A solidariedade comovente dos funcionários da LATAM de fora do Brasil – e o ensurdecedor “silêncio dos bons”

By: Author Raul MarinhoPosted on
282Views8

Vejam o vídeo abaixo, com depoimentos de funcionários da LATAM de diversos países da América Latina prestando solidariedade aos funcionários da TAM/Brasil, que estão passando por momento tão difícil (fonte: nota do SNA). É comovente ver como pessoas de diversas partes do continente se preocupam com os colegas brasileiros, mas o que me chama a atenção mesmo é o silêncio ensurdecedor dos funcionários da Gol, da Azul, da Avianca, e mesmo da aviação geral, quanto à situação dos aeronautas da TAM. É o que já tratei neste post – “Sobre o ‘silêncio dos bons [aviadores]‘” – que eu acho que vale e pena ser (re)lido neste momento.

8 comments

  1. anonimo
    4 anos ago

    Ensudercedor como o deles quando foi conosco. Claro qe fiamos tristes e preocupados pelos colegas da congênere. Mas eu vejo da seguinte maneira: na hora em que eu for pedir as contas, eles não vão poder me obrigar a ficar. A regra é válida para o empregador também. Se precisarem nos demitir, têm o mesmo direito. Que não confundamos “seleção” com “concurso”. Não existe estabilidade no setor privado. Sendo seguidas as regras da convenção coletiva e a senioridade, eles podem sim demitir. O inimigo é outro: o Estado brasileiro que pesa sobre todos nós, pessoas físicas ou jurídicas.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Pois é, então como o pessoal da TAM ignorou o problema da Gol em 2012, então nada mais justo do que o pessoal da Gol ignorar o problema da TAM de 2013… “Farinha pouca, meu pirão primeiro”, e vamos que vamos, né? O ponto é o seguinte: enquanto os tripulantes não adquirirem “consciência de classe” (é um chavão marxista, mas aplicável ao caso), não se vai sair do lugar. Os tripulantes da LATAM do Chile, da Argentina, etc., tbém nunca tiveram a solidariedade dos colegas brasileiros antes, e nem por isso se furtaram de fazer o que fizeram… Alguém tem que começar a agir com solidariedade, né? Senão, jamais se romperá o ciclo de retaliações mútuas.

      Já qto à culpa do governo nessa crise, eu entendo que isso é uma meia verdade (que, então, também é uma meia mentira). Sim, há o custo Brasil, o preço do QAV, a alta do dólar, etc., que atrapalham – e muito! – o setor. Mas não nos esqueçamos de que a raiz de todo o problema começou com a guerra insana de preços entre as cias aéreas no início do último boom da aviação, e que as cias nacionais são, em sua maioria, incrivelmente mal administradas. Veja, por exemplo, o chilique que os Cuerto estão dando nesse momento, quando viram a realidade da TAM; ou a administração estratégica mega-equivocada da Gol, que ora é uma “low cost”, ora compra a Varig e vira cia de elite, depois compra a Webjet e a fecha…

  2. Ao mesmo tempo em que se briga pelos interesses (de cada um e da categoria como um todo), é importante não se fechar nisso, pois já vimos muita gente detonar a própria saúde, nessa da “Guerra Santa”. É natural que o ressentimento e a raiva aflorem, numa situação como essa, mas mais ou menos equivale a desejar o mal d’outrem, enquanto se come veneno em prato fundo. Não leva a nada. Sei que é mais fácil falar do que fazer, mas tente canalizar a bronca para a auto-ajuda, para se reinventar e seguir em frente. Lembre-se de que – para seguir trabalhando -, o CCF tem que continuar em dia, portanto (1) pense em – na medida do possível – em tentar se requalificar na direção de um segmento que esteja em mais demanda (ex.: helicóptero, agrícola, treinamento, ou mesmo estudar, fazer um curso técnico ou uma outra faculdade etc) e/ou (2) considere a possibilidade de emigrar, ainda que por um tempo. Muita gente torce o nariz para a opção de ir trabalhar no exterior, simplesmente por que nunca foi, ou por que se “emprenhou pelo ouvido” de algum “Mestre do Pano Preto” e ficou com más impressões. No meu caso, saí do Brasil por quase 10 anos, por opção própria, trabalhei no exterior para várias empresas, exercendo diferentes cargos, posições etc…minha percepção às vezes coincide com a de colegas que também lá estiveram (ou ainda estão), às vezes não. É muito pessoal. Ontem mesmo, tive a oportunidade de assistir à palestra do nosso colega da FlyDubai, Cte. Waner Freyesleben, o qual discorreu – de maneira muito centrada e oportuna – sobre o que é trabalhar no Oriente Médio (no caso, nos Emirados Árabes), abordando aspectos da empresa, da vida pessoal, custo de vida, adaptação da família do aviador brasileiro. Recomendo a todos os colegas que porventura se encontrem nessa situação, que – na medida do possível – aproveitem esses contatos, que certamente serão de grande utilidade na hora da tomada de decisão quanto a ir para fora ou não.

