Projeto “Clube de Aviadores”

By: Author Raul MarinhoPosted on
603Views63

Atenção: INSCRIÇÕES ENCERRADAS!

Como amplamente divulgado e comentado aqui neste blog, o mercado de trabalho atual para pilotos comerciais recém-formados está muito difícil, tanto para a asa fixa quanto para a rotativa. A não ser que se disponha de um excelente QI para ingressar na aviação geral, a única opção viável (o que não significa ser fácil!) para os novatos é a mal remunerada e desvalorizada atividade de instrução de voo – e, mesmo esta, estará inatingível para os recém-formados após junho de 2014, quando entrará em vigor a regra da ANAC que exige um mínimo de 200h em comando para checar o INVA/H (o que significa cerca de 300h totais). Por outro lado, quem se forma PC e interrompe os voos tem a experiência recente desatualizada, e fica cada vez mais difícil manter válidas as habilitações duramente conquistadas.

Desta forma, em princípio restariam duas alternativas para um piloto novato manter sua experiência em dia e agregar horas de voo ao seu currículo: voltar para o aeroclube/escola de aviação e adquirir novos pacotes de horas de voo, ou voar com os amigos. Pagar para voar é, no mínimo, aviltante (quando não inviável) para quem acabou de gastar cerca de R$100mil para se formar; então, a única opção sensata que sobra é encontrar uma alma caridosa disposta a levar o recém-formado em sua aeronave para voar. Mas, aí, esbarra-se num outro problema: como encontrar essa pessoa? Os aeroclubes (RBHA-140), concebidos para integrar socialmente proprietários de aeronaves e pilotos interessados em voar, na prática não realizam essa função (ou, se realizam, o fazem de maneira extremamente ineficiente); e as escolas de aviação (RBHA-141), por sua vez, nem contam com essa possibilidade. No fim das contas, não há uma estrutura adequada para viabilizar a integração social necessária para que pilotos recém-formados tenham como voar de graça ou “rachando” os custos.

Foi pensando nisso que eu comecei a desenvolver o projeto do Clube de Aviadores (ClAv), que é um misto de “agência de matrimônio aeronáutico” com serviços auxiliares de qualificação técnica, de intermediação financeira, e de geração de históricos de voos, concebido para viabilizar esses “voos entre amigos” com a máxima segurança e conveniência entre as partes. O ponto de partida é a existência de dois tipos de associados: o PIL, que é o piloto interessados em voar de graça ou “rachando” os custos; e o PROP, que é o proprietário de uma aeronave CLASSE MNTE ou MLTE (do RBAC-91, utilizada principalmente para lazer) – na maior parte das vezes, subutilizada por uma série de motivos. Uma vez cadastrados PILs e PROPs, será possível realizar o “casamento” entre eles de acordo com sua localização geográfica; o tipo de equipamento do PROP e a qualificação técnica do PIL; e os interesses econômicos de cada uma das partes: há PROPs interessados em levar um PIL para voar de graça, e outros que requeiram “rachar” os custos; assim como há PILs que só se interessariam em voar de graça, como também haverá os que se disporiam a “rachar” os custos. Feito o “casamento”, o ClAv proporcionaria a qualificação básica do PIL, enviando-lhe a documentação da aeronave do PROP (e aplicando a respectiva prova de conhecimentos), e viabilizando um ground school básico do equipamento. Encerrada a etapa de qualificação, os voos podem começar a acontecer, e o ClAv entraria também nesta etapa, intermediando os pagamentos (caso o voo seja “rachado”), de modo a evitar conflitos financeiros, registrando os acordos e dando segurança às partes, além de proporcionar a conveniência de utilização de meios de pagamento como cartão de crédito/débito. Encerrados os voos, PILs e PROPs avaliarão a experiência, criando um banco de dados de históricos de voos, que facilitará a avaliação das partes em futuras oportunidades e também servirá como uma referência na busca por um emprego na aviação. Basicamente, é assim que o ClAv foi concebido, muito embora haja muitos outros detalhes que não convém entrar no mérito neste momento.

