Quer dizer que a Aviação Geral pode ficar em CGH, só não pode pousar?

By: Author Raul MarinhoPosted on
356Views7

Leiam a notícia da Folha de ontem (fonte: Aeroclipping do SNA), abaixo reproduzida, que conta uma história incrível (no sentido exato da palavra: que não dá para acreditar). É o seguinte: o governo quer passar os slots da aviação geral de Congonhas para a aviação comercial – até aí, já se sabia que a ideia era acabar com a aviação geral de CGH -; só que, de acordo com ele (o governo), “isso não significa vetar os jatinhos de pousar, mas só eliminar os horários programados para eles”.

Muito bem. Então quando os aviões da geral poderiam pousar? “Ah, sei lá, fica voando aí por cima, que uma hora em que não tiver voo comercial, a gente autoriza você a pousar”. Deve ser isso o que estão pensando em fazer, não tem outra alternativa…

Congonhas poderá ter mais voos comerciais
Governo quer transferir espaços de jatos executivos para empresas da aviação regular, que ganharia 4 voos a mais por hora
Crescimento de 13% em pousos e decolagens de grandes companhias tende a aumentar o número de passageiros

NATUZA NERY
DIMMI AMORA
DE BRASÍLIA

O governo quer ampliar a quantidade de voos comerciais regulares no aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, em até 13% –ou até quatro a mais por hora. A proposta deve elevar o número de passageiros do aeroporto.

Hoje há autorização em Congonhas para 30 voos por hora da chamada aviação comercial (de grandes empresas como TAM e Gol) e quatro para a aviação geral (como jatos executivos e táxis aéreos).

O Executivo estuda como passar esses quatro “slots” (espaços para pousos e decolagens) dos jatinhos para grandes companhias aéreas.

A mudança, segundo interlocutores da presidente Dilma Rousseff, permitiria que Congonhas atendesse mais usuários. Isso não significa vetar os jatinhos de pousar, mas só eliminar os horários programados para eles.

O governo avalia, porém, que a quantidade de voos por hora, considerando todos os tipos, não deve subir.

O ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, encomendou estudo detalhado ao Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo).

Terceiro mais movimentado aeroporto do país, Congonhas só fica atrás de Cumbica (Guarulhos) e Galeão (Rio).

Se todos os voos forem ocupados pela aviação regular, a medida pode levar 1,5 milhão de passageiros a mais por ano a Congonhas (cálculo a partir da ocupação média e do tamanho da menor das aeronaves).

Caso a medida seja implantada, Azul e Avianca tendem a ser mais beneficiadas devido à estratégia do governo de aumentar a competição. Hoje, TAM e Gol detêm mais de 80% dos voos em Congonhas.

A Secretaria de Aviação Civil pretende estimular a concorrência, reduzir preços e promover a aviação regional.

A proposta de redução do fluxo de jatinhos foi apresentada pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas em resposta a um projeto da Anac de tornar mais duras as regras de pontualidade em Congonhas, que prevê redistribuir as autorizações quando houver descumprimento.

A restrição de 34 operações por hora em Congonhas foi imposta após um Airbus da TAM atravessar a pista em 2007, matando 199 pessoas. A justificativa do governo era melhorar a segurança.

Além de mais passageiros, com reflexo em serviços como a fila do táxi, vizinhos questionam a possível piora do barulho devido à troca de jatinhos por aviões maiores.

“Será um terror”, diz Rosângela Lurbe, presidente da associação de moradores de Moema, que já tentou na Justiça, sem sucesso, restringir voos em Congonhas.

Colaborou RICARDO GALLO

7 comments

  1. Alexandre Canteruccio
    4 anos ago

    Bom, acabam com o resto da geral e Congonhas e fecham o Campo de Marte para asa fixa… Bom, mas temos que entender que na nova realidade Bolivariana que o PT esta trazendo para o Brasil, aviação geral é coisa de burgues, tem que acabar mesmo… Estamos F. com estes governantes, ou o povo acorda agora ou vai chorar muito depois…

  2. Gil
    5 anos ago

    Impressionante como os usuários da aviação geral, sofrem calados, afinal são os que fomentam o PIB do pais, e ninguém faz nada!! devem ter muito “rabo preso”, “telhado de vidro”, etc…
    Incrivelmente curioso
    como neste “meio de transporte”, o individuo que gera emprego, tem recurso, paga impostos, fica “impedido” de se “locomover” !!!!!
    Deplorável, decepcionante.

  3. augustogentile
    5 anos ago

    Galera vai ficar expert em órbita…

  4. Franz Handy
    5 anos ago

    Não sei como ficaria a situação dos aviões menores, mas com aumento na quantidade de voos, acho q será necessário alguns pilotos a mais nas cia aéreas, dando uma desafogada no mercado.

    • Julio Petruchio
      4 anos ago

      Se as empresas forem contratar por esse motivo, não “farão nem cócegas” no mercado de pilotos. Eu já acredito mais em replanejamento de rotas e utilização das aeronaves. Enfim, temos de aguardar o “AI-5 de Congonhas” começar a vigorar

  5. Rubens
    5 anos ago

    Alguem sabe a formação do ministro da Aviação Civil, Moreira Franco?
    Presumo que ele seja extremamente preparado e qualificado para o cargo, senão por que outro motivo seria ministro da aviação civil?
    No alto da sua competencia e sabedoria deve enxergar coisas que não vemos…..

  6. Julio Petruchio
    5 anos ago

    A coisa está assim: “-Xô daqui, mosquitaiada!!!”.
    É como se diz: “Se isso for traduzir em votos, está feito!”

Deixe uma resposta