Estilo de vida e desafio: é isto o que move os aviadores!

By: Author Raul MarinhoPosted on
734Views31

Há um leitor deste blog que assina como Chumbrega, que eu não sei quem é – somente que é (ou, pelo menos, era até a semana passada) copila de A320 na TAM –, que escreve comentários muito interessantes aqui no blog. Muitas vezes, eu concordo com o que ele diz, mas mesmo quando discordo, o que ele escreve continua sendo algo que vale a pena ser lido. Foi o caso de um comentário seu da semana passada, no post “Pelo visto, o sonho da Gol é ser uma Passaredo!”, que reproduzo abaixo, para, em seguida, argumentar o que penso sobre o que ele escreveu. Muito do que vou falar tem a ver com o que publiquei em “Bons e maus motivos para ser piloto”, então acho interessante que quem for continuar a ler esse post, dê uma passada d’olhos naquele texto para entender melhor o que vou falar. Então, vamos lá.

Na boa, qualquer um que investe nessa carreira [de piloto] hoje em dia é doido! Gosto muito do que faço, e apesar dos pesares, gosto da empresa em que trabalho [a TAM]. Mas se eu pudesse voltar ao meu segundo grau, teria feito outra coisa da vida. Com o FIES e pro-uni, até quem é bem humilde tem condições de fazer medicina, direito… pra qualquer jovem que esteja pensando em voar, eu dou o seguinte conselho. Vá pra FAB, pro exército, seja oficial da PM do seu Estado e faça curso de piloto lá. Não bote a grana da sua família em aviação. Nem um centavo. Se você conhece o conceito de custo de oportunidade, seja inteligente, bem, aproveite as boas oportunidades. Vire médico, hoje qquer um consegue ganhar 20 mil por mês (sem residência ou com residênciazinha mequetrefe em clínica geral – não estou dizendo que residência em CG é mequetrefe, mas que há residências mequetrefes) e trabalhar como dotô sem ser incomodado. Rapidinho você vai comprar seu cirrus e, believe me, você vai ser MUITO mais realizado que como piloto profissional…

Pois é… Concordo com o Chumbrega em certo aspecto. Se o que motiva alguém para ser piloto for, exclusivamente, a vontade de pilotar uma aeronave (aqui entendido como manobrá-la: subir, descer, curvar, pousar, decolar, etc.), então ser piloto profissional é uma péssima escolha. Ainda mais ser piloto em linha aérea, voando sob os olhares atentos do FOQA o tempo todo! Mas será que é isto o que um piloto profissional procura? Será que foi isto o que o próprio autor do comentário acima estava procurando quando decidiu ser piloto profissional?

No post que eu recomendei a leitura acima (“Bons e maus motivos…”), disse que um dos bons motivos para ser piloto seria “Gosto do estilo de vida que a profissão de piloto requer” – mas isso (o estilo de vida) você não consegue sendo um médico dono de Cirrus! Se você gosta do estilo de vida da aviação e quer ser piloto por este motivo, não há alternativa, meu irmão: o único jeito é ser piloto! Não adianta você fazer outra coisa na vida (ser médico, advogado, prestar concurso, etc.), e pilotar nos finais de semana, porque isso não vai lhe satisfazer. Aliás, nem sendo piloto da FAB, do Exército, ou da PM, como o Chumbrega recomendou, tampouco vai adiantar, pois o “estilo de vida de piloto” a que me refiro é o de um piloto da aviação civil, exclusivamente – e não tem nada a ver com o estilo de vida de um piloto militar ou da PM (que, por sua vez, têm carreiras com estilos de vida próprios que, para quem gosta, são insubstituíveis).

Mas há outro fator que leva as pessoas a se interessarem pela aviação que não foi comentado no post acima referido, e que agora quero citar: o desafio que é conseguir se estabelecer como piloto. Quando escrevi “Bons e maus motivos…” (início de 2012), ainda estávamos numa época em que as pessoas se matriculavam nos aeroclubes iludidas pelo canto da sereia do “apagão de pilotos” – ou seja: muitas pessoas se interessavam pela aviação porque essa seria uma maneira fácil de ser dar bem na vida, ganhar muito dinheiro fazendo algo divertido, sem precisar ter uma faculdade, etc. Ocorre que o grande motivador dos verdadeiros aviadores costuma ser justamente o oposto: as pessoas querem pilotar profissionalmente pelo desafio que isso representa!

