Jornal GloboNews: “Pilotos protestam em SP contra resolução que torna obrigatória revalidação da habilitação”

By: Author Raul MarinhoPosted on
339Views20

Do Jornal GloboNews de hoje: “Pilotos protestam em SP contra resolução que torna obrigatória revalidação da habilitação“.

20 comments

  1. Telmo Tassinari Neto
    3 anos ago

    Prezados, boa noite.

    Ao invés de viabilizar a construção de uma aviação melhor e cada vez mais segura com a inserção das reabilitações com Simuladores assistimos a desenfreadas imposições sem cientificidade, programação, previsibilidade e compromisso com a atividade.
    É óbvio que o setor deveria ser fomentado à criação/instalação de Centros Especializados e habilitados à revalidação com o uso de simuladores. Pena.
    Até quando???

    Rtt.

    • Amgarten
      3 anos ago

      Concordo, Telmo. Dados com alguma base científica, creio eu, a gente pode conseguir com o Cenipa que faz trabalho exemplar há anos no Brasil. Mais cedo ou mais tarde estes dados vão aparecer para que possamos embasar melhor o debate.

  2. Marcos Véio
    3 anos ago

    Enquanto todo mundo reclama. E com algumas coisas eu até concordo. Vejo nisso, uma grande oportunidade de negócio. Tem tudo para dar certo, abrir centros de treinamentos, especializados em simuladores para a Aviação Geral. Concorrer diretamente com preços competitivos e em R$, com as empresas de fora. Obter habilitações e reciclagem com custo menor.
    Claro que, a nossa memória coletiva essencialmente lusitana, não nos deixa levantar a cabeça e olhar ao longe. Todos querem resultados imediatos e para já. Planejamento nunca foi e talvez nunca será o foco de um brasileiro. E isso também vale para a ANAC. Que atropela alguns regulamentos importantes. E o que dizer dos aviadores, que sempre esperam que no ultimo dia, o regulamento reeditado, derrube os itens menos “populares”. Participei de alguns workshops e audiências públicas. Pude constatar a participação muito fraca e heterogênea. Cada setor defendendo o seu. E o que sobra nisso tudo? Os sindicatos. Com o seu pesado corporativismo alienado e ultrapassado.

  3. Marcius
    3 anos ago

    Sabem qual a diferença entre o Estado Islâmico e a Anac?
    A Anac não utiliza faca para nos degolar.

  4. Marcius
    3 anos ago

    Assisti agora há pouco uma outra matéria na Globo News, apresentada pela jornalista Leilane Neubarth.
    Na verdade, foi a mesma matéria, mas com a narração da apresentadora, onde ela comenta, inclusive, a resposta da ANAC sobre a passeata.
    Não me recordo exatamente cada vírgula, mas diz mais ou menos isso:

    “A Anac informou que estas propostas estavam sendo discutidas desde de 2012 e que a aviação geral teve tempo de se adequar as novas medidas que visam atender a segurança nas operações aéreas.”

    Falar o quê?
    Xingar a Anac? É pouco.

    • Julio Petruchio
      3 anos ago

      Só mandando um VANT-BOMBA na ANARC!

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Marcius, a ANAC partiu para o regaço total agora… Vale tudo, até mudar regra por nota de rodapé em documento não oficial!

    • Flemming
      3 anos ago

      O fato de nos dar dois anos para nos adequar não refresca nada. Especialmente se tivermos que investir alguns milhares de dólares para mantermos nossas habilitações, independentemente do tempo que nos derem para nos adequar. Alguém essa nota da ABRAPHE na íntegra?

      • Flemming
        3 anos ago

        Desculpe, Nota da ANAC na íntegra?

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Eu não a conheço, Flemming. No site da agência, pelo menos, não está…
          Vc tem uma cópia?

  5. Amgarten
    3 anos ago

    Apenas para esclarecer: 5% do total de acidentes no Brasil é composto por aviação “tipo”.

  6. Amgarten
    3 anos ago

    Parabéns aos aviadores por exercerem de forma democrática, além de muita sobriedade, um tema que lhes afeta demais.
    Nesta semana foi divulgado um ranking das melhores universidades do mundo. Nenhuma brasileira está entre as 200 melhores. Notem: 200!!! Será que vamos então exigir que médicos, advogados, engenheiros aeronáuticos façam especialização nos EUA para que possam atuar no Brasil? Será?
    E o desafio continua: apontem dos menos de 5% de acidentes envolvendo aeronaves tipo no Brasil, quais teriam sido evitados pela realização de simuladores nos EUA.