Eu venho trabalhando na concepção do ClAv já há algum tempo, e conversei com alguns PROPs que se dispuseram a entrar num projeto piloto experimental. Agora, eu gostaria de recrutar PILs dispostos a ingressar no projeto, inicialmente restrito à asa fixa e à região geográfica da terminal São Paulo (cidades situadas num raio de cerca de 150km ao redor da capital). Quem estiver interessado (somente PCs checados, neste momento), peço que baixe o documento “Projeto Clube de Aviadores – Cadastro básico“, preencha-o, e envie-o para o e-mail raulmarinho@yahoo.com com o assunto “ClAv” no título. Nesta etapa de projeto piloto experimental, irei selecionar um número reduzido de PILs para realizar os primeiros voos, e avaliar a viabilidade do serviço. Se você não for selecionado, isso não indica que você seja “ruim”: é que eu pretendo selecionar pessoas com certo grau de diversidade (diferentes idades, formações, profissões, níveis de experiência, etc.) para este projeto piloto. Enquanto este post estiver no topo do blog, as inscrições estarão abertas, e assim que o projeto evoluir, eu publicarei outros posts informando.

63 comments

  1. kent davidge
    3 anos ago

    o Raul, por qual motivo as inscrições estão encerradas?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pelo motivo de que ainda não foi possível viabilizar o negócio.

  2. Porto
    3 anos ago

    Boa,
    Quando vai ter esse projeto de novo ? Estou com o PC checkado e não consigo voar.

  3. Cid Nazareth
    4 anos ago

    Parabéns Raul, vou torcer para que comece com asa rotativa e na região do Rio de Janeiro.

  4. Felipe Chiaradia
    4 anos ago

    Muito boa a ideia, Tá de Parabens assim todos nos podemos nos ajudar a conseguir as nossas tais horas de voo. Agora vai uma pergunta minha, eu sei que pode se fazer o PC em avião não homologado de Instrução só que ao invés de 150 horas para o cheque precisasse de 200 horas em comando né. Esse clube dos Pilotos ajudara alunos de Piloto Comercial que estão dispostos a trabalhar para ganhas as horas, que não tem o dinheiro necessário para terminar o PC? ou só Pilotos Comerciais que estão a procura de horas para entrar em táxi etc?..

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Neste momento inicial (projeto piloto), o ClAv é destinado somente a PCs checados que queiram angariar horas de voo (não se trata de trabalho, que fique bem claro). Se tudo correr bem, num segundo momento quero incluir os PCs em formação.

  5. Peterson Ramos
    4 anos ago

    Excelente iniciativa. Realmente um clube de voo de verdade que incentiva a camaradagem.
    Há excelentes pilotos se formando PC junto comigo em Brasília, quem sabe um dia teremos uma extensão desse trabalho pelo DF e Goiás.

  6. fernando ramirez
    4 anos ago

    Gostei…acho que em momentos de crise, se deve pensar em alternativas.
    Acredito que os aeroclubes devem ser gerenciados e presididos por pessoas que vivem exclusivamente da aviação.
    Não é fechá-los, mas serem administrados por pessoas que vivem da aviação.
    RAMIREZ

  7. Aaron Móes
    4 anos ago

    Iniciativa louvável Raul, tomara que de certo! Abraços!

  8. Angelo Carvalho
    4 anos ago

    Parabéns pela iniciativa Marinho, você é realmente um mestre!

  9. Colella
    4 anos ago

    GENIAL !!!

  10. João
    4 anos ago

    ótima iniciativa, parabéns!

  11. Matheus Mafra
    4 anos ago

    Achei excelente a iniciativa. Realmente espero que o projeto piloto seja bem-sucedido e que o CIAv possa entrar em plena operação.

    Muita gente ressaltou os potenciais revézes desse projeto. É, de fato, importante que a CIAv seja bem fiscalizada e gerida pra coibir todo tipo de abuso, tanto por parte dos PROPs quanto por parte do PIL. Como já disseram, a CIAv do Raul pode ser bem regulada, mas e se outra pessoa resolver iniciar a CIAv do mal? Bem, vale destacar que se a Companhia de Aviadores do Raul for bem-sucedida e outras companhias venham a surgir, a própria ANAC pode acabar se mobilizando para formalizar e regulamentar essa atividade.