Ser piloto é difícil, é caro (e não tem bolsas de estudo nem financiamento), é complicado, o mercado de trabalho é hostil (e a ANAC, então, nem se fala!), as inspeções de saúde são rigorosíssimas, a tecnologia está em constante evolução, as provas, cheques e avaliações são constantes, e, ainda por cima, corre-se risco de vida permanentemente! Poxa, quer desafio maior do que ser piloto no Brasil!? Pois é, mas é justamente aí que reside um dos grandes atrativos da profissão para muita gente. Não estou dizendo que é certo ou que é errado ser assim, mas o fato é que as dificuldades da carreira, de saber que mais de 95% das pessoas que se matriculam num curso de PP não chegam a checar o PC, o permanente risco de ser ejetado da profissão numa renovação rotineira de CMA, a montanha russa do mercado de trabalho, e até o risco de vida que a atividade carrega, são a grande motivação de muita gente para ser piloto.

Na verdade, num passado recente, quando as pessoas iam direto do aeroclube ou escola de aviação (paga pelo papai na XPTO, de preferência) para a linha aérea, esse tipo de ingresso na carreira de piloto era permanentemente execrada nos fóruns de discussão, Facebooks e afins como o cúmulo do absurdo da degeneração da “legítima aviação”. Foi nessa época que a Azul, que era quem mais contratava esse tipo de profissional, era jocosamente chamada de “aeroclube de jato” pelo pessoal do no pain, no gain. Quem se dispuser a vasculhar as discussões da época (2009-10) nos fóruns de discussão como o Contato Radar pode comprovar facilmente isso.

Então, meu caro Chumbrega, pelos motivos acima, eu não posso concordar com a sua recomendação para que as pessoas escolham carreiras fora da aviação e “matem as lombrigas” de voar nos finais de semana – não acho que essa estratégia possa funcionar para quem quer o estilo de vida e os desafios típicos da aviação. Na verdade, eu até ousaria dizer que você mesmo estaria reclamando da vida se tivesse feito a escolha que recomendou…

Somos doidos? Possivelmente, sim. Mas como diz a música:

Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz

(A propósito, essa música tem uma estrofe assim: “Se eles têm três carros, eu posso voar”…).

31 comments

  1. Dr. Paula Gomes
    7 meses ago

    Quanta falta de respeito a quem carrega nas costas a missão de salvar vidas, veja bem VIDAS… Não sabe quantos livros um medico lê, não imagina o preço de cada um desses exemplares. Medicina é, sem duvida, a profissão mais nobre que existe e mais difícil também, pra ser um médico você precisa de muito mais do que fazer dois cursos de 3 meses. FAÇA-ME FAVORES!

  2. carlos vinicius
    1 ano ago

    Ser humano ingrato esse, tem coragem em citar o nome ”aviador”, comparando-a com um médico, se interessando pelo salário. um piloto ou um aviador de verdade nunca reclamaria pela questão do salário, digo isso a respeito de um aviador de verdade, piloto falso

  3. carina
    3 anos ago

    Pois é, cada um defende sua “tese”. Depois que te formas piloto, adquire experiência e vai para uma cia aérea onde conhece vários lugares; hotéis e tal. Compra um carro, uma casa e depois casa, monta uma família, acompanha na medida do possível o crescimento dos filhos, perde aniversários e comemoração do Dia dos pais mas, isso é a vida; no auge da sua felicidade perde o emprego e é obrigado a trabalhar no exterior. E agora? Deixa sua família e vai para lugares onde tem ebola, dengue, onde não se pode sair na rua só com escolta e por aí vai. No seu currículo há 12 mil horas de vôo nos mais variados aviões. De que serve se no Brasil não tem uma vaga? Este foi o desabafo da esposa de um grande piloto.