    • GRC
      3 anos ago

      Amigo, entao temos que eliminar o simulador no mundo, não ? Pelo seu comentario, da para entender que você considera o simulador sem utilidade alguma ! Não parta para esse lado, as justificativas para alguns equipamentos sao totalmente validadas, mas desqualificar o treinamento com esse argumento, é totalmente desnecessário e sem fundamento !Em relacao ao seus numeros, me mostre vc quantos acidentes foram evitados pelo treinamneto,,pode ser ? Nesse seu cálculo, vc so aponta o dedo para os que tiveram treinamento e sofreram um acidente, mas quantos foram evitados, pela utilização de um Treinamento,seja com os Gringos ou aqui no Brasil ? Subjetivo nao ?

      • David Banner
        3 anos ago

        A utilidade do simulador é INDISCUTÍVEL.

        Agora, a viabilidade de torná-lo OBRIGATÓRIO em um pais comunista de sexto mundo e de quinta categoria, como nosso, que entrou em recessão técnica, é que é RIDÍCULO.

        Já ouviu falar no ditado: “NÃO AGUENTA BEBE LEITE?”. Pois é. Os cidadãos da BANANALÂNDIA não dão conta de manter padrão de país sério de primeiro mundo, amigo.

        Séria ótimo se pudéssemos fazer nossa corridinha calçando um belo Adida Springblade, mas o que temos pra HOJE, é só uma conguinha. E olhe lá.

        Ridículo DEMAIS querer comprar a estrutura da BANANALANDIA com os EUA.

        • Amgarten
          3 anos ago

          Concordo David! Já imaginou se a moda pega e o governo comece a exigir cursos no exterior para médicos, engenheiros aeronáuticos, etc? A coisa iria ficar bem crítica, né?!

      • Amgarten
        3 anos ago

        Amigo GRC, se for este seu nome, espero que não seja um MAV.
        Nunca disse que sou contra simulador, aliás acho que nenhum piloto está dizendo isso. Repetindo tudo o que temos escrito até agora, na minha opinião, baseada em vivência real junto aos aviadores brasileiros e os problemas que eles enfrentam no dia a dia, explico o seguinte:
        1) obrigar algo sem oferecer a estrutura no país, é absurdo completo.
        2) se quer obrigar, sou da opinião então de que o governo tem que pagar os custos, pelo menos aos desempregados, ou aqueles que almejam ascensão na carreira e querem obter um TIPO. Não me venha com as baboseiras de que então tem que pagar PP, PC, etc… Isso podemos debater em outro tópico. Se não vai pagar, então não atrapalhe a vida dos cidadãos.
        3) os dados que eu disse a respeito dos acidentes e incidentes, foram analisados por mim e outro colega com vivência, mas infelizmente foram dados extra oficiais, contudo eles existem e são verdadeiros, basta solicita-los ao Cenipa (isso já está sendo feito por algumas pessoas, fique tranquilo, em breve vc saberá dos resultados).
        4) nos tais cálculos (não houve cálculo científico mas empírico) eu apontei na verdade os casos nos quais provavelmente NAO houve treinamento em simulador, e pergunto se o fato de terem ou não feito simulador teriam evitado o acidente/incidente. Procure no blog e há o relatório de um deles, o famoso C90 em Jundiai. Pq digo provavelmente? Pq não fui procurar saber se de fato o aviador fez ou não, mas sim pelos meus conhecimentos e contatos na área, coisa que a gente só obtém estando no “campo”, não atrás da papelada oficial e burocrática.
        5) no caso de saber quais seriam evitados, vc tem razão, não acredito que possamos chegar a este resultado por motivos óbvios, afinal como saber se ele foi evitado se a gente nem sabe que ele quase ocorreu. Para piorar, é sabido que, devido imensa burocracia a ser enfrentada, os aviadores evitam inclusive declarar emergências o quanto podem.
        6) via de regra as situações treinadas em simulador (aviação geral) foca nas emergências especialmente as mecânicas. Isso tem sido contornado no treinamento nos próprios aviões até hoje ( ou melhor, até dia 19/09). Ex: engine fire num BE90 simula-se um monomotor e segue o check list. Só não vai ter fogo de verdade. O problema é que no simulador sua opção será um aeroporto com cinco pistas de 4km cada uma, caso precise retornar.
        7) eu conheço um caso de learjet em que houve treinamento em simulador, e mesmo assim aconteceu o acidente, o avião foi para a água. Pane elétrica, aeronave não poderia ter retornado àquela pista, deveria ter ido a uma mais longa.
        8) jamais desqualifiquei simulador algum, desqualifico sim os altos custos, a ausência deles enterritorio brasileiro, a ausência de instrutores falantes do idioma português nos credenciados, e demais dificuldades inerentes ao processo. Agora, existe sim quem desqualifica o treinamento em aeronave, que são as pessoas que admitem que o governo imponha a medida às pessoas.
        9) dos 5% dos acidentes /incidentes ocorridos no Brasil, que citei, muitos são aeronaves que operam no 121 e 135, ou seja, fazem simulador, e portanto o número envolvendo aviação 91 é menor ainda do que 5%.

