A cada vez mais estranha história da “retomada” do aeroporto de Maricá

By: Author Raul MarinhoPosted on
514Views6

Já faz alguns dias que eu publiquei os posts “Após queda de avião, prefeitura interdita aeródromo em Maricá, RJ” e “Afinal de contas: a prefeitura de Maricá pode fechar o aeroporto municipal? Eu acho que não“, sobre a esdrúxula situação do aeroporto de Maricá – um dos mais importantes do Estado do Rio para a instrução aérea -, arbitraria e ilegalmente fechado pela prefeitura. Pois muito bem. No final da semana passada, praticamente toda a prefeitura e a câmara municipais da comarca foram desfilar no aeroporto, comemorando a “retomada” das instalações aeroportuárias – que, de resto, nunca foi perdida, logo não poderia ter sido retomada -, como informa a “reportagem” (ou seria “informe publicitário”?) de O Fluminense. Nesse ponto, o que temos é um aeroporto fechado por quem não tinha poderes para tal; e uma retomada de algo que nunca fora perdido; com a expulsão de empresas supostamente irregulares – irregularidade esta evidenciada pela falta de alvarás, que a própria prefeitura se recusou a emitir. A coisa já está estranha, mas vai piorar.

Ontem, a rádio CBN realizou uma entrevista (ouça o áudio aqui) com um piloto que atua em Maricá, afirmando que era comum ocorrerem roubos de combustível das aeronaves lá baseadas, com substituição do conteúdo furtado por água. Roubar gasolina é algo relativamente comum em todo o Brasil, mas colocar água nos tanques já deixa margem a pensar em sabotagem – e, sabendo-se que o prefeito emitiu um decreto fechando o aeródromo horas depois do acidente (que ocorreu, ora vejam!, por uma súbita parada do motor), pode-se pensar mil coisas sobre esta denúncia veiculada pela CBN.

Por outro lado, finalmente alguém aparece para se manifestar de maneira sensata sobre este assunto. Leiam a seguir a Nota de Esclarecimento que a Escola QNE, baseada em Maricá, publicou ontem em seu site:

Nota de Esclarecimento – Operação Aeródromo de Maricá.

Comunicamos que nossas atividades de voo no Aeródromo de Maricá – SDMC estão TEMPORARIAMENTE suspensas em função do arbitrário e absurdo decreto Municipal expedido pelo Prefeito da Cidade, onde as operações nas instalações e pista foram interrompidas. Imediatamente as empresas que operam REGULARMENTE em SDMC, novamente acionaram o PODER JUDICÁRIO com objetivo de garantir o Estado democrático de direito e a qualquer momento teremos um posicionamento novo para podermos retomar nossas atividades. Não temos uma data definida, porém garantimos que todas as ações necessárias e legais foram ajuizadas e que não estamos medindo esforços para reverter a situação absurda instaurada no principal pólo de formação de pilotos comerciais do Estado do Rio de Janeiro, um dos 5 maiores na América Latina.
Estamos todos consternados com a perda do grande amigo João Soares, profissional exemplar e amigo querido por todos no aeroporto. O acidente do dia 11 de setembro com aeronave da entidade co-irmã, Aeroclube de Maricá, foi uma fatalidade terrível e em nada envolve a segurança das Operações no Aeródromo.
Maricá é reconhecida nacionalmente pela qualidade e segurança nas operações de instrução e formação de pilotos para o Brasil. Apesar de nova, a QNE Escola de Aviação já formou centenas de pilotos e em 4 anos voamos mais de 30.000 hs de voo sem nenhum ACIDENTE AERONÁUTICO.
Infelizmente o Mandatário da Cidade não possui conhecimento específico da atividade, o que ficou evidente com a publicação do decreto. Alegando falta de segurança, o acesso às Instalações e Operações na Pista foram simplesmente bloqueados pela Guarda Municipal. Com isso ficamos IMPEDIDOS de atender telefones, de prestar atendimento e esclarecimentos e por fim, impedidos TEMPORARIAMENTE de operar nossas aeronaves, gerando prejuízos para alunos e para a própria Escola.
Diante da situação, informamos que o atendimento pelos telefones (21) 3731-4656 e (21) 2637-1602 está instável e manteremos plantão prioritário pelas seguintes linhas:
* (21) 7440-5490 – CLARO
* (21) 8555-3876 – OI
* (21) 8364-7638 – TIM
* (21) 6702-6278 – VIVO

Ratificamos nosso posicionamento de acreditar nas instituições, no trabalho e na Justiça e acreditamos que nesta próxima semana teremos uma solução judicial. Paralelo a isso estamos organizando uma operação TEMPORÁRIA no Aeroporto de Guarapari para os alunos interessados. Não iremos paralisar nossas Operações e na medida do possível vamos mitigar todos os problemas atuais. Ressaltamos que os cursos teóricos serão regularizados esta semana, sem prejuízo na formação.

Assim que tivermos posicionamento novo manteremos toda a comunidade informada.
Atenciosamente,

Irwin Magalhães
Luiz Sergio Magalhães

Diretores QNE Escola de Aviadores

 

6 comments

  1. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Gente, a situação da QNE e de outras empresas que operam lá é surreal, só no Brasil mesmo um (*&&^dessa. E quanto ao roubo de gasolina e substituição por água… cara, respiro fundo e penso: será que existe mesmo aviação no Brasil?

  2. Julio Petruchio
    4 anos ago

    É… Em um Aeroclube da região a gasolina tinha também esse misterioso hábito de se transformar em água…

    • fredfvm
      4 anos ago

      O roube de gasolina em aeroportos e aeroclubes do Brasil é coisa tão corriqueira e fácil de se ver que é de arrancar os cabelos… em Recife já aconteceu muito isso…

  3. Beto Arcaro
    4 anos ago

    Tô falando…..
    Acho que esse Prefeito é “Baloeiro”!!
    Aqui em SDAI, coisas assim já aconteceram, mas, nunca ao ponto de “fazer a gente pensar”…

Deixe uma resposta