  4. Viktor Flyer
    4 anos ago

    Sem dúvida que um dos melhores caminhos para se tornar piloto é a aviação militar, devido a estabilidade(custos tbm) e poder voar aeronaves que estão longe do alcance dos “meros mortais”: civis rs.Fora o fato de poder se aposentar novo e poder trabalhar na aviação civil recebendo por dois rs. Até um tempo atrás isso era uma meta na minha vida, porém o problema da fab é seu rigoroso exame médico e eu fiquei pelo caminho na tentativa de ir para a academia. Tentei, mas com carteira só de pc mono tá difícil! Agora estou na engenharia elétrica e vejo que o QI é muito menor por aqui e continuo mantendo minha carteiras. Não quero desanimar ninguém, mas se puder estudar um “pouquinho” mais e entrar na fab que com certeza a dureza vai ser na academia(AFA) mas depois é vida mansa, a galera não conhece isso infelizmente. Os salários da aviação civil são bons e creio que tempos melhores virão, quem está nessa luta, desejo força pq precisamos dos aviadores civis tbm.

  5. Gustavo
    4 anos ago

    Existe algum post que trata de como é o estilo de vida de cada setor da aviação ?
    Chequei meu PP recentemente e descobri que não quero o estilo de vida de um piloto de linha, porém gostaria de saber a realidade pura da rotina das outras áreas, caso contrário a hora de parar os gastos é agora.

    Obrigado. Abraço.

  6. Eduardo Lopes Paixão
    4 anos ago

    Nobres Cmtes/entusiastas, por ironia do acaso cheguei a este blog e tive a honra de ler sobre o tema ‘Vale a Pena ser Piloto’. Vi aqui citações dos leitores dizendo que seria mais ‘garantido’ ser médico ou advogado etc, pois, digo eu, assim como a aviação é mar para ‘peixe’ estas carreiras citadas aí também são, explico: Quem de vocês contrataria um advogado recém formado para lhe representar em um processo judicial? Ou, quem de vocês contrataria um serviço médico, uma cirurgia para retirada do apêndice, por exemplo, com médico recém formado? Heim, heim? Nem é preciso esforço para responder a estes questionamentos. Um (a) engenheiro(a)/advogado(a)/médico(a)/dentista/ piloto etc. por figurarem na categoria das funções de confiança, em grande parte das contratações dependem de ‘QI’, é isso mesmo, ‘QI’, O que quero dizer é o seguinte: Todas as carreiras, sejam elas técnicas, acadêmicas ou liberais passam pela mesma e atual crise. Os nobres colegas acham que não existem médicos/advogados/engenheiros procurando emprego? Existem e aos montes. Hoje em dia ter curso superior virou moda, e, com este novo panorama, o mercado se tornou mais seletivo/saturado em todas as áreas, de sorte que aqueles que se dão melhor são os possuidores de ‘QI’. Isso sem contar que a advocacia é uma categoria formada de profissionais que se odeiam cordialmente, digo isso categoricamente, vez que possuo capacidade postulatória. Enfim, ser piloto vale muito a pena, desde que se busque a plenitude da alma com a profissão, assim as portas se abrem uma hora ou outra, independentemente de crise, afinal, quem faz o que gosta não precisa trabalhar.

    Saudações.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      A diferença, meu caro, é que um médico tem programas de residência para começar a carreira; um advogado pode prestar concurso para a defensoria pública, um engenheiro entra num programa de trainees, e assim por diante. Já para o piloto recém-formado, não há nada estruturado, ele que vá dar instrução ou voar no garimpo, e erga as mãos para o céu se conseguir. Esse é que é o problema…

