A infame reportagem do Fantástico sobre os táxis aéreos piratas

By: Author Raul MarinhoPosted on
776Views25

O Fantástico, da Rede Globo, veiculou na noite de ontem (13/07) uma infame reportagem sobre os táxis aéreos piratas: “Táxis aéreos clandestinos voam livremente sem fiscalização“. A matéria, de fato, não é um primor de rigor jornalístico, e confunde alguns conceitos básicos. Por exemplo: as questões de manutenção e de habilitação irregulares apresentadas no programa estão erradas independente de estar ocorrendo táxi aéreo pirata – mesmo num voo “particular” (’91’), aquilo seria irregular. E o tal médico que cobrava para transportar doentes em sua aeronave, ao que parece, cometeu transgressões muito mais sérias do que o transporte irregular de passageiros. Faltou, também, mostrar o “outro lado”, ou seja: o quão difícil, burocrático, e propenso à corrupção é o processo de constituição e operação de uma empresa de táxi aéreo. E, finalmente, há todo o sensacionalismo característico do programa, mostrando uma mãe chorando pela morte do filho (que não morreu por causa do transporte aéreo clandestino), ou a dificuldade em dar a partida em um motor como se aquilo fosse o fim do mundo.

Independente disso, o problema é que o táxi aéreo pirata existe – e não adianta dizer que é somente falta de fiscalização da ANAC, porque não é só isso. Em casos como o da tal “Decolando Com Você” mostrada no programa, parece-me que é, sim, um caso típico de falta de fiscalização – e, talvez, até de coisa pior: não é possível que uma atividade tão ostensiva quanto aquela passe despercebida à fiscalização da ANAC. Mas há muito táxi aéreo pirata que funciona como uma espécie de “empréstimo oneroso” de aeronaves, que é quase impossível de ser fiscalizado. E, sejamos sinceros, um proprietário de aeronave que “empresta” seu equipamento (com manutenção e operação 100% regular, para os critérios da ’91’) para um conhecido utilizá-lo – e, depois, seja reembolsado pelos custos mais um “prêmio” – está, de fato, cometendo um crime? Trata-se de um atentado à segurança de voo? “Ah, mas é injusto em relação ao empresário que faz tudo direitinho”! É mesmo, e não acho que esse tipo de procedimento deva ser incentivado. Mas há TACAs e TACAs, né?

Na verdade, eu vejo o problema do táxi aéreo pirata com uma amplitude similar ao que ocorre no “mercado” da prostituição. Neste “mercado”, temos desde o cafetão violento que explora crianças de 12 anos, para que estas façam programas sem proteção ganhando R$10; até as “primas” que anunciam na internet, verdadeiras experts em DSTs, que atendem em flats nos Jardins ou no Leblon cobrando R$500; passando pelo trotoir na rua Augusta ou na avenida Atlântica; pela atividade da Vila Mimosa ou da “zona” tradicional do interior do país, etc. Prostituição sempre é imoral: ninguém quer ver sua filha ou irmã atuando neste “mercado”, nem que seja como garota de programa de luxo. Mas há casos em que é preciso prender os envolvidos, e outros em que o combate pode ser por vias mais sutis. É mais ou menos isso o que penso sobre os TACAs: há alguns que devem ser sumariamente fechados, mas em muitos outros casos, as autoridades poderiam agir de maneira diferente, criando condições para que estes se regularizassem.

Por que o táxi aéreo de Campinas mostrado na reportagem está irregular, por exemplo? Será que se a ANAC fosse menos burocrática, aquela empresa não poderia se tornar (ou voltar a ser) regular? Eu acho que esta é a discussão que se deve levar adiante, porque dizer que o TACA que utiliza mecânico de automóvel na manutenção aeronáutica não deva funcionar é óbvio, e isso só serve para render manchete de programa sensacionalista de quinta. Mas imaginemos as vantagens para a aviação e para a sociedade como um todo, se fosse mais fácil ter um táxi aéreo regular. Quantos empregos poderiam surgir, quanta riqueza poderia ser criada, quanta competição saudável ocorreria, quanta conveniência haveria para quem deseja utilizar esse tipo de transporte!? É uma pena que esta discussão não esteja na pauta da imprensa brasileira. Com esta matéria do Fantástico, perdemos mais uma oportunidade de levar uma discussão importante para a sociedade.

25 comments

  1. Jaqueline
    3 anos ago

    Reportagem boa ou ruim denunciou empresas irregulares e isso que vale. O problema é que sempre tem gente que acha que pode dar um jeitinho e burlar o “sistema”. Lei é pra todos e tem que seguir, simples assim.Se não gosta da legislação vote direito.

