A reportagem do G1 sobre risco baloeiro

By: Author Raul MarinhoPosted on
399Views3

O G1 publicou ontem uma extensa (e, essencialmente, correta) reportagem sobre o risco baloeiro, baseada na publicação do RF do CENIPA (vide abaixo) sobre o incidente grave ocorrido em 2011, quando um avião da TAM com POB=101 se chocou com um balão, inutilizando todos os tubos de pitot e o sensor TAT: “Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447, diz Cenipa“. Entretanto, para os leitores daqui, não há muitas novidades nesta matéria, pois a maior parte de seu conteúdo já havia sido divulgada neste post de 19/09: “CENIPA alerta para a soltura de balões“. De qualquer modo, para quem quiser um pouco de diversão, a matéria do G1 está impagável, devido aos comentários dos leitores em seu final. Selecionei alguma pérolas para vocês lerem:

  • Vinicius Alvarenga
    sensores de qualidade salvariam algumas muitas vidas ne, isso se deve a economia na construçao, visando a minina qualidade e o maximo lucro… se uma usina de laminação onde tenho conhecimento, a parte eletrica e de comunicação de dispositivos, no caso sensores, atuam em 1200 graus e um balãozinho de São João consegue destruir mais de 100 familias… mundo capitalista q pra muitos , se enriquecer vale mais do que a vida do proximo… uma pena…. :S – [Poxa, Vinicius, fala pro pessoal da usina de laminação do teu conhecido entrar em contato com a Airbus urgente! #oportunidade]
  • Adriano Furriel
    O Balão surgiu antes dos aviões eis a questão, quem esta invadindo o espaço de quem? [É isso aí! Direito adquirido! Que voltem as caravelas, a monarquia, a escravidão…]
  • Israel Matzenbacher
    Tem que inventar uma forma de ejetar coletivo do avião, só assim teriam mais sobreviventes nos acidentes aéreos. [Mais uma ideia genial para a Airbus – e também para a Boeing, a Embraer, a Bombardier…]
  • Juiz Final
    Quem solta balão não tem mulher em casa, se tiver ela tá com o ricardão certeza [Não sou eu quem tô falando… Reclamem com o JF!]
  • Paulo Magalhães
    Montagem master, tudo pra acabar com os baloeiros, balao nunca chega a mesma altura do aviao seus burros!!!!!!!! [E o avião decola de 40mil pés, né gênio!]
  • Santos Silva12 horas atrás
    SE É PROIBIDO SOLTAR BALÃO… PROÍBAM TAMBÉM À VENDA DE BICICLETAS, EU NUNCA OUVI FALAR QUE UM BALÃO DERRUBOU UM AVIÃO, NO ENTANTO TODOS OS DIAS UMA CRIANÇA NO MUNDO MORRE OU FICA PARAPLÉGICA POR ANDAR DE BICICLETAS, — PROÍBAM ENTÃO AS BICICLETAS SEUS DITADORES— [Essa foi a melhor! Nada mais a acrescentar…]

– x –

Agora, falando sério, dêem uma lida no RF referido na reportagem. Está o melhor documento sobre o risco baloeiro que eu tive conhecimento até hoje:

RF PT-MZC 

3 comments

  1. Aleksandro Gardano
    4 anos ago

    Raul, não sei se me diverti mais com as pérolas ou com os seus comentários em cada uma delas ;))
    De juíz de futebol e médico (e parece que agora, também piloto…!), todo mundo quer ser um pouco!

  2. Beto Arcaro
    4 anos ago

    Esses comentários demonstram a existência de dois fatores, os quais a “História” prova, serem extremamente prejudiciais ao desenvolvimento da Humanidade, quando unidos:
    Altos níveis de “Ignorância e Fanatismo”!
    Acho que é mais fácil argumentar com “Nazis” do quê com esses “Caras”!

  3. Fábio Carvalho
    4 anos ago

    Se já não bastasse a aviação ter que estudar e conhecer alternativas de como lidar com a meteorologia, com os passáros, estão os balões e também os drones. Acredito que se houvesse regulamentação, critério, responsabilidade e respeito as regras, drones, balões, ovnis, pipas, super-homem ou qualquer outro marvel, poderiam ocupar os ares e céus do mundo sem problemas.
    Acontece que nem sempre quem solta balões entende sobre aviação e os impactos dos seus balões sem controle que podem entrar em rota de colisão com aviões civis e/ou comerciais. Tampouco muitos “droneiros” sabem as consequências de não respeitar os limites de áreas onde o melhor seria nem chegar perto com seus brinquedos.

    Já pensou se um droneiro com seu ‘Quadcopter + GoPro’ resolve sair fazendo um vôo FPV (First Person View) na rota de aproximação de Congonhas?
    Alguém com seu balão ou drone se tivesse que respeitar algumas áreas Delta, Papa, Romeo como temos que respeitar na aviação, será que isso ajudaria a minimar os impactos?

    For lack of attitude, rules only does not solve the problem.

Deixe uma resposta