      • Eduardo Lopes Paixão
        4 anos ago

        Sim, entendo. Não sei ao certo como é a trilha dos médicos, mas para ser defensor público o advogado deve ter no mínimo 2 anos de prática jurídica após o exame da OAB, nestes 2 anos tem gente que trabalha por salário mínimo e se não tiver um bom QI acaba desistindo da carreira porque não consegue sobreviver, vez que advogados experientes normalmente odeiam novatos e fazem o possível para desestabilizá-los e alijá-los do mercado, conheço várias pessoas que passaram por isso… mais ainda, para prestar o concurso público de defensor, tomando como parâmetro o estado de São Paulo, é necessário se dedicar integralmente aos estudos e fazer um bom cursinho pois a concorrência é enorme e a nota de corte chega 96 pontos em um processo seletivo que tem fase objetiva, dissertativa, oral, médica e de estudo social, normalmente quem passa nestes concursos são pessoas que não precisam trabalhar, só estudam e ainda têm um bom suporte de parentes (advogados) que colocam o nome da pessoa nas procurações e petições para conseguir comprovar o tempo de prática jurídica, meus tutores no tempo de estágio na Defensoria Pública e Procuradoria Federal, todos, sem exceção, se enquadram nesta equação. Quanto aos programas de trainee, não é novidade pra ninguém que o QI, novamente, vai pesar muito para uma contratação… se você procurar vai encontrar engenheiros brilhantes trabalhando em centros automotivos/obras pequenas, pois nunca conseguiram a sonhada vaga de trainee… Ou seja, a grama do vizinho é sempre mais verdinha, os caminhos são estreitos, não há vaga para todos, e, quem é ‘peixe’ se dá sempre melhor. Eu também estou na corrida pelo meu PPA, sei que é bem difícil mesmo, desgastante, porém, diferentemente das outras áreas, existe a camaradagem que é peculiar de hangar, as pessoas se ajudam, se preocupam com você, as amizades são verdadeiras e não artificiais como em escritórios de advocacia/grandes empresas. Enfim, não sei se consegui passar a mensagem que queria, mas digo com toda certeza, o caminho do advogado recém formado, de origem humilde e sem QI é muito parecido com o do piloto recém formado, de origem humilde e sem QI. Saudações e parabéns pelo excelente blog.

    • Regina Vieira
      3 anos ago

      Eduardo, belas palavras, meu caro!!! Disse tudo e mais um pouco.

  7. Esse tópico esta em ressonancia com o próprio nome do Blog-paraserpiloto-, gostei muito da leitura e me permita mais um ponto de vista.daquele sujeito que é fascinado pela Máquina e tudo que a faz voar , motores , as leis da física envolvidas , a atmosfera , o domínio da maquina e deixando de lado ( como se fosse possivel ) a questão sustento financeiro ,leis do mercado de trabalho ,legislação…
    Hoje a aviação o que mais cresce no Brasil é a desportiva e experimental , e acaba absorvendo esses estusiastas e criando pilotos -não profissionais – que acabam por realizar então seu sonho de dominar a ” encantadora maquina de voar – ”
    Essa fatia da aviação -apesar das más estatisticas – pode servir então para o individuo ” ser piloto” , seguindo outra profissão que o realize ,inclusive no quesito financeiro , e NÂO ENTRE na fatia profissional da coisa , fazendo volume e criando frustação.
    Resumindo , tem como estar no meio aeronautico , ser ser da ala profissional , e pode crer ,é bem mais legal

  8. Chumbrega
    4 anos ago

    Raul, me sinto enobrecido por ter sido citado por você. E fico feliz que ninguém tenha me hostilizado (por enquanto). Acho que vale a pena aprofundar um pouco mais em por que eu disse o que disse. Pois bem:

    1) Em relação ao “vá pra FAB…”, acho que todo mundo entendeu bem: custo de formação. E não tô falando do “brevê” apenas, mas de toda formação. Esse pessoal que se forma nas forças armadas e auxiliares têm a faculdade paga (curso de oficial = curso superior, praqueles que nao sabiam), muitas vezes pós graduação (e até mestrado), e cursos complementares, como SGSO, CENIPA, idiomas e etc. Além disso, têm emprego garantido por +- 30 anos e aposentadoria, plano de saúde e etc. Pro garoto que entra na EPCAR com 15, ele sai full coronel com 50, e ainda pode voar por 15 anos +-. 50 anos é “muito” pra quem tá começando, mas esse pessoal NUNCA fica sem trabalhar. E eles não tão começando.
    Ou seja: “todos” os problemas que os “mortais” enfrentaram, você se livra deles ao ir bem em “uma prova”, como eles mesmos dizem, que é o concurso de admissão. Depois disso, vc tá resolvido. É óbvio que há “setbacks” também, mas quem não tem?
    E, pergunte pros colegas que estão sem trabalho, o TANTO que é difícil se recolocar, principalmente em épocas como a que estamos vivendo. Tem gente que vai dizer: “vá para o exterior!”. Pode ser, mas tem gente q tem esposa que trabalha, tem gente que tem os pais doentes, tem gente que tem filho com necessidade especial e q torna difícil a vida no exterior. Tem gente que dá mais valor há conviver bem com essas coisas, permitir que os filhos tenham convívio com os avós, ou seja, que os pais convivam com os netos, e etc. Tem gente que valoriza poder fazer um churrasco com os amigos, ir em Ipanema, falar português, tudo isso tem o seu valor, assim como voar 777 na Emirates. “For each its own”, não tem regra. Morar em Dubai não é solução pra todo mundo, ainda que tenha capacidade.

