Orientação ao jovem “de classe média baixa, bem baixa até” que quer ser piloto

By: Author Raul MarinhoPosted on
500Views8

Fazia tempo que não escrevia um post de coaching pessoal, então vamos lá. Ontem, eu recebi um e-mail de um jovem que se autodenomina como “de classe média baixa, bem baixa até”, e quer ser piloto. O e-mail segue reproduzido na íntegra a seguir, somente com o nome trocado, e depois eu faço os meus comentários.

Olá Raul, meu nome é Bernardo sou de Recife-PE e tenho 17 anos, estou terminando o ensino médio e gosto muito da aviação, mas visto que a formação de um piloto é muito cara e eu sou de classe média baixa, bem baixa até rsrs, esse seria o investimento mais caro da minha vida (acho que nem se somar todos os meus anos de estudo chega no valor da formação de um piloto ) , e eu gostaria de saber se o mercado da aviação está favorável para novos pilotos, não quero que pense que eu sou um mercenário que só estou entrando na área da aviação em busca de altos salários  não é isso, mas como eu disse esse seria um investimento muito grande eu teria de financiar a faculdade pelo FIES (Para pagar depois que concluir o curso)  e teria de pedir para minha mãe até se desfazer de uma boa parte de suas economias, não quero bons sálarios apenas algo que me possibilite de pagar as dívidas que vão ficar pós faculdade/horas de voo e então chega a minha pergunta, o mercado está favoravel para novos pilotos ? Pilotos que tenham apenas PP e o PC, e qual área e como você sugere que eu entre no ramo da aviação para que possa faturar algo ?

Comento

Bernardo, o mercado de trabalho para pilotos está enfrentando uma grave crise. Se, por um lado, as companhias aéreas estão mais demitindo do que contratando; por outro, o volume de novos pilotos chegando ao mercado aumentou muito, com as falsas notícias sobre o “apagão de pilotos”, divulgadas pela imprensa. Com isso, há muito mais pilotos recém-formados no mercado do que vagas de emprego atualmente, e deve levar algum tempo até a situação se normalizar. Ocorre que isso reflete o momento atual, e quem começar sua formação hoje deverá encontrar um cenário diferente daqui a 2, 3, 5 anos. Não tenho bola de cristal, mas minha expectativa é de que ele esteja bem melhor lá na frente.

De qualquer maneira, isso não tem nenhuma importância para você. Uma pessoa na situação em que você se descreveu, que teria que assumir financiamentos e torrar todas as economias da família para se formar, não deve levar em conta esse tipo de informação para estabelecer sua estratégia profissional. Mesmo que as perspectivas sejam sensacionais, o cenário muda muito rápido, e se as coisas não saírem como você espera, as consequências de uma má escolha são terríveis. Imagine você recém-formado, desempregado, com dívidas, e com a sua família passando necessidade? Seria o caos, né? Então, para quem possui recursos limitados, como é o seu caso, eu recomendo uma outra alternativa. Vai demorar um pouco mais, vai requerer uma dose extraordinária de disciplina e planejamento, e vai dar trabalho, muito trabalho. Mas é a maneira como a maioria dos atuais aviadores de sucesso, que não nasceram em berço de ouro, consegue chegar lá.

Antes de partir para a formação aeronáutica, encontre uma profissão que possa lhe dar uma renda suficiente para lhe abastecer com os recursos para a sua formação. Qual? A que for mais viável. Tem gente que trabalha de garçom, de vendedor em loja de shopping, na construção civil; outros prestam um concurso público, ou entram para as Forças Armadas; há ainda os que empreendem um negócio próprio, na internet ou no mundo real… As opções são praticamente infinitas, e você tem que ver o que lhe é mais eficiente para a sua realidade. A partir daí, você vai constituir uma poupança suficiente para custear os seus estudos, e quando houver um volume de recursos razoável, aí sim você começa a sua formação. Eu falei sobre isso também aqui, e fique à vontade para discutir mais o assunto se você achar necessário. E, para encerrar, eu só gostaria de deixar claro duas coisas:

1)     Que é possível para uma pessoa como você ter sucesso numa carreira de piloto. Não dê bola para o que as pessoas vão dizer, que é impossível, que não é para você, etc.: a maioria dos pilotos profissionais que eu conheço vieram da classe baixa ou média-baixa.

2)     Quando eu falei que você terá que ter disciplina e determinação, e que vai dar trabalho, eu estava falando sério. Você, REALMENTE, vai ter que se esforçar, e ser muito disciplinado. Se você não estiver disposto a isso, é melhor nem começar.

O caminho é por aí, amigão. Lhe desejo sorte e sucesso!

