12 motivos para ser piloto

By: Author Raul MarinhoPosted on
554Views7

Já que reclamam tanto que este blog desestimula as pessoas a se tornarem pilotos, então resolvi dar uma injeção de motivação aeronáutica na veia, só para variar. Abaixo, uma reprodução do artigo “12 Reasons You Should Be A Pilot“, do boldmethod.com – um dos textos mais legais que eu já vi da linha motivacional para a aviação.

A questão, pessoal, não é que eu desestimule as pessoas a perseguir o sonho de ser piloto. Trata-se de uma decisão editorial: este blog é um espaço voltado a quem já possui motivação mais que suficiente para ingressar na carreira da aviação civil (e, de preferência, já esteja pelo menos em processo de formação), mas que precise ser orientado sobre os riscos e armadilhas que encontrará pela frente na sua caminhada para ser piloto profissional. A parte fácil e/ou prazerosa dessa caminhada, eu não preciso tratar… Isso, as pessoas já tem (ou deveriam ter) quando chegam aqui. Mas hoje, como é véspera do início da Copa do Mundo, resolvi fazer esta exceção. Aproveitem porque não é sempre que isso acontece…

12 Reasons You Should Be A Pilot

Tuesday, 06/10/2014

12) There’s nothing like your first solo flight.

The second you take off on your first solo flight, every pilots comes to a shocking realization: that YOU are the only person in the world who will get the plane back on the ground safely. When you land, you’ll realize that you’ve done something that so few people around the world have accomplished.

pilot-reason-1

11) You learn more about yourself.

Your decision making changes very quickly as you’re trained to judge challenging situations thrown at you at a moments notice. You’ll learn what your limits are and what kind of work it takes to improve them.

pilot-reason-2

10) You fly when, where, and how you want.

Are you tired of pushing through packs of people waiting to get searched by the TSA? Private pilots get to avoid all of that mess, flying themselves directly where they need to go.

pilot-reason-3

9) You’ll quickly lose your fear of heights.

This one’s pretty self-explanatory. If you become a pilot, you’ll be forced to leave that fear of heights behind.

pilot-reason-4

8) It can lead to some pretty cool careers.

Put your finger on any continent of the globe and you’ll find a pilot there. The different careers you can hold as a pilot are incredible.

pilot-reason-5

7) People think this is what you do.

There’s a certain respect that comes with being a pilot. For me, I’ve always been greeted with a “Wow, you’re a pilot?!” Some of your crazier friends might ask to do a few loops though…

pilot-reason-6

6) The destinations.

It’s no secret that pilots get to travel a whole lot. Whether its around your state, or around the world, you’ll get to see and experience things like never before.

pilot-reason-7

5) You’re a member of an elite club.

In the United States, about .2% of the population has a pilot’s license. If you want to stand out from the crowd, this is a great way of getting there.

pilot-reason-8

4) You get to share it with friends and family.

Showing off your city from above with that new piloting ability is so much more fun with other people in the cockpit. Since getting my license, I’ve had people begging for flights… You surely will too!

Piper Warrior

3) It’s a challenge.

If flying wasn’t a challenge, it wouldn’t be nearly as rewarding. And without the bad days, there couldn’t be good days. Remember that as you begin training, it won’t always be easy, but it will always be rewarding.

pilot-reason-10

2) It’s in your blood.

Flying is addictive. For most of the new pilots out there, it’s been a longtime, if not lifetime, dream to become an aviator. That itch to take the controls doesn’t fade easily.

pilot-reason-11

1) You have the best view in the world.

pilot-reason-12

Do you have a friend that wants to be a pilot? Do you have friends that don’t understand why you love flying so much? Pass this on and they’ll “get it” right away.

7 comments

  1. Eric Ribeiro
    2 anos ago

    Dai o cara coloca os motivos em inglês…

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      O “cara” é o Boldmethod, um blog publicado nos EUA, na língua daquele país.

  2. Rudolf Fonseca
    3 anos ago

    Raul,

    Esse negócio de “paixão pela aviação” é um assunto que rende muitos comentários. As pessoas que eventualmente te criticam por desestimular os futuros

    profissionais, do meu ponto de vista, ainda não possuem maturidade (digo isso apenas do ponto de vista da “vivência” e, portanto, não pejorativamente

    falando) suficiente para separar os sonhos da vida real. É uma questão de tempo e, principalmente, de um posicionamento crítico. E é aqui que o seu site se

    destaca: é despido das paixões quando da análise dos problemas. É objetivo! É crítico!

    Minha história, como a de muitos outros, é de uma criança que sempre olhou para as máquinas voadoras com um olhar diferente. O efeito que os aviões causavam

    em mim era o mesmo que aquele que causa o ímã próximo a uma bússola. E como tal, foi para lá que direcionei minha vida – embora eventuais desvios durante o

    percurso. Essa estranha força que nos move em direção às máquinas, e ao voo, é como aquele indivíduo chato que sempre está ao seu lado, te cutucando para lhe

    lembrar da sua presença e de que você tem um caminho a percorrer com ele. Para mim, tanto quanto um sonho, foi um chamado irresistível. O sonho, graças à

    Deus, a muitas pessoas, e à minha teimosia, foi realizado. Não foi fácil. E nunca o é. Mas cheguei lá. Mas, onde é “lá”?

