IG Economia: “Mulheres são apenas 1,88% dos comandantes e copilotos no Brasil”

By: Author Raul MarinhoPosted on
334Views11

Todo mundo sabe que as mulheres são minoria na aviação, mas essa reportagem do IG Economia – “Mulheres são apenas 1,88% dos comandantes e copilotos no Brasil” – diz que a participação feminina nos cargos de piloto é praticamente “traço” (para usar um jargão estatístico). E mesmo considerando a baixa participação das mulheres na aviação mundialmente – 5%, de acordo com a matéria -, o Brasil tem menos da metade da média. Por que isso acontece? Quais as hipóteses? Cultura latina/machista? O problema da gravidez, que atrapalharia a carreira de uma piloto (mas isso é mundial…)? O “desinteresse feminino” (por quê)? Está aí um tema de pesquisa para um pós-graduando.

Em tempo: tenho a sensação de que se medirmos a participação dos negros na população de pilotos também encontraremos distorção semelhante. Está aí outro bom tema para investigação.

11 comments

  1. Amanda Melo
    2 anos ago

    Olá!!
    Antes de mais nada admito que é assustador descobrir que nos dias atuais o números de mulheres na aviação brasileira não chegue nem a 3% do total. Mas, ainda assim, gostaria de saber como está o mercado no momento para a contratação de pilotos, especialmente mulheres, com poucas horas de voo? Tenho 21 anos, termino o meu bacharelado em Ciências Aeronáuticas no fim do ano, começarei a voar meu PP em janeiro/2016 e gostaria de ter uma noção das principais dificuldades que vou encontrar.

    Obrigada :)

  2. Jane Kelly
    2 anos ago

    Olá, Raul.
    Estou querendo saber mais sobre o assunto, tenho muitas dúvidas. Já tinha visto vários posts seus, mas queria comentar em um que trata do mesmo assunto, então procurei e achei esse.
    Estou pensando em ser piloto futuramente. Mas sempre fiquei meio insegura em relação ao mercado de trabalho para mulheres, se realmente vale a pena fazer e se poderia ser bem promovida na área, mesmo sendo mulher ( não querendo desmerecer, só falei por conta da discriminação, que por acaso já foi citada por você).
    O que você tem a dizer?

    • raulmarinho
      2 anos ago

      Não muito mais do que o comentado neste post… O mercado de trabalho para mulheres pilotos é discriminatório, sim, por vários motivos: “medo” de que a piloto engravide e deixe o operador na mão, preconceito das esposas de proprietários, etc. Mas, a despeito disto, conheço vários exemplos de mulheres que chegaram a bons cargos tanto na aviação geral quanto na comercial e na offshore. A questão é que, no fim das contas, é vc que vai decidir se encara o desafio e as dificuldades ou não.

  3. Wagner
    3 anos ago

    Este post abriu brecha para eu fazer uma pergunta e sanar a minha falta de sabedoria, em tratando-se do assunto abordado já vi mulheres serem Cmte e Copila, mas uma coisa q nunca vi e quero ansiosamente ver é um negro como cmte ou copila de alguma empresa aérea! Aviação é para todos não importa a raça,credo e etc,etc. O único problema são as dificuldades econômicas ao longo da formação e o tal do Q.I ( Quem Indica).

  4. Mario
    3 anos ago

    …Tô sentindo cheiro de cotas no ar.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Não é esta a intenção do post, e não seria esta a solução. Cotas para mulheres e/ou negros na aviação? Isso não tem a menor lógica! Mas entender porque esses grupos são tão sub-representados é importante, sim. Tomara que alguém perceba esta distorção, e investigue-a; mas sem desvirtuar a questão.

  5. Marco Antonio Caffé
    3 anos ago

    Raul, concordo que existe espaço para estudos, mas minha sensação em relação à pouca quantidade de mulheres é mesmo desinteresse vocacional. Já conversei com algumas comandantes e nunca nenhuma delas sequer sugeriu dificuldades por serem mulheres. Pode ser até que essas em particular tenham tido mais sorte, não sei.
    Já em relação a pessoas de pele negra a questão é a mesma para outras profissões, ou seja, condições sócio-financeiras causadas pela tremenda má distribuição de renda ainda presente em nosso País, excluindo os mais pobres, de qualquer cor, de profissões de formação mais caras e complexas, como a aviação. Também não acredito que companhias sérias coloquem algum obstáculo pela cor da pele.
    Ótimo o tema levantado.

    • Rogério Barreto - BOTUCATU-SP
      3 anos ago

      Também acredito que as companhias, por geralmente serem empresas grandes, não farão obstáculos para que eles entrem, entretanto, para acumular horas, estes devem passar pela aviação executiva, instrução etc, que geralmente são empresas pequenas. E é exatamente ai que esta o problema. Muitos simplesmente não contratam… É complexo este assunto. Eu mesmo na verdade, nunca acreditei em racismo, mas este meu amigo me provou que isto existe. Fato.

Deixe uma resposta