Curso teórico para PPs: a obrigatoriedade faz sentido?

By: Author Raul MarinhoPosted on
720Views23

Quando o RBAC-61 foi originalmente publicado em meados de 2012, substituindo o arcaico RBHA-61, uma de suas novidades era a inclusão da obrigatoriedade de curso teórico para PPs (PPA e PPH) dois anos após a publicação – isto é: a partir de junho de 2014, seria preciso fazer o curso para adquirir o direito de prestar a prova da ANAC (banca online de PP). No início deste ano, porém, a GCEP/ANAC promoveu uma série de workshops para discutir a reforma do regulamento, e um dos assuntos foi a exclusão desta obrigatoriedade – ou seja: o curso, que ainda não era obrigatório naquele momento, continuaria não sendo mesmo depois de junho. E, efetivamente, na versão do regulamento enviada para consulta pública algum tempo depois daquele evento, o curso teórico de PP não constava como obrigatório. Pelo andamento dos trabalhos de reforma do RBAC-61, isto tinha grandes chances de ser confirmado na publicação da nova emenda ao regulamento, estipulada para ocorrer antes da data fatal de 21/06/2014 – data que, se nada fosse, feito, dispararia o gatilho automático da entrada em vigor da obrigatoriedade de tal curso.

Mas tinha uma Copa do Mundo no meio do caminho e, às vésperas da data fatal de 21/06, a ANAC publicou uma resolução prorrogando em três meses as datas da entrada em vigor de todos os itens agendados para ter sua validade automaticamente confirmada para dali a alguns dias – dentre eles, a obrigatoriedade do curso para PPs. O motivo alegado: “muitas contribuições à consulta pública” (o que duvido: acho que o verdadeiro motivo fora o fato de a agência estar 100% focada na Copa, mas isso não tem importância). O fato é que esses três meses se passaram, e no último dia 19 de setembro a ANAC publicou uma nova resolução com a redação “definitiva”* do RBAC-61 – onde constava que, contrariando todos os sinais anteriormente emitidos (no workshop e na versão do RBAC-61 enviada para consulta pública), o curso teórico para PP seria realmente obrigatório, mas só a partir de 21/09/2015. (*O termo “definitivo” deve ser entendido da maneira marxista: “tudo que é sólido se desmancha no ar” – ou seja: a obrigatoriedade é definitiva até deixar de ser…).

Ficou complicado? Bem, vou tentar resumir a questão: o curso teórico para PP não era obrigatório, mas deveria passar a ser; depois, deveria ser, mas a ideia é que não fosse mais; e, finalmente, não é, mas será (será?). Piorou? Então guarde só o seguinte: até 21/09/2015, não precisa ter curso teórico para poder prestar a prova de PP (banca online na ANAC), mas depois desta data, precisará (isso se a ANAC não mudar de ideia de novo…). De qualquer maneira, o que mais quero discutir neste post é outra coisa:

A obrigatoriedade do curso teórico para PPs faz sentido?

Muita gente boa que conheço acha que faz. Outros, também bons, são veementes em dizer que não. E eu… Acho que, em termos de qualidade de formação aeronáutica (que é o ponto de vista que realmente interessa), depende – mas, na prática, tanto faz. É o que vou tentar explicar a seguir.

O caso é o seguinte: se as pessoas sem interesse em fazer o curso teórico para PP passassem a frequentar bons cursos, agora que ele é obrigatório, então eu também engrossaria o coro dos favoráveis à obrigatoriedade. Mas não é isso o que eu acho que irá acontecer na prática. Pelo que conheço do comportamento humano, as pessoas, quando obrigadas a fazer alguma coisa, sempre tentarão cumprir o que lhes é imposto da maneira mais fácil, barata e cômoda possível. Acredito que, neste grupo de pessoas, pouquíssimas se sentirão motivadas a se matricular no curso do Aeroclube de S.Paulo, por exemplo, e ter uma aula de Teoria de Voo com o Prof. Marcelino (famoso por ensinar muito mais do que é cobrado pela ANAC). Pelo meu entendimento, os cursos de PP que mais serão procurados depois de 21/09/2015 deverão ser os que cobrarem menos, tanto financeiramente quanto em termos de conteúdo, e os EADs (à distância). É por isso que disse que “depende – mas, na prática, tanto faz”, entenderam? Depende de qual curso as pessoas forem fazer, mas como eu acho que a maioria não irá se matricular nos bons, então a qualidade da formação teórica não vai melhorar no fim das contas.