    2) Em relação ao salário de médico, talvez eu tenha generalizado um pouco. Mas pouco, não muito! Tem prefeituras que pagam SIM salário de 20 conto pro P.S.F. Em relação ao Cirrus, não sei qual é o valor da parcela. Mas acho que poucos comprar um novo, ou sem ser em sociedade. Any case, acho que deu pra entender.

    3) Em relação ao lifestyle, concordo. O estilo de vida é, sem fato, único. E atraente, ainda hoje. Entretanto, tem sido cada vez menos. O salário, o glamour e os hotéis já não são essas coisas. E eu gostava e achava graça na aviação leve. Na comercial, não tem papo de hangar, churrasco com os amigos, contação de causos. Tem sim muita reclamação (e eu, perto de colegas, não reclamo NADA), briga com a chefia e etc.

    Ah: podem ficar tranquilos. Eu sou quem eu digo que sou, até porque o q tenho pra ganhar falando lorota e fingindo ser quem não sou? Mas prefiro não me identificar de nenhuma forma, pq aí posso falar o q penso sem rabo preso!

    AH – desejo boa sorte pra todos! Tenham paciência e persistam, eu comecei novo, e só consegui porque meus pais puderam me ajudar. Ainda assim demorei quase 10 anos de curso teórico de PP até ganhar a vida como piloto. Hoje tenho quase 3, e não sei dizer ao certo se me “arrependo”. Mas digo que eu talvez, tendo as informações que tenho hoje, eu pensaria duas vezes em seguir esse caminho. Me comparo com contemporâneos de escola, e a maioria ganha melhor e com muito mais empregabilidade que eu. Pra quem tá nos 30 e poucos, começando a vida, isso conta muito…

    • flavioveiga
      4 anos ago

      Caro Chum,
      Desculpe me meter.
      Nao gostei do seu comentario inicial, mas nesse agora, conseguir entender um pouco melhor sua opniao.
      Antes de mais nada, acho bom vc nao se indentificar. Trabalhei em empresa no Brasil e sei que poucos ajudam, mas pra falar mal e atrapalhar, fazem ate fila e pegam senha.
      Gosto muito do Blog do Raul, principalmente pq ele mostra que é possivel ser piloto e da caminhos que eu nunca imaginei desde que comecei (Sim, Brainstorming é mais eficiente que uma cabeca sozinha).
      E quando vejo um post contrario ao ideal do Raul, me chama a atencao. Pois tenho frustados na familia (que nao viraram piloto) e o Raul tenta justamente nao deixar que esse numero aumente.
      Sua opinao é boa, mas inicialmente poderia ter sido colocada de outra forma…. Nao assusta os novinhos nao po! ;o)
      Seu texto acima sobre Poder/Nao poder, Querer/Nao querer ir pra Emirates acho que resume a conversa. Graças a Deus podemos escolher (Muitos nao puderam!). Voce esta onde esta, porque assim decidiu, e consegue se “livrar” disso e conseguir algo pior ou melhor, se desejar. Da uma pensada com calma em qual aviacao voce quer estar OU se é na aviacao que quer estar.
      Somos novos, se viramos pilotos em “10 anos”, temos mais 20 anos para continuar ou tentar 2 profissoes a mais.
      Tem muito jato executivo no mundo, helicoptero, e ate helicoptero que trabalha pra hospital (juntando suas duas ideias). Aprendi a reavaliar minhas metas a cada 5 anos, mas hoje faço a cada 3 anos.
      Escrevi no Post inicial um comentario, copio e colo aqui…. Espero nao estar MUITO errado. So estou tentando ajudar. Forte abraco!

