“Neeleman pode se associar ao BNDES em oferta pela TAP” – Ou: Está nascendo uma nova VARIG?

By: Author Raul MarinhoPosted on
368Views13

Vejam abaixo a reportagem publicada hoje pelo Valor Econômico (fonte: Aeroclipping do SNA), sobre uma possível “ajuda” do BNDES para que a Azul adquira a portuguesa TAP, em vias de ser privatizada. “Ajuda”, neste caso, está entre aspas para evidenciar o eufemismo da questão: na realidade, seria o BNDES (ou seja: o governo) que estaria adquirindo a TAP em termos econômicos, e a Azul seria uma espécie de agente operacional escalado para gerir a companhia adquirida. Na prática, estamos voltando à época em que o governo tinha a VARIG como o agente operacional do governo no transporte aéreo civil, agindo como a empresa “chapa branca” do Estado brasileiro. E com esta preferência do governo pela Azul, a companhia torna-se o destino quase  certo das próximas gerações de pilotos brasileiros da aviação comercial.

Neeleman pode se associar ao BNDES em oferta pela TAP
Por Assis Moreira | De Lisboa

O empresário David Neeleman, controlador da companhia aérea Azul, quer definir participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fazer uma oferta de compra pela TAP, uma das principais empresas do programa de privatização português, segundo fonte do governo brasileiro.

O Valor apurou que o empresário está em conversas com o BNDES sobre a necessidade de capital para a operação, com pelo menos duas hipóteses: pedir à instituição que entre como sua sócia para comprar uma participação na TAP, ou que o banco entre com o financiamento da aquisição.

O governo brasileiro “gostaria que uma empresa brasileira se interessasse” pela privatização da aérea portuguesa, inclusive pela rede ampla de ligações com as principais cidades brasileiras.

No entanto, a fonte diz que o Palácio do Planalto “não está forçando a mão” para que alguém entre na operação. E avisa que, em todo caso, o projeto da Azul precisará ser muito bem embasado e a operação vai demandar profundo estudo técnico por parte do BNDES.

Autoridades portuguesas querem discutir a privatização da TAP hoje com a presidente Dilma Rousseff, em sua visita a Lisboa. Os portugueses têm insistido para o governo brasileiro dar “sinais de confiança” ao país, que atravessa uma das piores crises econômicas de sua história. E isso passaria por uma participação brasileira mais ativa nas privatizações.

A Avianca, do empresário Germán Efromovich, de passaportes brasileiro, boliviano e polonês, não está participando da atual rodada de discussões. Numa primeira tentativa, quando viu que nenhuma outra companhia fazia proposta pela TAP, a Avianca baixou sua própria oferta, rejeitada pelo governo português.

A TAP tem uma dívida estimada em € 1,3 bilhão e precisa desesperadamente ser capitalizada. No ano passado, o grupo fechou com prejuízo de € 42,2 milhões, ante € 6,8 milhões em 2011.

Entre alguns membros do setor privado em Lisboa, os comentários são de que os brasileiros exageram na desvalorização dos ativos portugueses.

Um exemplo foi a privatização da operadora aeroportuária portuguesa ANA – Aeroportos de Portugal e suas subsidiárias. O consórcio formado pelas brasileiras CCR e Odebrecht Transport foi inferior em € 1 bilhão em relação à proposta vencedora, da francesa Vinci, que pagou € 3,080 bilhões.

Ontem, em Lisboa, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse a jornalistas que se empresas brasileiras quiserem participar das privatizações portuguesas “vamos examinar ajuda. Mas primeiro é preciso manifestação de interesse das empresas”, afirmou.

13 comments

  1. Julio Petruchio
    4 anos ago

    A TAP de graça, é cara!!!!!

  2. Mauricio
    4 anos ago

    Nova VARIG? Azul escolhida pelo atual regime lulo-dilmista?

    Pra início de conversa, o regime militar escolheu Varig, Vasp e Transbrasil, todas excelentes empresas que operavam num cenário muito sadio.

    Meu caro… Este governo já escolheu todas as empresas e ferrou todas elas. Primeiro, empurrou a Varig pra Gol, possibilitou o negócio que poderia e parecia ser bom para a Gol. Não foi, nem um pouco, como vimos.

    Depois, assumiu a TAM como empresa de bandeira, já que empurrou a Varig para a Gol e não deu certo, e possibilitou um negócio da China vendendo esta empresa para uma empresa chilena, algo nunca visto antes na história desse país! Vendemos os céus!

    Muito bem, agora você vem querer dizer que caso ocorra a Azul + TAP, esta sera a Nova Varig? Francamente, talvez seja a Nova TAM bem piorada, mas bem piorada.

    O nosso sistema de aviação civil quebrou e vai quebrar todas as empresas aéreas.

    Azul + TAP é utopia, Neeleman só faria isso se levasse muita vantagem, se realmente o governo abrir as pernas de vez para os gringos, mas abrir mesmo. E esperar isso do PT… é sonhar demais.

    Pra mim a Dilma quer é encontrar um jeito de ganhar ainda mais dinheiro com a aviação, isso sim.

  3. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Raul, desculpa jogar água no chope, mas acho que o caso aqui é o exato contrário. A Azul nega veementemente que vá comprar a TAP porque isso vai melar o IPO. E com razão, afinal, vimos o que aconteceu das últimas vezes que o governo se meteu a querer empurrar uma cia pra outra… Simples assim: empresa que se funde não contrata, demite. E achar que a TAP deixaria de existir em suas rotas e aeronaves é sonhar alto: a tendência seria a Azul virar feeder dela. Ou seja, a Azul pode até crescer, mas vai crescer fazendo o que já faz, e parar no espaço que a TAP já estiver ocupando, mesmo que com outro nome. Pra nós funcionários, é bom empresa que cresce com suas próprias pernas, pois ela contrata, promove, a fila anda. Qualquer coisa difernete disso é fria. Pode ser bom pro patrão e pro usuário, não serei hipócrita de dizer que não. Mas pra nós, tripulantes e funcionários?! É péssimo negócio. E pode ter certeza que sonho com a exceção à regra… Se o negócio se concretizar, tomara que eu queime a língua. Mas honestamente, aquela compra de Airbus, se existir, vai virar renovação de frota na TAP. É isso que vcs querem? Nem, né… Enfim, empresa tem que crescer na raça, na competição, na estratégia. Não no tapetão.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Não discordo do que vc escreveu, só que a minha intenção foi a de somente comentar que a Azul parece que é a companhia escolhida pelo atual regime lulo-dilmista, como foi a VARIG a eleita pelo regime militar…

  4. andre
    4 anos ago

    Amigos eu sou piloto de uma grande empresa sólida e em expansão e recebo aproximadamente 6 mil mais algumas vantagem( veiculo, combustível e moradia) além de estar em casa e voar aproximadamente 15 hs por mês e o equipamento que opero é de ano 2012 e recusei ir para azul no ano 2011! as vezes me pergunto se fiz errado?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Fez errado, sim! Passa essa vaga prá mim e vai prá Azul!

  5. Anônimo.
    4 anos ago

    Rapaz, se isso acontecer, viraremos motoristas de ônibus de uma vez por todas, porque ganhar 4k, 5 k pra voar jato é só na Azul mesmo.

  6. Ainda bem que eu jah estou fora disso (i.e. linha aerea regular, no Brasil) ha muito tempo. Que tempos tristes…

  7. Henrique
    4 anos ago

    Raul, você concorda comigo que a Azul é a futura grande empresa aérea do Brasil superando até mesmo a TAM? Abraço

Deixe uma resposta