  2. Eduardo Machado
    3 anos ago

    Só pra variar a mídia mais uma vez tentando vender audiência !! Ao invés de a reportagem investigar o problema de cima (ANAC) pra baixo, não, a rede esgoto de televisão prefere achar um ou dois culpados (faz parte da cartilha comportamental do atual governo)!! quem voa sabe que o TACA sempre existiu, mas ninguém combate , e que nunca vai deixar de existir, pois sempre irão existir os aviões “emprestados” como o editor muito bem parafraseou no texto, e além disso tem sim, muita gente interessada que o TACA não acabe !! Agora não tenho a menor duvida que essa é uma reportagem comprada, muito da mequetrefe !!

  3. Rafael S.
    3 anos ago

    Discussao bastante interessante, pois e , estamos fazendo um Seminario no final do mês exatamente sobre isto, sobre emprego, tem gente das Empresas Aereas, Taxi Aereo, Sindicato, Escolas de Aviacao, Cenipa, ANAC , OAB…ou seja o sistema todo vai estar la, estão todos de grátis, cedendo seu tempo e competência em favor da comunidade como um todo, isto mesmo, ninguém esta ganhando e nem cobrando um tostão para fazer algo em prol de todos(alias a APAE vai estar presente recolhendo alimentos não perecíveis), muito mais que reclamar no facebook que tal sair de casa? pegar um passe? Vir de busao? Isso mesmo sair da zona de conforto e ir la discutir de verdade com quem entende e que eventualmente pode fazer algo para mudar, somos o reflexo do que queremos ser, a Van clandestina se torna aceitável uma vez que o poder publico não oferece qualidade e eu também não estou nem ai pois a coluna do Neymar ta machucada..Vai ter imprensa cobrindo o evento, fácil, vai la, pergunta para os jornalistas presentes como e o porque se faz um reportagem com determinada abordagem sobre determinado tema…Nosso pais se transformou numa grande festa, somos conhecidos por samba, futebol e cerveja, somos os hospitaleiros não os competentes, me cansei de ver chegar aqui fora colegas que são exemplo de competência simplesmente porque cansaram, estamos perdendo o que temos de melhor, nossa gente capacitada, e sabe porque ? porque cansa..A ANAC e lenta? Mandado de Seguranca nela…Somos o pais do jeitinho, do companheiro , esta todo mundo na rua , exato, o pessoal do mensalao deu linha na pipa e a coluna do Neymar esta machucada..Sinto muito, não vou julgar colega nenhum, não e assim que se faz, se esta errado e o sistema permite, pune quem fez errado, corrige o sistema e segue em frente, alias faz algo de bom , ser leao no face, twetter, Internet me desculpe mas e um exemplo do que não esta certo, vamos la, e dia 30, discorde, mas o faca cedendo o seu tempo(grátis)…E desculpem o off topic mas ate o mais paciente cansa..

  4. Marcius
    3 anos ago

    Certíssimo! Na comunidade aeronáutica todos conhecem muito bem este assunto e sabem que essas práticas existem.
    E lá fora?
    Respondendo ao Raul, lá em cima, um dos caminhos para resolver o problema das TACAs (e vários outros) é fazer o cidadão comum saber dos podres da aviação (principalmente os podres da ANAC).
    Enquanto “assuntos de casa” continuarem correndo somente “dentro de casa”, continuaremos chovendo no molhado.
    Abraço a todos.

    • Marcius
      3 anos ago

      P.S. – Resposta do Raul lá em cima ou lá em baixo dos comentários???
      Me perdi aqui. hehehe

      • Raul Marinho
        3 anos ago

        Os comentários ficam organizados assim: os mais antigos embaixo, os mais recentes em cima.

  5. Rafael
    3 anos ago

    Não vamos esquecer que os TACAs só existem porque tem gente que compra…

  6. Marcin
    3 anos ago

    Também acho que a matéria podeira ir mais a frente do que já simplesmente apresentar o óbvio, como o exemplo do mecânico de automoveis atuando como se fosse mecanico aeronautico.
    Poderiam fazer uma reportagem especial de uma semana e aprofundar o assunto. Do jeito que foi, é tipo pescar sem anzol, só da minhoca pro peixe, depois tudo é esquecido porque peixe tem memória de 20segundos…
    Obrigado pela análise Raul, a comparação a prostituição foi hilária(mto bom kkk)