      “Tenho um colega que era Neuro-cirurgiao e hoje é feliz e Cmte de 737 no Brasil. Outro que infeliz de ser Cmte de 737 foi pro E170 morar no interior de SP e agora esta feliz.
      Outro que cansado de ser copila de 737 por duas decadas virou Cmte de King. Amigos que nao saem do Brasil e outros que nao pensam em voltar. Um amigo que era pedreiro (sim!) e lutou e virou piloto de Seneca e sempre me disse “Subir para um King? Nunca imaginei ganhar o que eu ganho e voando! Me deixa aqui” e outros, meus vizinhos, que ganham 10x mais aqui fora que piloto de seneca e nao jantam fora pois dizem que com 3 filhos nao da pra viver. Nao é piada!
      Sempre alguem vai estar infeliz…mas felizmente outros nao estao.
      É so decidir onde queremos estar e mudar.”

      • Rafael
        4 anos ago

        Caro Flavio,

        Obrigado pelo seu relato, simplesmente fantástico!

        Abraços,

        • FVeiga
          4 anos ago

          Obrigado Rafa, mas nao fui eu, foi o vinho kkk

  9. rubens
    4 anos ago

    So pra complementar, gostaria de discordar do Raul sobre a dificuldade de seformar piloto, esta historia de ser mais cara, exigir mais estudos, exame medico “rigorosissimo” sou obrigado a discordar, este tempo ficou no passado
    Compara as outras no mesmo nivel de responsabilidade e rendimentos , exige o mesmo empenho e investimento, com as mesmas dificuldades para inicio de carreira. Nem mais nem menos, apenas tem variaveis mais peculiares, como Copa, expatriate.
    O exame medico “rigorosisssimo” tambem ficou no passado, ja falei isto antes: mais facil que CNH ( pelo menos no meu CNH teve teste de ofuscamento e daltonismo, no meu CMA 1 classe não!!), outro exemplo, no CanalPiloto tem futuro piloto feliz da vida, relatando que apesar do Transtorno de Deficit de Atenção passou na prova da ANAC e CMA.
    Ha um tempo atras foi discutido aqui a criação de barreiras para o ingresso na aviação, pelo menos para PC. Este assunto deveria ser retomado.
    Como esta esta muito facil ser piloto

    • flavioveiga
      4 anos ago

      Rubens e Raul,
      Apesar de discordarem, eu concordo com ambos (Possível?)

      Realmente nao é dificil se tornar piloto. Pelo contrario, colei muito em trigonometria e na aviacao nunca fiz nada mais dificil que Regra de tres. E o CMA brazuca ta BEM mais manso que o Asiatico (apesar do FAA ser brincadeira….). Pelo preco de um cursinho qualquer em ADM (calma! Tbem sou formado nisso), se paga o curso de piloto mais os penduricalios do Raul…. Sim, facil.

      Mas, o ponto do Raul tbem é muito valido. A maioria dos que pretendem ser pilotos nao tem grana. E eu posso fazer medicina na Unesp a “zero” custo (entenda mensalidade) ou nos USA a 80mil ao ano. Infelizmente em Av nao existe Aeroclube publico ou Cota para …. (Deixa eu me calar).
      E nao é so querer, que conseguira. Meu avô queria, ganhou o PP num concurso e nao conseguiu pagar o PC em 82 anos de vida. Meu pai queria e Dautonismo é No Go na FAB e nao tinha grana, mas é Engenheiro formado em Federal. Um Fabiano achou uma cicatriz no fundo de olho de um amigo e este tbem tomou nao na FAB, nenhum outro medico ate hoje achou a cicatriz.
      E dos meus 36 amigos do PP teorico no ACSP, nao sei de NENHUM que terminou o PC.

      Essa aviacao é tao estranha, que me faz concordar com opnioes divergentes…..pode?

  10. rubens
    4 anos ago

    Entendo o que o Chumbrega quiz dizer quando falou não “seja doido” , mas escolher uma profissão somente pensando no retorno financeiro e na oportunidade do momento é a maior das besteiras que alguem pode fazer. Tanto faz se esta profissao é piloto ( apagao dos pilotos) ou medicina (Programa mais medicos).
    Percebe a armadilha? Ha 5 anos atras a bola da vez era aviação, agora é medicina….

