RF do PR-JCR: “O piloto (…) não gostava de voar sob regras de voo IFR”

By: Author Raul MarinhoPosted on
329Views11

RF do PR-JCR

Sobre o acidente do RF do link acima, uma CFIT ocorrida com um Bonanza na aproximação para o pouso em Londrina-PR, destaco o seguinte trecho do relatório:

1.19 Informações adicionais
O piloto era qualificado e possuía 2.869 horas totais de voo IFR, registradas em sua caderneta e, segundo depoimento de entrevistados, não gostava de voar sob regras de voo IFR.
Foi verificado que em voo de recheque IFR, o piloto deixou a aeronave ultrapassar 150 pés abaixo da MDA durante a realização de uma aproximação por instrumentos.

Precisa comentar mais alguma coisa?

11 comments

  1. Marcius
    3 anos ago

    Quem era o piloto?

  2. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Gostar, ninguém gosta, não é mesmo?
    Todo mundo prefere CAVOK. São os “Ossos do ofício”.

  3. Mario
    3 anos ago

    O Comandante em questão era conhecido meu. Voava um baron, Tinha um bom emprego mas os negocios não iam bem e o patrão vendeu o avião. Ficou um tempo parado com a mulher grávida e depois de um tempo começou a voar esse bonanza. Avião novinho, Bonito mas o patrão não tinha “medo” de voar. Chuva, CB estralhando pra todo lado e o patrão querendo decolar. O cara q abasteceu o avião disse q ele ( o Piloto) não queria decolar por causa do tempo em SBLO. O patrão fez pressão e ele cedeu. Infelizmente algumas horas depois ele veio a deixar um garotinho de 3 anos e uma mulher grávida de alguns meses. O fato é q as pressões da um piloto de “aviões pequenos” são mto maiores do que as de quem voa um Airbus em Managed e tem um SOP/MSGO ja feito e elaborado como proteção de seus atos dentro da cabine ou de quem Digita palavras frias pela Internet. O “tete a Tete” com o patrão, o cara que paga o seu salário e que está 99% das vezes do seu lado é muito mais difícil de administrar do q com o copiloto novinho na empresa. Eu fui no seu Velório e Não havia Duvida NENHUMA se ele sabia voar ou não. Só Existia o pesar de perder um amigo que estava trabalhando, Fazendo seu melhor pra sí e sua família.

  4. João Carlos Medau
    3 anos ago

    Não gostava ou não sabia?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Não gostava porque não sabia ou não sabia porque não gostava?

  5. Leandro David
    3 anos ago

    Prezado Raul. Fiz parte da investigação deste acidente como EC-PREV. Realmente foi um CFIT por falta de manter a proa correta sinalizada pelo VOR, as distâncias de cada fixo, a MDA e a razão de descida prevista no procedimento. Estive com o piloto na segunda e na sexta aconteceu o acidente, infelizmente. É muito duro ver as cenas do acidente que poderia ter sido evitado. Basta a nós as lições disto e aplicar decidida e rigorosamente os procedimentos previstos na cartas de procedimentos. Padronização, bom julgamento e tomada de decisão devem ser sempre prioridades em cada um de nossos vôos, tudo isso para manter, em primeiro lugar, a segurança de vôo.

Deixe uma resposta