Canal Piloto: “Os Graus de Separação na aviação”

By: Author Raul MarinhoPosted on
345Views6

Muito interessante o vídeo publicado nesta semana pelo Canal Piloto (CP93), sobre os “Graus de Separação na aviação”, que segue abaixo – baseado naquela teoria segundo a qual a gente sempre está a um certo número pequeno de pessoas na nossa rede de contatos de qualquer outra pessoa. Na teoria original, qualquer pessoa do planeta estaria a seis graus de separação do presidente dos EUA, mas na aviação, acho que não passam de dois ou três… Incrível, não? E agradeço muito ao Sales pela menção à minha pessoa! Ele sabe que sempre poderá contar comigo no que estiver ao meu alcance!

Porém, há algo a acrescentar. Embora ter uma boa rede de contatos seja fundamental para que se tenha um bom QI na aviação, é bom que se esclareça que isso é só o começo, e conhecer gente não significa que estas mesmas pessoas serão o seu QI num emprego. Digo isso porque muita gente concentra energias no networking, e sai agregando pessoas no Facebook e LinkedIn alucinadamente, ou então indo a todo e qualquer evento de aviação, como se isso, por si só, resolvesse alguma coisa. E não resolve… Para uma indicação realmente significativa, não basta a pessoa lhe conhecer: ela precisa confiar em você, ter certeza de que você não a decepcionará, e ter a percepção de que você está disposto a retribuir o favor quando puder. E isso tudo não acontece por acaso, e sim por um mecanismo denominado “altruísmo recíproco” – que, por sinal, é o tema de um livro que eu escrevi em 2006 (2a. edição em 2011). Então, pessoal, conheçam pessoas, sim, ampliem suas redes de contato, mas nunca se esqueçam que o que importa mesmo são as verdadeiras amizades, leais e duradouras, com pessoas em que vocês confiam, e que confiam em vocês!

6 comments

  1. Fred Mesquita
    3 anos ago

    Bem lembrado essa matéria Raul. Um exemplo que não poderia deixar de relatar aqui é a minha. Apesar de ser oriundo de uma região onde o fluxo de aviação é fraca, meu grau de separação na aviação na aviação me fez ser muito bem recebido em São Paulo, particularmente no Campo de Marte, maior ninho de aviação do Brasil, e hoje ainda mantenho as boas amizades que fiz por aí. Meu sonho já se completou quando lembro que operei (já pousei em SBMT), que para vocês pode ser algo muito comum, mas para centenas de pilotos de outras partes do Brasil isso é uma raridade. Não sei bem como isso começou, mas a realidade atual é que hoje, na aviação, tenho muito mais amigos em SP do que em Recife.
    Atualmente meu novo grau de separação na aviação está abrindo largas portas na aviação agrícola e experimental, o que só tenho a agradecer. O que tenho a passar como indicação é que, nos locais onde se menos imaginaria poder ter amizades, pode-se ter as melhores. Devemos olhar as menores possibilidades como as maiores.

  2. Anderson
    3 anos ago

    Essa historia de QI nunca vai acabar enquanto as novas gerações ficarem alimentando isso!
    QI nada mais é do que tirar proveito, tirar vantagem, passar na frente, não ser qualificado, depender dos outros!
    Se QI fosse bom a politica no Brasil não estaria cheia de CC sem vergonha!

    Essa é minha opinião, faça por você e respeite o próximo que o resto Deus ajeita!

    Obrigado

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      QI é uma realidade de mercado, não só na aviação. Pode-se gostar, pode-se condenar, mas o fato é que ele existe… Isto posto, acho muito mais sensato aprender a lidar com ele do que atacá-lo.

  3. Maravilha Raul Marinho!
    Perfeito seu comentário sobre rede de contatos na aviação. O importante mesmo é transmitir confiança e sentimento de que ela poderá contar conosco.
    Contato não é mesmo tudo.

    Estou sempre acompanhando suas publicações.

    Abraços,

  4. Enderson Rafael
    3 anos ago

    fazemos parte ;-) E sim, eu descobri que estou a menos de 6 apertos de mão do Obama…

Deixe uma resposta