Tornar o curso obrigatório vai favorecer as escolas que oferecem o ensino mais barato, cômodo, e que ajude o aluno a “passar na banca da ANAC”, não o de melhor qualidade. Ocorre que a tal da banca nada mais é do que uma prova que avalia… O quanto o candidato está treinado para realizá-la, não o quanto ele conhece da teoria que um piloto precisa para poder pilotar uma aeronave! Justamente por isso que os materiais de estudo mais importantes para passar na banca são as apostilas de coletâneas de provas e os sites com exames simulados. Um chimpanzé bem treinado com esse tipo de material passa na banca, essa é que é a questão! Como a qualidade da formação pode melhorar, se o filtro que interessa permanece com uma bitola de furos tão larga?

O que eu acho que poderia ter relevância na qualidade do aprendizado teórico do aluno seriam cheques teóricos rigorosos. Assistam pelo menos uns 2min. do vídeo a seguir, que mostra um cheque de PP nos EUA, no padrão FAA, e entendam o que eu quero dizer (vídeo publicado originalmente no post “Exame oral para PP nos EUA“):

Se houvesse cheques de PP como este no Brasil, haveria uma fila de alunos de PP na porta do Prof. Marcelino, implorando por uma aula do mestre palmeirense!

Se houvesse cheques de PP como este no Brasil, as pessoas se matriculariam nos melhores cursos de PP mesmo sem a obrigatoriedade regulamentar!

Enfim: se houvesse cheques de PP como este no Brasil, a bitola dos furos do filtro de conhecimentos se estreitaria tanto que só quem realmente conhecesse a fundo a teoria de pilotagem conseguiria checar o PP!

É esta a discussão que realmente faz sentido, em minha opinião, não a criação de mais uma barreira cartorial. Chega de carimbos! A aviação precisa é de conhecimento!

23 comments

  1. Wagner
    3 anos ago

    Boa noite Raul não sei se vc recebeu uma duvida minha que lhe enviei pois estou com problemas aqui no meu navegador as vezes ele envia um comentário as vezes não, acho que é vírus, mas estou lhe enviando novamente minha duvida.

    gostaria de saber qual o código eu devo gerar para a agendamento de banca de 2º época de Piloto Privado de Planador é o mesmo que o avião (122) ?

    Ou é o mesmo código quando é gerado a GRU para marcar a prova de PPL (121)?

    Aguardo contato.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Wagner, eu recebi, mas não respondi, sinto muito.
      O fato é que eu não sei. Recomendo vc checar isso na escola de planadores que vc frequenta.
      Abs,
      Raul

  2. Marcos
    3 anos ago

    Só um pequeno detalhe: essa já foi a quarta prorrogação: o prazo original era de um ano, de 06/2012 pra 06/2013; aumentaram pra 06/2014; depois pra 09/14; e agora pra 09/15.
    Por enqt a explicação q temos é q “Eles foram prorrogados por mais um ano porque possuem relação com um dos projetos prioritários em curso na Agência: “Otimização e Melhoria da Qualidade do Processo de Certificação de Pessoal da Aviação Civil”. Os resultados desse projeto vão subsidiar a decisão da Diretoria Colegiada da ANAC no que diz respeito a esses dois requisitos.”

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Êita Marcos Véio… Como sempre, colocando os pingos nos is.
      Tks again!

  3. Henrique
    3 anos ago

    A verdade é que no sistema de formação de pilotos atual, cobra-se mais do candidato no CMA do que nos devidos cheques de voo !

  4. Wagner
    3 anos ago

    Boa noite Raul, Raul vc saberia me dizer qual o código para agendar a banca de PPL de 2º época?
    gostaria de saber aonde encontro o código e qual o código a ser gerado para a agendamento de banca de 2º época de Piloto Privado de Planador é o mesmo que o avião 122 ou é o mesmo código quando é gerado a GRU para marcar a prova de PPL 121?

    Aguardo contato.

  5. Fabiano
    3 anos ago

    Caros colegas, a algum tempo fiz a banca da Anac para Comissario de Voo, passei em todas as matérias. Pergunto aos amigos se posso validar alguma matéria dessas e não precisar faze-las novamente na banca. E para fazer a banca da anac é preciso ter o CCF em mãos?
    Grato.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Vc não abate nenhuma matéria da banca de PP se tiver o CCT de CMS (se é isto o que vc quer saber). E, sim, vc pode fazer a banca sem CMA.

      • Fabiano
        3 anos ago

        Grato Raul…
        Abraços..