    EM TESE : O sujeito tem mais chances de fazer bem feito o que se dispoe a fazer se ele amar a profissão, fazendo melhor, tera mais sucesso, colocações melhores, mais reconhecimento, mais dinheiro … TAMBEM EM TESE o sujeito “puramente racional/calculista” que pensa pelo lado da oportunidade, bom negocio só se sentira realizado no final da jornada SE obtiver exito, ele não tem prazer no processo, a unica realização possivel é a fama e o dinheiro SE ele chegar lá.
    Sem duvidas o cara tem que fazer o que gosta, ninguem duvida e questiona isto, sera realizado e tera mais chances de sucesso. O problema é que tem muito pano preto na aviação, de uma forma geral as pessoas fora do meio teem uma visao esteriotipada da profissao e pensam somente na aviação comercial. A Aviação comercial é uma das faces da aviação, a mais conhecida, talvez por isso ocorra a debandada nos aeroclubes. A comercial tem mais a ver com o “estilo de vida piloto” do que com pilotar propriamente dito, no sentido de voar a aeronave.
    Concordo com a opção : “Cirrus e seja feliz” pra quem curte voar e nao necessariamente gosta da vida de piloto,pode ser um ultraleve até mesmo um Trike, mas pra quem quer a vida de piloto nem um Cirrus nem um Legacy particular satisfaz. A pessoa teria que avaliar com isenção e verdade o que reamente a atrai antes de se engajar em algo, p

  11. Só uma coisa: se ainda há alguém acreditando que ao ingressar na Aviação estará “se livrando de estudar muito”, como numa faculdade, é bom repensar. Estou nisso há mais de 33 anos e estudo praticamente todos os dias, ainda mais nessa gangorra em que se transformou o nosso mercado de trabalho (não é só no Brasil; trabalhei 10 anos lá fora; é um pouco melhor, mas a instabilidade persegue a gente por toda a parte). Principalmente quando você se torna um expatriate, em que a concorrência é mais acirrada e os processos são funis bastante estreitos.

    E – se você me permite a oportunidade, Raul – gostaria de informar aos colegas que têm interesse em tentar a vida no exterior que a FlyDubai – em função do empenho pessoal do Cte. Waner Freyesleben, recrutador daquela empresa – virá a São Paulo (previsão 13 a 18 de Outubro) para efetuar um screening no estilo “road show”, para comandantes e copilotos de B737 NG, tanto rated quanto não rated.

    Quem estiver interessado e ainda não tiver se candidatado, o link é http://www.flydubai.com/en/pilots/ . No que concluir o preenchimento e tiver submetido o application, é só enviar um e-mail para ele (wanercom-aviation@yahoo.com), manifestando a intenção de participar do processo e informando o número (4 dígitos) do application.
    Boa Sorte a Todos.

    • Enderson Rafael
      4 anos ago

      Great tip! Pois é, Fábio, ser piloto é estudar pra sempre. A sorte é que a matéria é ótima! Um grande abraço!

      • Enderson Rafael
        4 anos ago

        Em tempo, eu e a torcida do flamengo estamos abaixo dos mínimos:-(

        • flavioveiga
          4 anos ago

          Relaxa Ende,
          Com a torcida do America de Pindamonhangaba subindo ou vazando.
          A torcida do Flamengo vai se qualificando e se dando bem tbem.
          A boa noticia é que a 10 anos atras, o comentario da Geral era “coitado! Se deu mal e foi pra fora” e hoje é “Nao vejo a hora de ir embora, nao aguento mais isso aqui”.
          Se a Av grande no Brasil tende a acabar, a aqui de fora nao cansa de contratar.
          E o melhor, os minimos sempre baixam (no longo prazo)

  12. Hudson Eduardo
    4 anos ago

    É como diz o ditado:
    “A rapadura é doce mas não e mole não!!”

