A reunião da APPA em Itirapina–SP. Se foi boa? Bem, o que posso dizer é que eu me associei no dia seguinte!

By: Author Raul MarinhoPosted on
1070Views11

Neste último sábado, 8/11, participei da reunião da APPA-Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves em Itirapina-SP e, devido ao que lá vi, ouvi e senti, associei-me no dia seguinte. Explicarei aqui porque fiz isso, e espero que mais aviadores sigam por este caminho. Na verdade, não é só à APPA que eu acredito que seja importante associar-nos, mas também à recém-criada UNAPAC-União Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (da qual sou sócio fundador), à já veterana ABRAPHE-Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero, à ABRAPAC-Associação Brasileira de Pilotos da Aviação Civil e, é claro, ao SNA-Sindicato Nacional dos Aeronautas, do qual faço parte desde o dia 1o. deste mês (trataremos da filiação ao SNA em um post específico, em breve). Lógico que cada aviador tem suas particularidades e preferências, e não é necessário (e nem possível) que todo mundo se associe a todas as entidades que congregam pilotos existentes. Mas é fundamental que essas instituições sejam cada vez mais fortalecidas, o que só será possível por um caminho: que os pilotos a elas se associem. Não tem outro jeito, pessoal: ou é isso, ou seremos massacrados pelas autoridades aeronáuticas! Mas é sobre a APPA que iremos falar neste post, então vamos a ela.

De todas as associações de pilotos existentes no país, a APPA é a única que reúne todas as possibilidades na aviação geral: tanto pilotos amadores quanto profissionais podem se associar – sem contar os proprietários de aeronaves que não pilotam. A APPA também é filiada à IAOPA, o que significa ter acesso à base de conhecimentos da AOPA/ASI-Air Safety Institute, o que está sendo fundamental no trabalho de convencimento da autoridade reguladora para reclassificar as aeronaves TIPO como CLASSE, conforme expliquei aqui.  E é a APPA a instituição que possui a melhor interlocução com as diferentes autoridades aeronáuticas que atuam no país: INFRAERO, DECEA, SAC-PR e ANAC – onde possui, inclusive, com um assento no Conselho. Mas, principalmente, o que conta é a seriedade e competência de sua gestão, que foi o que mais me motivou a tornar-me associado.

Além disso, duas novidades foram reveladas no evento de Itirapina:

  • Que a APPA criou um Comitê de Segurança, sob responsabilidade do Cmte Rodeguero, autor do livro resenhado neste post. Se vocês lerem a minha resenha, saberão o que eu penso sobre a obra: trata-se de um manual que, se implementado na aviação geral, trará um ganho de qualidade em termos de segurança operacional que nunca antes se viu no país. E que…
  • Está sendo efetivada uma parceria com a RedBird para implementar um centro de treinamento com simulador DOADO pela empresa (e, portanto, a um custo acessível para a comunidade aeronáutica) para treinamento de pilotos.

Foi por isso que eu me associei: porque para que esses projetos se concretizem, são necessários recursos – e uma entidade sem fins lucrativos tem nas contribuições de seus associados sua principal fonte de financiamento. Eu acredito na importância das iniciativas que a APPA está liderando, e se você também acredita, filie-se você também. Entre no site, pesquise, converse com pilotos filiados, e avalie a importância da entidade e as vantagens em se associar. Tenho certeza de que você chegará à mesma conclusão que eu.

 

11 comments

  1. Humberto Branco
    4 anos ago

    Raul,

    As criticas do Leandro Conrado são válidas e as respeitamos, embora não concordemos com todas.

    Justamente por causa de algumas dessas críticas é que um grupo de pessoas se qualificou para, nos limites institucionais, organizar e fortalecer a Entidade. A APPA existe no Brasil desde 1972 e, como quase todas as Instituições, passou por altos e baixos. A nossa parte de trabalhar pela sua recuperação está sendo feita e ficamos muito felizes em tê-lo como um dos nossos mais novos associados.

    Em tempo, para esclarecimentos:

    1) No site http://www.appa.org.br/2012/a-appa/atas-e-informacoes-contabeis/ pode-se acessar as informações mais recentes sobre Atas e Contabilidade. Além dessas informações, quando a nova diretoria tomou posse todos os ajustes formais e auditorias foram realizadas. Hoje a APPA conta com um Conselho Fiscal ativo (que por sinal é por nós tratado como parte da Diretoria, estando todos pessoalmente em Itirapina, por exemplo), formado por profissionais de renome em suas respectivas atividades profissionais, empresariais, advocatícias e contábeis. Não foram escolhidos à toa e estão fazendo um excepcional trabalho.

