“Anac e Polícia Federal investigam voos ilegais de drones no país”

By: Author Raul MarinhoPosted on
279Views8

Pois é… Como se não bastassem os “lasereiros” e os baloeiros, agora também há os “droneiros” para contribuir com a insegurança aérea em nosso país. Leiam essa reportagem do G1 sobre isso.

8 comments

  1. Felipp Frassetto
    4 anos ago

    Raul, e sobre as rádios-pirata?
    Do pouco que acompanho as notícias de aviação, pouco tenho visto isso, bem como nos comentários do blog, não me recordo de alguém tê-las mencionado, no que se refere a causar problemas para a aviação.

    Abraço.

  2. Felipp Frassetto
    4 anos ago

    Não sou do tipo que adora sentar o pau na polícia por qualquer coisa.
    Mas, uma vez que a reportagem tenha sido fiel às palavras dos entrevistados, achei “engraçada” a resposta das polícias.
    Não dá pra saber se é ignorância (daquela braba mesmo) ou ingenuidade.
    Tudo bem que ninguém precisa nascer sabendo das coisas e que o trabalho deles, via de regra, não envolve aviação. Mas, também ela não é tão incomum assim no meio policial brasileiro, independente de qual polícia seja.
    Será que realmente não teriam um mínimo de discernimento pra perceber que era sim necessário se informar um pouco mais?
    Mais ainda porque, conforme mostrado, foram escalões mais elevados que tomaram a iniciativa de usá-lo; o que é ótimo, é bom lembrar.
    Chega a ser vergonhoso.

  3. Löhrs
    4 anos ago

    Eu estava lendo um artigo sobre o aumento dos acidentes aéreos no Brasil onde a maioria é atribuída à aviação geral…
    Me assustam demais os loucos que tiram o PP nas coxas (ou o CPD e CPR que não é nem nas coxas mais porque o camarada “descola” a carteira com o chegado da Associação local e faz o CEMAL com o “médico” chegado da turma) compram os fox e os RV´s da vida, se acham os Von Richthofen porque conseguem “degolar” e pousar (mesmo que no catrapo) deslumbram-se naquelas telas de Garmin 1000 ou 900 e se mandam a voar FIR afora reportando (quando reportam alguma coisa) atingindo o FL 037, deixando o transponder desligado ou “ligado” em STBY entre outras barbaridades…Ou quando não enchem o corisco de tralha e ainda botam 4 bonecos lá dentro e vão decolar de uma pista de 800m ao meio-dia no meio do Tocantins….todo ano tem gente morrendo! Boa parte desses “aviadores” não conseguem manter uma proa e/ou altitude de CR$ sem um PA pra ajudar, dão umas variadas básicas de 500′ e quando acaba a bateria do Garmin (muitas vezes o 296 náutico ou o Trex de caminhada!?!)…apelam para o Deus do céu!
    Sem falar nos PAGR sem carteira (e muitas vezes sem NENHUMA) voando nos Goiás…(bom, pelo menos eles não saem com muita freqüência da rota “Área-base-área, mas quando saem passam a 3500′ lambendo na nossa cara, em aproximação ou subida como se fossem um míssil e fonia que é bom nada!)…
    e os auxílios-rádio que NÃO RARO estão INOP e quando estão OP o alcance é tão ruim que às vezes o VOR ou ADF (em extinção) “entram” quando já estamos em cima do circuito…ou frequencia de ACC que depois de um monte de tentativas só funcionam quando já estamos livrando a FIR ou as milhões de tentativas de contato com o APP para a descida que quando conseguimos temos que descaralhar pra baixo feito um foguete senão não pousa nem..E se não fossem os nossos amigos GNS série 400/500W e EX500, à noite, executar um procedimento ia ser dureza.
    Tudo isso quando não tem controlador novato falando bobagem ou pedindo pra manter 190 de indicada na aproximação num C90 ou 160 num Seneca (ou tá querendo que eu arranque as asas ou esqueceu das duas tampas de panela gigante gerando arrasto). E as REA? Especialmente a de SP? Já contei 14 alvos no TCAS…
    E os sustos que a gente leva pousando em pistas REGISTRADAS ou HOMOLOGADAS bonitinhas no ROTAER com umas determinadas características que chegando lá descobre-se que são outras (não, não esqueci de ligar nos telefones publicados (quando tem) ou consultar algum colega ou ainda de usar o Pilot´s help da Air BP) porque o DECEA demora milênios para fazer uma atualização de verdade. E isso quando a pista de pouso é usada para pouso e não para pastagem ou para fazer pega entre os boyzinhos rurais….

    …Então muito mais que os baloneiros doidões ou os science-fictioner droneiros ou os retardados que apontam lasers para os GOL e TAM na curta final, os elementos acima, na minha opinião, são os principais fatores de risco e insegurança nos céus do Brasil.

    • Enderson Rafael
      4 anos ago

      Com certeza, tem tanto caroço nesse angú que fica até difícil achar o angú… mas as estatísticas são cruéis conosco: comparados com a aviação americana, referência pra gente de muitas coisas, somos 20 vezes mais perigosos. Não é 50% mais, não é duas, três vezes mais. São 20 vezes mais: 2000%. E são 20 vezes mais perigosos do que uma aviação extremamente insatisfeita com seus índices de acidentes na geral. Ou seja, apesar da sorte dos que temos sobrevivido, um número imperdoável de vidas têm sido perdidas todos os anos nos nossos céus.

  4. Rubens
    4 anos ago

    Agora fiquei confuso!
    Como separar o que é aeromodelo de drone?
    Drone não pode…… aeromodelo pode…..
    Não vejo solução para isto, balão que é um troço grande, vistoso, demora pra ser lançado, todo mundo deste mundo sabe que é proibido, e mesmo assim continua sendo lançado e ninguem faz nada, imagina um drone: rapido , discreto e sem qualquer regulamentação especifica, nas reportagens tem delegados, que tem a obrigação do dever e de formação de conhecer as leis dizendo que não precisa de autorização da ANAC….
    No portugues claro , nós tamo fudido, não existe regras ou ordem nos ceus do Brasil.
    Me surpreende que existam poucos acidentes frente as barbaridades que vemos todos os dias

  5. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Brasil; porque desgraça pouca é bobagem.

  6. Alexandre
    4 anos ago

    Se é perigoso para os vôos tripulados ou não é outro assunto, para proibir é necessário uma lei prevendo, e esta não existe, aeronaves com menos de 115 kilos não tem legislação. Minha opinião é que os espaços aéreos definidos que tivessem legislação, aviãozinho de controle remoto na final da Pampulha ou parapente em REA do Rio podem causar um grande acidente, mas se deixar por conta da ANAC e do governo BOLIVARIANO aqui instalado, empinar um papagaio na sua fazendo no interior do Mato Grosso só vai ser possivel se o pipa tiver CAV , CME. RIAM e possivelmente IPVA que estão querendo colocar…

  7. Menezes
    4 anos ago

    Será que no fundo no fundo isso é porque não gera $$$$$$$$ a quem teria que gerar?

Deixe uma resposta