  13. carlos barros
    4 anos ago

    Raul. Um médico para conseguir ganhar R$ 20.000,00 reais tem duas opções: 1) Trabalhar como médico de família em prefeitura com a carga horária de 40 horas semanais além de ter um outro emprego nos finais de semana para completar os R$ 20.000,00 reais; 2) trabalhar em vários locais durante a semana para receber os R$ 20.000,00 rais, já que a jornada normal de médico é de 20 horas semanais e o salário giram em torno de R$ 5.000,00 reais, então o médico tem que trabalhar 80 horas semanais para receber os R$ 20.000,00. Portanto, a vida de médico não é tão fácil assim, principalmente para iniciante. Falo por conhecer o que a minha filha passa como médica em SP para ter uma renda razoável; é uma correria sem fim, fora os cursos de especialização que são caríssimos. Assim sendo se a pessoa for pagar um curso de medicina, o valor investido supera, em muito, o valor do curso de piloto, além de fazer uma residência médica no final do curso cujo salário gira em torno de R$ 2.500,00. Tenho um filho INVA, que disse para mim que não saberia fazer outra coisa na vida a não ser seguir a carreira de piloto. O que vale é ser feliz no que você faz. De nada adianta ser médico pensando em avião, pois o mesmo ficará “voando” nas consultas e tenha toda a certeza que ele será um péssimo profissional. Dificuldades vamos encontrar em todas as carreiras.

    • Rafael
      4 anos ago

      Gostaria de complementar um pouco o post do Carlos. Quero trazer para o grupo a perspectiva de outra área também. Já relatei que trabalho com TI em uma multinacional. Como todos sabem, o Brasil possui mais de 100mil vagas em aberto que não são preenchidas por causa que existe pouca gente qualificada.

      Às vezes, aparecem reportagens dizendo que o cargo XPTO pode ganhar até R$ 20 mil e etc… Bom, somente profissionais muito Sênior (depois do 40 anos) ou que dominam uma tecnologia/conhecimento muito específico conseguem chegar nesse patamar.

      Já larguei a área técnica alguns anos e estou na área comercial, mesmo assim, não é muito simples (mesmo com comissão) chegar nesse patamar. Sim, tem até alguns ricos, mas é para muito poucos. Talvez 0,1%.

      Com relação a estabilidade, a regra é clara Arnaldo! Você tem uma meta anual de vendas. Em grande parte das empresas, se você não bate no 1o ano, você tem mais uma chance. Se não bater no 2o ano, é rua meu amigo! Algumas são mais agressivas; se não bater no 1o ano, a porta de saída é bem ali.

      E ainda temos a nossa querida economia que está uma draga. Com isso, os clientes engavetam investimentos e projetos. Toda vez que um cliente te diz que tem que cancelar um projeto por questões orçamentária, mais perto da degola você fica.

      Tente fazer algum planejamento de vida, tipo financiamento de carro, casa, filhos e etc…

      Abraços

  14. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Precisão de um ILS CAT IIIC, Raul. Escrevi sobre isso no meu site hoje. Nós temos o privilégio de estar formados profissionalmente no que amamos. Sei lá, quase ninguém trabalha no que ama. Os médicos, inclusive, exemplos do Chumbrega, têm que estudar ainda mais e ter ainda mais vocação que nós, por sinal. Um médico sem vocação vai certamente ser ainda mais medíocre que um piloto sem vocação. E médico medíocre não consegue comprar Cirrus – e vocação dupla medicina/aviação deve ser algo bem raro. Enfim, a aviação tem vários perfis. De agrícola a longhaul de widebody, de exec de Tupi e medevac a exec de G650 e ser piloto da ONU. E um desses perfis é o “weekend warriors”, que constantemente pilotam tão bem qto o carinha que só tira o carro da garagem aos domingos e faz verdadeiras barbaridades no trânsito. E voltamos aquela velha dica da FAA: vc não precisa ser piloto profissional pra pilotar profissionalmente. Mas quem tem a paixão por pilotar profissionalmente, dificilmente se contentaria com se acabar de trabalhar em outro ramo e só voar nos finais de semana.

    Enfim, nosso amor pela profissão acaba nos matando aos poucos nas épocas de vacas magras. Desde os que estão empregados e voando pouco ou correndo o risco de serem demitidos até os que, como nós, buscam um lugar ao sol sem nada conseguir enquanto vemos pilotos que se titulam comandantes fazendo caca em cima de caca e ganhando pra isso na geral – é preciso certo esforço pra se manter nossa aviação 20 vezes mais mortal que a americana.

    Enfim, como diz o título do meu post lá no http://www.endersonrafael.com.br … “São tempos difícieis para os sonhadores”…

  15. asenci
    4 anos ago

    É o maldito do aerococcus…
    Contrai ele em solo, ainda criança e nunca consegui me recuperar…
    Sem dúvidas a vida seria mais simples sem ele… :)

Deixe uma resposta