Sobre salários de pilotos: o que realmente importa

By: Author Raul MarinhoPosted on
674Views6

Quem acompanhou o post “APA Pilotos: Comparativo entre aviação comercial e executiva” percebeu que nada menos do que 5 comentários foram para desqualificar a média salarial apresentada pelo autor do artigo – porém, nenhum desses comentaristas apresentou valores alternativos. E sempre é assim, quando se discute salários de pilotos: não importa que número se apresente, sempre vão dizer que ele é irreal, mas dificilmente alguém vai mostrar qual seria a realidade salarial efetiva do mercado (lógico, pois o sujeito sabe que também seria contestado). E depois tem gente que ainda questiona o fato de o autor daquele artigo ter preferido permanecer no anonimato… Quem seria louco o suficiente para assinar um artigo onde se cita média salarial? Só para ser espinafrado depois, nos hangares da vida?

Honestamente, eu também acho que os números apresentados no artigo da APA estão superestimados. Ocorre que não faz nenhuma diferença se a média salarial é realmente aquela, um pouco (ou muito) mais, ou um pouco (ou muito) menos, pelo seguinte:

  • Quem já está inserido no mercado sabe melhor do que ninguém qual é a sua realidade salarial (a média para sua região, qualificação, tipo de equipamento, etc.); e
  • Quem ainda não está inserido no mercado vai trabalhar pelo que lhe for oferecido, e isso depende das relações de oferta e demanda no momento da contratação.

Então, como parâmetro, os números apresentados no artigo da APA estão satisfatórios: eles mostram qual é a realidade para o autor do artigo, e se a realidade particular de terceiros for diferente, isso não os invalida. Este é o primeiro ponto importante que acho que deveria ser esclarecido.

O segundo é o seguinte: independente de a média salarial dos pilotos ser aquela ou não, o que mais importa é saber que a profissão de piloto é muito pouco escalável – sobre escalabilidade salarial, sugiro ler os posts Pilotos e escalabilidade – Parte IPilotos e escalabilidade – Parte II. Disso, se conclui que um piloto – ganhe ele o que o artigo da APA diz ou não – jamais ficará rico na sua profissão; mas também não ganhará menos do que se considera como típico para alguém de classe média. Isso é que é realmente importante.

E o terceiro é quanto à possibilidade de voar no exterior. Hoje em dia, as companhias asiáticas e árabes estão oferecendo salários da ordem de US$250mil/ano para comandantes de A320/B737, o que significa que dá para economizar ao redor de US$100mil/ano sem grande esforço. Ora, então, com dez anos de trabalho no exterior, dá para fazer um pé de meia da ordem de US$1milhão, o que é um valor bem respeitável em termos de reserva financeira. Este seria um caminho para se pensar, se o objetivo for conquistar metas financeiras mais arrojadas no longo prazo trabalhando como piloto.

Finalmente, gostaria de comentar um outro assunto, também referente a salários de pilotos, que foi o que gerou discórdia entre os comentaristas Chumbrega e Antonio Faro no post “Azul, a nova opção de carreira internacional no Brasil (inclusive com A350)“: a questão do salário do piloto X tamanho da aeronave (na aviação comercial). Partindo do conceito de escalabilidade, o raciocínio do Chumbrega está correto, e quanto maior o avião, maior deveria ser o salário do piloto – afinal de contas, se cada passageiro paga uma fração do salário do piloto, quanto mais passageiros houver na aeronave, maior a margem para aumentar o salário da tripulação. Isso tem lógica, e corresponde à realidade em certa medida. Entretanto, também há questões de oferta e demanda envolvidas que não podem ser desprezadas, e é por este motivo que um comandante de B747 ganha, atualmente, menos que um comandante de E190 no mercado asiático, apesar de um Jumbo carregar muito mais gente que um E-Jet. Isso se dá por uma conjuntura de mercado – a relação de comandanteXavião é muito maior para o 747 do que para o 190 -, que acaba por distorcer o que se poderia esperar pelo conceito de escalabilidade. E, no fim das contas, o que manda mesmo é o mercado, e ponto final…

 

6 comments

  1. Ricardo Nery
    3 anos ago

    Raul, você poderia incluir o tema helicóptero em seus tópicos? só vejo assunto relacionado a avião aqui no site.
    abraço.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Ricardo, vc não faz idéia o quanto eu me esforço para incluir material sobre asa rotativa no blog. Mas há pouca oferta, e muito pouca colaboração dos leitores, infelizmente. Além disso, grande parte dos posts que escrevo são total ou parcialmente aplicáveis a helicópteros, como é o caso deste.