    Não tem como saber se vai dar certo ou não até que seja tentado, e temos alguém com disposição pra isso. Só nos resta torçer para que o Raul consiga atingir o seu objetivo, até porque isso poderá ser extremamente importante para que iniciantes na aviação, como eu, consigam futuramente encher a CIV e se qualificar para o mercado de trabalho.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Se alguém quiser montar uma “ClAv do mal”, o que se pode fazer é denunciar a quem de direito: o SNA, a ANAC, a polícia… Depende de que “mal” eles quiserem fazer. Mas eu acho que é preciso perder o medo de assombração, senão a gente não sai do lugar!

  12. Higor
    4 anos ago

    Parabéns Raul pela iniciativa!!

    Isso é o que importa no momento. “iniciativa”, se o projeto vai dar certo ou não, isso ninguém vai saber se não fizer. Acho que toda ídeia é valida e que pode sim dar certo, vi muita gente falando mal do Projeto ASA (Azul/EJ) falando que alguns alunos iriam assumir uma dívida com o SANTANDER sem ter a certesa de ser contratado pela Azul…..mas, no meu ponto de vista, o que vale é a “iniciativa” do Projeto.
    Tenho amigos que investiram alto no PC e já estão com todas as habilitações vencidas, se existe pelo menos uma maneira de manter às carteiras válidas! Por que não tentar???!!!
    Apoio o projeto e acho que os bons pilotos de caráter , podem se beneficiar dessa idéia.
    Os maus, por si se destroem!

    Pra os que votam contra, fica a dica:

    “Que tem medo de CAGAR não COME, chupa picolé”!!!

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Exatamente! Eu prefiro tentar e fracassar do que nem tentar por medo de errar.

  13. Rodrigo Suardi
    4 anos ago

    Li algumas reclamações sobre o projeto, dizendo que seria uma forma dos proprietários terem pilotos que pagam para voar para eles, ao invés de contratá-los. Porém não vi esse tipo de ligação do projeto.

    Pelo que eu entendi o projeto não tem nada a ver com isso, visto que os PROPS que entrariam no jogada, não tem perfil de empregador, são pilotos que voam nos finais de semana apenas como esporte, e dividiriam os custos com outro piloto, o que seria bom para os dois.

    Concordo que a maioria desses PROPS não empregadores, voam aeronaves experimentais, mas creio que se o Raul deu a ideia desse projeto é porque ele pesquisou e entendeu que é algo viável, e que há um número de PROPS de aviões, interessados em entrar num projeto desses.

    Achei a ideia valida, parabéns e torço para que ela funcione como esperado.

  14. Lucas
    4 anos ago

    Eu até concordo com a proposta e acho interessante, mas o negócio é o seguinte, penso eu que não deveria ter fins lucrativos. Esse lance de rachar custo, abre margem pro PROP reduzir custo de operação, mesmo até retirar um free lancer que voa o avião, pra colocar um PC/IFR/MLTE/MNTE/INVA pra voar de graça! penso eu; o cadastro do PROP tem que ser levado em conta o mesmo ser no mínimo PP e ver pra onde ele faz os voos e o porque, pra ter ideia e controlar a “exploração”, não tem como falar que não rola isso, pode não rolar, será perfeito, mas pro projeto não ter erros tem que ser levado em conta!
    E concordo com o Tales que o voo desportivo 95% é voltado a aviões VFR e/ou experimentais, são poucos aviões MNTE/IFR e muito menores MLTE/IFR usado pra desporto, penso eu que por mais que a aviação não esteja em seu melhor estado, se a classe fosse unida e não tivesse muita prostituição. teria emprego pra muito mais gente. A princípio gostei da ideia co CIAv mas tem que ser pensado alguns pontos em relação, principalmente por ser um “clube” a principal característica é não ter fins lucrativos e nem rachar despesas, isso ja resolveria pequena parte do problema, mas tiraria uma galera das 0 horas pós carteira de PC!!