  6. luciano
    3 anos ago

    vcs querem copiar tudo do estados unidos achando que tudo lá é melhor! porque vcs não falam dos aeroportos,saláriso dos pilotos,preço da gasolina vamos fazer o mesmo que aqui tambem.

    • Henrique
      3 anos ago

      Por que só se copia o que é bom.

      • luciano
        3 anos ago

        è tão bom que os pilotos americanos esses que fizeram o pp ai como exemplo, foram os causadores do choque com o boeing da gol 1907, eo acidente com legacy do candidato eduardo campos os pilotos foram treinados no EUA eai quer mais cópias?

  7. Marcos Véio
    3 anos ago

    “Bem, vou tentar resumir a questão: o curso teórico para PP não era obrigatório, mas deveria passar a ser; depois, deveria ser, mas a ideia é que não fosse mais; e, finalmente, não é, mas será (será?).”

    Caramba Raul, sei lá! Entende?

    Tem curso teórico tanto de PP quanto de PC que se não existisse nem fariam falta. Você comentou do Prof. Marcelindo. Eu presenciei um jumento, aluno de PC discutir com ele porque ele estava passando informações “pra mais” como diz outra jumenta que todos já conhecem.

    Lembro até hoje meu cheque de PP naquela baita escola do interior de SP. Fiz toda preparação, tudo conformes manda a cartilha do bom aluno CDF. Pra que? Pra nada! Fui o ultimo a ser checado de um dia que ele checou uns 10 ou 12 alunos, contando comigo é claro. No briefing sentei na frente de um checador todo esbaforido, escabelado e exausto dos seus “longos” voos de cheque e recheque em que estava realizando no dia. No meu cheque oral de míseros minutos, ouvi três perguntas: Qual a VNE? Qual era a pressão dos pneus? A acft está pronta? O voo em sí, 30 minutos e olhe lá. E tem gente que fica tão feliz por isso, por essa realização, por passar em um curso de uma forma tão vexatória, que ainda banca churrasco pra toda escola.

  8. Lucas
    3 anos ago

    Concordo totalmente Raul, mas acredito que todos estudantes já deveriam entrar na aviação com a mentalidade de que se deve buscar sempre o melhor e estudar muito, independente do tipo de teste que ele será submetido. Infelizmente, isso ainda é uma utopia no Brasil e irresponsabilidade é o que não falta por aqui.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Isso é utopia em qualquer lugar! Não pense que o americano ou o alemão é mais “consciencioso” que a gente, não… Se não tiver provas rígidas cobrando conhecimentos, a negada relaxa mesmo! A diferença dos países desenvolvidos para com o nosso é que, lá, as instituições funcionam. Mas o Homo sapiens, amigo, é a mesma merd@ ‘everywhere’!

  9. João
    3 anos ago

    Olá Raul, você como sempre expetácular nas matérias e informações sobre aviaçoes. Então no Brasil nós temos um muito parecido com esse cheque, eu quando fui checar o PPA o checador me levou na sala ais pediu tempo em rota pediu pra ler o metar, solicitou minha navegação, durante o voo ele mudou a rota do voo me obrigando a calcular tudo de novo com a rota atual.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Olha, João, então seu cheque foi uma exceção… Nunca vi algo assim. Nos meus cheques, nunca houve a menor cobrança por questões teóricas, pelo menos.

    • João
      3 anos ago

      *espetacular*

  10. Marcos Almeida
    3 anos ago

    Perfeito, Raul. Nada a acrescentar.

  11. Enderson Rafael
    3 anos ago

    Esse é o ponto: lá nos EUA você estuda pro written sozinho, em casa, fazendo simulado (Prepware, Gleim, StudyBuddy…) e em uma ou duas semanas está pronto pra fazer a “banca”. Se você tiver nota baixa ou reprovar, o checador vai apertar mais no oral. E o oral sim, geralmente feito antes do voo, esse aperta. Já vi cheques de PP durarem 3h. E no IFR tem mais um written e mais um oral, no PC tem outro written e outro oral, e no CFI, o oral chega a durar 8 horas. Cobrar mais, isso sim, vai melhorar a instrução. Neste contexto, também sou totalmente a favor, pois é o curso de PP que formará a mentalidade do aviador. Dizem que depois de 1500h você é o que é. Mas antes mesmo das 40h você já está sendo o que será.

    • Concordo contigo Enderson. Nivelar por cima é sempre a melhor opção.
      Pena que você, o Raul, eu e mais um punhado, somos minoria.

Deixe uma resposta