8 comments

  1. Caro Raul,
    Posso falar, com toda a segurança, que nunca vi uma resposta tão lúcida para a pergunta que aflige a maioria dos jovens que se encontram em situação semelhante à do Bernardo. Acho que ele (Bernardo) já está começando com o pé direito se seguir o seu conselho.
    Não gosto muito de tocar no assunto porque posso vir a ser mal interpretado, mas vou abrir uma exceção. Eu venho de uma família muito humilde, já morei em casa coberta de sapê e piso de terra batida no interiorzão de Minas Gerais. Minha escolha foi o concurso para a FAB. Modestamente, acho que não fiz má figura. Comecei com uma turma de 491 alunos e me formei em sexto lugar entre os 117 que concluíram o Curso de Oficial Aviador. Passei para a Reserva da Aeronáutica após 25 anos de serviço, sou muito grato à nossa querida Força Aérea pelas oportunidades que me deu e, sem falsa modéstia, acho que “paguei” à altura pelos investimentos que foram feitos em meu proveito. Não quer dizer que eu não continue me considerando devedor! Como já disse, e não custa repetir, sou e serei eternamente grato!
    Bernardo, como o Raul disse, há vários caminhos! Aquele que me serviu pode não servir para todos. Cabe a você avaliar o que é mais adequado para o seu caso.
    Vá em frente e Boa Sorte!

    • Raul Marinho
      5 anos ago

      Bernardo, caso vc não saiba, o cara que comentou ali em cima é um dos maiores especialistas em instrução de asa rotativa do país. Leve esse comentário muito à sério para a sua vida!

  2. Wagner
    5 anos ago

    Ao Bernardo: Como vc é duro, daria pra fazer a facu pelo PROUNI em vez do FIES, só tem q dedicar pra conseguir passar bem no vestibular e continuar com boas notas na facu assim, não fica endividado!! ( vi q a nota de corte pra ciências aeronáuticas não é muito alta!) ai já consegue uma formação dentro da área aeronáutica. E depois, trabalhar muito pra conseguir pagar as horas de voo! =P

    “Não sabendo que era impossível, ele foi lá em fez”

    Boa sorte!

  3. Menezes
    5 anos ago

    Vai em frente amigo, tenho espesa e filha e está vindo mais um ai, tambem sou de classe media-baixa, trablhei muito antes de conseguir checar o meu PP, fiz curso técnico de eletrônica consegui um emprego que me da suporte pra continuar o curso sem esquecer da minha familia (em passos lentos, mas devagar ta indo).
    Hj com quase 31 anos estou com o PP checado, PC téorico (em buscas das horas de voo),PLA téorico e ja estou ingressando no inglês pra tirar o ICAO, (do zero).
    E aproveitei as bolsas de estudos que o governo tem dando e estou cursando uma graduação. Como o Raul disse tem que ser disciplinado e tem que ser mesmo. É uma volta muito grande? é, mas para mim vale a pena.

  4. Flavio Veiga
    5 anos ago

    Grande Raul e “Bernardo(?)”,
    Tenho 2 comentários.
    Mesmo procurando “qualquer profissāo”, sugiro voce nāo ficar distante da aviaçāo (As opcoes sao diversas: Agente de aeroporto, despachante de voo, controlador de trafego aereo, mecanico, comissario de bordo, soldado da FAB, etc etc etc), assim você vai aprender muito, principalmente os termos tecnicos da area.
    O aeroporto de Recife é enorme e cheio de opcoes.
    Eu acredito em escada (rs) e muita gente hoje se esquece dela (ex: Paga-se caro por um Jet Trainer ou mesmo uma carteira de 737, na Europa andam pagando mais de 20 mil euros. Em vez de procurar um Sertanejo de fazendeiro que te pagara um salario). Escada: Eu tenho um amigo que foi soldado da Fab e trabalhava no antigo Serac do DAC (Hoje GER da Anac), fez muitas amizades. Com o soldo pagou o curso de comissario de bordo e voando, manteve as amizades da epoca de DAC e com o salario maior, pagou os cursos de helicoptero e saiu empregado no fim, devido muitos amigos.
    Como o Raul disse. O caminho sera mais longo sim…
    Mas talvez ate mais divertido.

  5. Thiago Romeu
    5 anos ago

    “Não dê bola para o que as pessoas vão dizer, que é impossível, que não é para você, etc.”

    Leia-se: ANAC.

  6. Rogério Aviador
    5 anos ago

    Eu também estou indo na idéia que o Raul escreveu em um outro post, a de que não precisar ter pressa no momento, a não ser que você já tenha uma vaga te esperando. É melhor ir se preparando devagar e chegar lá na frente com ICAO e JET TRAINING já no curriculo. Enquanto isso, vou crescendo aqui na empresa, com a formação em Adm de Empresas.
    Bernardo, se você tem vontade de trabalhar em alguma outra área, com uma formação superior, o FIES está ai. Você vai estudando, arruma um emprego, ai vai iniciando seu curso de piloto, tendo como alternativa sua outra formação. Vai que não conseguimos trabalhar como pilotos (toc, toc, toc, na madeira rsrs). Temos que ter uma carta na manga.
    É como diz um velho ditado: ” não ponha todos os seus ovos em uma só cesta”.

  7. Freddy
    5 anos ago

    Eu estou seguindo o caminho que o Raul te sugeriu.
    Prestei concurso público, trabalho na Infraero (olha a tamancada) e estou voando o PC. Na verdade eu dei uma desacelerada porque o mercado de trabalho está parado.
    Não desista do sonho.
    abraço

Deixe uma resposta