O paradoxo do querosene brasileiro

By: Author Raul MarinhoPosted on
233Views3

Vejam essa matéria publicada no portal Segs – “Aviões: o querosene mais caro do mundo“, e notem o que diz a Petrobrás sobre o fato de o querosene de aviação brasileiro ser tão absurdamente oneroso: “Os preços de QAV praticados pela Petrobras têm sua formação baseada em parâmetros de mercado internacional”. Ora, se a Petrobrás se utiliza do mercado internacional na sua política de preços do QAV, porque então o QAV da Petrobrás é mais caro que o QAV do mercado internacional?

3 comments

  1. Thiago
    4 anos ago

    A Petrobras responde por apenas cerca de 36% do custo do combustível.
    Fez um infográfico para gasolina, mas dá pra ter uma noção em relação ao QAv: http://fatosedados.blogspetrobras.com.br/2013/07/31/saiba-mais-sobre-o-preco-da-gasolina/

  2. Löhrs
    4 anos ago

    BULLSHIT!!!!!!!!!!!

  3. A diferença chama-se “Custo Brasil”. Quando eles falam em “preços internacionais”, referem-se tão somente ao preço do produto em si. Daí, em cima disso, colocam escorchantes impostos em cascata, coisa que é sabidamente ilegal, mas o governo – em todas as suas esferas – pratica, mesmo assim. Existe até uma anedota (de péssimo gosto, por sinal) a respeito: perguntado quanto ao fato de o governo constantemente praticar “bi-tributação”, via impostos cobrados “em cascata”, a despeito de a mesma ser inconstitucional, um secretário da RFB (que por sinal hoje tem uma consultoria especializada em “elisão fiscal”) respondeu: – “Sim, disto nós sabemos, mas nós não praticamos ‘bi-tributação’. Praticamos multi-tributação”.

Deixe uma resposta