    Não sei se estou certo quanto ao caso sobre o qual o Sr. Leandro se refere, mas houve mesmo questionamentos há alguns anos. Todos analisados e respondidos. Sempre há gente disposta a construir (nosso time está fazendo isso hoje na Associação) e a destruir (quem só critica, sentado na cadeira e analisando as coisas de longe, sem tempo para trabalhar pela comunidade).

    2) A APPA encontra-se com todos os seus compromissos legais ajustados e cumpridos. Bom saber que há leitores e aviadores atentos às formalidades (que são essenciais).

    3) Não sei qual a interpretação que o leitor dá a expressão “não larga o osso”. O Nosso Presidente de fato faz parte da Entidade há muitos anos, dedicando-se a ela pessoal e voluntariamente ao longo do período em vários cargos.

    Hoje temos plena consciência que se não fosse pelo trabalho voluntário e solitário do nosso atual Presidente, a Entidade não teria resistido a dificuldades do passado. Ele manteve a Entidade viva e ativa, com recursos próprios e dos Associados que sempre se mantiveram firmes, apoiando a Associação que há mais tempo representa os interesses da Aviação Geral no Brasil.

    A concepção de limites de mandatos é de fato muito relevante, com a qual concordo e apoio, mas ela não traz só pontos positivos. A formação de um corpo técnico permanente e não voluntário é uma das consequências, o que inevitavelmente gera a necessidade de formação de caixa, receitas recorrentes e estrutura que não é possível ser feita de uma hora para a outra. A crítica é conceitualmente válida mas carece de conhecimento fático sobre a história da Entidade.

    4) Nosso relacionamento com o DECEA é o melhor possível do ponto de vista da construção de soluções, muitas vezes baseadas em pontos de vista totalmente contrários. A APPA muitas vezes não enxerga as coisas sob o mesmo ponto de vista dos Órgãos Gestores, mas nem por isso tem uma postura xiita de não sentar-se a mesa para debater as divergências, lutar pelo que acredita, aceitando o exercício do poder sendo exercido pelos órgãos competentes.

    Aqui há um ponto muito interessante a ser debatido: escutamos muito a comunidade falar que “A ANAC não pode fazer isso…”, “o DECEA não pode fazer aquilo”, etc… Mas na prática, constitucionalmente, eles são sim os Órgãos com poder para fazer o que entenderem que devem fazer, inclusive tomar decisões erradas.

    Essas, quando são tomadas, sempre contam com a nossa vigilância e trabalho para ser corrigidas. A Diretoria não enxerga conflito de interesse algum no fato do nosso Presidente ser um egresso da honrada Força Aérea Brasileira, como por sinal o são diversos outros dirigentes, inclusive de Entidades pelo Sr. Leandro citadas na sua mensagem, o que não por isso as tornam menos legítimas defensoras e trabalhadoras pela aviação brasileira.

    6) Toda a diretoria da APPA e Conselho é formada por proprietários e pilotos de aeronaves. Mas valeu a dica. Vamos tornar pública nossas licenças e habilitações.

    Abraço,

    Humberto Branco
    Vice-Presidente
    http://www.appa.org.br

  2. Paulo
    4 anos ago

    Raul, não sei concordo. Extrapolando o conceito, se tivermos 1000 associações de 10 pilotos cada, serão muito mais fracas para negociar com as CIAs do que 1 associação com 10000 pilotos. Conte-nos mais sobre a UNAPAC.

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      E se tivermos uma única associação? Ela irá conseguir representar todas as demandas da comunidade de pilotos? E se um piloto tiver objeções à filiação naquela única associação – seja por que cobra anuidades muito elevadas, porque não gosta de algum dirigente, ou porque não acredita na sua seriedade – como ele faz?
      Na verdade, existe um tamanho ótimo de associações, que não podem nem ser tantas que nenhuma tem representatividade, como vc citou, e nem tão poucas que não haja alternativa, como eu citei. E, no caso da aviação, esse número deveria ser superior ao atual, com certeza. P.ex.: cadê a associação de pilotos da amazônia? Ou dos INVAs? Ou dos alunos de cursos de aviação? Ou dos recém-formados? Para uma comunidade aeronáutica forte, seria muito interessante que houvesse lideranças representando cada segmento relevante da aviação.
      Qto à UNAPAC, eu vou pedir que seu presidente venha aqui explicar por que ela existe, e o que pretende, ok?

