O “apagão de pilotos” neozelandês

By: Author Raul MarinhoPosted on
367Views3

Vejam que interessante esta matéria – “Student loan cuts cause of pilot shortage – aviation association” – informando que, na Nova Zelândia, está ocorrendo um “apagão de pilotos” porque o governo cortou as linhas de financiamento para formação aeronáutica. Aqui é exatamente o oposto: não temos financiamento, a formação é caríssima, e sobram pilotos…

3 comments

  1. Rodrigo Santini
    4 anos ago

    Raul, no blog tem matérias sobre “apagão de pilotos” na NZ, Rússia e China. Você não acha que em um futuro próximo, com a ida de pilotos brasileiros para esses países, o nosso mercado de trabalho pode melhorar? Existe algum estudo atual sobre a quantidade de pilotos que estão prestes a liberar uma vaga (aposentar, mudar de ramo, morrer, sair do país, qualquer coisa), e a quantidade de pilotos que estão se qualificando ou qualificados para o mercado, além da perspectiva de crescimento do setor (que não vai dobrar em 7 anos)?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Estou certo de que isso vai acontecer, Santini! Só não sei se num futuro tão próximo assim… Mas, realmente, quem viver verá as companhias novamente correndo atrás de pilotos, forçando a barra para que se libere a “importação” de pilotos, etc. Quanto aos estudos que vc cita, eles até existem, mas são todos pouco confiáveis, uma vez que quem os patrocina são entidades com interesses no assunto. Está faltando algum instituto sério e isento (tipo uma FGV, uma FIPE, etc.) realizá-los.

  2. Pedro Elton
    4 anos ago

    Jaja lá ta cheio de Asiático, 50% da Nova Zelandia só tem Asiático. Eu é que não confio mais nessa de apagão de pilotos, chegar lá e tá tudo lotado igual aqui.
    Eu vou pra lá porque oficialmente eu moro lá, minha namorada ta lá e eu tenho visto fácil pra lá, mas essa história de apagão de pilotos é balela em todo canto, USA ta sobrando piloto, ta tudo lotado… FORA QUE PRA SER PILOTO DE LINHA AÉREA NA NOVA ZELANDIA VC TEM QUE SER RESIDENTE OU CIDADÃO, NÃO BASTA VISTO DE TRABALHO.

Deixe uma resposta