Será que um dia veremos uma associação da aviação geral agradecendo publicamente a ANAC?

By: Author Raul MarinhoPosted on
361Views10

Eu acho que não… Mas, nos EUA, isso está acontecendo! Vejam essa matéria que a AOPA publicou na semana passada (fonte: perfil do Fábio Otero no Facebook), sobre mudanças na FAR-23 que darão mais flexibilidade à aviação geral de pequeno porte: “New law gives GA reason to be thankful“.

10 comments

  1. José Luís
    4 anos ago

    Bom dia Raul,

    Sei que este não deve ser o caminho para deixar mais essa da ANAC, mas você tem até como gerar um post sobre o assunto.

    Como já sabemos a nossa sogra ANAC, sogra não que a minha e muito boa, sempre interpreta a regra sem regra nenhuma, ao gosto de quem está no comando, não existe preto no branco na ANAC e sou um dos pioneiros da ultima novidade.

    Enviei meu inicial de PCH + Revalidação de Tipo R44 no dia 28/11 para a ANAC e no dia 02/12 recebo uma uma mensagem sobre a mudança de status do meu processo, e a alegria de pensar que a ANAC mudou e tudo estava resolvido rápido acabou em 1 minuto quando acessei o sistema e recebi a mensagem abaixo:

    Para que sejam apresentadas menos de 150 horas totais de voo(mínimo de 100 horas em helicóptero),é necessário que sejam apresentadas as declarações de instrução comprovando que TODAS as horas foram realizadas em um curso de Piloto Comercial de helicóptero aprovado pela ANAC. As declarações de instrução devem informar os nomes das escolas onde as horas foram realizadas.(RBAC 61.101 (2)(i)).

    Bom, a Abraphe e eu checamos os documentos, mínimos de horas e os demais detalhes, e tudo estava correto, porém o problema já tinha acontecido uma semana antes, mas sem informação sobre a razão; e vamos nós para o recurso.

    Recebi agora uma ligação da Abraphe informando que a ANAC quer que para todo processo inicial de PCH seja enviada a documentação solicitada e a declaração de instrução do curso de PPH para comprovar que você fez as 100 horas em escola homologada, e nessa a perna treme quando o cara fez o PPH em 2002 e uma das escolas já não existe (graças à Deus é do mesmo dono da escola onde concluí minha formação de PPH).

    Então fica a dica para os mais novatos, e para os mais velhos que não concluíram sua formação básica, que guardem todos os seus documentos: folhas de diário de bordo, fichas de avaliação,declarações, grounds, notas da lanchonete do aeroclube e a foto da seleção se 70 (desculpe a piada), pois ANAC pode pedir o que quiser e quando quiser.

    E nunca esqueçam que a regra sempre muda, seus direitos adquiridos também e que quem deveria “gerenciar” o bom funcionamento da aviação, não consegue nem ter informações e capacidade de mantê-las para usar quando necessário.

    Obrigado pelo espaço para o alerta-desabafo … e toca desmarcar vôos e provas por conta dos nossos grandes amigos.

    Será que um dia vamos agradecer a ANAC ???

  2. fredfvm
    4 anos ago

    Da ANAC eu só tenho a agradecer, pela demora dos processos e pela alta burocracia, pois com isso meu serviço como despachante está sempre em alta. As brechas no sistema complicam a vida dos pilotos e como as dificuldades de entender o sistema é grande, essa me ajuda muito pois sei onde bypassar os erros e sei como agilizar, sem complicação, os documentos e processos com agilidade.

  3. Beto Arcaro
    4 anos ago

    Ah sim!
    Aqui a insatisfação é sobre “se vai ser possível” voar, num futuro próximo!
    Essa deliberação da FAA tem muito à ver com aquelas modificações nos Cessnas 172 “antigos” da Red Bird.
    Acho que tem também à ver com um artigo do Dick Collins, sobre um acidente fatal com um Twin Bonanza, no qual os motores estavam muito além do TBO.
    Comentando sobre o acidente, ele dizia que ficava difícil para as empresas pequenas manterem os aviões antigos voando com segurança. O TBO dos motores do Twin Bonanza ficava mais caro que o valor de mercado do Avião!
    Tudo à ver com a crise econômica, não?

  4. Rodrigo Edson
    4 anos ago

    O ser humano é reclamão por natureza. Ele já nasce chorando!!

    kkkk
    Abs

    Rodrigo

  5. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Em terra de aranha, quem tem 7 olhos é caolho…

  6. Beto Arcaro
    4 anos ago

    Nos posts de comentários do pessoal da da AOPA, não se vê tanto otimismo assim….
    Mesmo assim, a “nossa” ANAC, nem seria capaz de “entender” medidas como essa!
    Por lá eles dizem que a FAA tem o seguinte slogan:
    ‘We´re not happy, untill you´re unhappy!”

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Em nenhum lugar do mundo os entes regulados gostam das entidades reguladoras – quer na aviação, quer fora dela (na verdade, seria até temerário se isso acontecesse). Mas há uma diferença de ordem de grandeza entre a insatisfação do piloto americano com a FAA e o brasileiro com a ANAC…

      • Fábio Otero
        4 anos ago

        É aquilo: tudo é relativo. Quem está acostumado com o que é bom ou mesmo apenas razoável (e não sabe quão ruim é a realidade além-fronteiras), tende a criticar o único que conhece. É do ser humano, isso. Em 33.5 anos de carreira, convivi – principalmente – com o “finado” DAC, depois a ANAC, FAA, KMOCT / CASA (Coréia), JCAB (Japão), AACM (Macau S.A.R.), INAC – JAA (Portugal – UE) etc…de todos, pelo menos na minha experiência, o FAA (com o qual interagi como treinando/estudante, piloto, instrutor, checador, empresário-importador, broker etc etc) sempre foi – “BY FAR!!!” – o mais organizado, eficiente e razoável…mas eu tenho essa noção pq tinha parâmetros para comparação, ao redor do planeta, tanto no 1o. quanto no “5o.” Mundo. Acredito que a percepção deles, lá nos EUA, deva-se justamente à ausência de conviver com o ineficiente, o mal aparelhado, o corrupto, o arbitrário etc…

Deixe uma resposta