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Lucas, a opção de “rachar” os custos de um voo nada mais é do que a reprodução de uma prática que já existe nos aeroclubes. Não se trata de lucro, e sim de permitir que PROP e PIL possam se acertar livremente quanto às condições de realização do voo, exatamente igual ao que acontece nos voos entre amigos fora do âmbito do ClAv.

  15. Rodrigo
    4 anos ago

    Acho que isso é entregar o ouro pro bandido. Vou contar uma coisa que está acontecendo na minha região e que deve acontecer em outras. Antigamente todo proprietário de avião tinha um piloto contratado, e logo apareceram alguns pilotos com a brilhante ideia de voar como “free lancer” vendo a oportunidade de ganhar mais, por ser conhecido por muitos proprietários. Só que com isso ele abriu os olhos dos proprietários que deixaram de contratar por ser mais interessante e diminuir os “custos”. Metade da frota da minha região não contrata piloto porque acha mais conveniente o free lancer e não ter vínculo nenhum com os pilotos. tenho contato com vários pilotos com full carteira a procura de emprego e alguns voando 3 ou 4 aviões durante a semana. Se essa moda pega estamos ferrados.

    • Rodrigo
      4 anos ago

      Ou Vcs acham que os PROPs irão fazer um TEST DRIVE com os pilotos e selecionar um para contratar!!!??

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Meu caro, vc não entendeu a proposta. O PROP não vai fazer test drive com ninguém, muito menos contratar um piloto. O ClAv simplesmente emula o ambiente de aeroclube, o que significa que o PROP é aquele tiozinho, médico ou advogado, que tem um Corisco ou um C182, e voa uma vez por mês prá ir almoçar em Ubatuba e voltar. E, nesse voo, ele poderá levar o PIL, como safety, companhia, algo assim. Não é nada diferente do que já acontece em muitos aeroclubes Brasil afora, só que de maneira mais eficiente. Não tem nada a ver com atividade profissional.

  16. André
    4 anos ago

    Raul excelente iniciativa, espero que não se deixe levar pelos comentários negativos e contra a sua iniciativa.

    Falam em os PROPs utilizar o clube para diminuir custos e substituir pilotos contratados por pilotos gratuitos, mas o que impede hoje de um PROP ir a qualquer aeroclube e propor vôo a um piloto comercial recém habilitado que esteja no aeroclube de bobeira? Vejo muitos pc´s em aeroclubes para manter experiência de vôo recente.
    Controlar abusos é perfeitamente viável, tanto por parte do clube quanto por parte dos próprios pilotos. Nenhum piloto comercial quer ficar voando de graça, se está voando de graça é porque o mercado está forçando a isso.

    Vejo a iniciativa como uma vitrine de emprego para os pilotos recém habilitados, não como algo que vai tirar a vaga de algum piloto.

  17. Gustavo Franco
    4 anos ago

    Raul, não há o risco do Clube impactar em quem já está no mercado de trabalho? Eu, como proprietário, iria preferir rachar o custo de uma viagem do meu interesse, do que ter o mesmo custo e ainda pagar o salário do piloto.

  18. Rubens
    4 anos ago

    Primeiro lugar gostaria de deixar claro que eu admiro muito seu trabalho, Raul. Não estou querendo sabotar, mas minha mente funciona ao contrario: Tese posta, eu procuro imediatamente a antitese
    O Proprietário que tambem é piloto e que tenha tenha um piloto contratado mais por conveniencia do que por necessidade não veria nesse clube a possibilidade de dispensar o piloto contratado e quando por conveniencia (retorno do aviao ao hangar para pernoite; viagens mais criticas um segundo piloto por segurança; retorno de festas onde ele quer encher a lata) ele recoria ao CIAv como fonte de mão de obra temporaria- lowcost ?
    Resumindo
    As horinhas na carteira de voo de alguns não custarão a carteira assinada de outros?
    A lei da oferta e procura é cruel e impiedosa!
    Vou repetir pra deixar claro: não estou torcendo contra meu objetivo é puramente a dialética.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Eu acho que a maneira de se evitar esse tipo de problema está na seleção dos PROPs certos. Minha intenção é focar aqueles que usam o avião para voar no final-de-semana, ir comer uma peixada em Ubatuba e voltar, esse tipo de coisa. Mas só com o projeto piloto funcionando é que vai dar para saber quais serão as reais dificuldades…

  19. Bruno Saraiva
    4 anos ago

    Não gosto da ideia de passar meus documentos pessoais.