      • Paulo
        4 anos ago

        OK! ? No aguardo!

        • Raul Marinho
          4 anos ago

          Enquanto a direção da UNAPAC prepara o seu texto (falei com o VP deles ontem, e o trabalho está em andamento), dê uma olhada nesse vídeo, Paulo:

  3. Pl;inio Donadio
    4 anos ago

    A APPA, quando presidida pelo colega Allan Lowe, a alguns anos atrás, foi eficiente pois através da mesma, tivemos algumas conquistas para a aviação geral junto ao DAC. Alem das conquista que tivemos, também tínhamos algumas vantagens como: aluguel de hotéis e carros no Brasil e no exterior, com excelentes descontos para Aircrew. Sou favorável que seja a APPA a nossa representante oficial, por ser filiada a IAOPA que é reconhecida internacionalmente. Não me desfazendo das demais, que também merecem nosso respeito.
    Plinio Donadio
    Aéroclube de São Paulo.

  4. Paulo
    4 anos ago

    Criar a UNAPAC não enfraqueceria o SNA e a APPA? Por que criar um outro “canal” ao invés de fortalecer os existentes?

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      De maneira alguma, pelo contrário! Uma UNAPAC forte tende a aumentar a força de todas as outras associações. O que mais importa, de acordo com o que escrevi no post, é estimular o associativismo entre os pilotos.

  5. leandro conrado
    4 anos ago

    Prezado Raul,

    Eu tenho um pensamento diferente do seu, se fossémos nos associar a cada associaçao que aparecesse, o custo por ano seria astronomico, por isso eu me associei somente com a 2 associações, que julgo que são as mais corretas para mim, principalmente pela transparencia e tenha a maior lisura possível no cumprimento de seu estatuto.

    Referente a APPA, tenho as minhas críticas, por alguns motivos:

    1) A APPA não apresenta aos associados seu balanço e tampouco o fluxo de caixa e prestação de contas e despesas efetuadas, acompanhei um associado que pediu a diversas vezes a apresentaçao de contas e o presidente nunca as apresentavam.
    2) Estatuto não cumprido, existem eleições que devem ser convocadas de periodo em periodo, e estes prazos não são cumpridos e tampouco se apresentava a Ata.
    3) O atual presidente permanece no cargo a mais de 10 anos e sempre diz que vai sair, mas não larga o osso, não acredito em associações que não tenham mudança, como é o caso da ABRAPHE e da ABAG, que podemos ver que os presidentes permaneçam mais do que 2 mandatos.
    4) Conflito de interesses, o atual presidente foi ex-militar da FAB, e não entra para valer nas questões que são inerentes ao DECEA, são problemas que se arrastam a anos, que o presidente prefere não mexer muito, pois não quer se indispor com os ex-companheiros de academia.
    6) O artigo 9 do Estatuto exige que o sócio perderá sua condição em alguns casos, entre eles perda de licença e CCF e/ou deixar ser proprietário de aeronave, a atual diretoria, presidencia, vice-presidencia e conselho quando se elegeram, nenhum deles apresentou comprovaçao destes itens do artigo 9 aos demais associados.

    Enfim, como estava dizendo, se é para gastar dinheiro para me associar, vou gastá-lo em uma associaçao que tenha transparencia e o seu estatuto se faz cumprir, sem conflitos de interesses.

    Leandro Conrado

    • Raul Marinho
      4 anos ago

      Leandro, eu não disse que devemos nos “associar a cada associação que aparecesse”, pelo contrário, eu falei que “cada aviador tem suas particularidades e preferências, e não é necessário (e nem possível) que todo mundo se associe a todas as entidades que congregam pilotos existentes”. Vc está associado a duas delas, ótimo! Se todos fossem como vc, teríamos uma comunidade de pilotos muito mais unida e coesa!

      Já quanto às suas críticas à APPA, eu não tenho condições de respondê-las. Se a direção da entidade entender que deve, o espaço fica aberto para tal.

Deixe uma resposta