“Uso do GPS em aviões encurtará voos dentro do Brasil, a partir de dezembro”

By: Author Raul MarinhoPosted on
541Views5

Vejam a seguir a notícia do Correio Braziliense, complementada pela reportagem da Folha (ambas com a fonte do Aeroclipping do SNA), sobre as mudanças que finalmente chegam na navegação aérea do Brasil:

Uso do GPS em aviões encurtará voos dentro do Brasil, a partir de dezembro
Mais eficientes, novas rotas diminuirão o tempo das viagens. Empresas aéreas economizarão, em média, 1,5% com combustível
Sílvio Ribas
Ana Carolina Dinardo


Sistema já está sendo testado nas linhas regulares da Gol entre o Rio de Janeiro e São Paulo

O Brasil começa a redesenhar as rotas aéreas a partir de dezembro graças a uma radical mudança tecnológica na gestão do tráfego aeroespacial pela Aeronáutica. O novo sistema, baseado em localização de aeronaves via satélites (GPS), está sendo testado nas linhas regulares da Gol entre o Rio de Janeiro e São Paulo e chegará a 10 aeroportos até abril, incluindo Brasília. Coordenada pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), a atualização, baseada em alta performance, vai encurtar distâncias, reduzir tempo de voo e melhorar a operação dos terminais.

A expectativa das companhias é alcançar uma economia média de 1,5% de combustível com os trajetos mais eficientes e retos. A notícia vem em boa hora, quando as empresas se desdobram para reduzir a conta do querosene de aviação, responsável por 40% dos custos operacionais e que vem sendo diretamente pressionada pela disparada recente do dólar. “O novo sistema trará economia a todos os voos, sobretudo nas ligações entre as maiores áreas urbanas, e ainda permitirá aproveitamento maior e mais seguro das aerovias e dos aeroportos”, comentou Pedro Rodrigo Scorza, diretor operacional da Gol.

Representadas pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Gol, TAM, Azul, Avianca e Trip pediram ao governo, no mês passado, desonerações de impostos e de tarifas aeroportuárias, além da adoção de medidas para baixar o preço do combustível. A entidade calcula que, em razão da alta do dólar nas últimas semanas, a média dos preços das passagens já subiu 4%.

.

Tempo de voo da ponte aérea SP-Rio pode cair 8 minutos
RICARDO GALLO
DE SÃO PAULO

Um projeto anunciado ontem pelo governo federal em parceria com empresas privadas prevê baixar em até oito minutos e meio a duração do voo entre os aeroportos de Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio) –rota mais movimentada do Brasil.

Simulações da Aeronáutica indicam que, a partir de dezembro, a ponte aérea SP-Rio poderá ter um tempo médio inferior a 36 minutos –ante os atuais 44 minutos.

Na prática, os passageiros ficarão menos tempo no voo do que para percorrer de carro, no rush da tarde, os 6,6 km do corredor da av. Rebouças e rua da Consolação.

A duração das viagens de avião também deverá baixar gradativamente em outros aeroportos, entre os quais Brasília, Curitiba e Confins (MG).

Inicialmente, os aviões da Gol participarão. A TAM deve se juntar depois.

A redução de tempo será possível porque as rotas utilizados pelos aviões serão mais diretas, encurtando a distância entre as cidades.

Isso se dará por meio de uma tecnologia que permite aos aviões se guiar nos céus 100% por satélite –na etapa de cruzeiro e na aproximação para pousar num aeroporto.

Hoje a navegação conta com auxílio de equipamentos na terra, que transmitem dados via rádio para a aeronave e orientam sua localização. Esse modelo é considerado menos preciso.

 

 

5 comments

  1. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Falando nisso, o risco de se chegar vivo em casa aumentou bastante depois que autorizaram a gente a fazer umas GPS approach por aí. Um exemplo é Montes Claros, onde antes tinha um procedimento meio tenso lá com um NDB e os montes não tão claros assim em volta…

  2. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Vai acabar a STAR Zeca Pagodinho lá no GIG?! Sabem, aquela que cruza por cima do aeroporto e vai até Xerém antes de voltar?!

  3. Faço minhas as palavras do Humberto. Não adianta “modernizarem” o hardware e software, se o recurso humano fica sempre lá atrás, sob todos os aspectos (salário, condições de trabalho, treinamento etc). Há trocentos anos que lá nos EUA é assim. Na última vez que eu voei de Teterboro para Las Vegas, o ATC nos autorizou diretamente para o IAF do procedimento de aproximação para o destino, poucos minutos após a decolagem. Bom, sonhar é de graça…

  4. Humberto Rodrigues
    4 anos ago

    Com os órgãos ATC, gerenciamento da circulação aérea e a infraestrutura aeronáutica que temos!?
    DUVI-DO-O-DEU-DÓ!

Deixe uma resposta