“ANAC reclassifique TIPO BE20 para classe ou pague minhas contas” – O caso do piloto que está em vias de ser demitido devido às mudanças no RBAC-61 para hab.TIPO

By: Author Raul MarinhoPosted on
572Views17

Os servidores da ANAC têm estabilidade no emprego, como se sabe. Talvez por isso seja tão difícil para eles entenderem o que significa uma demissão – talvez eles conheçam o significado do termo somente pela TV, ou ouvindo a conversa de um primo ou vizinho. Acho que eles entendem que, quando um piloto é demitido devido a uma mudança no regulamento, tudo não passa de um “dano colateral” – mais ou menos como os militares dizem quando uma bomba cai, acidentalmente, em uma escola, matando crianças inocentes. “Fazer o quê… A gente queria pegar os terroristas, mas às vezes as coisas saem errado”. Pois é. Vai falar isso para a mãe de uma criança morta num desses eventos em que “as coisas saem errado”…

Mas vamos ao que interessa. Em setembro, a ANAC publicou a infame EMD004 ao RBAC-61, exigindo treinamento em CTAC para obter ou revalidar as hab.TIPO. Aí foi uma gritaria dos infernos, até que a bondosa ANAC publicou a EMD005, dando uma colher de chá para os pilotos habilitados rechecarem suas hab.TIPO fora de CTAC por mais um ano. Legal, isso ajudou muita gente, mas não significa que o problema foi resolvido: ainda tem gente que está perdendo o emprego por causa da tal EMD004, mesmo com a colher de chá que citei acima. Uma dessas pessoas é o aeronauta que redigiu o texto abaixo, que resolvi reproduzir aqui para ver se alguém da ANAC consegue entender o que está ocorrendo no mundo real. Este é um exemplo de “dano colateral”, casos vocês, ‘anaqueanos’, não conheçam:

ANAC reclassifique TIPO BE20 para classe ou pague minhas contas

Fui indicado por um amigo meu para voar um King B200 junto com outro piloto – a aeronave foi comprada recentemente  por uma empresa de minha cidade.

Fiquei super feliz, pois iria voar uma super máquina, e com outro piloto super experiente.

Então, fiz o ‘Ground’ da aeronave, tudo nos conformes, mas devido à demora da aeronave na VTI e nacionalização da mesma, não consegui checar TIPO a tempo (quando se checava na própria máquina ainda).

Então, começou essa novela da ANAC a respeito dos check iniciais e recheck de TIPO.

Aí que vem o meu problema: o outro piloto que voa comigo já é checado na máquina, então precisa revalidar – ele se escapou porque a ANAC voltou atrás a respeito dos recheck em CTAC (o recheck dele vai custar no máximo 2500 reais, rechecando na própria máquina).

Meu caso ficou bem diferente: estou prestes a perder meu emprego, devido ao alto custo para checar inicial TIPO BE20 em CTAC fora do Brasil, valor estimado em U$14.200,00 + GRU ANAC de R$9.800,00…..( e tem hospedagem e passagem ainda).

Então eu me coloco no lugar do patrão: é minha primeira aeronave, eu tenho um piloto que já é checado e que pode rechecar aqui na minha aeronave, e tenho outro piloto também contratado que ainda não checou inicial e vou gastar perto de R$40.000,00 para seu treinamento e cheque inicial… Eu quero voar com dois pilotos por questão de segurança, então vou mandar embora esse que ainda não checou inicial e contratar um já checado na máquina, que sai mais barato – ou, se ele topar, voa sem CHT como copiloto e sem contar horas….

Esse é meu caso: gostaria que a ANAC reclassificasse TIPO para MLTE, iria facilitar a vida de vários pilotos, ou volte como era antes, era menos pior…

Como eu sei que a ANAC demora pra resolver esses assuntos, já estou enviando CV para tentar conseguir outro emprego, pois as minhas contas não esperam…..

ANAC  só não demora para emitir GRU e cobrar os pilotos e empresas…

17 comments

  1. Francisco Junior
    3 anos ago

    Raul, o que acontece é que piloto não quer mais ESTUDAR, se preparar como seria o certo, fazendo ground e simulador em centros homologados etc.

