Portal SNA: “Assembleia dos aeronautas aprova proposta de acordo do TST”

By: Author Raul MarinhoPosted on
722Views2

Terminou ontem, enfim, a negociação da nova CCT dos aeronautas da aviação regular, com a aprovação pela assembléia da proposta do TST – vide esta nota publicada pelo Portal SNA: “Assembleia dos aeronautas aprova proposta de acordo do TST“. Foi bom? Foi ruim? Em minha opinião, foi um início. Embora todo mundo só discuta o percentual de reajuste pactuado (fechado em 7%), isso é o que menos importa (ou alguém ficaria mais rico se as empresas aceitassem os 8,5%, ou mais pobre se fechassem em 6,5%?). Mas ter uma escala mais folgada e menos fadiga no trabalho fará a diferença para todo mundo, certamente – e é esta a novidade que agora começa a ser discutida na Justiça do Trabalho. Pelo acordo a ser homologado no TST, a questão do gerenciamento de fadiga deverá estar pactuado num termo aditivo a ser assinado até 1o. de junho. E isto antecipará, inclusive, algumas das mudanças na legislação sobre esse assunto que estão em curso no Congresso.

Ontem eu publiquei um post com um documentário de uma TV da Suiça que, dentre outras coisas, abordava a questão da fadiga. Vejam lá as cenas que mostram a mesma discussão na Alemanha, em 2012, e na Suiça, em 2014. Percebam que, em ambas as situações, mostram-se aeronautas com faixas e cartazes nas mãos, fazendo manifestações, em imagens muito semelhantes às que foram para os telejornais na semana passada, filmadas em Congonhas, por exemplo. Isso não é por acaso: é desta maneira que, em todo o mundo, se avança na legislação sobre fadiga, exatamente como está acontecendo agora no Brasil (a exceção são os EUA, mas lá houve um acidente terrível para levar a discussão diretamente para a as autoridades regulatórias). Então, eu acho que este acordo de CCT fechado ontem é um importante início para que tenhamos uma legislação sobre fadiga mais favorável aos aeronautas no Brasil, e isso é o que realmente importa. Se este termo aditivo tiver sucesso, no futuro ninguém mais se lembrará se o aumento de 2014 foi 1% maior ou menor, mas todo mundo ainda vai se lembrar das madrugadas seguidas voando, e do pouco tempo que tinham com a família, que aconteciam “antigamente”

2 comments

  1. Marcos Véio
    4 anos ago

    Muito bom,

    Estou acompanhando isso também.

    Bom, então teremos mais vagas para pilotos daqui para frente?

    • raulmarinho
      4 anos ago

      Embora isso não seja objeto da CCT, parece-me claro que regras mais rígidas para escala/fadiga implicarão na necessidade de mais tripulantes, né?

Deixe uma resposta