  20. Leocádia
    4 anos ago

    Q bacana!! Acho o momento bem oportuno p início do projeto! Parabéns

  21. Riccieri
    4 anos ago

    Raul, primeiro preciso dizer parabéns pela iniciativa, pois enquanto vemos pessoas “puxando o tempo inteiro para baixo” eis que surge uma ideia proativa e para o bem coletivo.

    Mas honestamente fico um pouco preocupado com o que isto pode virar, ainda mais considerando que estamos no Brasil…

    Vou explicar meu ponto, é muito interessante para o chamado prop. se fingir de amigo e colocar os pilotos formados para voarem de graça, isso quando não pagando (Mesmo que preços mais baratos que as escolas/aeroclubes). Eu intendo que você queira de alguma forma criar uma nova possibilidade para os recém formados, mas isso não acabaria reduzindo o número de vagas na executiva? Em um exemplo absurdo, mas ilustrativo, e se todos os proprietários de aeronaves no Brasil ingressassem neste programa? Não teríamos mais pilotos contratados? Eles apenas voariam pagando ou de graça?

    Pode ser que eu não tenha intendido corretamente o projeto, e se este for o caso já de antemão peço desculpas, mas se realmente for da maneira que eu pensei acho que você deveria repensar antes de criar um sistema que teria a intenção de auxiliar os pilotos mas que na prática contribuiria para a sua “escravidão”.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Riccieri, depende dos PROPs que eu admitir no ClAv… O controle será feito diretamente por mim, e não acredito que seja muito difícil coibir abusos.

      • Rubens
        4 anos ago

        Ai que mora o perigo!! para funcionar este tipo de arranjo depende dos gestores.
        A estrutura bem desenhada, um bom projeto deve manter-se estavel independente das pessoas
        O “seu CIAv ” vai defender os pilotos, coibir os abusos, perfeito. Mas digamos que alguem goste da ideia e copie o “CIAv do Raul” criando o ” CIAv dos proprietarios” com o unico objetivo de reduzir os custos operacionais eliminando o piloto contratados, o que aconteceria?
        PC voando de graça ou mesmo pagando é um precedente muito perigoso ao meu ver, é algo que deveria ser combatido e não incentivado. ( te respeito, te admiro mas não concordo com vc nesse ponto). É a mesma perversidade do PP receber para voar.

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Bem, mas mesmo que o ClAv tenha mecanismos eficazes para evitar a deturpação de seus propósitos, se alguém quiser criar um ClAv-do-B e desvirtuar a proposta original, o que o impediria? Eu posso garantir que o “meu” ClAv não vai permitir que ele seja usado para prostituir a profissão, mas nada posso fazer se outros quiserem criar ambientes para isso. Seria como querer fechar as fábricas de papel para evitar que as pessoas fumem maconha, percebe?

          • Rubens
            4 anos ago

            Exatamente, é muito facil se criar este ambiente para o mal, se o CIAv-do-bem for pra frente mais facil ainda se criar o CIAV-do-mal. Pela possibilidade de ser facilmente deturpado acho que este modelo deveria ser repensado. O CIAv talvez funcione bem se for voltado para PP fazendo horas para PC ( em paralelo a escola/aeroclube) antes do check, nesse caso o PIL então não estaria ameaçando a vaga de um PC.
            Vou reforçar mais uma vez a discussão é em cima da tese, o objetivo é aperfeiçoar a ideia.