  2. GRC
    3 anos ago

    Me responda uma coisa, ou quem souber, como FUNCIONA nos USA o King Classe com as Seguradoras, pq parece que o cara vai sair do Seneca lá e vai direto para o King, seja modelo que for e tudo bem ! O treinamento lá, apesar de não ser obrigatório, acaba sendo, pois nenhuma seguradora faz o seguro da aeronave se o Piloto não tiver feito seu treinamento em simulador e algumas exigem até dois treinamentos ao ano. Alguém poderia dar mais detalhes sobre isso, pq tive essa informação em um papo informal com um Americano !

  3. Aurélio Pimenta
    3 anos ago

    Nos EUA, somente o King 350 é tipo pois tem mais de 12.500 libras (5.700 kg) , quando comecei a voar era assim no Brasil….passou a ser tipo KING , ou seja, virou TIPO , mas a carteira servia para todos…. Agora , com todas as facilidades de checador, CTCA e etc, cada King é uma habilitação diferente…. Deveriam RECONSIDERAR tudo, e voltar a ser como antes, quando copiaram o Far61.

  4. Sandro Lima
    3 anos ago

    Boa noite acompanho o site á um bom tempo porem é meu primeiro comentário!! Minha situação com relação a aviação não é muito diferente do colega do post!! Depois de investir uma pequena fortuna chequei meu PCH no meio do ano, ai como todos começa o desespero pra conseguir alguma “coisa” pra voar!! graças a Deus e muito network consegui através de um amigo Cmt de A109 fazer algumas horas e voar com ele quando a operação exigir a fim de auxiliar(IFR ..etc…). Fiquei super feliz começar acumular minhas horas e ainda em uma maquina biturbina…..sonho pra qualquer um!!! Bom, o comando então falou!! “camarada vamos fazer o ground da maquina pra gente poder te ajudar com as hora e tal”!!! nisso vem as novas regras da ANAC e acabam com as minhas esperanças e de mais um monte de novinho!!! nem o ground to conseguindo fazer no Brasil!!!!Acho que sou sortudo ao contrario do colega do post, no meu caso também as contas não param, porem eu ainda as pago com meu atual emprego…não tive coragem ainda de abandonar para viver meu sonho na aviação!!! Só me resta esperar por mudanças!!!

  5. Felipe Saraiva
    3 anos ago

    Quem diz que transformar o king vai aumentar o numero de acidentes precisa estudar um pouco mais de aviação, numeros do cenipa, ntsb, etc.. Ou então precisa tirar o olho de dentro da própria barriga. A anac inventou que esses modelos deveriam ser tipo, apesar de nao terem sido certificados assim de fabrica. Nos eua tem pouco king né?! E lá nao é tipo. E isso não faz com que chova king na cabeça das pessoas. Outra coisa, quem voa 152 voa cirrus? Vamos transformar o cirrus em tipo então? Otima solução não acham?!
    E nao tem nada a ver os cheques serem obrigatorios em ctac com a questao do king. Sao duas decisões absurdas e arbitrarias da nossa querida anac que devem ser combatidas.
    Alias, Anac, você esta de parabéns esse ano! (Ja que o objetivo é acabar com a aviaçao geral do país).

  6. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Tudo bem!
    O King Air, Cheyenne, Turbo Commander, viram MLTE.
    Aí você também não consegue checar o MLTE, por falta de checadores, falta de “Manual de treinamento certificado”, e por aí vai!
    Gente….

  7. Amgarten
    3 anos ago

    Entendo o desespero que gerou o desabafo deste colega. Porém considero que o foco está errado, pois perpetua o egoísmo que vem prevalecendo na aviação. Mudar o BE20 para classe, mas e os demais?
    O verdadeiro foco é: “diga não à obrigatoriedade de simuladores para operadores 91!”
    Não há um argumento plausível sequer que justifique um órgão de governo obrigar particulares saírem de seus países, gastarem fortunas, etc.. Nenhum argumento! Apontem-me um apenas!
    Ao contrário, ao passarmos alguns Tipo para Classe estaremos apenas abastecendo de mais acidentes/incidentes um segmento que já responde por 95% dos acidentes/incidentes no Brasil.
    Pelo fim da intromissão do Estado na vida das pessoas!!

