no final de 2011 tinham 2 ou 3 Guris, 1 T-23, 2 Tupis, 1 C-152 e 1 Sêneca.

    Voei 30 horas lá, pela comodidade de estar a 30 minutos da minha casa e 20 minutos do trabalho. Muitíssimo longe da excelência, não ficava atrás de tantos outros aeroclubes do país. Com certeza um dos que tinha a vista mais bela ao decolar! hehe… É uma pena. Muita tradição, muito descaso. Depois reclamam que o país não tem memória.

    Concordo com você caro Raul, se fosse um excelente Aeroclube a briga seria mais dura, mas a verdade é que é o dinheiro é que está mandando. O Aeroporto de Jacarepaguá é estrategicamente localizado num dos bairros que mais chove dinheiro na cidade (Barra da Tijuca), o táxi aéreo e as operações offshore de helicópteros são massivas nele, e com o Santos Dummont saturado pela aviação regular…. A corda arrebenta aonde?

    É isso ai… Um aeroclube de mais de 100 anos, fundado pelo pai da aviação, vai virar só passado. E para os cariocas, um abraço. Agora só saindo da cidade mesmo. Muito triste!

    E assim caminha a formação aeronáutica desse Braziu!

  9. Felipp Frassetto
    4 anos ago

    Em que pesem os fatos sobre a estrela de dito aeroclube não ser tão brilhante, com certeza é um exemplo de descaso para com a memória nacional. Mais ainda em se tratando de atos do próprio governo.
    Lamentável mesmo.

  10. Essa idéia de fechar clubes aéreos está bem ligada ao aerodromo onde operam, e pra infelicidade de muitos tem acontecido no mundo todo, com alguns casos famosos.

    Em Chicago foi fechado em 2003 o Meigs Field Airport que funcionava desde 1948 (http://en.wikipedia.org/wiki/Meigs_Field) talvez um dos mais bonitos. Veja o que virou o lugar do antigo aeroporto: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151610211513623&set=a.10151610211333623.1073741830.192081688622&type=1&relevant_count=9

    Em Caracas, Venezuela havia um aeroporto (La Carlota) bem no centro da cidade – famoso por ter sido usado durante o golpe militar, etc. Foi fechado para transformar-se no Parque Simón Bolívar. http://caracasrefurbished.com/2011/08/17/opinion-proyecto-parque-simon-bolivar-o-la-carlota/

    Em Santiago, Chile havia o aeroporto Los Cerrillos contruído em 1967, estava numa área muito estratégica para a expansão imobiliária na capital, o que a meu ver foi um dos fatores que levaram ao seu fechamento em 2006, sendo substituído pelo Aeroporto de Pudahuel (afastado do centro).

    Não sei qual o interesse em fecharem o Aeroclube do Brasil, só sei que o metro quadrado na região da Av. Abelardo Bueno e da Barra da Tijuca tem subido bastante nos últimos anos.

  11. Freddy
    4 anos ago

    O Clube Céu também foi despejado.

    • Julio Petruchio
      4 anos ago

      Jesus… Nem o Clube Céu sobrou!

Deixe uma resposta