            • Raul Marinho
              4 anos ago

              Rubens, é por isso que eu optei por lançar um projeto-piloto restrito, justamente para detectar possíveis furos e ajustar o modelo. Agora… Com ou sem o ClAv, sempre vai haver pessoas mal intencionadas, e não é minha intenção salvar o mundo. Eu só quero criar uma alternativa viável para pilotos se viabilizarem no mercado de trabalho. E quanto aos PPs, isso está no meu radar, mas para um segfundo momento.

              • Rubens
                4 anos ago

                Como eu disse no meu primeiro post, minha mente funciona ao contrario, quando eu quero que algo de certo eu procuro as possiveis falhas. “Pense com a cabeça do ladrao para se protejer”
                Eu prefiro a abordagem de denunciar o falso “apagao de piloto”, expor de maneira clara como é a verdadeira realidade de um piloto para que os oportunista saim ou melhor ainda nem entrem na aviação. Foram noticias do tipo ” na copa vai faltar piloto…. estude 2 anos e ganhe 30mil por mes….” que inundaram a aviação de aventureiros e que agora desesperados pelo retorno e sem amor pela causa se vendem barato e nivelam por baixo o mercado
                A situação só vai melhorar quando a oferta e a procura de mão de obra estiver equilibrada. Sem este equilibrio vamos continuar tratando Tuberculose com antitermico (só mascara o sintoma ,mas nao combate a causa)
                Carteira atualizada é antitermico e sem febre muitas vezes tem-se a impressão que o pior já passou, o doente esta fora de perigo

  22. Matheus Netto
    4 anos ago

    Parabéns pela iniciativa Raul, torço para que de certo e para que eu tbm consiga uma oportunidade através dele !!

  23. Carlos
    4 anos ago

    Parabéns Raul , após o projeto piloto , vamos implementar o CIAV na terminal de Porto alegre!!!! Abraços

  24. Lucas Neves
    4 anos ago

    Raul de fato um projeto muito interessante, isso iria ser de muita utilidade aqui no Ceará e na região nordeste como um todo, pois existem muitos proprietários no segmento do lazer, e muito MNTE de empresários indo para o interior com frequência…e muitos comandantes desses MNTE não levam um copila, por terem medo de “perder o emprego” para alguem mais jovem e com um custo menor para o patrão, mas se o patrão o pede para levar um copila junto ele não tera muitas opções!

    Acho a ideia brilhante e se precisar de ajuda para implantar aqui pode falar, conheço um clube enorme chamado Catuleve de PROP’s que vão ate os EUA em viagens de lazer.

    Grande abraço e boa sorte no projeto!

  25. Drausio
    4 anos ago

    Excelente iniciativa, Raul.
    Sugiro fazer uma pequena campanha de divulgação do CLAv. Imaginei um folder a ser espalhado por todos os aeródromos da TMA-SP, aeroclubes, escolas de aviação. Também poderia ser agendada uma palestra para divulgar o projeto.
    Estou convencido de que existe uma lacuna tanto nos meios disponíveis para os PCs recém formados darem seguimento a sua carreira, quando nos meios para que os proprietários de aeronaves encontrem, selecionem e contratem pilotos.

    Parabéns,

  26. Daniel Raffani
    4 anos ago

    Tales, acredito que ficaria a critério do CIAv, agrupar apenas pessoas interessadas no voo como lazer e desporto para fazer esse casamento, impedindo que proprietários usem desse recursos para diminuir seus custos.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      É mais ou menos por aí, mas eu não gostaria de entrar nessa discussão neste momento. Vamos fazer o projeto piloto, e ver como a cousa acontece.

    • Tales
      4 anos ago

      Ex. Sou um empresário, tenho um C182/IFR. Faço a perna Marte-Campo Grande 6/8 vezes por mês. Gostaria de cadastrar meu avião para que pilotos possam manter suas carteiras IFR em dia… Cobraria R$200,00 a hora a título de “ajuda de custo”.
      Nos finais de semana minha esposa e filho fazem o trecho comigo.

      Neste caso, haverá um piloto pagando pra voar… renovar carteiras, acumular horas, etc.