  2. Barbara
    3 anos ago

    Realmente salario de piloto sempre gera muita discussão e existe muitas pessoas que mentem sobre seus salários. Mas uma coisa é fato, quando se é um bom profissional e está em auge de sua carreira, ganha-se muito bem. Compare com salários de outras profissões????pouquíssimas profissões ganham 15, 20 e 30 mil. Até mesmo os que ganham em torno de 10 mil comparado aos demais, ainda é bom salário. Quanto ganha um promotor e um juiz, 15 600 reais líquidos. Professor universitário com doutorado, ganha em torno de 10 12 líquidos e olhe lá…Então eu penso sobre o fato de ficar ou não rico com a profissao de piloto depende e muito da maneira que a pessoa resolve investir seu dinheiro. Conheço pilotos agrícolas que são muito bem de vidas, carros que giram em torno de 100 mil reais, casas, chácaras e uma vida de extremo conforto. Comandantes internacionais todos que conheci eu considero ricos pelo padrao de vida que vi levar. Sem contar o lance de poder viajar de graça com a família, Agora se a questão é ficar milionário ninguém fica milionário ganhando salario, isso é fato! seja um juiz, promotor, piloto, professor…terão um vida de muito conforto, mas não milionários. Mas piloto é uma das únicas profissões que conheço que a pessoa tem prazer em trabalhar, por que geralmente todos fazem o que gosta.
    Uma vez uma mulher me perguntou quando ganhava um piloto e eu respondi: no auge de carreira em torno de 30, 35 mil e ela disse: nossa mas tudo isso, juíz não ganha isso e eu respondi: quanto custa uma faculdade de direito???30 mil???sabe quanto se gasta pra formar um piloto????e quanto custa uma aeronave da tam por exemplo???acho que são coisas sem comparação…
    Sobre os salários sempre será assim, uns ganhando muito e outros poucos, como em todas profissões… Mas eu conheço diversos pilotos com os salários postados aqui.

    • Rafael
      3 anos ago

      Oí Barbara,

      Concordo com o seu comentario. 1- Ninguem fica milhonario sendo empregado. No maximo, se chegar no topo da cadeia alimentar de uma empresa grande. E não vai ser o advogado, o engenheiro ou administrador, vai ser o executivo. E vale lembrar, para ser executivo bem remunerado e com uma bela conta bancaria, não eh facil! Varios anos de stress, madrugadas & fins de semana & viagens (longe da familia) e metas a serem cumpridas. Lembrado que no mundo corporativo, metas não cumpridas = demissao.
      Na minha humilde opniao, a profissao piloto eh muito parecida com outras profissoes no Brasil: o inicio eh duro e se leva uns 5 anos para comecar a ganhar um salario descente. Depois se leva mais uns 5-7 anos pra ganhar um salario bom. Depois mais uns 10 anos pra ganhar aquele salario qur voce nem precisa mais se preocupar em fazer conta.

      Abracos,

  3. Enderson Rafael
    3 anos ago

    O que faz o salário do widebody ser maior numa mesma cia do que nos narrow é o perfil do voo. Enquanto alguem faz 70 pernas de 1h na ponte, digamos que 30 delas noturnas, voando 22 dias por mês, o mesmo cargo com o mesmo valor/hora voando wide pra Europa vai fazer as mesmas 70h em 6 pernas, quase todas noturnas, voando uns 16 dias por mês. Ou seja, vai ganhar mais e folgar mais, com o valor da hora sendo exatamente o mesmo. Por isso a ideia de plano de carreira é tão atraente.

Deixe uma resposta