Questionário para pesquisa sobre fadiga na aviação geral

By: Author Raul MarinhoPosted on
472Views5

O amigo Arthur Marim, pós-graduando do curso de PE-SAFETY do ITA, está realizando uma pesquisa acadêmica sobre fadiga de pilotos e, para tal, está precisando encontrar pilotos de turboélices e jatos da aviação executiva e de táxis aéreos dispostos a responder a um questionário. Se você for um destes profissionais ou conhecer algum, peço a gentileza de colaborar com o trabalho do Arthur, respondendo ao questionário ou enviando para o seu amigo para que ele responda, pois isso pode nos ser muito útil no futuro. A seguir, o texto do Arthur explicando seu trabalho, com o link para o referido questionário.

Muito obrigado pela sua colaboração!

No passado a grande preocupação no âmbito da segurança de voo, era com os componentes aeronáuticos, com o passar dos anos o grau de confiabilidade das aeronaves aumentou exponencialmente e eventos são raramente causados por falhas mecânicas. Atualmente a ameaça de segurança mais comum decorre da realidade do desempenho humano abaixo do ideal. Os fatores humanos tais como a fadiga é uma das últimas barreiras para mover a taxa de acidentes cada vez mais próxima do zero.

O conjunto de fatores macro-ambientais econômicos positivos como o crescimento do PIB, o aumento de indivíduos super ricos (High Net Worth Individuals) comportamento da saúde financeira das corporações (que têm no avião uma ferramenta de trabalho), congestionamento, atrasos e pequena quantidade de cidades atendidas pela aviacão comercial regular, favoreceu o aumento da demanda pela aquisição e operação de aeronaves executivas.

O aumento de demanda por este tipo de serviço gera uma necessidade completamente dependente de pilotos capazes de suprir eventuais aumentos nos horários de jornadas e do crescimento de atividades relacionadas a aeronave. Este fato desperta interesse quando se é falado em fatores humanos. O aumento de trabalho certamente pode ocasionar estresse e fadiga. E a falta de trabalhos acadêmicos e de pesquisas direcionadas a aviação executiva é discrepante devido a sua importância para a aviação atualmente. Logo faz-se necessário a confecção de um estudo detalhado sobre a rotina e a sua implicação sobre a fadiga do piloto mais especificamente no âmbito da aviação executiva. E como estudantes do curso de PE-SAFETY e Aeronavegabilidade Continuada do Instituto Tecnológico de Aeronáutica o ITA escolhemos estudar esse tema e identificar como é a rotina do piloto executivo através de um Questionário.

Devido ao público heterogêneo que é composto a aviação executiva, escolhemos para fins de pesquisa e estudo somente analisar pilotos de asa fixa de turbo-hélices e Jatos baseados no RBAH 91 e o RBAC 135. Se possível os aviadores responderem(forma anônima) e divulgarem o nosso questionário, ficaríamos muito agradecidos.

Link: https://pt.surveymonkey.com/s/questionariofadiga

O futuro da segurança de voo é baseado em estudos e muito suor. Já agradecemos desde já a atenção e o apoio ao nosso estudo.

Arthur Marim
PE-SAFETY Grupo 2 Turma X
Instituo Tecnológico de Aeronáutica ITA

5 comments

  1. Arthur Marim
    3 anos ago

    Caro Skynet;
    Como já mencionado nós somos alunos da pós-graduação do ITA e único curso de SAFETY da instituição, e não da graduação das engenharias. Te convido a conhecer o nosso curso e as nossas cobranças por excelências.

    Quando escolhemos os temas para o nosso TCC, precisamos provar sua relevância para aviação. E a área da aviação executiva é carente de estudos acadêmicos em nível mundial, a própria NASA tem apenas um estudo sobre a fadiga em aviação executiva datada de 2001 e com entrevistas apenas com pilotos norte-americanos. Em âmbito nacional com pilotos brasileiros, é um dos primeiros estudos da área.

    Caso queira conhecer melhor nosso projeto e as nossas fontes fico a disposição.

    Arthur Marim
    arthurmarim@hotmail.com
    PE-SAFETY Grupo 2 Turma X
    Instituto Tecnológico de Aeronáutica

  2. Skynet
    3 anos ago

    Não confundam…..esse não é o ita da engenharia e sim do curso pago de pós-graduação da mesma instituição, sem querer desmerecer. Bom tema a ser abordado, acho melhor tentar o ”caralivro” e ver algumas pesquisas da nasa sobre o assunto.

    • Roberto Tavares Minegutti
      3 anos ago

      Skynet,

      O fato de ser Pós Graduação ou Graduação, não muda o fato da importância da Pesquisa e a Credibilidade da Instituição,
      O fato de ser pago, não deve minimizar a cobrança por excelência do curso e não deve ser fácil conclui-lo, pois acredito eu que precisa-se se abdicar de muitas coisas para se dedicar a pós da graduação e ter um desempenho satisfatório no curso.

      Mais ou vez, excelente pesquisa e iniciativa….

  3. Roberto Tavares Minegutti
    3 anos ago

    Excelente Iniciativa…
    Ainda mais de uma instituição tão respeitada como o ITA

Deixe uma resposta