      Depois de alguns voos, conhecendo melhor o piloto do clube, posso até pedir pra “fazer um favor pra mim e levar o avião pra SP…” DE GRAÇA! Que tal?

      Acho que este seria um caso com grande potencial de acontecer. O proprietário não deixaria de levar ninguém pra levar o “piloto do clube”, deixaria?

      Entendo que há nuances, mas no meu ponto de vista, voo de lazer hoje em dia é 95% voltado para ultraleves e experimentais, o que não vai de encontro a necessidade de acumular horas/deixar válidas carteiras de IFR/MULTI.

      Se estamos falando de aeronaves certificadas/IFR, quase que obrigatoriamente saímos do desporto.

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Tales, esse não é o foco do projeto. Mas veremos o resultado do projeto piloto, volto a afirmar.

      • Sergio Ugoe
        4 anos ago

        Tales, me mande um e-mail. Tenho uma sugestão para seu caso. sugoe@hotmail.com

        • Tales
          4 anos ago

          Pode postar aqui se não tiver problema para o blog…

          • Raul Marinho
            4 anos ago

            De minha parte, sem problemas.

            • João
              4 anos ago

              Olá Raul bom dia, sou novo aqui no site e se fosse possível, eu fiz uma pergunta com relação a profissões em outro post, gostaria de uma opnião sua a respeito de minha faculdade…grato!

  27. Tales
    4 anos ago

    Olá,

    Do que adianta manter carteiras atualizadas se haverão menos empregos?

    Você mesmo defendia que alguns empresários com aviões próprios poderiam/deveriam ser “PP de luxo”: poderiam pilotar seus aviões com um PC ao lado para ser “back-up”, o que de fato, gerava pelo menos um emprego de piloto.
    Por que o PROP vai pagar (ou deixar de ganhar) para levar mais alguém? Acredito que 90% dos PROPS vão fazer leilão de suas horas para reduzir seu custo de hora de voo apenas. Fora que haverão comandos de single-pilot ganhando um extra levando um “co-pila freelance” para “aumentar a segurança de voo do patrão”.

    O mercado está ruim, tem uma pessoa empregada e dez sem emprego… Com esta iniciativa continuarão 5 sem emprego mas 5 free lances poderão pagar pra voar e/ou voar de graça. Qual a lógica?

    Raul, você é um cara admirável pela luta pelos pilotos, e tem meu respeito por isso, mas não consegui entender sua lógica nesta parceria.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Bem… Para ser sincero, eu é que não entendi a lógica do seu argumento. Mas eu acho que o que importa é o resultado do projeto piloto; aí veremos se o ClAv faz ou não sentido.

  28. Jáber S. C. Lima
    4 anos ago

    Grande Raul…
    Mais uma vez venho te felicitar por mais uma iniciativa fantástica da sua parte.
    Espero que o projeto dê super certo e que muito em breve se estenda aos PP’s também.
    Abraço e sucesso na sua iniciativa…

  29. Sander Ruscigno
    4 anos ago

    Raul,

    achei esta ferramenta interessantíssima, pena que por hora é só para São Paulo.

    De qualquer jeito coloco-me à disposição para lhe ajudar com meus conhecimentos, se precisares de ajuda na parte de TI entre em contato comigo!

    Abraço! Agora vou começar a rezar para esse treco chegar a Floripa!

  30. luan rick
    4 anos ago

    Parabéns Raul, belo trabalho !

  31. André Pavin
    4 anos ago

    Enviadíssimo! Parabéns aos envolvidos!

  32. Andre Rocha
    4 anos ago

    Perfeito…. Parabens….

  33. Dantas
    4 anos ago

    Há alguma perspectiva, previsão para ingresso no clube de aviadores por parte dos pilotos de asas rotativas como é meu caso Raul ?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Há, sim, Dantas! Mas eu vou começar pela asa fixa, que tem muito mais gente.

      • Dantas
        4 anos ago

        Parabéns pela iniciativa Raul, ficarei na expectativa de poder ingressar como PCH no entanto, coloco-me à disposição para auxiliar administrativamente nessa empreitada !

Deixe uma resposta