  7. Davi Ramos
    3 anos ago

    Infames são estas colocações protecionistas (à Ilegalidade) e as tentativas de justificar e transferir, esta total irresponsabilidade, falta de respeito, falta de cultura aeronáutica e estes atos criminosos praticados por parte destes Empresários e Pilotos “Brasileiros”, para o Órgão gestor da Aviação Civil. Antes da fiscalização deve vir a consciência, a seriedade, a formação e a cultura de um povo e de uma Nação! A colocação do companheiro sobre os “Aviadores” do Alaska, demonstra a total falta de conhecimento geral da Legislação, da Regulamentação e das Normas e Regras na área da Aviação Internacional. Constituir, desenvolver e operacionalizar uma Empresa de Táxi Aéreo é realmente muito trabalhoso, não somente pelas dificuldades burocráticas, mas sim pela complexidade e a seriedade deste setor. Com certeza existem muitas, mas muitas deficiências a serem vencidas pela Anac, mas nada justifica os fatos reais apresentados pela reportagem, a qual sabemos que é apenas uma pequena parcela das irregularidades praticadas na Aviação Civil brasileira. Sou Brasileiro (com muito orgulho) Empresário e Executivo da Aviação e ainda sou Piloto Civil há 33 anos, tenho mais de 18 mil horas de voo, já operei em vários países e nunca precisei trabalhar com Empresas ou Pessoas que atuassem de forma ilegal, contudo para mim o mais Incrível foi ter lido depoimentos desta estirpe em um site direcionado para a Aviação!!!! Vocês estão de parabéns pela coragem de escrever e postar estas mensagens, que só agregam partidários e valores à Empresas e Pessoas que atuam de forma ilegal e criminosa neste setor, conforme apresentado pela reportagem.
    Boa sorte para Vocês! E nunca mais acessarei este site!!

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Pôxa, Davi, volta, vai!
      Gostaria tanto que vc expusesse seus pontos de vista sobre como resolver esse problema dos TACAs na aviação.
      E mais ainda que vc expusesse onde, exatamente, eu defendo a atividade clandestina.

      • David Banner
        3 anos ago

        Será que foi o camarada ai que pagou pela matéria do fantástico … ? Tá parecendo kkkkkkkkkkkkkk

        • Eduardo Machado
          3 anos ago

          É bem provável !!!!! Deve ter sido ele que encomendou a matéria cheia de erros e de qualidade no minimo ” duvidosa” !!!!!!!

      • Beto Arcaro
        3 anos ago

        E onde foi que “eu defendi”?
        Só fiz questionamentos, e constatei a hipocrisia da matéria da Globo. Completamente tendenciosa, à serviço dos interesses sei lá de quem…(muito provavelmente de outros “TAQUEIROS”)

      • Douglas
        3 anos ago

        Acho que aqui Raul: “Será que se a ANAC fosse menos burocrática, aquela empresa não poderia se tornar (ou voltar a ser) regular?”

        Então quer dizer que, se a agência é incompetente, eu tenho o direito de operar na ilegalidade?
        Lógico, aquele taxi aéreo, que inclusive o dono é bem conhecido no ramo, é um entre centenas que operam irregular. Mas, é a outra centena que operar com tudo nos conformes?

        Uma coisa não anula a outra. Pelo menos é o que deveria acontecer. Mas…

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Se a ANAC é ou não competente, não importa: vc não tem o direito de operar na ilegalidade. A consideração que eu fiz foi quanto a questões de política operacional da agência, que poderia oferecer processos mais flexíveis de modo a incentivar que os operadores aéreos saíssem da ilegalidade. No post de hoje sobre este assunto, eu falo mais sobre isso.

  8. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Falou tudo Raul!
    Muito bem colocado!
    Acho muito menos ética e profissional, a figura do “Administrador de Aeronaves”.
    Esse, faz os TACAS, enrola o Proprietário da Aeronave, dizendo que aquele é o melhor negócio do mundo.
    Esses geralmente são Pilotos que não gostam do que fazem, não voam, e só “Ganham” arranjando os fretes. O Aviador é o que menos ganha nessa história, e o Patrão arca com todas as despesas. (Quando a “bomba” estoura, numa manutenção não programada, aí ele percebe que a conta não bate!)
    O Edo, fez o vôo com o Avião dele, um Cessna 310 muito bem mantido, muito bem operado.
    Pegaram o “Robin Hood” da história !
    Agora, a Globo usar uma partida quente num motor Continental (Demorada, às vezes.) como exemplo de mal funcionamento, ou pane? Não conhecem, não querem conhecer, e com certeza, tem raiva de quem conhece!
    Será que os “Bush Pilots”, Pilots for Hire, etc. com seus próprios aviões, lá no Alaska, voam dentro da 135? Tenho minhas dúvidas…
    Quem freta “TACA”, sabe que está fretando um TACA?
    Claro que sabe!
    É bem mais barato que um Taxi Aéreo!

    • Gustavo
      3 anos ago

      O que se sabe é que todo mundo voa dentro do 135 mesmo Beto. Sem certificado 135 ninguém faz seguro para você trabalhar voando no Alaska.