  3. Julio Petruchio
    4 anos ago

    Meses atrás conversando com alguns amigos, o que vemos na sociedade brasileira como um todo é o seguinte: Cada um puxando a sardinha para seu lado, querendo garantir o seu sem se preocupar com as conseqüências no futuro.
    O único comportamento coletivo que vemos no Brasil é dos políticos, para roubar cada vez mais, mais e mais Exemplo disso temos aos montes, mas o mais recente foi o caso do “Nobre” Deputado Donadon. O povo se contentando com o Bolsa-Família, Minha Casa Minha Vida, Minha Casa Melhor, Bolsa Presidiário, o Empresário feliz com seu faturamento, mesmo que pagando propina para ter certos benefícios, suas aquisições em Imóveis “para investir”, morar num condomínio fechado longe das mazelas sociais, trafegando com suas SUV´s ou carros de luxo, os bilionários felizes com os contratos do governo para fazerem suas obras.
    Enfim, quem está se f****** é quem está no meio, que financia tudo isso aí.

    Aquelas manifestações de Junho não passaram de “modinha” e “fogo de palha”, depois “voltou tudo como dantes no quartel de Abrantes”
    De resto, a preocupação do brasileiro é carnaval, futebol, funk, novela, axé, e as pessoas mudando a preferência sexual.

  4. André Rocha
    4 anos ago

    O que dizer??? Acho que já passou da hora da classe se unir, independentemente da habilitação, ou função no setor aéreo… Devem unir-se de forma organizada e pressionar o Governo, e as próprias empresas aéreas para que o setor melhore… Porque não fazem uma greve de verdade por dois ou três dias e mostram para o Brasil como seria se eles não existissem… Falta união da classe…

    • Felipp Frassetto
      4 anos ago

      André, se me permite:
      Não sei se o motivo seria realmente este. Mas, sendo ou não, o fato é que greve, no Brasil, geralmente faz com que o tiro saia pela culatra. Independente da categoria, motivo e justiça da causa, a percepção do público quase sempre é ao contrário daquela que o grevista deseja. Assim é em universidades públicas, polícias, transporte público, etc. E se não afeta quem não usa o transporte aéreo (portanto, quase que a população inteira, mesmo que boa parte dela o tenha experimentado nos últimos anos), aí mesmo, pode esquecer.
      Se a TAM o fizesse, com toda a certeza seria alvo de comentários os mais diversos e, com o governo atual, seria crucificada como única culpada pelos problemas do transporte aéreo.
      Seus acidentes seriam rememorados e a mostrariam como incompetente e decadente; os salários, principalmente dos comandantes, seriam motivo para comparação com as pessoas pobres e desempregadas; o simples fato de ser uma empresa aérea seria explorado como que querendo tachá-la de elitista e “instrumento de ricos”; etc.
      Posso estar equivocado com a comparação mas, a Varig por exemplo já serve para muitas lições. Mesmo não tendo feito greve, foi; diria, maltratada pelo governo. E, convenhamos: era um símbolo do que o brasileiro pode fazer de bom. No entanto, disse o Lula (logo quem em se falando de greve) que “a função do governo não é dar dinheiro a empresa privada”, ou algo assim…
      E mesmo agora, em que septuagenários fazem greve de fome para receberem o que deveriam ter recebido há décadas, quem se importa?…

      • Raul Marinho
        4 anos ago

        Como assim “A Varig não fez greve”??? Eu tenho um amigo que fez greve na Varig qdo era copila de Electra na ponte aérea!!! Não sei porque esse tabu quanto a greve de aeronauta… Greve de metroviário é muito pior para a população, e acontece direto!

  5. Alcebíades Paulino
    4 anos ago

    Maravilhosa iniciativa! Que seja um exemplo a ser seguido! Força Companheiros!

Deixe uma resposta