FAA irá mudar o sistema de avaliação (e de instrução) de pilotos

By: Author Raul MarinhoPosted on
248Views6

De acordo com este artigo – “The New Way Pilots Will Learn To Fly” – do John King, dono da King Schools (uma das maiores escolas de aviação dos EUA), o sistema de avaliação de alunos de aviação nos EUA irá mudar do atual PTS-Practical Test Standards para o ACS-Airman Certification Standards. E, por causa da mudança no processo de avaliação, todo o processo de ensino irá mudar também, passando do foco em “segurança de voo” para o de “gestão de riscos do voo”. Parece uma simples questão semântica, mas não é.

Lá como cá, o piloto hoje é cobrado para mostrar suas “habilidades de pilotagem”: seu “pé e mão”, seu julgamento para efetuar uma rampa de aproximação bem feita, sua destreza para lidar com emergências, etc. Não que isso deixará de ser exigido no futuro, mas o foco em “gestão de riscos” vai muito mais longe, e a partir da entrada em vigor do ACS também serão cobradas habilidades sobre, por exemplo, como decidir sobre uma decolagem numa situação em que o vento de través está no limite do aceitável (o artigo do J.King faz uma longa consideração sobre este exemplo). Ou seja: muito mais do que “saber voar”, o ACS irá investigar se o piloto “sabe pensar”, se é que vocês me entendem.

Agora, a pergunta clássica: e a ANAC, quando é que mudará o foco da avaliação/instrução no Brasil? Não sei. Pode ser que ela siga a FAA em breve ou nunca faça isso. Mas não importa: não é porque esse tipo de abordagem não seja exigida pela agência reguladora, que nós não possamos implementá-la voluntariamente agora, se quisermos. Afinal de contas, não é a nossa pele que está em jogo? Fica a dica para alunos e gestores de aeroclubes/escolas de aviação.

 

6 comments

  1. Enderson Rafael
    3 anos ago

    Na verdade essa mudança é gradual e vem sendo feita há anos. ADM (aeronautical decision making) já reprova em checkride da FAA faz tempo, e mesmo o “scennery based oral” já não vem de ontem. Não será nada brusco sair do formato do nosso querido PTS para um novo formato. A FAA tem enfatizado mto a segurança na aviação geral pois não anda nada satisfeita com a quantidade de acidentes por lá (proporcionalmente muito menos que aqui, mas sabe como eles são perfeccionistas). E mesmo com requerimentos com até 100 horas a mais de voo, e checks super exigentes com orais de horas e voos com todas as manobras treinadas durante o curso todo, eles sabem que dá pra melhorar.

  2. Beto Arcaro
    3 anos ago

    É…pensar é que são elas!
    A ANAC mudar de foco?
    Raul,
    Qual é o foco da ANAC?
    Até hoje, não descobri.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      O foco do “manual da ANAC” que fique claro…

      • Beto Arcaro
        3 anos ago

        Ah tá! Precisa ver se ela conhece o próprio manual. Se esse manual condiz com a realidade podendo assim, ser mudado para “outra”.
        Atualmente, o problema é bem mais sério como no outro post, sobre a falência do sistema de instrução aeronáutica.

  3. Bom, de repente ele está se referindo mais à instrução elementar (Part 140 / 141), pq no treinamento avançado (142 – Training Centers) já se foca no CRM e Processo de Tomada de Decisões há muito tempo, tanto que para a maior parte do Syllabus praticamente não se exige vôo manual. Mesmo no simulador, o treinando / checando é sempre estimulado a usar o nível de automação adequado à fase do vôo, a não ser em certas manobras, tipo Airwork (steep turns, approach to stalls & recovery), upset recovery e/ou aproximações raw data. Quando a gente não quer que seja usado, dá pane no sistema específico, como FD ou AP.

Deixe uma resposta