Grupo de Trabalho para o desenvolvimento das Ciências Aeronáuticas no Brasil

By: Author Raul MarinhoPosted on
409Views4

No vídeo abaixo, o leitor e amigo Gustavo Carolino explica o que pretende fazer em relação ao “desenvolvimento das Ciências Aeronáuticas no Brasil”, utilizando as palavras dele (talvez ainda não seja o caso de “desenvolver”, e sim de regulamentar/normatizar, mas enfim, isso é o de menos). Em seguida, há um plano de trabalho para levar adiante o que ele propõe. E, antes de passar a palavra ao Gustavo, gostaria de fazer um breve comentário:

Eu acho que já passou da hora de regulamentar e normatizar corretamente os cursos de Ciências Aeronáuticas, Aviação Civil, Tecnólogos em Pilotagem e afins no Brasil. Porque não há um padrão, cada faculdade faz o seu currículo como entende ser o correto, e com isso não há um entendimento único do que seja um profissional formado por esses “cursos superiores da aviação”. E enquanto isso não acontecer, o diploma desses cursos permanecerá o que hoje é: um “diferencial” no currículo, no máximo. Mas não existe uma profissão que requeira esse diploma para ser exercida, como na maioria das outras carreiras, e isto é o que de pior pode existir para um curso superior. Falo isso porque sou formado em Administração, que padece de mal semelhante: qualquer um pode ser administrador, mesmo sem ter cursado Administração… Por isso, dou todo o apoio a esta iniciativa, e faço votos que prospere!

Parabéns, Gustavo!

Plano inicial do “Grupo de Trabalho para o desenvolvimento das Ciências Aeronáuticas no Brasil”

1º Reunião do Grupo de Interessados – Até o dia 25/08/2014*

-Coleta de informações.

* Apesar da data que marca a mudança de fase do grupo de trabalhos, contribuições via e-mail serão todas levadas ao conhecimento do grupo.

2º Realização de estudo:

– a formação em Ciências Aeronáuticas: Valores agregados.

– as exigências que requerem conhecimento técnico especifico dos  recursos humanos à aviação civil e militar (inclui a busca por conhecer os concursos para oficiais temporários da FAB por civis graduados na área e, para os militares, o uso de sua capacitação além dos fins militares, ou seja na comunidade civil).

3º Reunião de dados de estudos.

4º Projeto de Lei (de formação e/ou de atribuições profissionais, entre
outros)

=========================================

Estudos dirão se um Conselho Profissional em nossa área implicaria em reais benefícios. Se ficar indicado que limitaria ações em segurança operacional na aviação aos outros profissionais da aviação, por exemplo, não seria interessante um Conselho Profissional. Entretanto, uma lei para alinhamento dos cursos em Ciências Aeronáuticas, esclarecimento das atribuições do profissional, maiores oportunidades na área profissional e acadêmica são sempre temas muito importantes a serem discutidos.

Ainda não há um cronograma para as outras etapas que darão base e confiabilidade a este projeto. Mas muito em breve poderemos evoluir nesta questão.

Fico a disposição para quaisquer esclarecimentos,

Gustavo Carolino
gustavocarolino@ig.com.br
Belo Horizonte – MG
(31) 9397-6381

4 comments

  1. Gustavo Carolino
    3 anos ago

    Se for pra buscar acrescentar valor a aviação, vamos trabalhar em cima.
    Contribuições e adeptos são importantes para ajudar na fase de pesquisa para fundamentar todo projeto/trabalho.
    Agradeço muito ao Raul e a todos que estão se interessando pelo assunto.

  2. Paulo Afonso Nogueira
    3 anos ago

    Não poderia vir em melhor momento.

    Obrigado Raul!

Deixe uma resposta