        Acrescento dizendo que quem deve apresentar os números e estudos é o órgão que quer obrigar as pessoas a fazerem o que ele quer. Ele precisa mostrar estudos, precisa apresentar uma Nota Técnica apontando porque essa medida radical vai melhorar a vida das pessoas. E deve apresentar também o que será feito de concreto para reduzir os demais 95% de acidentes/incidentes que acontecem na aviação brasileira, e NÃO são aeronaves tipo.

        Enfim, ainda bem que ainda se pode debater, e isso ocorre porque existe a divergência, isso é saudável. Acredito que agora minhas idéias estejam mais claras.

        • GRC
          3 anos ago

          Lógico que a norma tem que ser revista, principalmente como ex; um C90A nao tem simulador e tem que ser feito em um B-200 para equipararem! Isso sim é desnecessario, ou no caso de alguns helicópteros em que nao tem agendamento disponiveis, isso sao as exceções!. Outro exemplo é a Taxa de R$10.000,00 pagas para cheque no exterior quando nem os checadores Brasileiros lá vão e o cheque é feito pela proprio instrutores/checador do centro de treinamneto, isso é ridiculo ! Tenho sim minhas divergências com seu texto, principalmente a estatísticas, Inglês,treinamentos,etc, mas o centro da questao eu penso quase igual a você! A norma nao pode ser Burra, ela tem que ser inteligente para nao engessar a aviacao 91. Ela tem que ter uma maior flexibilidade e exceções! Em suma, ela tem que ser revista sim em alguns pontos ! Um grande Abraço e voos sempre seguros !

          • Amgarten
            3 anos ago

            Aos poucos vamos chegando a uma convergência. Aos aviadores cujos patrões pagam tranqüilamente o treinamento, fica bastante cômodo defender a obrigatoriedade, mesmo assim muitos (eu diria a maioria) é contra esta medida radical. Eles sabem que um dia ele poderá acordar desempregado, aí ele vai sofrer também!
            Medidas radicais e impensadas como esta da imposição afetam a credibilidade do órgão e produzem resultados pífios. Há que se tomar cuidado para “não se jogar a criança fora junto com a água da bacia”, dizem. E é por aí mesmo, a diferença entre o remédio e o veneno é a dose. Se a busca é por segurança, vamos sentar e dialogar com a sociedade, mas dialogar de verdade, não uma lei vampeta, onde um finge que escuta e outro finge que aplica o que executou a idéia sugerida.
            Como está praticamente provado que a dose vai matar o paciente, resta-nos rezar para que não haja, por trás desta medida, nenhuma espécie de interesses ditados por poderosos grupos econômicos. Tomara que não!
            Mas o desafio continua. Gostaria que me indicassem os acidentes com aviões tipo da aviação geral(91) onde o simulador teria evitado o ocorrido. Desculpe-me por ser chato, mas é que eu sei que praticamente não tem havido casos assim, por isso que eu faço o desafio! Rsrsrsr

            • Bob
              3 anos ago

              Grande Amgarten!

              Sem contar a seguinte situação: Essa exigência praticamente acaba com a possibilidade de uma pessoa particular, talvez um piloto free lancer, de ter uma carteira tipo no Brasil, pois só um profissional empregado, (e bem empregado, diga-se de passagem) terá a chance de fazer o simulador fora. Além do mais, quem faz o treinamento em simulador deveria ter o direito de checar no próprio avião no Brasil, posteriormente. Ninguém pode ser obrigado a checar em um país estranho, para exercer uma profissão no Brasil, isso é um absurdo total! Por isso sempre falei: Seria uma ótima forma de incentivar a geral a fazer o simulador, se quem o fizesse tivesse algum tipo de bônus aqui, por exemplo, um recheque a cada 2 anos, ao invés de 1.
              Tem o fato de que muitas aeronaves single, que são operadas por segurança por 2 pilotos, agora passam a ficar com apenas 1 habilitado, pois o custo de mandar 2 tripulantes para o exterior fica inviável.

              Essa medida é um desastre total!

Deixe uma resposta