      Além disso, ninguém quer se virar com o FAA a toa por besteira. Não é tão caro, mas é bastante burocrático você ter um charter certificate para prestar serviços para uma empresa de taxi aéreo.

      tem de acabar o administrador de aeronaves e mudar a mentalidade do aeronauta. TACA é errado, não importa o quão burocrático seja a ANAC, ou o quão errado ela seja. dois erros não fazem um acerto

  9. Flavius Neves
    3 anos ago

    Atingiu na veia do problema. NINGUÉM QUER VOAR ERRADO. É só desburocratizar que a maioria absoluta se legaliza. Mais impostos, mais empregos etc. Mas com este governo?

  10. Gustavo Ricci
    3 anos ago

    Caro colega Raul,
    Acompanho seu blog a algum tempo, e este assunto em especial, me chamou muita atenção.

    Sou sócio proprietário de uma empresa de Taxi Aereo, com bases em SP e Porto Seguro.
    Nossa empresa Tropic Air Táxi Aéreo, vem sofrendo diariamente com as dificuldades impostas pela ANAC.

    Resumidamente, temos uma aeronave Phenom 300, adquirida nova da Embraer, já em nome de nosso Táxi Aéreo.
    Ocorre que desde outubro de 2013, aguardamos inclusão da mesma em nossa Especificação Operativa, bem como conclusão dos processos, para que a mesma opere nos espaços aéreos PBN/RNAV.
    Um absurdo, investimos US$ 9,5mi em uma aeronave top em sua categoria, e temos que voar como se estivéssemos no saudoso Boing 727….fazendo aproximações convencionais…..

    Não obstante a esse absurdo, quinta feira passada tivemos uma aeronave de nossa frota “groudeada” pelos xerifes da Anac, que desfilaram por nossos aeroprtos durante essa Copa.
    Essa aeronave baseada em Porto Seguro, um Robinson 44 Raven II, que também se encontra no aguardo para ser incluída em nossa EO a mais de seis meses….apesar de não ter nenhuma não conformidade (assim como nosso Phenom !!).
    Pois é, esta aeronave decolou com familiares de meu sócio a bordo, para um vôo local em Porto Seguro, quando ao
    Pousar foi abordada por um inspetor da ANAC.
    Esse, sem preparo algum, autuou e interditou nossa aeronave, sob alegação de estarmos transportando passageiros na categoria Táxi Aéreo.De novo, a bordo estava a esposa e filho de meu sócio !!!

    Para não me estender muito, estamos de mãos atadas, sem saber para onde correr, gritar…com uma aeronave interditada e outra aguardando para entrar em serviço, voando apenas para os sócios, solicitando procedimentos não RNAV…..

    Definitivamente, hoje decidimos entrar com um mandato judicial, visando ao menos uma satisfação dos seguidos atropelos mencionados acima.

    Conto isso, apenas para me juntar aos inúmeros casos de empresas que estão prontas para investir e trabalhar, mais são impossibilitadas pelo descaso de nosso sistema.

    Grande abraço, parabéns pelo excelente Blog.

    ________________________________
    Tropic Air Taxi Aéreo
    Gustavo Ricci
    Telefone Celular: (11) 97542.4333
    Telefone Direto: (11) 2507.0922
    Telefone Central: (11) 2507.2922
    gustavo.ricci@tropicair.com.br
    http://www.tropicair.com.br

    • Tarcísio Neto
      3 anos ago

      Infelizmente a realidade é essa Gustavo, queremos fazer o nosso trabalho direito mais a Burocracia da ANAC não deixa, eles querem que a gente faça a nossa parte. mais a ANAC não faz a parte dela !!!

  11. Heitor Castro
    3 anos ago

    Exato!!!!!!!!!!!!!!

  12. fredfvm
    3 anos ago

    Em Recife, há meses acompanhamos a tentativa na abertura de uma empresa de táxi aéreo, que já está enrolada na buRROcracia ha quase 2 anos, e nada da empresa começar a funcionar. São 3 aviões parados, hangar, altas despesas por causa das exigências, mas até hoje, nada da empresa ser liberada para funcionar. Quem ganha com isso? O voo TACA é claro, que não sofre com fiscalização.

    Faltou somente a Globo falar das reais empresas de Táxi Aéreo, que operam com aviões particulares, e que oferecem a seus clientes esses aviões como se fossem pertencente à frota. Isso ela não exibe na reportagem.

    Há TACA de aviões particulares, mas também há TACA de empresas de Táxi Aéreo, que também fazem TACA. Dá para entender isso???

    • BeechKing
      3 anos ago

      Claro que da! Veja o comentário acima do Gustavo. Eu entendo perfeitamente o pessoal da Taca, assim como nós pilotos que não temos pra onde correr, o pessoal do táxi aéreo tbm não…

Deixe uma resposta