    É nesse ponto, em minha opinião, que as coisas começam a se diferenciar. “Lá” são lugares diferentes, que variam de acordo com a pessoa – seus sonhos, seus

    valores, suas necessidades.É a realização de um sonho? E qual é, ou era, exatamente, seu sonho? Temos que ser sinceros com nós mesmos para responder essa

    pergunta – e isso é uma questão de valores. Chegar “lá”, significa suprir todas as nossas necessidades – quaisquer que sejam elas? Podemos responder essas

    perguntas de formas variadas. Contudo, há muitos pontos gerais que podem ser observados entre muitas respostas. Comecemos pelo “sonho de voar” ou de

    “pilotar”.

    Acredito que, para a maioria das pessoas – e em geral, das crianças – que acalentam essa aventura, o importante é estar dentro da máquina, se elevando nos

    céus não importando de que forma isso se dará. Ora, sabemos que muitos deles (e delas, é claro) não têm a mínima idéia da diferença entre um comandante e um

    copiloto, entre um bimotor e um monomotor, entre uma aeronave turbo-hélice e uma à pistão. Onde quero chegar? Quero dizer que “lá”,de um modo geral, é quando

    você se torna um profissional apto a atuar como piloto de aeronaves. A partir desse ponto, portanto, não é apenas um sonho realizado. É, também, uma

    profissão. E como tal, deve ser encarada com seriedade, respeito e sem ilusões. Aqui é o divisor de águas. Alguns param nesse ponto e seguem vivendo sua vida

    desfrutando de um sonho que já acabou. E acabou não porque você não gosta mais de voar, ou porque as máquinas já não exerçam o mesmo magnetismo de antes.

    Acabou por ser um sonho que já foi realizado. Isso é bom! E é preciso ir em frente. Para além de um sonhador, é preciso ser um ser humano, um profissional.

    Ser um ser humano é dar vasão a outros projetos (pessoais ou profissionais), a outros desafios. Nosso cérebro é carente de novas informações – e isso nós vemos quando descobrimos que a cada coisa nova que aprendemos criam-se novas conexões neurais, que vão dar longevidade à nossa capacidade de pensar e de analisar as coisas e situações ao nosso redor. Ser um profissional, significa estar atento aos desafios da profissão e buscar equacioná-los da melhor forma possível – sem paixões, com humildade, respeito, conhecimento e responsabilidade.

    Ifelizmente, nossa realidade hoje não é das melhores. Mas também não estamos à beira de um precipício. Há luzes que brilham em meio à escuridão. E às vezes essa situação em que nos encontramos nos chateia. C’est la vie! E para aqueles que estão adentrando nesse mundo, os assusta – pois de fora conseguem olhar apenas para as supostas coisas boas. E a partir daí, vai de cada um, de seus posicionamento perante a si e à vida.

    Para finalizar, com o tempo descobrir que minha “paixão” não era paixão. Era necessidade. Mas essa necessidade não é a “aviação”. É voar! E você pode fazer isso de inúmeras formas. E também pode fazer outras coisas que você descobre, ao longo da vida, que também valem muito a pena: como pedalar, velejar… e por aí vai. Não vivo os sonhos. Eu tento realizá-los. E para não se frustar, nada como viver no mundo real. E para aqueles que vivem apenas de sonhos, nada pior que a realidade (não confundir com pessimismo). Como diria Delfim Neto: não sou pessimista. Sou um otimista bem informado.

  3. Só as imagens do Post ( com excessão da segunda ) ja Elevaram meu Ânimo …
    Pelo Visto o Editor já esta contagiado pelas festividades da Copa.

  4. Löhrs
    3 anos ago

    Raul, muito embora eu já encare a aviação de uma forma totalmente diferente do que encarava quando comecei a 20 anos atrás, devo dizer que aprecio bastante seu estilo de linguagem e a forma isenta de paixões com que vc escreve. Vc está certíssimo, a aviação (especialmente a brasileira) não é um mar de rosas e a questão deve ser abordada de forma profissional. Abraço!

  5. FLAVIO PINHEIRO
    3 anos ago

    Na minha opinião, o assunto sobre aviação tem que ser verdadeira, isso aqui não é um conto de fadas, existe muitas falhas e muita gente desisti porque se torna difícil continuar, quem quer entrar nesse mundo, tem que gostar, porque se for por dinheiro, você está na profissão errada meu amigo, muita gente acha que você vai fazer o curso de PPA, PC, PLA e pronto vai trabalhar na Emirates ou Qatar da vida, ganhando 40 mil por mês… Pode ter a sorte de acontecer isso, mas o caminho é muito diferente e doloroso para quem não é forte… Então já vão se preparando para os tombos e decepções, porque só os que batalham vencem…

Deixe uma resposta