Exame.com: “8 passos para fazer a sua rede de contatos funcionar”

By: Author Raul MarinhoPosted on
325Views5

Num mercado altamente dependente do QI, a matéria “8 passos para fazer a sua rede de contatos funcionar” publicada pela Exame.com é extremamente importante. A seguir, eu reproduzo os tais 8 passos com um comentário adicional específico para o item 4, do qual discordo em parte:

1) Invista em autoconhecimento

Quem é você? Quais são suas forças e fraquezas? O que você pode oferecer ao mercado?

É fundamental saber responder a essas questões para saber quais são os ambientes e quem são as pessoas de que vale a pena se aproximar.

2) Domine seu ambiente

Procure reconhecer as oportunidades e ameaças do seu entorno. De acordo com Carlos Felicissimo, diretor executivo do Group 4, você deve fazer tanto networking interno – isto é, para sua “sobrevivência” no seu emprego – quanto externo – no mercado de forma geral, visando a oportunidades de longo prazo. Invista no seu ambiente conhecido sem ignorar o mundo lá fora, e vice-e-versa.

3) Defina seus “alvos”

Tenha claros os seus objetivos com o networking. Quem você quer conhecer? Em que empresas ou setores você deseja ser conhecido? Que tipo de pessoas quer atrair para o seu círculo? Sem responder a essas perguntas, você perderá tempo e energia com conexões improdutivas.

4) Seja preciso em suas escolhas

Invista tempo e energia apenas em interações de qualidade. Para conseguir se relacionar com as pessoas certas, frequente eventos relevantes para a sua área de atuação e participe de fóruns e discussões na internet em que você pode se destacar como contribuidor.

Aqui, tenho minhas discordâncias… Às vezes, pessoas aparentemente sem nenhum poder de influenciar na sua contratação – por exemplo: um mecânico – acabam sendo decisivos. Talvez um pouco menos de foco do que o sugerido possa ser melhor.

5) Cuide de sua imagem

Com seus objetivos definidos, decida que perfil você quer transmitir de si mesmo. Você quer parecer um profissional maduro, sério e confiável? Ou prefere ser visto como alguém mais jovial, inovador e arrojado?

Cultive uma imagem coerente com os seus objetivos profissionais e adapte sua comunicação a esse padrão.

6) Procure cativar o outro

Saiba ouvir e fazer o outro se sentir acolhido. Para Surama Jurdi, a chave para um bom networking está nas conexões emocionais que você estabelece com os demais.

Manter um contato humano, pessoal e caloroso com o outro são atitudes capazes de despertar uma impressão favorável a seu respeito – e fazer toda a diferença lá na frente.

7) Explore tanto o ambiente online quanto o offline

Redes sociais como LinkedIn e Facebook ajudam a “azeitar” relacionamentos presenciais, e vice-e-versa.

É fundamental buscar um equilíbrio entre os dois universos para tirar proveito do melhor que cada um pode oferecer. Vale dar continuidade às suas interações por meio de diversos canais, do email ao tête-a-tête.

8) Tenha paciência

Administre suas expectativas com base no seu tempo de experiência. Relações geralmente são construções de longo prazo – e, portanto, exigem esforço e persistência para funcionarem.

Preocupe-se menos com o número de contatos que você pode acumular hoje, e mais com a profundidade dos relacionamentos que serão importantes para você amanhã. A recompensa tarda, mas não falha.

5 comments

  1. Josue Carillo
    3 anos ago

    Boa análise! A parte de relacionamentos, concordo em gênero, número e grau…

  2. Marcius
    3 anos ago

    Gente… primeiro passo: crie raízes onde a aviação anda.
    Não adianta ficar num lugar que não avança.
    Basta 01 (UMA) pessoa para te colocar no lugar certo.
    Segundo passo: procure essa pessoa. Ela não é red bull, mas te dará asas.

  3. Drausio
    3 anos ago

    Tomara que, depois de se preocupar em atuar de tal e tal maneira, para conseguir isso e aquilo, para que tudo junto leve o piloto a um emprego, ainda sobre uns cinco minutinhos para estudar, treinar e se aprimorar no que realmente é relevante para o desempenho da tarefa para a qual ele é contratado.
    Se bem que, em tempos de fly by wire, tudo é tão automático e intuitivo que dispensa teoria e treinamento.
    Ou será que não?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Muito treinamento e nenhum QI = fora do mercado por estar desempregado
      Pouco treinamento e muito QI = fora do mercado por estar no cemitério
      Tem que balancear uma coisa e outra…

  4. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Aí é que tá!
    Certíssimo!
    Mesmo quando o mercado, a economia, não ajuda, só assim pra se ter mais chances.
    Não existe outro jeito!

Deixe uma resposta