Da insignificância dos Cessninhas

By: Author Raul MarinhoPosted on
216Views2

Vejam só o absurdo dessa história que o amigo Enderson Rafael me passou: “Small plane crashes at big airport; no one notices“. Resumidamente, é o seguinte: um C-172, só com o piloto, se acidenta no aeroporto de Nashville, pega fogo, e as autoridades só percebem o ocorrido horas depois. Pode isso, Arnaldo?

2 comments

  1. asenci
    4 anos ago

    Na matéria eles estão especulando que o piloto entrou VFR into IMC e não fez contato pelo rádio.
    Se ele estivesse voando muito baixo provavelmente o radar não iria pegar ele.

    Durante a noite teve uma neblina bem pesada lá, mas no horário estimado do acidente (03AM) a visibilidade estava boa.
    Barulho e bola de fogo às 03:00 e ninguém viu?
    Enfim…

  2. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Ainda estou tentando entender. Pelo que diz a matéria, o aeroporto estava com baixa visibilidade, era de madrugada – quando estes aeroportos estão bem mais sossegados. Se o Cessna 172 canadense em questão carregou um plano IFR, o FSS espera dar meia hora do estimado pro pouso e começa a agitar o resgate se não te achar no telefone. Se não carregou – e pra voar VFR não é obrigatório – ninguém iria te procurar, a menos que você estivesse com flight following (sob vigilância). Fosse num aeroporto não controlado daria pra entender, muita gente pratica IFR approaches em aeroporto não controlado em IMC sem falar com ninguém (o que óbvio, é ilegal, pois você não pode voar em espaço aéreo controlado em IMC sem falar com o controle – e nos Echos Transition ele começa em 700ft agl, pouco acima dos mínimos). Mas em Nashville?! É um Class C, você nem pode entrar num Class C sem falar com ninguém, seja VFR ou IFR. Àquela hora, provavelmente, nada acontecia por ali, talvez o Cessna tenha chamado e ninguém respondido – já tivemos casos de controladores dormindo antes. Vai saber… A pista em que ele se acidentou dispões de ILS. Bom, o NTSB vai nos contar depois. Mas é um caso no mínimo inusitado, pra não dizer triste.

Deixe uma resposta