  8. Fred Mesquita
    3 anos ago

    Entendo que esse fato não deve ser visto por causa de um fato isolado. Se a ANAC liberar o B200 como CLASSE, o número de acidentes nesse tipo de aeronave vai aumentar drasticamente, pois não vai faltar pilotos recém formados em Seneca para querer voar em comando nesse avião (mesmo sabendo que não possuem experiência nesse tipo de aeronave). Ou seja, não se trata de requalificar um avião de TIPO para CLASSE, e sim, dar oportunidade para empresas brasileiras ministrarem os cursos de CTAC no Brasil, barateando assim o custo final na formação. Mas entendam, é só meu ponto de vista.

    • Beto Arcaro
      3 anos ago

      Aumentar acidentes Fred?
      Vai nada?
      Quantos pilotos de Seneca recém formados vão querer voar Baron G58 logo de cara?
      Isso não acontece, e se acontecer, não vai ser “mais nem menos”!
      Como é que o avião é certificado pelo fabricante?
      Que se certifique assim, e acabou!

  9. Marcius
    3 anos ago

    Para vocês, da ANAC:

    Vocês são incompetentes e detestáveis!!!!!

  10. Victor hugo gotuzzo
    3 anos ago

    Gente, a agencia ai em questao agora eh civil,em toda sua incompetencia,…isso quer dizer qdo estes gestores dono do poder e da aviacao,ANAC nao entendem de aviacao e ainda seguer sabem copiar dos outros paises como US,vamos entrar na justica,olhem o exemplo dos aviadores ai do Rio de Janeiro,ainda vem me dizer q. a ANAC teve um chefe bonzinho q. veio ouvir a comunidade,de aviacao da geral,como se isso fosse um favor,e nao uma preocupacao de um orgao serio interessado em gerir sabendo o que acontece dos dois lados,…cada vez vejo q. eles se lacraram la no Rio, e ficam tomando cafezinho,como alguns funcionarios publicos que nao tem a minima consideracao e respeito pelos q. pagam impostos neste pais ,Ooo ,meu povo temos, associacoes,sindicatos ,vamos usar a lei contra essa deslei da agencia, despreparada para um pais tao grande e nobre como o Brasil. E quem sao essas pessoas da agencia q. batem o martelo tomando decisoes tao estupidas,…pelo amor de deus,…esses caras vao parar a aviacao no pais,…

  11. David Banner
    3 anos ago

    Muitos ai com carteira de B200 ficaram felizes com seu desespero e tão doido pra descobrir quem é você e cortar sua proa na caruda. kkkkk

    Mas acho que a alegria desses malas arrogantes, que se acham os top guns da p*rra toda, vai durar pouco. A tendência é sim que a ANAC passe BE20 pra classe. O problema é que não sabemos quando efetivamente.

  12. alexandre
    3 anos ago

    Desgoverno Brasileiro…

  13. rafael s.
    3 anos ago

    How to Re-validate or Obtain a King Air Type Rating in Europe

    You have 2 choices:

    1) Go for the FSTD/FFS simulator option. EASA created a list of approved simulators that can be found here. You can request a quote from FlightSafety Farnborough for example, which is the only Beechcraft King Air B200 simulator in Europe, and your re-validation/renewal will be in the region of €7000 (£5600)

    2) Go through an approved ATO for your initial type rating or to re validate/renew in a real aircraft. Keep in mind that this ATO needs to have an approved training course for this particular case. Also since April 2013, you need to revalidate/renew your IR rating at the same time as the Licence Proficiency Check. This will cost you around 2 hours in the aircraft plus the examiner and expenses, around €4000 / £3200

    • Beto Arcaro
      3 anos ago

      A EASA anda bem parecida com a ANAC ultimamente, ou Vice Versa…
      Ainda assim, ela dá a opção de treinamento em simulador.
      Quantos King Airs B200 existem na França, por exemplo?
      Todo mundo sabe que a Aviação geral na Europa não é das mais movimentadadas.
      E não é nem muito incentivada, pelo que tenho visto.

  14. Thiago T
    3 anos ago

    Todo bom cobrador é um mal pagador, alguem ai conhece alguma empresa ou agencia do governo em que o setor de cobrança é falho?!

Deixe uma resposta